Débora Duarte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Débora Duarte
Nome completo Débora Susan Duke
Nascimento 2 de janeiro de 1950 (64 anos)
Brasil São Paulo, Brasil
Cônjuge Wladimir Nikolaief
Antônio Marcos
Outros prêmios
Troféu APCA
Melhor Atriz - Televisão
2000 Terra Nostra
1985 Corpo a Corpo
Melhor Atriz - Teatro
1990 Vida de Artista
Revelação de Atriz - Teatro
1967 O Sistema Fabrizzi
Troféu Imprensa
Melhor Atriz
1969 Beto Rockfeller
Troféu Roquette Pinto
Melhor Atriz
1968 Beto Rockfeller

Débora Susan Duke[1] (São Paulo, 2 de janeiro de 1950), mais conhecida por Débora Duarte, é uma atriz brasileira. Ela assumiu o sobrenome artístico do padrasto, o ator Lima Duarte. É filha da atriz Marisa Sanches.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Com cinco anos de idade, era uma menina graciosa e inteligente e já demonstrava muito talento, tendo sido escalada por Vida Alves para atuar no seriado Ciranda, Cirandinha, da TV Tupi. Daí para frente não parou mais de atuar. Na mesma emissora onde atuavam seus pais fez várias novelas e teleteatros, ganhando, rapidamente, o reconhecimento artístico.

Do seu extenso currículo, constam, além dos muitos trabalhos para televisão (passando por todas as grandes emissoras brasileiras), várias peças de teatro, filmes, fotonovelas. Entre seus personagens mais marcantes estão a Vilminha Lisboa de Pecado Capital, a Camila Karany de Coração Alado, a Angelina Gattai na minissérie Anarquistas, Graças a Deus, a Eloá Pellegrini em Corpo a Corpo, a Tia Sãozinha da minissérie Hilda Furacão e a Hermínia em Paraíso Tropical.

Entretanto, Débora marcou a história da TV brasileira ao interpretar a poderosa é amargurada Teresa Giacomo na novela Canavial de Paixões, pelo SBT. A novela chegou a ser indicada para o Troféu Imprensa 2004.

Após o fim de Canavial de Paixões, Débora retornou a Rede Globo.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Débora Duarte é também poetisa.

Casou duas vezes, a primeira com o ator Wladimir Nikolaief, e a segunda vez com o cantor Antônio Marcos.[2] Tem duas filhas: Daniela, filha de Gracindo Jr. e Paloma, filha de Antônio. Suas filhas são atrizes. Débora também já tem duas netas, filhas de Paloma: Maria Luísa e Ana Clara.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Telenovelas
Seriados

No Cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1987 - A Menina do Lado X
  • 1974 - Pontal da Solidão
  • 1970 - Celeste

No Teatro[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Aplausos para Débora Duarte O Globo
  2. Débora Duarte - Filmow Visitada em Jun/ 2012. Entre outras referências de seu casamento com Wladimir.
  3. Terra Nostra Globo.com. Visitado em 29 de dezembro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]