Fábio Barreto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2011).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Fábio Barreto
Barreto durante a estréia de Lula, o filho do Brasil no Festival de Brasília em 2009.
Nome completo Fábio Villela Barreto Borges
Nascimento 6 de junho de 1957 (57 anos)
 Rio de Janeiro Capital
Cônjuge Dora Pellegrino (1988-2000) Déborah Kalume (2003-presente)
Atividade 1977-presente
IMDb: (inglês)

Fábio Villela Barreto Borges (Rio de Janeiro, 6 de junho de 1957) é um cineasta, ator, produtor e roteirista brasileiro, mais conhecido por dirigir O Quatrilho (1995), indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro,[1] e por dirigir e co-escrever Lula, o Filho do Brasil (2009), um drama biográfico sobre a vida de Luiz Inácio Lula da Silva, considerado um dos filmes mais caros da história do cinema brasileiro.[2] Após um acidente em dezembro de 2009, Barreto entrou em coma e continua tratamento em casa, embora não apresente grandes melhoras e continue parcialmente inconsciente desde então.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Luís Carlos Barreto, e irmão do também cineasta Bruno Barreto. Atuou no primeiro curta-metragem, "Três Amigos que Não se Separam", quando tinha nove anos; no filme também atuaram sua irmã (Paula Barreto) e a cadela Baleia, coadjuvante no filme Vidas Secas (1963).

Foi assistente de direção de Carlos Diegues em Bye Bye Brasil (1979). Iniciou sua carreira no cinema aos 20 anos, dirigindo o curta-metragem A Estória de José e Maria (1977). E estreou como diretor de longa-metragem no Festival de Cannes de 1982, com Índia, a Filha do Sol (1982), inscrito na Quinzena dos Realizadores; tinha 24 anos.

Seu filme O Quatrilho (1995) foi indicado para o Oscar de melhor filme estrangeiro de 1995.

Trabalhou como ator em dois filmes — For all - O trampolim da vitória (1997) e Memórias do cárcere (1984) — e dirigiu 9 longas.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado desde 2003 com a atriz Déborah Kalume.

Acidente[editar | editar código-fonte]

Na noite de 19 de dezembro de 2009, Barreto sofreu um acidente de trânsito no Rio de Janeiro. Segundo Wagner Generoso, que testemunhou o acidente e participou do resgate, o automóvel de Barreto foi fechado por outro veículo, quando então o motorista perdeu o controle do carro e capotou[4] . Ao ser internado no Hospital Copa D'Or com traumatismo craniano, seu estado de saúde foi considerado grave.[5] Em 13 de janeiro de 2010 um boletim médico divulgou a melhora em seu estado de saúde,[6] e no dia 21 de janeiro ele foi submetido a uma nova cirurgia para colocação de uma válvula cerebral como parte do tratamento da hidrocefalia provocada pelo traumatismo crânio-encefálico.[7] Fábio recebeu alta dia 22 de Março e continua seu tratamento em casa.[8] [9]

Mesmo recebendo tratamento especial em casa, Barreto não tem mais a vida de antes e ainda continua inconsciente após esses 2 anos. Segundo sua esposa, a atriz Deborah Kalume, que tem se dedicado a ajudá-lo também, "Às vezes ele responde do jeito dele. Suspira, fica com a respiração diferente. Em determinados momentos acho que ele está ali. Em outros, não."[3]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o
Como diretor
Como ator

Premiações[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]