Copacabana Palace

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Copacabana Palace
Copacabana Palace, Rio de Janeiro, Brasil
Copacabana Palace, Rio de Janeiro, Brasil
Dados e estatísticas do Hotel
Localização Brasil Rio de Janeiro, Brasil
Endereço Avenida Atlântica, n° 1702
Data de abertura 13 de agosto de 1923 (91 anos)
Nº de Estrelas 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg
Arquiteto Joseph Gire
Nº de restaurantes 2
Nº de quartos 222
Nº de suítes 146
Website www.copacabanapalace.com.br

O Hotel Copacabana Palace é um luxuoso e famoso hotel localizado em frente à Praia de Copacabana, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil.

Na atualidade, o Copacabana Palace permanece como um dos mais importantes estabelecimentos hoteleiros da cidade e do Brasil, disponibilizando duzentos e vinte e seis apartamentos e suítes: cento e quarenta e oito no prédio principal e setenta e oito no anexo, distribuídos em uma área de onze mil metros quadrados.

O Copacabana Palace é bastante conhecido em todo o Brasil por hospedar as celebridades internacionais que visitam a cidade do Rio de Janeiro. Além disso, o hotel também é conhecido por realizar alguns dos mais badalados eventos sociais do Brasil, aparecendo frequentemente nas mais renomadas publicações e colunas sociais do país.

O hotel já foi eleito diversas vezes como o melhor hotel da América do Sul, tal como na eleição realizada em 2009 pela World Travel Award, que é um dos mais importantes prêmios mundiais de turismo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Praia vista da entrada do Copacabana Palace na década de 30

O Copacabana Palace foi construído pelo empresário Octávio Guinle e Francisco Castro Silva entre 1919 e 1923, atendendo a uma solicitação do então presidente Epitácio Pessoa (1919-1922), que desejava um grande hotel de turismo na então capital do país, para ajudar a hospedar o grande número de visitantes esperados para a grande Exposição do Centenário da Independência do Brasil, um evento de dimensões internacionais a ser realizado na esplanada do Castelo, em 1922. Em compensação, o Governo Federal concederia incentivos fiscais, assim como a licença para que nele funcionasse um cassino — uma exigência do empresário.

A fachada do Copacabana Palace.

Estabelecido o acordo, o empresário adquiriu um terreno na praia de Copacabana, de frente para a Avenida Atlântica, alargada em 1919 pelo engenheiro Paulo de Frontin. Na época, o hotel foi o primeiro grande edifício em Copacabana, cercado apenas por pequenas casas e mansões.

Para a execução do projeto foi contratado o arquiteto francês Joseph Gire, que se inspirou em dois famosos hotéis da Riviera Francesa: o Negresco, em Nice, e o Carlton, em Cannes. A estrutura, sóbria e imponente, foi erguida pelo engenheiro César Melo e Cunha, que empregou, em larga escala, o mármore de Carrara e cristais da Boêmia.

Entretanto, o hotel só foi inaugurado em 13 de agosto de 1923, quase um ano após a Exposição do Centenário. Isso se deveu às dificuldades na importação de mármores e cristais e na execução das suas fundações (com catorze metros de profundidade, conforme exigido pelo projeto); à falta de tecnologia e experiência no país para tal confecção; e a uma violenta ressaca que, em 1922, destruiu a Avenida Atlântica, causando danos aos pavimentos inferiores do hotel.

Salão nobre.

Para marcar a inauguração, contou-se com a presença da grande cantora, atriz e vedette francesa Mistinguett, que, mesmo tendo as famosas "mais belas pernas do mundo", foi proibida de mostrá-las na festa. Sua presença e sua apresentação tornaram a inauguração do hotel um evento de projeções mundiais.

Tendo em vista o atraso na execução do projeto, o presidente Artur Bernardes (1922-1926) tentou cassar a licença para o funcionamento do cassino em 1924. O assunto foi encaminhado à Justiça, e a família Guinle, após dez anos de disputa, ganhou a causa. O hotel e seu cassino foram essenciais para a consolidação da fama e glamour do bairro nas décadas seguintes.

Salão de festas.

Em 1934, foi construída a piscina do hotel, com projeto do engenheiro César Melo e Cunha, ampliada em 1949. Em 1938, inaugurou-se o "Golden Room", com um espetáculo de Maurice Chevalier.

Em abril de 1946, após a Segunda Guerra Mundial, o presidente Eurico Gaspar Dutra probiu o jogo no país. O cassino foi transformado em uma casa de espetáculos, e o hotel passou por uma ampla reforma, aumentando sua capacidade e acrescentando dois pavimentos ao prédio principal, a pérgula lateral e o anexo nos fundos (inaugurado em 1949). Tal reforma ficou ao cargo do arquiteto Wladimir Alves de Sousa.

Com a transferência da capital para Brasília, em 1960, o hotel conheceu um período de lenta decadência, até ser superado por hotéis mais modernos, construídos na década de 1970.

Em 1985, projetou-se a sua demolição. No entanto, o Copacabana Palace tornou-se patrimônio histórico, sendo tombado nas esferas federais (IPHAN), estadual (INEPAC) e municipal (SEDREPAHC). Em 1989, a família Guinle, na pessoa de José Eduardo Guinle, vendeu-o ao grupo Orient-Express Hotels, que reabilitou o Copacabana Palace, modernizando as antigas instalações sem descaracterizá-las.

Grand Champions Rio[editar | editar código-fonte]

Em 2012, o torneio Grand Champions Rio 2012 marcou a re-inauguração da quadra de tênis do hotel[2] .

Filme "Flying Down to Rio"[editar | editar código-fonte]

O hotel serviu de tema para o musical "Flying Down to Rio", de 1933, com Dolores del Rio, em que Fred Astaire e Ginger Rogers dançam juntos pela primeira vez. Embora ambientado no hotel, o filme foi inteiramente rodado nos Estados Unidos, em estúdios com cenários pintados do Rio de Janeiro e na praia de Malibu, para criar o exterior. O sucesso do filme tornou o hotel conhecido mundialmente.

Referências

  1. Prêmio WTA de turismo considera Copacabana Palace o melhor da América do Sul
  2. oglobo.globo.com/ Hóspedes de luxo exibem talento na quadra de tênis do Copacabana Palace