Méier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Méier
—  Bairro do Brasil  —
Rua Dias da Cruz, a principal do Méier.
Rua Dias da Cruz, a principal do Méier.
Méier.svg
Distrito Subprefeitura da Zona Norte
Município Rio de Janeiro
Criado em 23 de julho de 1981
Área
 - Total 247,09 ha (em 2003)
População
 - Total 49,828 (em 2 010)[1]
 - IDH 0,931[2] (em 2000)
Domicílios 21.023 (em 2010)
Limites Cachambi, Engenho de Dentro, Engenho Novo, Lins de Vasconcelos e Todos os Santos[3]
Subprefeitura Subprefeitura da Zona Norte
Fonte: Não disponível

Méier é um bairro localizado na Zona Norte do Rio de Janeiro, no Brasil. O bairro é o histórico centro de engenhos que hoje é conhecido como Grande Méier; o qual já foi uma subprefeitura entre 1993 e 2008; tendo em função disso um vasto comércio e variedade de serviços e transportes; ainda que não seja um dos maiores bairros da cidade. É no bairro onde se localiza o primeiro shopping center do Brasil, o Shopping do Méier, inaugurado em 1963. Apresenta duas aparências urbanas distintas, uma mais agitada, comercial, nas áreas próximas da rua Dias da Cruz e da estação ferroviária; e outra mais calma, nas ruas mais residenciais.

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro shopping center do Brasil.
Méier.

No século XVIII, o bairro era uma fazenda de cana-de-açúcar. Em 1760, houve desentendimentos entre os jesuítas (os donos da fazenda) e a coroa portuguesa, que os expulsou do Rio de Janeiro. A fazenda, então, foi dividida em três partes: Engenho Novo, Cachambi e São Cristóvão. Em 1884, Dom Pedro II presenteou um amigo com parte das terras. Esse amigo tinha o nome de Augusto Duque Estrada Meyer, (filho do comendador Miguel João Meyer, português de origem alemã e um dos homens mais ricos da cidade no final do século XVIII), conhecido como "camarista Meyer" por ter livre acesso às câmaras do palácio imperial.

Por sua causa, a região ficou conhecida como "Meyer" (pronuncia-se "Maier"). Depois de certo tempo, os moradores aportuguesaram o termo para "Méier". Os primeiros habitantes da região eram escravos fugidos que formaram quilombos na serra dos Pretos Forros.

Cortado pela estrada de ferro Central do Brasil, a história do Méier se confunde com a dos trens. O aniversário da sua estação ferroviária é utilizado como data de fundação do bairro: 13 de Maio de 1889. A estrada de ferro foi de extrema importância para o início de um acelerado progresso da região, que é, atualmente, conhecida como Grande Méier. A partir da década de 1950, o bairro explodiu demográfica e comercialmente. Em 1954, o bairro ganhou o Imperator, na ocasião, a maior sala de cinema da América Latina, com 2 400 lugares. Em seguida, foi a vez do Shopping do Méier se instalar no bairro. Foi o primeiro do gênero a ser inaugurado no Brasil.

Um dos grandes problemas do Méier é o trânsito. O aumento de tráfego após a implantação da linha Amarela, somado às vias de acesso que ainda mantém um dimensionamento obsoleto, complicam o trânsito na região, tornando-o, por vezes, caótico. Quem vem do Centro enfrenta congestionamentos na avenida 24 de Maio e quem sai da linha Amarela observa trânsito lento em ruas como Arquias Cordeiro, Borja Reis e Dias da Cruz, principalmente no horário do rush.

É o 17º bairro carioca com maior IDH, de 0,931, sendo um dos mais valorizados da zona norte da cidade, só perdendo para o Jardim Guanabara (0,962), Maracanã (0,944) e o Grajaú (0,938).[4]

Cquote1.svg É o Méier o orgulho dos subúrbios e dos suburbanos. Cquote2.svg
Lima Barreto em "Feiras e Mafuás" (póstumo), 1956[5]

Dados demográficos[editar | editar código-fonte]

  • Área territorial (2003): 247,09 ha (84º)[6]
  • Total da população (2000): 51 344 (30º)[6]
  • Total de domicílios (2000): 17 568 (28º)[6]

Pessoas[editar | editar código-fonte]

Educação e lazer[editar | editar código-fonte]

O bairro possui, hoje, campi de universidades, diversas escolas particulares, escolas estaduais e municipais. Destacam-se o colégio Imaculado Coração de Maria fundado em 1914 na antiga rua Imperial, atual Aristides Caire[7] e o colégio Metropolitano, fundado em 1932 na rua Dias da Cruz (onde hoje fica o Shopping do Méier) e que tem três unidades no bairro. Destaca-se, também, o Instituto Nícia Macieira, fundado em 1952.[8] O bairro possui diversos cursos de idiomas (alguns de grande tradição como Brasas, CCAA, Cultura Inglesa, Ibeu, Wizard e Fisk), pré-vestibulares (como o Intellectus e Keppler), informática e outros cursos (como o Kumon). Há, ainda, uma academia de dança tradicional (Centro Dança Rio) e o Sport Club Mackenzie.

A rua Dias da Cruz se transforma em área de lazer aos domingos e feriados das oito às dezoito horas das ruas Hermengarda / Ana Barbosa até as ruas Magalhães Couto / Dona Claudina. Como os ônibus são desviados da rua Dias da Cruz, o trecho entre a travessa Comendador Filips e rua Dona Claudina fica com o tráfego de carros reduzido.

