Débora Bloch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Débora Bloch
Nascimento 29 de maio de 1963 (51 anos)[1]
Belo Horizonte, MG[1]
Nacionalidade  brasileira
Ocupação Atriz
Página oficial
IMDb: (inglês)

Débora Bloch (Belo Horizonte, 29 de maio de 1963) é uma premiada atriz brasileira.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filha do também ator Jonas Bloch,[1] parente distante do fundador da Rede Manchete, Adolpho Bloch. Seu bisavô (avô paterno de Jonas) era irmão de Joseph Bloch, pai de Adolpho, conforme citado no livro Os Irmãos Karamabloch, escrito por Arnaldo Bloch, sobrinho-neto de Adolpho.

Seu contato com as artes cênicas começou cedo, quando, ainda pequena, ela e a irmã acompanhavam o pai, a ensaios e montagens de peças teatrais. Aos sete anos, viu o pai lutar esgrima com Walmor Chagas no quintal de sua casa, durante um ensaio de Hamlet. Cresceu fascinada com a profissão.

Aos 17 anos, após fazer o curso de Ivan Albuquerque, Rubens Corrêa e Amir Haddad no teatro Ipanema; embora tenha passado para duas opções no vestibular - História e Comunicação; escolheu seguir carreira nos palcos.[1] Sua estreia profissional foi, em 1980, na peça Rasga Coração, substituindo Lucélia Santos. Nesse mesmo ano fez uma participação especial em Água Viva. Passou a integrar o grupo teatral Manhas e Manias, sendo contemporânea dos atores Andréa Beltrão, Chico Diaz e Pedro Cardoso, com quem encenou peças como Brincando com Fogo, em 1982, e Recordações do Futuro, em 1983, criações coletivas do grupo, que ganhou 13 prêmios por seus espetáculos infantis.

Ao todo, atuou em dez peças, entre elas Fica Comigo Esta Noite, de 1990, com a qual foi premiada com o Shell de melhor atriz; Cinco Vezes Comédia, de 1996; Duas Mulheres e Um Cadáver, de 2000, em que dividiu o palco com Fernanda Torres; e Tio Vanya, de 2003, em que além de atuar e contracenar com o ator Diogo Vilela, foi responsável também pela produção da peça, tendo recebido o prêmio Qualidade Brasil de melhor atriz teatral na categoria Drama.

A estreia na TV Globo aconteceu em 1981, quando foi escalada para fazer a personagem Lívia na novela Jogo da vida, com o qual ganhou o prêmio de atriz revelação da Associação Paulista de Críticos de Arte. Em 1982, emendou com a personagem Clara de Sol de Verão, em que contracenou com Tony Ramos, Jardel Filho e Irene Ravache.[1]

Débora e Gilberto Gil, no Teatro Net, 2014

Fazendo cinema e teatro ao mesmo tempo em que dava os primeiros passos na TV, ficou reclusa das novelas por quatro anos, limitando-se a participações especias em seriados da emissora. Em 1984, participou da trilha musical de Bete Balanço, sua estreia nos cinemas, com o qual ganhou o prêmio Air France de melhor atriz. Depois, atuou no longa Noites do Sertão, que lhe valeu os prêmios de melhor atriz no 17º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, no 17º Festival Brasileiro de Cinema de Gramado,[2] e no 24º Festival de Cinema de Cartagena.[2] Foi o início de uma carreira cinematográfica que inclui dez atuações em filmes. Em 1986, adotou uma postura masculinizada para viver a mecânica Ana Machadão da novela Cambalacho.

Com a estreia do humorístico TV Pirata, em 1988, mostrou versatilidade e talento para o humor ao interpretar diferentes personagens em uma série de esquetes e quadros fixos. Adelaide Catarina, a repórter de TV cheia de tiques, foi uma das que entraram para a galeria de tipos inesquecíveis do programa.[1]

Em 1990, o TV Pirata saiu do ar, para voltar a ser exibido dois anos depois. Nesse intervalo, foi escalada para a minissérie A, E, I, O... Urca e, em 1991, atuou no humorístico Doris para Maiores, primeiro programa regular a contar com as atuações do grupo Casseta & Planeta. Com o fim do TV Pirata em 1992 voltou a fazer novelas, tendo participado de Deus nos Acuda.

