Inhoaíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Inhoaíba
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png
Área: 828,79 ha (em 2003)
Fundação: 20 de janeiro de 1993
IDH: 0,747[1] (em 2000)
Habitantes: 64.649 (em 2010)[2]
Domicílios: 21.893 (em 2010)
Limites: Cosmos, Campo Grande e Guaratiba[3]
Subprefeitura: Zona Oeste II
Região Administrativa: XVIII R.A.(Campo Grande)

Inhoaíba é um bairro de classe média baixa localizado na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Seu IDH, no ano 2000, era de 0,747, o 115º colocado entre 126 regiões analisadas na cidade do Rio de Janeiro.[4]

História[editar | editar código-fonte]

A "Fazenda de Inhoaíba" era atravessada pela Estrada Real de Santa Cruz, atual Avenida Cesário de Melo e ficava em frente à "Fazenda Campinho". Com a implantação do ramal ferroviário de Mangaratiba, atual ramal de Santa Cruz, foi inaugurado em 1912, a estação Engenheiro Trindade, chamada posteriormente de Inhoaíba, que consolidou o nome do bairro. Suas terras eram utilizadas para a lavoura do café e da laranja. A partir dos anos 70, a urbanização da área se intensifica, e surgem grandes loteamentos, como o Vilar Carioca e o Vilar Guanabara. Em 1993 o prefeito Cesar Maia emancipou Inhoaíba domo um bairro autônomo de Santa Cruz, porem não se tornou alvo de seus projetos, Favela-bairro e Rio-cidade.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Contém uma população de aproximadamente 60.000 habitantes[5] (segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE - Censo Demográfico 2000). Tem por vizinhança os bairros de Cosmos, Guaratiba e Campo Grande[6] . O bairro é cortado pela avenida Cesário de Melo, uma importante via de transportes urbanos que liga Santa Cruz a Campo Grande. A mesma possui ciclovia no trajeto. Também passa pelo bairro o segundo maior ramal de trens da região metropolitana do Rio de Janeiro e é servido pelas estações de trem de Inhoaíba e Benjamin do Monte.

No bairro localiza-se o Viaduto São Sebastião a via liga a Avenida Cesário de Melo à Estrada de Inhoaíba, o que representa uma alternativa de acesso entre a Cesário de Melo e a Estrada do Campinho, ligando Campo Grande ao bairro de Santa Margarida. Destaca-se o Instituto Metodista Ana Gonzaga, que cuida de crianças e jovens carentes.

Inhoaíba faz parte da XVIII Região administrativa (Campo Grande) da cidade, bairros integrantes da Região Administrativa são: Campo Grande, Cosmos, Senador Vasconcelos.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

A história da origem do nome é controversa, pois, se era um campo ruim não poderia ser utilizado para a plantação, diz a lenda que este nome teve origem na época das grandes fazendas de escravos e a fazenda pentencia ao Sr. Aníbal, mas os escravos o chamava de Sinhô Aníbal ou "Inho Aniba", dando origem ao nome Inhoaíba. O nome é uma corruptela de NHU (campo), AHYBA (ruim), denominação dada pelos indígenas à baixada entre a serra de mesmo nome e Campo Grande.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]