Santa Cruz (bairro do Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Cruz
—  Bairro do Brasil  —
Do alto, da esquerda para a direita: Hangar do Zeppelin, Palacete de Matadouro, Solar dos Araújos e Fonte Wallace.
Do alto, da esquerda para a direita: Hangar do Zeppelin, Palacete de Matadouro, Solar dos Araújos e Fonte Wallace.
Santa Cruz.svg
Distrito Subprefeitura da Zona Oeste
Criado em 14 de setembro de 1567
Área
 - Total 12.504,43 ha (em 2003)
População
 - Total 217 333 (em 2 010)[1]
 - IDH 0,742[2] (em 2000)
Domicílios 76 295 (em 2010)
Limites Itaguaí, Seropédica, Paciência, Cosmos, Guaratiba e Sepetiba[3]
Subprefeitura Subprefeitura da Zona Oeste
Fonte: Não disponível

Santa Cruz é um extenso e populoso bairro de classe média e média-baixa da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, o mais distante da região central da cidade. Cortado pelo ramal Santa Cruz da malha ferroviária urbana de passageiros da região metropolitana do Rio de Janeiro, possui uma paisagem bastante diversificada, com áreas comerciais, residenciais e industriais.

É sede da XIX Região Administrativa (R.A.), compreendendo também o bairro vizinho de Paciência. A XIX R.A., por sua vez, pertence a Área de Planejamento 5 da prefeitura do Rio de Janeiro e está subordinada à Subprefeitura da Zona Oeste[4]

Desde a instalação do Porto de Itaguaí, é uma localidade em franco desenvolvimento.[5] Possui 447 anos de história, estando nela preservados importantes monumentos. É, porém, um local de contrastes. É um dos bairros mais populosos, e ao mesmo tempo, devido a sua vasta área territorial, um dos menos densamente povoados; possui um distrito industrial, mas em sua paisagem ainda impera muitas áreas inexploradas.

Seu IDH, no ano 2000, era de 0,742, o 119º colocado da cidade do Rio de Janeiro, entre 126 áreas analisadas.[6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Conforme consta na obra rara intitulada História da Imperial fazenda de Santa Cruz publicada pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, de autoria de José de Saldanha da Gama que foi um dos superintendentes da fazenda, em 1860, os jesuítas colocaram uma grande cruz de madeira, pintada de preto, encaixada em uma base de pedra sustentada por um pilar de granito.[7] Este cruzeiro deu nome à Santa Cruz em 30 de dezembro de 1567.[8]

Mais tarde, já durante o Império, o cruzeiro foi substituído por outro de dimensões menores e atualmente existe uma cruz no mesmo local, porém esta é uma réplica erigida pelo Exército Brasileiro.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos europeus à América, a região conhecida hoje como Santa Cruz era povoada por aldeias de povos da família linguística Tupi-guarani, que chamavam o local de Piracema (muito peixe).[10]

Após o Descobrimento do Brasil, com a chegada dos colonizadores portugueses à baía da Guanabara, a vasta região da baixada de Santa Cruz e montanhas vizinhas, foi doada a Cristóvão Monteiro, da Capitania de São Vicente por Martim Afonso de Sousa em janeiro de 1567, como recompensa aos serviços prestados durante a expedição militar que expulsou definitivamente os franceses da Guanabara. O mesmo mandou construir logo em seguida um engenho de açúcar e uma capela no local conhecido como Curral Falso, iniciando o povoamento das terras pelos portugueses.[11]

A Companhia de Jesus[editar | editar código-fonte]

Sede da Antiga Fazenda de Santa Cruz, Palácio Real e Imperial.

Com o falecimento do titular das terras, a sua esposa, dona Marquesa Ferreira, doou aos padres da Companhia de Jesus a parte das terras de Cristóvão que lhe tocava.[12]

Estes religiosos, ao agregarem estas terras a outras sesmarias, constituíram um imenso latifúndio assinalado por uma grande cruz de madeira: a Santa Cruz. Em poucas décadas, a região compreendida entre a barra de Guaratiba, o atual município de Mangaratiba, até Vassouras, no sul do atual estado do Rio de Janeiro, integrava a poderosa Fazenda de Santa Cruz, a mais desenvolvida da Capitania do Rio de Janeiro nesta época,[10] contando com milhares de escravos, cabeças de gado, e diversos tipos de cultivos, manejados com técnicas avançadas para a época.[13]

Entre as edificações, hoje com valor histórico, contam-se igrejas e um convento, ambos ricamente decorados. Uma dessas obras remanescentes é a chamada Ponte do Guandu ou Ponte dos Jesuítas. Na verdade uma ponte-represa, que foi erguida em 1752, com a finalidade de regular o volume das águas das enchentes do rio Guandu. Atualmente, esse monumento permanece com a sua estrutura original quase inalterada, sendo um patrimônio histórico, artístico e arquitetônico tombado pelo IPHAN.[14]

Outra iniciativa dos dirigentes da Fazenda de Santa Cruz, no plano da cultura, foi a fundação de uma escola de música, de uma orquestra e de coral, integrados por escravos, que tocavam e cantavam nas missas e nas festividades, quer na fazenda, quer na capital da Capitania. Considera-se, por essa razão, que Santa Cruz foi o berço da organização instrumental e coral do primeiro conservatório de música no Brasil.[15]

Passa pelas terras da Fazenda de Santa Cruz a trilha que no período colonial ligava a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro ao sertão: o Caminho dos Jesuítas, posteriormente denominado Caminho das Minas, e posteriormente ainda, Estrada Real de Santa Cruz. O seu percurso estendia-se até o porto de Sepetiba, onde se embarcava com destino à cidade de Parati, de onde partia a antiga Estrada Real.[16]

Diante da expulsão dos jesuítas dos domínios de Portugal e suas colônias, em 1759 por ação do Marquês de Pombal, o patrimônio da Companhia de Jesus (e a Fazenda de Santa Cruz) reverteu para a Coroa.[17]

A Família Real[editar | editar código-fonte]

Imperador no mirante, observando a paisagem da Fazenda de Santa Cruz.

Com o banimento dos jesuítas do Brasil, o patrimônio da Fazenda de Santa Cruz passou a se subordinar aos Vice-reis. Após um período de dificuldades administrativas, sob o governo do Vice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa, a fazenda voltou a conhecer um período de prosperidade.