Saúde[editar | editar código-fonte]

O Méier conta com o hospital municipal Salgado Filho, um dos hospitais de emergência da rede de saúde da Prefeitura do Rio de Janeiro. O hospital iniciou suas atividades em 12 de outubro de 1920 sob a denominação Serviço Auxiliar do Pronto Socorro do Méier. Em 28 de novembro de 1951, trocou de nome para Dispensário do Méier. Somente em 27 de março de 1963, recebeu a sua atual denominação. Em 17 de março de 1977, o novo hospital municipal Salgado Filho, com um bloco principal (subsolo e sete andares), possuindo dois anexos (um com três e outro com dois andares) foi inaugurado pelo prefeito Marcos Tamoio e pelo seu secretário de Saúde, doutor Felippe Cardoso Filho.[9] Na rua Ana Barbosa, está situado o posto de atendimento municipal César Pernetta.[10]

Próximo ao Méier, no bairro Todos os Santos, está situado o hospital Pasteur, inaugurado em 2005. Com atendimento 24 horas, possui emergência, clínica médica, ginecologia/obstetrícia, cirurgia geral, ortopedia e radiologia.[11]

Cultura[editar | editar código-fonte]

O bairro já possuiu quatro cinemas. O mais famoso deles foi o Imperator. Os outros são: Art Méier (na rua Silva Rabelo) e Bruni Méier (na rua Amaro Cavalcanti) e o Paratodos (na rua Arquias Cordeiro). Em 1991, o Imperator foi transformado em casa de espetáculos, mas acabou encerrando suas atividades em 1995. Todos os demais cinemas também foram fechados ou transformados em igrejas protestantes, porém, com a reabertura do Imperator (como Centro Cultural João Nogueira), em parceria com a Prefeitura do Rio, o grupo Severiano Ribeiro inaugurou 3 novas salas de cinema, o Cinecarioca Méier. O novo cinema conta com um padrão de qualidade equivalente ao UCI do Norte Shopping, e ganhou o gosto dos moradores do bairro por sua localização privilegiada (R. Dias da Cruz, 170, 2º andar) e seu conforto, qualidade de imagem e som e salas com assentos espaçosos e de braços móveis.

O bairro conta com o Centro Coreográfico do Rio, fundado em 1973, que teve entre suas alunas a atriz Adriana Esteves e a apresentadora Fátima Bernardes.[12]

O local onde funcionava o antigo Imperator hoje abriga o Centro Cultural João Nogueira (na R. Dias da Cruz, 170). O governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes assinaram acordo de cessão do terreno onde funciona o centro, que pertencia ao Estado e passou a ser do Município. O espaço possui 3 salas de cinema (sob direção do grupo Severiano Ribeiro), teatro, galeria de exposições e restaurantes, com previsão de custo inicial de R$ 21 milhões. A previsão de inauguração foi de 20 de janeiro 2012, porém só ocorreu meses depois. Desde a inauguração diversos shows e peças famosas passaram pelo espaço, incluindo Hermanoteu na Terra de Godah, A Casa dos Budas Ditosos, Ana carolina, a Orquestra Sinfônica e previsto para 23/12/2012, um show duplo de Gilberto Gil e Stevie Wonder!

Locais relevantes[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Metrô[editar | editar código-fonte]

O bairro possui uma linha de integração com a estação de metrô São Francisco Xavier, localizada no bairro da Tijuca. O número da linha é: 609 (Antiga 638A) Méier-São Francisco Xavier. De lá, o bairro é ligado com outros bairros do Centro, da zona sul e da zona norte da cidade do Rio de Janeiro.

Trens[editar | editar código-fonte]

O bairro possui duas estações da SuperVia Trens Urbanos: a estação Méier, na qual param os trens da Linha Deodoro. Já na estação Silva Freire é possível embarcar em trens diretos das linhas Santa Cruz e Japeri.

Ônibus[editar | editar código-fonte]

O bairro possui dois terminais rodoviários: o terminal rodoviário Américo Ayres (ponto final/regulador de oito linhas e de dezesseis itinerários) e o terminal rodoviário Gelton Pacciello da Motta (ponto final/regulador de sete linhas e de quinze itinerários). Ao todo, são 93 itinerários e 55 linhas operadas por 23 empresas que permitem acesso para diversos outros bairros da cidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dados
  2. Tabela 1172 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH), por ordem de IDH, segundo os bairros ou grupo de bairros - 2000
  3. Bairros do Rio
  4. Instituto Pereira Passos; IBGE. Tabela 1172 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH), por ordem de IDH, segundo os bairros ou grupo de bairros - 2000 (XLS) (em português). Visitado em 23 de julho de 2008.
  5. Maria Helena R. R. de Sousa (23 de dezembro de 2009). Lima Barreto passeia pelo Rio de Sempre (em português) O Globo Online. Visitado em 5 de maio de 2010.
  6. a b c Secretaria Municipal de Urbanismo do Rio de Janeiro - Instituto Pereira Passos. Armazém de Dados (em português). Visitado em 6 de maio de 2008.
  7. Colégio Imaculado Coração de Maria. História (em português). Visitado em 6 de maio de 2008.
  8. Colégio Metropolitano. O Colégio - Nossa história (em português). Visitado em 6 de maio de 2008.
  9. Hospital Municipal Salgado Filho (em português). Visitado em 6 de maio de 2008.
  10. Secretaria Municipal de Saúde; Divisão de Apoio Didático e Tecnologia Educacional. PAM César Pernetta (em portugues). Visitado em 7 de maio de 2008.
  11. Website oficial (em português). Visitado em 6 de maio de 2008.
  12. Revista Veja; Suplemento Veja Rio. Casa dos artistas - Academia no Méier forma bailarinos que brilham no exterior (em português). Visitado em 6 de maio de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Méier