Giulia Gam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Giulia Gam
Giulia Gam
Nascimento 28 de dezembro de 1966 (47 anos)
Perugia, Itália
Nacionalidade Brasil brasileira
Itália italiana
Ocupação atriz
IMDb: (inglês)

Giulia Gam (Perugia, 28 de dezembro de 1966) é uma atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Giulia nasceu na Itália, por ocasião da realização de um curso do pai, José Carlos Gam Heuss. Sua carreira teatral começou aos quinze anos de idade com o diretor Antunes Filho, que a selecionou para uma montagem de Romeu e Julieta, em 1984. Com a companhia de Antunes, viajou numa grande turnê pela Austrália, Europa, Estados Unidos e Israel.

Depois que a companhia se dissolveu, viajou para Paris, onde encontrou Peter Brook, que a motivou a continuar com a sua carreira. Em janeiro de 1987, de volta ao Brasil, junta-se no elenco da peça de Jean Racine, Fedra, convidada por Fernanda Montenegro. Trabalharia ainda com importantes diretores do teatro, entre os quais se destacam José Celso Martinez e Gerald Thomas.

Estreou na TV Globo ainda naquele ano, convidada pelo diretor Roberto Talma para participar dos 15 primeiros capítulos da novela Mandala, como a protagonista Jocasta, na fase jovem. A personagem, posteriormente, seria vivida pela atriz Vera Fischer.

No ano seguinte, protagonizou a minissérie O Primo Basílio, onde interpretou a jovem Luísa, contracenando com Marília Pêra, que viveu a perversa Juliana, e Tony Ramos, no papel de Jorge.

Em seguida, participou da novela Que Rei Sou Eu?, de 1989, que reuniu grandes nomes da televisão: Tereza Rachel, como a rainha Valentine; Antônio Abujamra, como o bruxo Ravengar; Marieta Severo, como Madeleine; e Daniel Filho, como Bergeron Bouchet, entre outros.

Dois anos depois, em 1991, fez uma participação especial na novela Vamp, no papel de uma vampira roqueira, baixista do conjunto liderado por Natasha, de Cláudia Ohana.

Em 1993 foi escalada para interpretar Linda Inês, a protagonista de Fera Ferida. Entre 1995 e 1996 esteve no elenco principal das séries A Comédia da Vida Privada e A Vida Como Ela É..., baseadas, respectivamente, nas crônicas de Luís Fernando Veríssimo e Nelson Rodrigues. Em 1998 protagonizou a minissérie Dona Flor e Seus Dois Maridos, em que a sua personagem, Florípedes Paiva (Dona Flor), vivia um triângulo amoroso com as personagens de Edson Celulari e Marco Nanini.

Ela tem um filho, Theo, com o jornalista Pedro Bial, com quem foi casada por 2 anos (1998 - 2000). Na separação, Giulia Gam e Pedro Bial lutaram pela guarda de Theo que nasceu em 1998, 2 anos de idade na época. Giulia ganhou a custódia da criança.

Voltou às novelas em uma participação na novela A Padroeira, de 2001. Sua personagem, a vilã Antonieta, chegava à trama, já com uma boa frente de capítulos, para atrapallhar a vida dos protagonistas vividos por Deborah Secco e Luigi Baricelli.

Após dez anos sem participar de uma novela inteira, integrou o elenco de Mulheres Apaixonadas, na pele da histérica Heloísa, uma mulher obsessiva e muito ciumenta. Sua atuação obteve grande reconhecimento do público, abordando problemas relacionados a crises conjugais e apresentando ao telespectador o grupo de auxílio Mada (Mulheres que Amam Demais Anônimas), criado nos moldes dos Alcoólicos Anônimos.

Em 2005 após mais dois anos e meio sem fazer novelas, retornou ao vídeo em Bang Bang, onde despontou como a sedutora Vegas Locomotiv, que inicialmente na trama era apenas uma cafetina engraçada e depois viria a tornar-se uma vilã fria e cruel. Participou dos primeiros capítulos de Eterna Magia.

Em 2008 participou de A Favorita, no papel de Diva Palhares, uma mulher que abandona o marido e o filho, para fugir com um outro homem e acaba presa por tráfico internacional de armas. Após cumprir pena, seu único objetivo é ter o perdão da família. Em 2010, participou de Ti Ti Ti como a sofrida socialite Bruna Sampaio, uma mulher bem-casada com Gustavo (Leopoldo Pacheco), dono de uma editora, que muda radicalmente de vida ao descobrir a existência de um câncer.

Em 2012 interpretou a culta jornalista Laura Belize em Amor Eterno Amor.

Em 2013 volta às novelas com uma vilã cômica, a decadente Bárbara Ellen em Sangue Bom.[1] [2] [3] Em 2014, é cotada para interpretar a vilã de Boogie Oogie, novela de Rui Vilhena, que substituirá Meu Pedacinho de Chão às 18h. [4]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

No Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1984 - Romeu e Julieta
  • 1991 - Fim de Jogo
  • 1998 - Cacilda
  • 2005 - Dilúvio em Tempos de Seca

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Novela Resultado
1988 Troféu Imprensa Revelação do Ano Mandala Venceu
2004 Troféu Imprensa Melhor Atriz Mulheres Apaixonadas Venceu
Melhores do Ano Indicado
Prêmio Contigo! Indicado
Prêmio Extra de TV Venceu
2013 Melhores do Ano Melhor Atriz Coadjuvante Sangue Bom Indicado

Referências

  1. Ghow (26 de abril de 2013). Giulia Gam e Marisa Orth vão aprontar como as megeras Bárbara Ellen e Damáris!. Fique por dentro - Sangue Bom. Página visitada em 02 de junho de 2014.
  2. Rede Globo (20 de março de 2013). Sangue Bom: conheça personagem de Giulia Gam na nova novela das 7. Rede Globo > sangue bom. Página visitada em 03 de junho de 2014.
  3. Rede Globo (09 de abril de 2013). Sangue Bom: Bárbara Ellen (Giulia Gam) fará tudo por um aplauso; veja. Rede Globo > sangue bom. Página visitada em 03 de junho de 2014.
  4. Patrícia Kogut (09 de fevereiro de 2014). Giulia Gam é cotada para ser a grande vilã de 'Saber viver'. O Globo. Página visitada em 03 de junho de 2014. "Saber Viver foi o título provisório de "Boogie Oogie"."
  5. Cinemateca Brasileira O Casal dos Olhos Doces [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Giulia Gam


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.