No início do século XIX, com a Chegada da Família Real ao Brasil (1808) e o seu estabelecimento no Rio de Janeiro, a fazenda foi escolhida como local de veraneio. Desse modo, o antigo convento foi adaptado às funções de paço real - Palácio Real de Santa Cruz.

Sentindo-se confortável na Real Fazenda de Santa Cruz,[18] o Príncipe Regente prolongava a sua estada por vários meses, despachando, promovendo audiências públicas e recepções a partir da mesma.[15] Nela cresceram e foram educados os príncipes Dom Pedro e Dom Miguel.

Por iniciativa do soberano português foram trazidos da China cerca de cem homens encarregados de cultivar chá, no sítio hoje conhecido como Morro do Chá. Durante quase um século essa atividade foi produtiva e atraiu o interesse de técnicos e visitantes, tal o pioneirismo de sua implantação no Brasil. O chá colhido em Santa Cruz era de excelente qualidade e, por isso, a sua produção era integralmente comercializada.[15]

Em 15 de julho de 1818 foi fundada a Vila de São Francisco Xavier de Itaguaí, da qual Santa Cruz se torna termo. D. João VI despediu-se de Santa Cruz em 1820, para retornar à metrópole portuguesa.

O Primeiro Reinado[editar | editar código-fonte]

Após o regresso de Dom João VI a Portugal, o Príncipe-Regente D. Pedro continuou constantemente a presente em Santa Cruz, passando sua lua-de-mel com a Imperatriz Leopoldina (1818) nesta fazenda,[15] transformando o Palácio Real em Palácio Imperial.

No contexto da Independência do Brasil, antes de iniciar a histórica viagem da Independência, o príncipe-regente deteve-se em Santa Cruz, onde aconteceu uma reunião no dia 15 de agosto de 1822, com a presença de José Bonifácio, para estabelecer as suas bases.[15] Ao regressar, antes de seguir até a cidade, comemorou a Independência do Brasil na fazenda.[15]

O Segundo Reinado[editar | editar código-fonte]

Dom Pedro I, abdicou do trono, mas os seus filhos continuaram a manter presença constante na Fazenda Imperial de Santa Cruz.[19] Desde cedo, Dom Pedro II e as princesas promoviam concorridos bailes e saraus no Palácio Imperial.[15]

Deve-se destacar também que a durante todo o período entre 1808 e 1889, Santa Cruz foi um dos bairros cariocas com suas paisagens mais retratados por viajantes estrangeiros como o francês Jean-Baptiste Debret, o austríaco Thomas Ender, a inglesa Maria Graham e outros.[20] A gravura que serve de ilustração para este texto é um exemplo, sendo de autoria do pintor belga Benjamin Mary, que foi o primeiro embaixador da Bélgica no Brasil,[21] pintada em novembro de 1837. A figura é prova documental de que o Mirante de Santa Cruz constituía um local visitando pelos imperadores, na qual é possível ver além do antigo Palácio Imperial, Dom Pedro II com apenas 14 anos de idade apreciando a vista da fazenda.

Palacete Princesa Isabel.

No ano de 1833 o curato[nota 1] Fazenda Nacional de Santa Cruz por decreto foi desligado do termo de Vila de Itaguaí e passou a ser do termo da cidade do Rio de Janeiro,[22] atendendo aos anseios da população local.

Em Santa Cruz foi assinada a lei, pela Princesa Isabel que dava alforria a todos os escravos do Governo Imperial.[15] A promulgação da lei foi assistida por ilustres convidados como o Visconde do Rio Branco e o Conde d'Eu.

Santa Cruz, por sua posição político-econômica e, sobretudo estratégica (frente para o mar e fundos para os caminhos dos sertões de Minas) foi uma das primeiras localidades do país a se beneficiar com o sistema de entrega em domicílio de cartas pelo correio. Em 22 de novembro de 1842 foi inaugurada a primeira agência dos Correios do Brasil a adotar este serviço. Também foi o local escolhido pelo imperador para a instalação da primeira linha telefônica da América do Sul, entre o Paço de São Cristóvão e o de Santa Cruz.[23]

Em 1878 foi inaugurada a estação de trem e no final de 1881, D. Pedro II inaugurou o Matadouro de Santa Cruz, tido como o mais moderno do mundo à época, que era servido por um ramal da estrada de ferro e abastecia de carne toda a cidade do Rio de Janeiro. Também, devido ao gerador que atendia ao matadouro, Santa Cruz foi o primeiro bairro do subúrbio a ter iluminação elétrica.[24] D. Pedro II também inaugurou o primeiro telefone da Fazenda.[25]

Pouco a pouco, Santa Cruz foi se transformando, com palacetes, solares, estabelecimentos comerciais, ruas e logradouros. Resistindo ao tempo e à ação criminosa dos homens,[26] muitos desses locais ainda se mantêm de pé, atestando a importância histórica deste bairro. O Palacete Princesa Isabel, o Marco Onze,[27] [28] a Fonte Wallace,[29] o Hangar do Zeppelin[30] e tantos outros, são exemplos.

A República[editar | editar código-fonte]

Depois da Proclamação da República, Santa Cruz perdeu muito do seu prestígio. Mas, sanados alguns problemas, logo atraiu imigrantes estrangeiros, que muito contribuíram com a economia do bairro. Os árabes e os italianos foram os responsáveis pela expansão do comércio local,[15] e os japoneses pelo desenvolvimento da agricultura.

Hangar do Zeppelin (Base Aérea de Santa Cruz), um dos últimos hangares para zeppelins existentes no mundo.[31]

Durante o governo Getúlio Vargas, na década de 1930, a região de Santa Cruz passou por profundas transformações, com obras de saneamento que objetivavam a valorização das terras, com a recuperação da salubridade e do dinamismo econômico, a partir da criação das Colônias Agrícolas. Em 1938 vieram as primeiras famílias japonesas, não diretamente do Japão, mas sim de Mogi das Cruzes (SP), para ocuparem os lotes do recém criado Núcleo Colonial e implementarem novas experiências na agricultura. Os lotes eram distribuídos pelas estradas Reta do Rio Grande e Reta de São Fernando, e eles, logo que chegaram, puseram de imediato mãos nas terras, já tendo produzido naquele mesmo ano após apenas três meses de trabalho, quantidade significativa de alimentos.[11] A produção era tão grande que abastecia toda a cidade do Rio de Janeiro, conferindo a Santa Cruz o título de "celeiro" do Distrito Federal.[32]

À época foi construído ainda, na região, um hangar para os dirigíveis Zeppelin, o Hangar do Zeppelin. A construção encontra-se tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), desde 1998, recebendo a inscrição de tombamento no 550.[33]

Com o intenso desenvolvimento do Rio de Janeiro, ocorrendo em todas as direções, foi inaugurada, em 1975, a Zona Industrial, fomentando fortemente a urbanização do bairro. Nela estão localizados os três importantes distritos industriais de Santa Cruz, Paciência e Palmares, onde se encontram em pleno funcionamento a Casa da Moeda do Brasil, Cosigua (Grupo Gerdau), Valesul, White Martins, Glasurit e a Usina de Santa Cruz, uma das maiores termelétricas a óleo combustível da América Latina, com capacidade instalada de 950 MW.[34]

No começo da década de 1980, foram construídos diversos conjuntos habitacionais pela Companhia Estadual de Habitação (CEHAB) que aumentaram consideravelmente a população do bairro, dando-lhe características de bairro dormitório.[35]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Santa Cruz hoje é um bairro em franco crescimento.[36] [37] Possui um comércio bem desenvolvido, várias agências bancárias e inúmeras e diversificadas lojas. Possui um sistema educacional que atende satisfatoriamente à demanda e o Hospital Municipal Dom Pedro II recentemente modernizado pela prefeitura e especializado no tratamento de queimados.[38] Além de duas grandes unidades militares da Forças Armadas: o Batalhão Escola de Engenharia e a Base Aérea de Santa Cruz, importante centro de defesa da Aeronáutica e maior complexo de combate da Força Aérea Brasileira;[39] a Cidade das Crianças Leonel Brizola, que funciona como Parque Temático da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (possuindo inclusive um planetário[40] ), destinado, em especial, às crianças e adolescentes, e importantes monumentos históricos e culturais.

Foram instalados, especialmente nas proximidades da Avenida João XXIII, vários empreendimentos industriais de peso,[41] especialmente a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), que modificou a paisagem e dinamizou a economia do bairro.[32] [42] Até 2016 será instalado num terreno de 570 mil m² no distrito industrial o novo centro de processamento de vacinas e biofármacos da Fiocruz, que terá investimentos de R$ 800 milhões, onde serão fabricadas 600 milhões de doses de vacina por ano.[43] [44] Pelo setor de óleo e gás, a multinacional americana Oil States vai investir US$ 70 milhões em uma nova fábrica no distrito industrial gerando 500 novos postos de trabalho.[45]

Também se caracteriza como um bairro proletário, em que coexistem diversos problemas como dificuldades de transporte,[46] [47] falta de saneamento adequado em certos pontos,[48] [49] ação de milícias em comunidades carentes [50] e problemas ambientais sérios.[51] [52]

Com o aumento da população, a violência no bairro tem preocupado as autoridades.[53] A ação da polícia é no combate ao tráfico de entorpecentes nas favelas do entorno do bairro,[54] bem como na ação de milicianos.[55] Estes são responsáveis pelo controle do transporte alternativo, e exploração de serviços ilegais de eletricidade, gás e televisão a cabo.[56]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite do bairro.

Localizado a uma latitude de 22° 55′ 13″ S, 43° 41′ 6″ O no extremo oeste da cidade, seu território estende-se por uma área de 12.504,43 ha[4] e tem por vizinhança os municípios de Itaguaí a oeste e Seropédica ao norte; os bairros de Sepetiba ao sul, Paciência e Cosmos a leste e Guaratiba a sudeste.[57] A sudoeste seu território é banhado pela baía de Sepetiba.[58]

Relevo e hidrografia[editar | editar código-fonte]

Por encontrar-se na baixada de Santa Cruz, a maior parte do seu território é plano, com altitudes próximas ao nível do mar, onde predominam áreas descampadas como o Campo do Itongo, Campo de Sapicu, Campo de São Luiz, Campo de Roma e outros.[58] A exceção é o centro que se encontra em uma área um pouco acidentada, cujo ponto mais alto é o morro do Mirante com cerca de 65 metros de altitude. Ainda se destacam na paisagem o Morro da Bandeira, o Morro da Joaquina e o Morro do Leme com cerca de 94 metros de altitude.[58]

Seu litoral, pouco recortado, é banhado pela baía de Sepetiba por pouco mais de 10 km, incluso a ilha dos Urubus na foz do Canal de São Francisco.[58]

A baixada de Santa Cruz é drenada por vários rios e canais, dentre os principais estão: o Rio da Guarda, limite ocidental da cidade do Rio de Janeiro; o Rio Cação Vermelho, Rio Guandu (Canal de São Francisco), Rio Guandu-Mirim e Canal do Itá. Todos pertencentes a bacia hidrográfica da baía de Sepetiba.[58] O canal de São Francisco serve ao abastecimento do distrito industrial. Já o canal da Irrigação e o canal de São Fernando irrigam as culturas no Núcleo Colonial.[58]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é classificado como tropical atlântico (Aw), segundo o modelo de Köppen. A temperatura média anual é superior aos 22 °C (mínima de 20 ºC e máxima de 27 ºC) e a média pluviométrica ultrapassa 1 200 mm.[59] Foi neste bairro onde foi registrada a temperatura mais alta da cidade do Rio de Janeiro, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), de 43,2 °C, desde 1915, quando começaram as medições.[60] Entre 1961 e 1990 a menor temperatura registrada em Santa Cruz foi de 6 ºC em maio de 1975,[61] e a maior atingiu 41 ºC em janeiro de 1976.[62] O maior acumulado de chuva em 24 horas foi de 180,6 mm em fevereiro de 1967.[63]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Santa Cruz Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 41 40,6 40,1 37,6 35,1 33,2 34 37 37,8 38,8 39,9 40,2 41
Temperatura máxima média (°C) 28 29 28 27 25 24 24 27 27 29 28 28 27
Temperatura mínima média (°C) 22 23 22 20 19 18 17 18 18 19 20 22 20
Temperatura mínima registrada (°C) 16,9 17,9 16,4 13,2 6 13,3 11,2 11,8 12,7 13,3 10 16,1 6
Chuva (mm) 220 127 135 69 37 20 18 22 60 100 183 264 1 255
Dias com chuva (≥ 1 mm) 11 8 9 9 7 5 5 6 8 11 11 11 101
Fonte: Climatempo/Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961-1990).[59] [61] [62] [64]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

O bairro de Santa Cruz com 2.003 hectares de mata atlântica é o sexto entre os bairros do Rio com maior cobertura vegetal. A maior parte dessa vegetação se encontra em terrenos da Força Aérea.[65] Segundo dados do Censo 2000 realizado pelo IBGE, 4,18 % da área natural de Santa Cruz é coberta por manguezais, 3,66% por floresta alterada, 1,63% por vegetação de áreas alagadiças como brejos e charcos e 0,66% por florestas.[66]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, dados do Censo Demográfico 2010, Santa Cruz tem uma população total de 217.333 habitantes. Destes, 112.966 residentes são do sexo feminino e 104.367 residentes são do sexo masculino.[67] Dados também contam um total de 76.295 domicílios.[67] A renda nominal média domiciliar é de R$ 1579,00, que coloca o bairro na 140ª posição dentre os 160 bairros da cidade do Rio de Janeiro pesquisados.[67]

A Igreja da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, um dos maiores templos religiosos do Rio de Janeiro.


Religião[editar | editar código-fonte]

A partir de microdados do Censo 2000, o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas aponta que o percentual de católicos no bairro encontra-se na faixa de 40 a 60%. Santa Cruz ainda está entre os três bairros mais evangélicos do Rio com 28,64% de praticantes. No ranking dos sem religião, Santa Cruz aparece na segunda posição com 19,86%.[68]

A Igreja Católica está presente com cinco paróquias e seus 46 templos cristãos, dentre igrejas e capelas, espalhados por todo o bairro.[69] Tem crescido bastante o número de templos evangélicos na região, que também possui centros espíritas e igrejas de outros credos.[7]

Símbolos oficiais[editar | editar código-fonte]

Brasão de Santa Cruz.

Apesar de não ser comum entre as cidades brasileiras, alguns bairros da capital fluminense possuem símbolos, adquiridos à época em que esta cidade era o estado da Guanabara. Santa Cruz possui um hino e também um brasão, lançado por ocasião das comemorações do IV Centenário do bairro (1567-1967).[70]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Santa Cruz possui um sistema educacional público e privado que supre adequadamente a demanda por educação básica. Conforme informação da prefeitura, possui 53 unidades escolares públicas municipais que atendem cerca 41.104 alunos durante o ensino fundamental e médio, fora outras instituições privadas como Colégio Apolo XII, Colégio Dom Óton Mota, Santa Mônica Centro Educacional e outros.[4]

Existe porém uma grande carência no ensino médio, que é suprido por escolas da rede pública estadual e as instituições particulares. As escolas da rede estadual são em número insuficiente para atender a demanda, especialmente de ensino técnico e profissionalizante. Apesar disso, está localizado no largo do Bodegão um CETEP,[nota 2] que oferece inúmeros cursos profissionalizantes e cursos técnicos de boa qualidade através da ETE Santa Cruz. A transferência para Santa Cruz da instituição SESI/SENAI de ensino profissionalizante também está sendo fundamental para atender a demanda por mão-de-obra qualificada, dos novos empreendimentos industriais que aportam na região.[36]

O ensino superior possui histórico bem recente e é ministrado somente por instituições particulares. A FAMA (Faculdade Machado de Assis) foi a pioneira, sendo uma instituição local mantida pela Associação Educacional Machado de Assis e surgida em meados da década de 1990, ministrando cursos de graduação, pós-graduação, semipresenciais e de extensão.[71] Após ela, surgiram campi de várias outras instituições, como da Universidade Castelo Branco, da Universidade Cândido Mendes, da UniverCidade, e Universidade Estácio de Sá (esta com amplo prédio próprio).

Fica em Santa Cruz a primeira escola sustentável do país. A escola estadual Eric Walter Heine é a primeira da América Latina a receber um certificado que confere status verde a construção.[72] . As instituições de ensino do bairro são famosas em revelar talentos do esporte e da música para todo o país. As bandas marciais dos colégios Apollo XII e Dom Óton Mota estão entre as melhores e se apresentam em todo o Brasil.[73] Também é destaque na educação o CIEP 1º de Maio, localizado na favela de Antares que, apesar da violência vem obtendo os melhores índices na alfabetização da rede municipal de ensino.[74]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Um dos canais que cortam o bairro de Santa Cruz.

Santa Cruz conta com diversos hospitais e postos de saúde, com destaque ao Hospital Dom Pedro II e a Policlínica Lincoln de Freitas, além de vários hospitais privados, como os hospitais da rede Cemeru e Memorial. Porém, a maior parte dos moradores (70%) depende do sistema público de saúde e sofre com a falta de médicos e leitos da rede de hospitais.[75] [76] O problema é maior quando há casos de epidemia de dengue.[76] A falta de informação e a negligência de moradores fazem com que o bairro tenha um dos mais altos índices de proliferação do mosquito na cidade.[76] Os postos de saúde e hospitais têm sido insuficientes para a demanda.[76] Contudo, a implantação recente das Unidades de Pronto Atendimento - UPA's, e Clínicas da Família nas adjacências do bairro, espera-se amenizar a carência pelo atendimento médico às famílias de baixa renda de Santa Cruz.[77] O bairro também conta com um Centro de Referência da Pessoa com Deficiência (CRPD) preparado para atender deficientes físicos.[78]

Água e saneamento[editar | editar código-fonte]

O abastecimento de água em Santa Cruz é feito pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE). Esta possui uma unidade no morro do Mirante. Ali foi construída, no século XX uma grande caixa d'água para suprir toda a região, mas hoje se encontra desativada.

A falta de água encanada e rede coletora de esgoto é crítico em áreas carentes do bairro.[76] Além da falta de abastecimento de água e rede coletora de esgoto em certos pontos, a rede de ligações clandestinas é outro problema enfrentado pela companhia no bairro.[79] [80]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Estação Santa Cruz.

Santa Cruz possui a estação final do segundo mais importante ramal de trens urbanos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o Ramal de Santa Cruz. O mesmo é operado pela Supervia. Há serviços de integração com ônibus utilizando o RioCard e o Bilhete único. Existe um projeto de integração do ramal Santa Cruz com a Linha Itaguaí da Supervia, que está em fase de estudos para ser reativada.[81]

Santa Cruz possui um Terminal Rodoviário Urbano na Rua Álvaro Alberto e conta com importantes acessos rodoviários para a capital fluminense. O principal é a Avenida Brasil, que liga Santa Cruz ao Centro do Rio de Janeiro. A Avenida Cesário de Melo (antigo Caminho Imperial) interliga o bairro a Campo Grande. A Rodovia BR-101 (Rio-Santos) se inicia no bairro e liga o Rio de Janeiro aos municípios da Costa Verde e segue rumo ao litoral paulista. A Estrada da Pedra faz ligação com o bairro de Pedra de Guaratiba. A Estrada de Sepetiba interliga Santa Cruz ao bairro de Sepetiba.

Possui outros logradouros importantes, que cruzam o bairro como a Avenida Antares, Avenida Areia Branca, Avenida Isabel, Avenida João XXIII, Estrada da Urucânia, Rua Álvaro Alberto, Rua Felipe Cardoso, Rua Padre Guilherme Decaminada, Rua Senador Camará, dentre outras.

Santa Cruz é o bairro do Rio de Janeiro que possui o maior índice de usuários de bicicleta. O veículo é utilizado por 12% da população, enquanto a média em toda a cidade é de 2%.[82]

Foi implantado em 2012 o BRT TransOeste que liga Santa Cruz a Campo Grande e Barra da Tijuca reduzindo em até a metade do tempo médio a viagem.[83] Estuda-se a possibilidade de utilização do Aeroporto Bartolomeu de Gusmão na base aérea para auxiliar a realização dos próximos eventos esportivos sediados na cidade.[84]

Serviços e comunicações[editar | editar código-fonte]

Cemitério Jardim da Saudade Paciência, localizado nos limites do bairro.

O bairro desfruta de diversos serviços públicos, prestados pelas diversas esferas do governo e por particulares, como: hospitais e postos de saúde; o Centro de Controle de Zoonoses Paulo Dacorso Filho, que é referência no município em tratamento de zoonoses e desenvolvimento de sistemas de vigilância sanitária e epidemiológica; o Centro de Recursos Integrados de Atendimento ao Adolescente, uma unidade do DEGASE; diversas agências dos Correios e agências bancárias; um destacamento do Corpo de Bombeiros; a 25ª zona eleitoral do TRE-RJ, a 36ª Delegacia de Polícia e o 27º Batalhão de Polícia Militar, além do cemitério municipal localizado próximo ao quarteirão cultural do Matadouro e do cemitério Jardim da Saudade na localidade de Venda de Varanda.

O bairro foi o primeiro da cidade a contar com o serviço de sinal de internet banda larga livre, o Ilumina Rio.[85] Santa Cruz ainda possui uma antena transmissora de televisão para o canal 26 UHF, no momento não utilizada por nenhuma emissora.[86]

Economia[editar | editar código-fonte]

Santa Cruz possui uma economia bastante diversificada, com áreas rurais, uma zona industrial importante para a cidade e um comércio que tem experimentado crescimento significativo nos últimos anos.[87]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Durante o governo Getúlio Vargas, na década de 1930, a região de Santa Cruz, passou por grandes obras de saneamento e a criação das Colônias Agrícolas.[11]

Em 1938 chegaram as primeiras famílias japonesas de Mogi das Cruzes, estado de São Paulo, para ocuparem os lotes do recém criado Núcleo Colonial e implementarem novas experiências na agricultura.

Ainda hoje existem colônias agrícolas, que produzem aipim, frutas e legumes nos campos da Base Aérea de Santa Cruz e coco nos Campos São Miguel e São Marcos às margens da Rodovia Rio-Santos.[11] Na região de Jesuítas também há diversas plantações e pequenos rebanhos bovinos.[11] O aipim de Santa Cruz e tido como o melhor do estado, conhecido pela coloração preta das terras férteis da região.[88]

A usina siderúrgica CSA Thyssenkrupp se destaca na paisagem.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Santa Cruz Shopping.

No ano de 1960 o Rio de Janeiro deixou de ser a capital do país para ser o estado da Guanabara. Vendo-se sem os recursos da administração federal, houve a necessidade de buscar alternativas para o desenvolvimento econômico do estado. Em 1975, foi inaugurada a Zona Industrial de Santa Cruz.[11]

Nela estão instalados diversos estabelecimentos industriais, como: Rolls-Royce Energy, Casa da Moeda do Brasil, Cosigua (Grupo Gerdau), Valesul, White Martins, Glasurit, a Usina de Santa Cruz, Linde S/A, Ecolab Química Ltda, Latas de Alumínio S/A – LATASA, Fábrica Carioca de Catalisadores – FCC , Pan-Americana S/A Indústrias Químicas entre outras.[11] [71] As mesmas são representadas pela AEDIN – Associação das Empresas do Distrito Industrial de Santa Cruz.

A Zona Industrial localiza-se na divisa entre o município do Rio de Janeiro e o de Itaguaí, e faz parte da retroarea do Porto de Itaguaí. A Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), inaugurada em 2010, é a maior usina siderúrgica da América do Sul, ocupando uma área de nove milhões de metros quadrados[32] incluindo um porto privado, usina termoelétrica, siderúrgica de chapas planas para exportação e coqueria.[41] .

Comércio[editar | editar código-fonte]

Santa Cruz nos últimos anos tem apresentado grande crescimento do seu comércio e do setor de serviços visando o mercado local, devido ao crescimento e aumento de renda da população.[87]

O mesmo apresenta um centro comercial e de entretenimento, chamado Santa Cruz Shopping, com praça de alimentação, lojas de diversos gêneros e agências bancárias; supermercados de grande porte como Guanabara, Prezunic e Extra Hipermercados além de pequenas redes de supermercados de bairro, restaurantes fast-food como McDonald's, Bob's, Subway, Habib's e um grande número de lojas de vestuário, calçados, materiais de construção, papelarias e bazares, fortemente concentrados na Rua Felipe Cardoso e no seu entorno.

Cultura[editar | editar código-fonte]

A escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz representa o bairro no carnaval carioca.

Dentre as manifestações culturais mais populares do bairro está a festa de São Jorge realizada no Largo do Bodegão. A festa já é uma tradição que vem desde 1963 e a quantidade de devotos só tem aumentado[83] O carnaval em Santa Cruz é festejado com os tradicionais blocos carnavalescos, bailes a fantasia, além do concurso de coretos promovido pela prefeitura.[79] Ainda é possível ver nas ruas a figura folclórica do clóvis, tão característico da região.

