Andréa Beltrão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Andréa Beltrão
Andréa Beltrão
É a melhor atriz do Brasil.
Nome completo Andréa Viana Beltrão
Nascimento 16 de setembro de 1963 (50 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade  brasileira
Morte
Rio de Janeiro
Ocupação atriz
Cônjuge Maurício Farias
IMDb: (inglês) (português)

Andréa Vianna Beltrão[1] (Rio de Janeiro, 16 de setembro de 1963) é uma atriz, comediante, cineasta, jornalista e escritora brasileira de cinema, teatro e televisão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É casada com Maurício Farias, diretor e cineasta, com quem tem três filhos: Francisco, Rosa e José.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Estreou na televisão em 1984, na telenovela Corpo a Corpo, de Gilberto Braga.[1] Pertence também ao primeiro escalão de comediantes da TV Globo, tendo se tornado popular como Zelda Scott no seriado Armação Ilimitada, dirigido por Guel Arraes, que estreou em 1985, estendendo-se até 1988. A personagem "uma heroína, de cabelo curtinho, capaz de ser negra, flor, alface, sapatão, tudo" é a favorita entre as interpretadas pela atriz.[2]

Atuou em outras telenovelas da TV Globo, como Rainha da Sucata (1990), de Sílvio de Abreu, Pedra Sobre Pedra (1992), de Aguinaldo Silva, Mulheres de Areia (1993) e A Viagem (1994), ambas de Ivani Ribeiro. Em 1996, ganhou sua primeira protagonista, a Helena de Vira Lata, de Carlos Lombardi e, em 1998, deu vida a sua primeira vilã, a Bruna da novela Era Uma Vez, de Walter Negrão. Em A Viagem (1994), Andrea Beltrão viveu a jovem sonhadora e rebelde Lisa, grande destaque em sua carreira na TV.

Paralelamente ao trabalho nas novelas, a atriz fez diversas participações em séries e especiais na TV, quase todos representantes da onda de programas inovadores que misturam humor e dramaturgia, surgida na TV Globo a partir da década de 1980. Atuou em episódios do Você Decide; encarnou Radical Chic, a personagem do desenhista Miguel Paiva, no game-show O Jogo da Radical Chic. Interpretou também Lovemar, a costureira de Naum Alves de Souza no episódio Suburbano Coração, da série Brasil Especial; trabalhou na série Comédia da Vida Privada, sob a direção de Guel Arraes; e, em 1999, experimentou com o diretor Maurício Farias uma nova linguagem no quadro Garota TPM, exibido no humorístico Zorra Total, onde fazia Roberta, personagem que mudava de humor de uma hora para outra.

Participou de episódios do Brava Gente, protagonizou o especial de fim de ano Carol & Bernardo ao lado do ator Eduardo Moscovis, e em 2004, com os atores Débora Bloch e Diogo Vilela, protagonizou o quadro do Fantástico, As 50 leis do Amor. No Fantástico ainda, participou de outros quadros, entre eles, Sitcom.br e Damas e Cavalheiros.

Fez parte (entre 2002 a 2009) do elenco do seriado A Grande Família, em que deu vida a cabeleireira Marilda (melhor amiga de Nenê e patroa de Bebel). Também participou da minissérie Som & Fúria, como Elen. Atualmente desponta na série Tapas & Beijos

Tapas & Beijos.jpg

interpretando a personagem Sueli.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Fez sua estréia no filme Bete Balanço (1984), de Lael Rodrigues, e, em seguida, atuou em Garota Dourada (1984), de Antonio Calmon.

Recebeu premiações em festivais nacionais por seu desempenho em O Escorpião Escarlate, de 1986; e Minas-Texas, de 1989.

Foi dirigida pelo marido, o cineasta Maurício Farias nos filmes O Coronel e o Lobisomem, A Grande Família - O Filme e Verônica. Neste último, Andréa é uma professora do subúrbio carioca, que sai em defesa de um menino órfão, interpretado por Matheus de Sá, cujo os pais foram mortos por traficantes.[3]

Filmes

Teatro[editar | editar código-fonte]

A-Grande-Família-logo.jpg

Iniciou a carreira no Teatro Tablado em 1978. o teatro foi fundado por Maria Clara Machado, onde Andréa estreou interpretando o personagem João Grilo, da peça O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna.

No início da década de 1980, integrou diversos grupos teatrais, entre eles o Arco da Velha, em que realizou trabalhos em orfanatos e hospitais infantis, o Manhas e Manias, que recebeu ao todo 13 prêmios por seus espetáculos infantis, e o Manhas de Cabaré, que promoveu a reforma do teatro Gláucio Gil com espetáculos de dança, música e cursos de teatro.

Recebeu o Prêmio Shell de melhor atriz pela peça A Prova (2002), dirigida por Aderbal Freire Filho. Em junho de 2005, junto com a amiga Marieta Severo, inaugurou o Teatro Poeira, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. Em 2008, ganhou novamente o prêmio de melhor atriz, desta vez por sua atuação, ao lado de Marieta Severo, na peça As Centenárias, de Newton Moreno.

Peças

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Trabalho indicado Resultado Ref
2011 Prêmio Extra de Televisão Melhor Atriz Sueli em Tapas & Beijos Vencedora [1]
Prêmio Contigo! de TV Melhor Atriz de Série ou Minissérie Indicada [5]
Melhores do Ano Comédia (com Fernanda Torres) Indicada [6]
2012 Prêmio Arte Qualidade Brasil Melhor Atriz Vencedora
Prêmio Quem de Televisão Melhor Atriz Indicada
Prêmio Contigo! de TV Melhor Atriz de Série ou Minissérie Vencedora

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Andréa Beltrão