Estrada de Ferro Central do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Estrada de Ferro Central do Brasil
EFCB History.JPG
Mapa das linhas e ramais da Estrada de Ferro Central do Brasil
Abreviações EFCB
Área de operação Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais
Tempo de operação 18581969
Sucessora Rede Ferroviária Federal - 6ª Divisão Central
Bitola 1,600 m - 2300 km
1,00 m
Sede Rio de Janeiro, Brasil

A Estrada de Ferro Central do Brasil foi uma das principais ferrovias do Brasil, ligando as então províncias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

Implantação[editar | editar código-fonte]

Estação central da Estrada de Ferro Central do Brasil (Marc Ferrez, c. 1870).

Em 9 de fevereiro de 1855, o Governo Imperial firmou contrato com o engenheiro inglês Edward Price para a construção da primeira seção de uma estrada de ferro que visava promover, a partir do Município da Corte (a então cidade do Rio de Janeiro), uma completa integração do território brasileiro sobre trilhos.

Foi então organizada a Companhia de Estrada de Ferro D. Pedro II, sob a direção de Christiano Benedicto Ottoni. O projeto mestre tinha como objetivo a construção de uma espécie de "espinha dorsal" entre o Rio de Janeiro e a estação de Belém em Japeri, que teria conexões com todas as regiões do Brasil através de ramais a serem construídos pela própria companhia, ou, por meio de outras ferrovias.[1]

As obras começaram em 11 de junho de 1855 e, em 29 de março de 1858, foi inaugurada a seção que ligava a Estação Aclamação (na cidade do Rio de Janeiro) à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Marapicu (atual Queimados), num total de 48,21 km.

Nessa época havia cinco estações: Campo (atual Central do Brasil), Engenho Novo, Cascadura (todas no Município da Corte), Maxambomba (atual Nova Iguaçu) e Queimados, na Província do Rio de Janeiro. Em 8 de novembro do mesmo ano, a estrada de ferro se estendeu até Belém (atual Japeri), no sopé da Serra do Mar.

Ampliação[editar | editar código-fonte]

Estação Paulo de Frontin/RJ, na Linha do Centro.
Locomotiva da Central do Brasil abandonada na Estação Barão de Mauá, no Rio de Janeiro.
Túnel 12, em Mendes/RJ, o mais extenso da Estrada de Ferro Central do Brasil.
Estação Barra do Piraí, no entroncamento da Linha do Centro com o Ramal de São Paulo.

Em 1860, foi concluído o Ramal de Macacos, a partir de Japeri, que era o ponto de partida para que a Estrada de Ferro D. Pedro II atravessasse a Serra do Mar. Em 12 de julho de 1863 os trilhos chegaram a Rodeio (atual Engenheiro Paulo de Frontin) e, no ano seguinte, à região fluminense do Vale do Paraíba. O primeiro trem de passageiros alcançou Barra do Piraí a 9 de agosto de 1864.

Após a conclusão da transposição da Serra do Mar, a linha se bifurcou, com a linha tronco, chamada Linha do Centro, seguindo na direção de Entre Rios (atual Três Rios) e tendo como destino a Província de Minas Gerais. O ramal, chamado Ramal de São Paulo, seguiu à margem direita do Rio Paraíba, até Porto de Cachoeira (atual Cachoeira Paulista), passando por Queluz, já na Província de São Paulo. Este trecho seria concluído em 1874, com as composições da Estrada de Ferro D. Pedro II alcançando a estação de Porto de Cachoeira em 20 de julho de 1875.

A ligação entre Cachoeira e a capital da província paulista, seria construída posteriormente pela Companhia São Paulo e Rio de Janeiro, um trecho de 231 km, inaugurado em 8 de julho de 1877.[2]

Em Entre Rios (onde chegou em 13 de outubro de 1867), a Estrada de Ferro D. Pedro II encontrou-se com a Estrada de Rodagem União e Indústria, inaugurada em 1861. Essa estrada ligava Petrópolis a Juiz de Fora. A partir dali, seguiu para outros municípios da província mineira, alcançando Queluz de Minas (atual Conselheiro Lafaiete) em 1883.

Em 1880, foi construído um pequeno ramal próximo à estação Dom Pedro II para atingir o Porto do Rio de Janeiro, com dois túneis e uma estação chamada Estação Marítima.

Estrada de Ferro Central do Brasil[editar | editar código-fonte]

Quando da Proclamação da República, em 1889, a Estrada de Ferro D. Pedro II teve seu nome alterado para Estrada de Ferro Central do Brasil (mudança oficializada a 22 de novembro desse ano). Ainda assim, os trabalhos de ampliação continuaram.

Em 1890 incorporou a Companhia São Paulo e Rio de Janeiro, que ligava a capital paulista a Cachoeira Paulista.

Em 1895, os trilhos que seguiam por Minas Gerais chegaram a General Carneiro e se bifurcaram em direção a Belo Horizonte e Sete Lagoas. Já a cidade de São Paulo foi atingida em 1890, após a incorporação da Companhia São Paulo e Rio de Janeiro, que seguia de São Paulo até Cachoeira.

No decorrer do século XX, a Estrada de Ferro Central do Brasil continuou sendo ampliada, especialmente com a incorporação de ramais já existentes. Contudo, algumas das estradas de ferro encampadas eram deficitárias, prejudicando muitas vezes os lucros alcançados nas linhas principais.

Rumo à Bahia[editar | editar código-fonte]

A Estrada de Ferro Central do Brasil que ia até Montes Claros chegou a Monte Azul, no norte de Minas Gerais, em 10 de setembro de 1947. A cidade ficava próxima à divisa do estado de Minas com o da Bahia. Em 1950, a Viação Férrea Federal do Leste Brasileiro, que se iniciava em Salvador, chegou até Monte Azul, ligando-se com a E. F. Central do Brasil.

Linhas e Ramais[editar | editar código-fonte]

Túnel 27 da Variante do Parateí, em Mogi das Cruzes/SP.
Linha Origem Destino Extensão (km) Observações
Linha do Centro Dom Pedro II (Rio de Janeiro-RJ) Monte Azul-MG 1354,2 Linha principal da ferrovia e a primeira a ter sua construção iniciada (em 1858).
Linha Auxiliar Alfredo Maia (Rio de Janeiro-RJ) Porto Novo (Além Paraíba-MG) 240,1 Antiga Estrada de Ferro Melhoramentos
Ramal de Bananal Saudade (Barra Mansa - RJ) Bananal - SP 82,6 Antiga Estrada de Ferro Bananal
Ramal de Mangaratiba Deodoro (Rio de Janeiro-RJ) Mangaratiba-RJ 81,1 Também conhecido como Ramal de Angra dos Reis, pois deveria atingir esta cidade.
Ramal de Paracambi Japeri-RJ Paracambi-RJ 8,2
Ramal de Piquete Lorena - SP Limeira (Piquete - SP) 20,2 Antiga Estrada de Ferro Lorena - Piquete
Ramal de Paracambi Japeri-RJ Paracambi-RJ 8,2
Ramal de São Paulo Barra do Piraí-RJ Norte/Roosevelt (São Paulo-SP) 390,9 Em 1890, incorporou a Estrada de Ferro do Norte (entre São Paulo e Cachoeira Paulista).
Variante do Parateí São José dos Campos-SP Eng. Manoel Feio (Itaquaquecetuba-SP) 27,8 Começa no Ramal de São Paulo e termina na Variante de Poá.
Variante de Poá Calmon Vianna (Poá - SP) Eng. Gualberto (São Paulo-SP) 27,8 Começa e termina no Ramal de São Paulo.
Variante do Paraopeba Joaquim Murtinho (Congonhas do Campo-MG) General Carneiro (Sabará-MG) 190,0 Passa por Belo Horizonte-MG.

Linhas Suburbanas[editar | editar código-fonte]

A Estrada de Ferro Central do Brasil teve aquela que foi considerada a maior malha de trens suburbanos do Brasil, com três sistemas: Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte, além do popularmente conhecido como Trem Xangai, que ligava os subúrbios de Juiz de Fora ao seu centro.

Região Metropolitana Linha Extensão (km) Período Observações
Rio de Janeiro Dom Pedro II (Rio de Janeiro) ↔ Deodoro (Rio de Janeiro) 22,050 1866 -
Rio de Janeiro Dom Pedro II (Rio de Janeiro) ↔ Japeri 61,750 ? -
Rio de Janeiro JaperiParacambi 8,250 ? - Hoje apenas uma extensão operacional, mas, em certas épocas, havia trens que partiam direto de D. Pedro II a Paracambi.
Rio de Janeiro Dom Pedro II (Rio de Janeiro) ↔ Santa Cruz (Rio de Janeiro) 54,775 1878 - Em certas épocas, os trens seguiam até Matadouro de Santa Cruz.
Rio de Janeiro Alfredo Maia (Rio de Janeiro) ↔ Japeri 64,000 ? - 1970 Antiga Linha Auxiliar.
Rio de Janeiro Alfredo Maia ou Dom Pedro II (Rio de Janeiro) ↔ São Mateus (São João de Meriti) não disponível ? - 1993 Antiga Linha Auxiliar. Em certas épocas, os trens seguiam até Thomazinho ou Rocha Sobrinho.
Rio de Janeiro Dom Pedro IIBelford Roxo não disponível 1993 - Antiga Linha Auxiliar. O trecho entre Pavuna e Belford Roxo pertencia à extinta E. F. Rio do Ouro.
Rio de Janeiro Santa CruzMangaratiba (posteriormente Itaguaí) 10 1911 - 1990 Antigo Ramal de Angra dos Reis. Até a década de 70, saíam trem diários da estação central do Brasil com destino à Mangaratiba. Em 1986, só existiam trens ligando Santa Cruz à Itaguaí.
São Paulo Luz ou Roosevelt (Brás, São Paulo) ↔ Estudantes (Mogi das Cruzes) 50,840 1886 - Até 1911 seguia apenas até Itaquera ou Guaianases. Até 1976 seguia apenas até Mogi das Cruzes.
São Paulo Roosevelt (Brás, São Paulo) ↔ Calmon Viana (Poá) 38,822 1934 - Antiga Variante de Poá.
Belo Horizonte Belo HorizonteRio Acima não disponível 1950 - 1996 Em certas épocas, sua extensão foi menor (até General Carneiro, ou, até Matadouro).
Juiz de Fora Matias BarbosaBenfica (Juiz de Fora) não disponível 1950 - 1996 Conhecido como "Trem Xangai".


Extinção[editar | editar código-fonte]

Em 1969 foi criada no âmbito da Rede Ferroviária Federal (RFFSA) a 6ª Divisão Central, sucedendo à EFCB. Em 1973 sai do âmbito da 6ª Divisão central as linhas de bitola métrica, formando a 14ª Divisão Centro-Norte. Esta, em 1975, foi repassada à Viação Férrea Centro-Oeste (VFCO), formando a Superintendência Regional 2 da RFFSA, com sede em Belo Horizonte.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Estações Ferroviárias do Brasil: EFCB - Linha do Centro
  2. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. Vida cotidiana em São Paulo no século XIX. [S.l.]: UNESP, 1999. 407 pp. ISBN 8585851678 (Digitalização parcial por Google Livros)


Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.