Atrações turísticas, históricas e culturais[editar | editar código-fonte]

São reconhecidas por lei como de relativo interesse turístico, social, cultural da cidade do Rio de Janeiro, as eleitas sete maravilhas de Santa Cruz: o Hangar do Zeppelin localizado na Base Aérea, a sede do Batalhão Escola de Engenharia (Villagran Cabrita), as Ruínas do Matadouro, a Ponte dos Jesuítas no sub-bairro dos Jesuítas, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, a Cidade das Crianças e a Catedral das Assembleias de Deus.[89]

Esportes[editar | editar código-fonte]

A prática esportiva é muito comum em Santa Cruz, principalmente nos colégios da região, que são famosos pelas conquistas nas mais diversas modalidades das competições intercolegiais.[90] Uma das grandes aquisições do bairro nos últimos anos foi a Vila Olímpica Oscar Schmidt, um complexo desportivo que oferece diversas modalidades esportivas gratuitas especialmente para crianças e jovens carentes.[91]

Fundado a 7 de setembro de 1941, o Esporte Clube Guanabara, das cores vermelho e branco, possui sede e estádio próprio. É notadamente reconhecido pelo título de Supercampeão do IV Centenário. Em 2007 foi fundado o Santa Cruz Futebol Clube, filiado a FFERJ, que participa de torneios estaduais e interestaduais e possui diversas categorias.[92] Dentre os eventos esportivos que acontecem no bairro está o já tradicional passeio ciclístico que envolve mais de duzentos ciclistas percorrendo os principais pontos históricos de Santa Cruz.[93]

Parceria entre empresas e ONGs em atividade no bairro integram centenas de crianças e adolescentes entorno de programas socioesportivos ressaltando a importância de valores como auto-estima, trabalho em equipe, qualidade de vida e cidadania. [94]

O Tour do Rio, evento ciclístico internacional da cidade do Rio de Janeiro, com largada na Barra da Tijuca tem no seu trajeto o bairro de Santa Cruz na sua primeira etapa rumo a Angra dos Reis.[95]

Lazer[editar | editar código-fonte]

Por ser um dos bairros com poucas opções de lazer da zona oeste, Santa Cruz teve especial atenção ao receber da prefeitura as instalações do parque temático Cidade das Crianças, que oferece aos visitantes quadras esportivas, parque aquático, biblioteca, planetário digital, além de atividades ao ar livre.[76]

Estão entre as principais áreas de lazer do bairro o polo gastronômico da Rua do Império, a quadra de ensaios do GRES Acadêmicos de Santa Cruz, o Santa Cruz Shopping, a Vila Olímpica Oscar Schmidt, a Lona Cultural Sandra de Sá e a Cidade das Crianças Leonel Brizola.

Santacruzenses[editar | editar código-fonte]

Nasceram e viveram no bairro algumas personalidades do país em diferentes épocas como: o ator André Villon; o senador Júlio Cesário de Melo, o senador Otacílio de Carvalho Camará; o jogador de futebol Thiago Silva,[96] o lutador Marcos Oliveira.[97]

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Termo religioso, derivado de cura, ou padre, que designava aldeias e povoados com as condições necessárias para se tornar uma freguesia, ou seja, tornar-se o distrito de um município
  2. Centros de Educação Tecnológica e Profissionalizante.

