Portuguesa (bairro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portuguesa
—  Bairro do Brasil  —
Estrada do Galeão.
Estrada do Galeão.
Portuguesa.svg
Distrito Ilha do Governador
Município Rio de Janeiro
Criado em 23 de julho de 1981
Área
 - Total 118,64 ha (em 2003)
População
 - Total 23,856 (em 2 010)[1]
 - IDH 0,904[2] (em 2000)
Domicílios 8.611 (em 2010)
Limites Galeão, Jardim Guanabara,
Jardim Carioca e Moneró[3]
Subprefeitura Ilha do Governador
Fonte: Não disponível

Portuguesa é um bairro de classe média da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. É um dos catorze bairros que constituem a Ilha do Governador. Limita-se a oeste com Galeão; a sul com Jardim Guanabara, a leste com Jardim Carioca e Moneró.[4] Tendo a norte saída para a baía de Guanabara.

Seu índice de qualidade de vida no ano 2000, era de 0,904; o 2º melhor da ilha e o 25º melhor da cidade, dentre 126 bairros avaliados.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A área situada entre as estradas do Galeão e de Tubiacanga era ocupada por florestas vizinhas aos terrenos da Aeronáutica. Próximo dela ficava um depósito particular de dinamite, que explodiu em 1933.

Em 1961, a Companhia Imobiliária Santa Cruz (loteadora do Jardim Guanabara) criou na região o jockey Club Guanabara. Com as restrições impostas a corridas de cavalos no governo Jânio Quadros, o empreendimento fracassou e suas instalações foram adquiridas pela Associação Atlética Portuguesa, que criou o estádio de futebol Luso-Brasileiro, inaugurado em 1965.

Portanto, a origem do bairro é associada à A. A. Portuguesa, e sua urbanização é recente: em 1965, foi aberta a rua Haroldo Lobo, em 1966 a rua Gustavo Augusto de Resende, e a partir da década de 1970, sua expansão aumentou com mais força. Em 1971 foram feitos loteamentos na rua Gustavo Augusto de Resende, com 5 ruas. Nesse mesmo ano, surgiu a Rua A (atual Eduardo Nadruz), ligando a rua Haroldo Lobo a estrada de Tubiacanga, em 1973 loteamento próximo ao Estádio da Portuguesa com 4 ruas, 2 praças e uma avenida-canal (avenida Carlos Meziano) e, em 1976, houve o loteamento de grande terreno entre a avenida Maestro Paulo e Silva e a estrada de Tubiacanga, com 266 lotes, 12 ruas e várias praças, com traçados curvilíneos, dando origem ao Condomínio Village da Ilha, construído pela Cooperativa Habitacional da Ilha do Governador e é composto por 8 blocos com 1276 apartamentos e 514 casas.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O bairro da Portuguesa é majoritariamente residencial. Seu centro comercial fica ao longo da estrada do Galeão e rua República Árabe da Síria, o mais expressivo da Ilha do Governador, só comparado ao bairro Jardim Guanabara. Esse trecho recebeu em 1996, o projeto Rio-Cidade, da Prefeitura, sendo criado um calçadão, áreas de estacionamento, passarelas metálicas e nas extremidades da área de intervenção urbana, dois monumentos, um pórtico e um obelisco marcando simbolicamente a entrada da Ilha.

Na orla da baía, entre a estrada de Tubiacanga e o mar, ficava um trecho da praia dos Gaegos, recoberta por manguezal, que começou a ser ocupada em 1973, multiplicando-se num período de 14 anos. Os moradores foram aterrando a área com despejos de lixo e entulho. Nos anos 1980, usavam material oriundo da terraplanagem da segunda pista do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro Tom Jobim daí consolidando a favela do Parque Royal ou "Praia do Maneiro". Foi beneficiada pelo projeto Favela-Bairro, com implantação de creche, quadras esportivas e ciclovia, em 1994. [6] Tem uma boa localização, não só próxima ao aeroporto, mas também a saída da ilha, e ambiguamente ao seu centro comercial e subprefeitura, ao Ilha Plaza Shopping no Jardim Carioca e ao Governador Iate Club, no Moneró.

Estádio Luso-Brasileiro.

Até hoje o bairro é visitado pelos própios cariocas, seja para conhecer a ilha ligeiramente após o aeroporto, quanto para ver um jogo do time, hoje conhecida como Portuguesa da Ilha.[7] que assim como America Football Club e São Cristóvão de Futebol e Regatas tem ampliado público torcedor, que imigra dos times da primeira divisão da cidade.

dicas sobre o bairro:

é um bom bairro pra se morar.

tem área de lazer como praças e o clube da portuguesa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências