Paulo Betti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Paulo Betti
Paulo Betti em maio de 2011
Nome completo Paulo Sérgio Betti
Nascimento 10 de Setembro de 1952 (62 anos)
Rafard, São Paulo
Ocupação ator e produtor
Cônjuge Maria Ribeiro (2001-2005)
Eliane Giardini (1973-1997)
Atividade 1978 - atualidade

Paulo Sérgio Betti (Rafard, 10 de setembro de 1952) é um ator e produtor de teatro, cinema e televisão[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de italianos[2] , Paulo Betti nasceu numa pequena casa na zona rural de Rafard, no interior do estado de São Paulo, tendo-se mudado com a sua família para a cidade de Sorocaba, ainda durante a sua infância.

Foi casado com a atriz Eliane Giardini, entre 1973 e 1997, com quem tem duas filhas: Juliana, nascida em 1977, e Mariana, nascida em 1980. Em 2001, casou-se com a atriz Maria Ribeiro de quem se divorciou em 2005. Os dois têm um filho, João, nascido em 2003.

Interpretou uma das suas personagens mais marcantes do cinema, em Zuzu Angel. Também interpretou outro personagem histórico, o Visconde de Mauá, Irineu Evangelista de Sousa, no filme Mauá: o imperador e o rei.

Apresentou o programa Novos Nomes em Cena, no Canal Brasil, onde entrevistava jovens atores brasileiros. Também produziu, roteirizou e dirigiu o filme Cafundó, estreado em 2005, onde faz uma pequena participação como romeiro. Cafundó era um projeto pessoal de Paulo Betti que foi duramente criticado pela crítica e por parte da população de Sorocaba, que esperava se ver retratada no filme. Paulo Betti preferiu filmar em Ponta Grossa no Paraná e optou em não utilizar atores sorocabanos, embora tenha captado recursos com empresas da cidade.

Outra polêmica envolvendo Cafundó está no processo movido pelos escritores Adolfo Frioli e Carlos de Campos acusando Betti de ter utilizado um livro de sua autoria de forma não autorizada na composição do roteiro do filme.

Em 2007, atuou na telenovela Sete Pecados, em que viveu Flávio, um arqueólogo milionário e pai da mimada Beatriz Priscila Fantin.

No Teatro, atuou em peças como: O Doente Imaginário, de Molière; O Processo, de Franz Kafka; O Boca de Ouro, de Nelson Rodrigues; Viagem a Forli, de Mauro Rasi; O Inimigo do Povo, de Henrik Ibsen; O Homem que viu o Disco Voador, de Flávio Márcio; Como Aprendi a Dirigir um Carro, de Paula Vogel e Do Fundo do Lago Escuro, com texto e direção de Domingos Oliveira. Atualmente, viaja pelo País com a peça "Deus da Carnificina", com texto de Yasmina Reza e Direção de Emilio de Mello.

Em 2014, interpreta o blogueiro vilão Téo Pereira em Império (telenovela) a novela de Aguinaldo Silva.

Política[editar | editar código-fonte]

Em 1989 produziu, ao lado de Adair José, o videoclipe do jingle "Lula Lá", da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do Partido dos Trabalhadores à presidência. Apoiou Lula durante todas as suas candidaturas presidenciais, inclusive na última, em 2006, quando vários artistas deixaram de o apoiar devido ao escândalo que ficou conhecido na mídia como "mensalão" [3] , tendo sido o apresentador oficial do vídeo da festa de 25 anos do PT.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Telenovelas
Minisséries e seriados
Especiais

Cinema[editar | editar código-fonte]

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado Ref.
2014 Prêmio F5 Ator Coadjuvante do Ano (novela) Téo Pereira em Império Indicado [8]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Paulo Betti