Referências

  1. Dados
  2. Tabela 1172 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH), por ordem de IDH, segundo os bairros ou grupo de bairros - 2000
  3. Bairros do Rio
  4. a b c Portal Geo Rio – Informações sobre Santa Cruz. Prefeitura do Rio de Janeiro (17 de julho de 2011).
  5. Baía de Sepetiba atrai R$ 38 bilhões em investimentos. portos&navios (11 de julho de 2010).
  6. Tabela 1172 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH), por ordem de IDH, segundo os bairros ou grupo de bairros - 2000
  7. a b Breve Histórico de Santa Cruz. CADESC (18 de novembro de 2008).
  8. MultiRio (29/05/2013). Em Santa Cruz, riqueza histórica e empreendedorismo. Página visitada em 16/04/2014.
  9. MultiRio (29/05/2013). Em Santa Cruz, riqueza histórica e empreendedorismo. Página visitada em 16/04/2014.
  10. a b História do Brasil e seus Acontecimentos - Fazenda de Santa Cruz (18 de novembro de 2008).
  11. a b c d e f g Site santacruzrj – História de Santa Cruz. PCG Design (17 de novembro de 2008).
  12. Maria José Barboza. Fazendas da Companhia de Jesus no do Rio de Janeiro. [S.l.]: PUC Rio, 2009. 4 pp. http://www.dbd.puc-rio.br
  13. {{citar livro="Fazendas da Companhia de Jesus no do Rio de Janeiro"
  14. Livro do Tombo Histórico - Inscrição:003. IPHAN (22 de novembro de 2008).
  15. a b c d e f g h i Sinopse 2004 - Nas páginas do Brasil, Santa Cruz escreveu sua história. G.R.E.S. Acadêmicos de Santa Cruz (18 de novembro de 2008).
  16. {{citar livro="Fazendas da Companhia de Jesus no do Rio de Janeiro"
  17. {{citar livro="Fazendas da Companhia de Jesus no do Rio de Janeiro"
  18. Dom Pedro II e a Condessa do Barral Encontros fortuitos em Santa Cruz. oportal (22 de novembro de 2008).
  19. SANTA CRUZ: MISTÉRIOS, TESOUROS E CAFUAS. oportal (22 de novembro de 2008).
  20. Santa Cruz histórica. Sinvaldo do Nascimento Sousa (18 de novembro de 2008).
  21. Diplomata Benjamin Mary é homenageado em exposição. Jornal Spine (18 de novembro de 2008).
  22. Itaguaí - Origem. oportal (22 de novembro de 2008).
  23. A História da telefonia passa por Santa Cruz. oportal (22 de novembro de 2008).
  24. O Globo - Santa Cruz, derradeira parada de trem do Rio, está no fim da linha do desenvolvimento. O Globo- 01/10/2008 (18 de novembro de 2008).
  25. Revista de História da Biblioteca Nacional - Subúrbio em festa. Revista de História da Biblioteca Nacional - 01/01/2008 (1 de janeiro de 2008).
  26. O roubo na Ponte dos Jesuítas. oportal (18 de novembro de 2008).
  27. -Marcos Imperiais. Prefeitura do Rio de Janeiro (18 de novembro de 2008).
  28. História de Santa Cruz – Marcos Imperiais. Núcleo de Orientação e Pesquisa Histórica (18 de novembro de 2008).
  29. História de Santa Cruz – Fonte Wallace. Núcleo de Orientação e Pesquisa Histórica (18 de novembro de 2008).
  30. História de Santa Cruz – Hangar do Zepellin. Núcleo de Orientação e Pesquisa Histórica (18 de novembro de 2008).
  31. Histórico. BASC (25 de setembro de 2006).
  32. a b c CSA em Santa Cruz. oportal (18 de novembro de 2008).
  33. Livro do Tombo Histórico - Inscrição:550. IPHAN (22 de novembro de 2008).
  34. Furnas. Usina termelétrica de Santa Cruz. Furnas. Página visitada em 16/04/2014.
  35. Armazenzinho. Santa Cruz. Portal GeoRio. Página visitada em 16/04/2014.
  36. a b Santa Cruz ganha unidade Sesi/Senai. querodiscutiromeuestado (18 de setembro de 2010).
  37. Santa Cruz desperta o interesse das construtoras. ExtraOnLine (18 de setembro de 2010).
  38. Modernização do Hospital Pedro II, no Rio, custará mais de R$ 80 milhões. G1 (18 de novembro de 2011).
  39. Base Aérea de Santa Cruz (BASC). Força Aérea Brasileira (25 de setembro de 2006). Página visitada em 26 de outubro de 2008.
  40. Planetário de Santa Cruz - Rio de Janeiro. riotemporada (19 de novembro de 2008).
  41. a b Santa Cruz - Capital do Aço. diariodorio (19 de novembro de 2008).
  42. ThyssenKrupp Steel lança pedra fundamental da siderúrgica CSA. O Globo- 29/09/2006 (19 de novembro de 2008).
  43. Fiocruz vai quadruplicar produção de vacinas. Agência FIOCRUZ de notícias (25 de novembro de 2011).
  44. Fiocruz vai ampliar a produção vacinas e drogas biológicas. O Globo-26/11/2011 (26 de novembro de 2011).
  45. Ascom da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (20/12/2012). DISTRITO INDUSTRIAL DE SANTA CRUZ RECEBE NOVOS INVESTIMENTOS. Imprensa RJ. Página visitada em 25/08/2014.
  46. Tortura é depender do transporte público em Santa Cruz. O Globo- 16/09/2008 (19 de novembro de 2008).
  47. Zona Oeste, região disputada pelos candidatos a prefeito, concentra 25% do eleitorado e carências mil. O Globo- 11/10/2008 (19 de novembro de 2008).
  48. Santa Cruz, bairro que mais deu votos a Paes, sofre com problemas de infra-estrutura. O Globo- 01/11/2008 (19 de novembro de 2008).
  49. Detro apreende 20 kombis piratas só na manhã desta terça-feira em Santa Cruz. O Globo- 17/06/2008 (19 de novembro de 2008).
  50. Milícias conduzem até a vida de moradores no Rio de Janeiro. UOL- 28/08/2008 (28 de agosto de 2008).
  51. CSA poderá ter multa pesada por poluição em Santa Cruz. Exame.com (22 de novembro de 2008).
  52. Baía nem para peixe, nem para pescador.. Instituto Overmundo (23 de novembro de 2008).
  53. Confrontos na Favela do Rola chegam ao décimo dia (1 de outubro de 2010).
  54. Operação da polícia militar deixa cinco mortos na zona oeste do Rio de Janeiro (11 de março de 2009).
  55. Presos três suspeitos de participação em milícia na zona oeste do Rio (17 de março de 2009).
  56. Polícia prende seis suspeitos de envolvimento com milicia no Rio (11 de março de 2009).
  57. Bairros do Rio
  58. a b c d e f Armazém dos Dados. Prefeitura do Rio (24 de março de 2009).
  59. a b Instituto Nacional de Meteorologia. Climatologia - Santa Cruz - RJ. Climatempo. Página visitada em 26 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2014.
  60. Elenilce Bottati (26 de dezembro de 2012). Rio registra o dia mais quente desde 1915, afirma Instituto Climatempo. O Globo. Página visitada em 26 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2014.
  61. a b Temperatura Mínima Absoluta (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 26 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014.
  62. a b Temperatura Máxima Absoluta (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 26 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014.
  63. Máximo Absoluto de Precipitação Acumulada (mm). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 26 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014.
  64. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 26 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  65. Prefeitura do Rio de Janeiro (08/12/2011). MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL E DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. Prefeitura do Rio de Janeiro. Página visitada em 27/08/2014.
  66. Prefeitura do Rio de Janeiro (08/12/2011). MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL E DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. Prefeitura do Rio de Janeiro. Página visitada em 16/04/2014.
  67. a b c Portal Geo Rio – Informações sobre Santa Cruz. Prefeitura do Rio de Janeiro (17 de julho de 2011).
  68. Retrato das Religiões Zoom Rio de Janeiro. FGV (19 de maio de 2009).
  69. Paróquias. Arquidiocese de São Sebastião. Página visitada em 26 de abril de 2009.
  70. História do Bairro. Portal Santa Cruz RJ. Página visitada em 18-08-2013.
  71. a b Histórico da Fama (23 de novembro de 2008).
  72. Superinteressante (24 de maio de 2011). Primeira escola sustentável do Brasil consome até 80% menos energia. Super. Página visitada em 22 de abril de 2013.
  73. Banda Marcial do Colégio Apollo 12 e Coral do Detran são destaques na festa. O Globo- 30/04/2008 (26 de novembro de 2008).
  74. O Globo (6 de abril de 2013). Melhores resultados em prova de alfabetização são na maioria de alunos de áreas carentes. Página visitada em 22 de abril de 2013.
  75. O Globo (05/3/2012). Hospital Pedro II reabre em março reformado e ampliado. O Globo. Página visitada em 08/3/2012.
  76. a b c d e f Pacientes continuam sofrendo com a falta de médicos e espera em hospitais (17 de março de 2009).
  77. Santa Cruz ganha sua quarta Clínica da Família (17 de setembro de 2010).
  78. Prefeitura do Rio (4 de setembro de 2012). Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência inaugura CRPD Santa Cruz.
  79. a b CEDAE encontra ligações clandestinas em fabrica de biscoitos (17 de março de 2009).
  80. Cedae flagra "gatos" de água em Santa Cruz (21 de agosto de 2009).
  81. Grupo de trabalho estudará reativação do ramal ferroviário Santa Cruz-Itaguaí (28 de fevereiro de 2008).
  82. Coppe estuda potencial do uso da bicicleta como transporte no Rio (1º de abril de 2010).
  83. a b Começa obra da TransOeste, corredor expresso entre a Barra e Santa Cruz (8 de julho de 2010).
  84. cidadeolimpica.com. Revolução nos transportes. Cidade olímpica. Página visitada em 22/3/2012.
  85. ILUMINA RIO COMEÇA POR SANTA CRUZ (5 de dezembro de 2010).
  86. [www.sistemaplug.com.br/plug/anexo/305.html Ministério das Comunicações] (10 de dezembro de 2010).
  87. a b Economia blindada ao menos por enquanto. O Globo (17 de novembro de 2008).
  88. Instituto Maniva. Maniva apóia o aipim da terra preta de Santa Cruz.
  89. PROJETO DE LEI Nº 422/2009 EMENTA:RECONHECE COMO DE INTERESSE CULTURAL, SOCIAL E TURÍSTICO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, AS SETE MARAVILHAS DO BAIRRO DE SANTA CRUZ.. Câmara (7 de janeiro de 2009).
  90. Braçadas firmes na busca pelo Ouro. Jornal Impacto (2 de junho de 2009).
  91. Vila Olímpica Oscar Oscar Schmidt. Prefeitura do Rio (17 de julho de 2010).
  92. Santa Cruz na mídia. Santa Cruz Futebol Clube. Página visitada em 19 de maio de 2009.
  93. Passeio Ciclístico Pedalando pelas maravilhas do Bairro de Santa Cruz. Real Notícias. Página visitada em 19 de maio de 2009.
  94. Instituto Bola Pra Frente e ThyssenKrupp CSA renovam Copa Social. Stret Football World. Página visitada em 19 de maio de 2011.
  95. Tour do Rio. Percurso. Tour do Rio. Página visitada em 16/04/2014.
  96. Thiago Silva, zagueiro da seleção, volta a ser menino quando solta pipa (1º de junho de 2010).
  97. Tatame (12/07/2013). De Lazzer lutará ADCC; Marcos Oliveira recebe honraria no Rio. Tatame. Página visitada em 16/04/2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CARVALHO, Ana Paula C. Colônia Japonesa de Santa Cruz: os frutos de uma cultura. In: Atas do II Encontro Internacional de Ecomuseus. NOPH/ MINOM/ ICOFOM LAM, Rio de Janeiro: 2000.
  • FAZENDA, José Vieira. Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro. Revista do IHGB. Rio de Janeiro, Tomos 86, vol 140; 88, vol 142; 89, vol <a href="tel:143.1919">143.1919</a>/1927.
  • FREITAS, Benedicto. Santa Cruz-Fazenda Jesuítica, Real e Imperial. Volumes I, II e III. Rio de Janeiro, Asa Artes Gráficas: 1985.
  • GAMA, José de Saldanha da. História da Imperial Fazenda de Santa Cruz. Revista do IHGB - Tomo 38
  • LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil, 1ª edição. Lisboa/Rio de Janeiro. Livraria Portugalia e Instituto Nacional do Livro, 1938/1950, 10 vols.
  • PRAZERES, Luciana Martins. Iniciativas Culturais, espaços de desenvolvimento: os casos do Centro Cultural Banco do Brasil e do Ecomuseu do Quarteirão Cultural do Matadouro. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, UFRJ, Instituto de Psicologia/EICOS: 1996
  • PRIOSTI, Odalice Miranda. Das Terras de Piracema ao Ecomuseu do Quarteirão: a resposta cultural de Santa Cruz. Monografia de Bacharelado. Rio de Janeiro, UNIRIO, Escola de Museologia: 1997
  • PRIOSTI, Odalice; VEEREN, Ana Paula B.Lima: PLAZA, Mônica. Oficina de Turismo Cultural ECOTOUR Santa Cruz - Prometo Mini-Guias do Patrimônio. In: Atas do II Encontro Internacional de Ecomuseus. NOPH/ MINOM/ ICOFOM LAM, Rio de Janeiro: 2000 (CD ROM)
  • PRIOSTI, Vander Miranda. O Distrito Industrial de Santa Cruz: implantação, impactos para a região e perspectivas. Monografia de Bacharelado. Rio de Janeiro, UFRJ, Instituto de Economia: 1997
  • REIS, Manuel Martins do Couto. Memória de Santa Cruz. Revista do IHGB, tomo V, Rio de Janeiro: 1943
  • ROSA, Alvimar Rocha da et alii. In: Atas do II Encontro Internacional de Ecomuseus. NOPH/ MINOM/ ICOFOM LAM - Rio de Janeiro: 2000 (CD ROM).
  • SOUSA, Sinvaldo do Nascimento. Potencialidades da Zona Oeste: projeto sociocultural. In: Anais do I Encontro Internacional de Ecomuseus. Rio de Janeiro, Printel: 1992

Leituras complementares[editar | editar código-fonte]

  • A experiência brasileira do Ecomuseu do Quarteirão Cultural do Matadouro- Santa Cruz/Rio de Janeiro. In: Actas das X Jornadas sobre a Função Social do Museu. Ecomuseologia como forma de desenvolvimento integrado. Braga, Câmara Municipal de Póvoa de Lanhoso, Portugal: 1998
  • Ecomuseu do Quarteirão Cultural do Matadouro: território de memória e instrumento da comunidade. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, UNIRIO, Mestrado em Memória Social e Documento, 2000.
  • Ecomuseu do Quarteirão Cultural do Matadouro: território de memória e instrumento da comunidade. In : Atas do II Encontro Internacional de Ecomuseus "Comunidade, Patrimônio e Desenvolvimento sustentável"/ IX ICOFOM LAM "Museologia e Desenvolvimento Sustentável" - NOPH, MINOM e ICOFOM LAM, Rio de Janeiro: 2000 (CD ROM)
  • O Ecomuseu de Santa Cruz: gestão comunitária do patrimônio. In: Atas do Seminário "Visões Contemporâneas de Sítios e Centros Históricos" – UFRJ/ FAU/PROARQ/LABLET, Rio de Janeiro: 2002 (CD ROM).
  • O Ecomuseu de Santa Cruz: fragmentos de uma experiência urbana para o desenvolvimento responsável. Texto apresentado na Mesa Redonda "Ecomuseologia" do 8 °Fórum Estadual de Museus/VII Encontro Estadual de Museus de Ciências Naturais "Museus e Globalização"- Sistema Estadual de Museus do RS, Rio Grande: 2002

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Santa Cruz (bairro do Rio de Janeiro)