Em 1993 participou do embrião da série A Comédia da Vida Privada que foi exibido dentro de um Brasil Especial, e depois, em 1995, participaria de mais três episódios da série em si. Em 1994 aceitou o convite para viver a protagonista do remake de As Pupilas do Senhor Reitor, transferindo-se para o SBT.[1] E ainda esteve presente no elenco do filme Veja Esta Canção tendo recebido o prêmio de melhor atriz no Festival Latino - Americano de Rhode Island[2] (EUA) e Associação Paulista de Críticos de Arte. Morou por dois anos em São Paulo com o marido, o francês Olivier Anquier, e a filha Júlia até voltar para a TV Globo, em 1996, no papel da sofisticada e irônica Teodora de Salsa e Merengue.[1] Também em 1996 atuou em vários episódios da série A Vida Como Ela É..., exibida dentro do dominical Fantástico. Em 1998, fez parte do elenco fixo do humorístico Vida ao Vivo Show, sitcom exibida dentro do dominical Fantástico[1] e, em 1999, co-protagonizou Andando nas Nuvens, na pele da jornalista Júlia Montana.

A partir dai, seriam mais seis anos sem fazer novelas tendo participado de outras produções da emissora, entre elas, a minissérie Invenção do Brasil de 2000, produzida em comemoração aos 500 anos da descoberta do Brasil, trabalho esse que também ganhou uma versão para o cinema. Na minissérie, interpretou Isabelle, francesa que disputa o amor de Caramuru (Selton Mello) com a índia Paraguaçú (Camila Pitanga). Em 2004, protagonizou ao lado de Andréa Beltrão e Diogo Vilela, o quadro do Fantástico, As 50 Leis do Amor.

Em 2005, retornou as novelas atuando em A Lua me Disse, como a politicamente incorreta Madô, dondoca consumista e inescrupulosa, que caiu nas graças do público.[1] Na programação da Rede Globo desse dado ano, atuou no piloto do humorístico Toma Lá Dá Cá, como Rita, personagem que na série original seria feita pela atriz Marisa Orth.

Dai adiante, inicia uma série de participações em minisséries. Em 2006, após a desistência da atriz Maria Fernanda Cândido de integrar o elenco da minissérie JK, devido a sua gestação, Débora a substituiu dando vida à corista Dora Amar. No ano seguinte, encarnou personagem de grande destaque na minissérie Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, onde deu vida a Beatriz, amante do protagonista Galvez, de José Wilker. Por último, em 2008, despontou como a artista plástica Lena da minissérie Queridos Amigos.

Em 2009, co-protagonizou a novela Caminho das Índias, como Sílvia, mulher que inicia a trama casada com um empresário rico, porém vive um casamento infeliz.[1] Sua personagem então busca refúgio na amizade da amiga dos tempos de escola Yvone, sem saber que essa almeja dar um golpe em seu marido.

Foi protagonista da série Separação?!, com a protagonista Karin. Foi casada durante quinze anos com o padeiro e empresário francês Olivier Anquier e tem dois filhos, Júlia e Hugo.[2] De 2004 à 2011 a atriz foi a locutora oficial da rede de rádios Oi FM.

A atriz, esteve no ar em Cordel Encantado na pele da vilã Duquesa Úrsula, sendo muito elogiada pela sua atuação. Em 2012, interpretou a consumista e fútil Verônica em Avenida Brasil, uma das esposas do executivo mulherengo Cadinho (Alexandre Borges).[1] [3]

Em 2013 é escalada para a refilmagem de Saramandaia, no qual interpretou Risoleta, originalmente vivida por Dina Sfat na primeira versão.[4] [5] Em 2014, é escalada para Sete Vidas, na qual é cotada para repetir par romântico novamente com Domingos Montagner.[6] [7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1980 - Rasga Coração
  • 1982 - Brincando com Fogo
  • 1983 - Recordações do Futuro
  • 1990 - Fica Comigo Esta Noite
  • 1996 - Cinco Vezes Comédia
  • 2000 - Duas Mulheres e Um Cadáver
  • 2003 - Tio Vanya
  • 2008 - Brincando em Cima Daquilo

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Lombardi, Renato. (18 de outubro de 2012). Mineira talentosa que brilha na telinha. SuperTV 110 (23): 23. Belo Horizonte: Sempre Editora (O jornal SuperTV acompanha o jornal Super Notícia.).
  2. a b c d Vida - Débora Bloch Contigo!. Página visitada em 24 de outubro de 2012.
  3. Alexandre Borges e Debora Bloch gravam cenas de "Avenida Brasil"vobra=UOL (24 de fevereiro de 2012). Página visitada em março de 2012.
  4. Gshow (14 de setembro de 2013). Paixão animal! Débora Bloch comenta sobre o fetiche que Risoleta tem pelo lobisomem Por Trás das Câmeras - Saramandaia. Página visitada em 18 de agosto de 2014.
  5. UOL SP (30 de abril de 2014). Débora Bloch aparece caracterizada como Risoleta para "Saramandaia" UOL Televisão. Página visitada em 18 de agosto de 2014.
  6. Patrícia Kogut (18 de agosto de 2014). Débora Bloch está cotada para ser par de Domingos Montagner em novela O Globo. Página visitada em 18 de agosto de 2014.
  7. Fernando Oliveira (01 de setembro de 2014). Débora Bloch será uma das protagonistas de ‘Sete Vidas’, próxima trama das seis R7. Mundo da TV. Página visitada em 01 de setembro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Débora Bloch


Precedida por:
Marília Pêra
por Bar Esperança
Prêmio Air France de Cinema (Melhor atriz)
por Bete Balanço

1984
Sucedida por:
-
Precedida por:
Aracy Balabanian
por A Próxima Vítima
Troféu Imprensa de (Melhor atriz)
por Salsa e Merengue

1997
Sucedida por:
Eva Wilma
por A Indomada
Precedida por:
Maitê Proença
por Jogo da Vida
Troféu APCA de (Melhor Revelação Feminina da Televisão)
por Sol de Verão

1983
Sucedida por:
Dora Pellegrino
por Livre para Voar
Precedida por:
Marília Pêra
por Bar Esperança
Bárbara Fazio
por Doce Delírio
Troféu APCA de (Melhor Atriz)
por Noites do Sertão
(também por Bete Balanço)

1985
Sucedida por:
Carla Camurati
por A Estrela Nua
Precedida por:
Patrícia Pillar
por A Maldição do Sanpaku
Troféu APCA de (Melhor Atriz)
por Veja Esta Canção

1995
Sucedida por:
Glória Pires
por O Quatrilho
Precedida por:
Betty Lago
por Quatro por Quatro
Prêmio Contigo de (Melhor Atriz Cômica)
por Salsa e Merengue

1997
Sucedida por:
Luiza Tomé
por A Indomada
Precedida por:
Nice Marinelli
por Janete
Troféu Candango de (Melhor Atriz)
por Noites do Sertão

1984
Sucedida por:
Marcelia Cartaxo
por A Hora da Estrela
Precedida por:
Marília Pêra
por Bar Esperança
Kikito de Ouro de (Melhor Atriz)
por Noites do Sertão

1984
Sucedida por:
Fernanda Torres
por A Marvada Carne
Precedida por:
-
Índia Catalina de Ouro de (Melhor Atriz)
por Noites do Sertão

1984
Sucedida por:
Norma Aleandro
por A História Oficial


Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.