Júlia Lemmertz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde outubro de 2011) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Julia Lemmertz
Nome completo Julia Lemmertz Corrêa
Nascimento 18 de março de 1963 (51 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul RS
Nacionalidade  Brasileira
Ocupação atriz
Cônjuge Álvaro Osório (1987-1990)
Alexandre Borges (1993-presente)
IMDb: (inglês)

Julia Lemmertz Dias Corrêa (Porto Alegre, 18 de março de 1963) é uma atriz brasileira.

Filha dos atores Lineu Dias e Lílian Lemmertz. Gaúcha e descendente de alemães por parte materna, foi casada duas vezes: casou-se em 1987 com Álvaro Osório, um executivo da Globo, e com ele teve sua filha, chamada Luiza, nascida no mesmo ano. Separaram-se em 1990 e no ano seguinte conheceu o ator Alexandre Borges. Casaram-se em 1993 e em 2000 nasceu o único filho do casal, Miguel.

Seu casamento com Alexandre já dura mais de 20 anos e é considerado um dos mais sólidos e duradouros do meio artístico.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Atriz Julia Lemmertz em entrevista para TV Brasil.

Estreou na carreira de atriz ainda criança, tendo feito a sua primeira atuação no cinema, aos 5 anos de idade, ao lado da mãe, no filme As Amorosas, em 1968. Mais tarde, em 1971, atuou no filme Cordélia, Cordélia.

Em várias entrevistas e algumas no programa como o "Alta Horas" da Rede Globo Julia fala com orgulho da infância na cidade de Capão da Canoa no Rio Grande do Sul, onde adorava passear pela Rua Poti, caminhando pela praia e se divertindo nos Shoppings!

Em 1981 fez sua estreia televisiva ao despontar como uma das protagonistas da novela Os Adolescentes, exibida pela Rede Bandeirantes, no papel de Bia, adolescente vítima da gravidez precoce. No ano seguinte, estreou no teatro com a peça Lição de Anatomia e, simultaneamente, participou da novela Ninho da Serpente.

Em 1983, fez sua última atuação na emissora ao participar da novela Sabor de Mel. Anterior a esse trabalho, chegou a prestar serviços para a Rede Globo, participando da minissérie Moinhos de Vento. No mesmo ano atuou em papel de destaque na novela Eu Prometo, e integrou o elenco da novela Amor com Amor se Paga e, em 1985, da minissérie Tenda dos Milagres.

Em 1986 protagonizou mais uma troca de emissora, dedicando-se à dramaturgia, a partir de então, da extinta Rede Manchete. Nesse ano, co-protagonizou a novela Mania de Querer. Já no cinema, pela sua atuação no filme A Cor do Seu Destino, ganhou o prêmio de atriz coadjuvante no Festival de Brasília. Em seguida, novamente seria destaque em uma trama da emissora, ao encarnar a jovem apaixonada Micaela, da novela Carmem. Em 1989, esteve presente no relativo sucesso da Manchete, Kananga do Japão. Em 1990 participou da minissérie Mãe de Santo, e também do filme protagonizado por Xuxa, Lua de Cristal, como a vilã Lidinha (Maria Lidia).

Em 1991 protagonizou a minissérie Na Rede de Intrigas e, depois, participou da primeira fase da novela Amazônia, em um dos personagens centrais. Dois anos depois, conheceu seu atual marido, Alexandre Borges, ao protagonizar a novela Guerra sem Fim. Na trama, sua personagem era par de Borges (então estreante), com quem chegou a trabalhar também no teatro, nesse mesmo ano, na peça Hamlet, de William Shakespeare.

Apesar de nunca deixar de atuar na TV, a partir de meados dos anos 1990, voltou-se mais para o cinema, atuando em filmes como Jenipapo, de 1995.

Em 1996 retornou à Globo, emissora na qual permanece contratada até os dias de hoje, para atuar na novela Quem é Você. Em 1997, co-antagonizou a novela Zazá e, em 1998, participou de dois filmes, Tiradentes e A Hora Mágica.

Em 1999, mais uma vez esteve no cinema, atuando no longa-metragem Até Que a Vida Nos Separe e no polêmico Um Copo de Cólera, que mostra ela e seu marido nus e em cenas de sexo. Ao mesmo tempo, viveu na TV a cômica Lúcia Helena de Andando nas Nuvens.

Em 2001 encarnou a beata Genésia da novela Porto dos Milagres, e participou da novela O Beijo do Vampiro, como a antagonista principal "Vampira Marta", Cláudia Raia interpretava Mina, que na sinopse seria a principais vilã, porém a personagem Marta foi considerada a principal vilã, e aterrorizava a vida do pessoal, principalmente a mocinha Lívia Flávia Alessandra. Em 2003 voltou a fazer par romântico com o marido, ao atuar na novela Celebridade. Também nesse ano, esteve dos filmes As Três Marias e Cristina Quer Casar.

Em 2004 participou da programação de final de ano da Rede Globo, ao encarnar a bruxa Morgana da microssérie infantil O Pequeno Alquimista. No cinema, atuou no último filme feito pela dupla de cantores Sandy & Júnior, Acquaria. Em 2005 deu vida a professora Cleyde, da novela Alma Gêmea, também contriubuiu para o cinema ao atuar no longa Jogo Subterrâneo e ainda esteve em cartaz com a peça Molly Sweeney - Rastro de Luz.

Em 2006 interpretou Dona Júlia, a mãe do presidente brasileiro Juscelino Kubitschek, na minissérie JK e, também esteve no filme Gatão de Meia Idade, protagonizado por seu marido. Em 2007 participou de mais uma minissérie na emissora, Amazônia, de Galvez a Chico Mendes. Atuou ainda no filme Onde Andará Dulce Veiga? e na novela Desejo Proibido.

Em 2008 anunciou que daria um tempo nas novelas ao recusar convites para atuar em Três Irmãs e Caminho das Índias, alegando que gostaria de dedicar-se mais ao cinema e teatro, tendo atuado nos filmes Meu Nome Não É Johnny, Mulheres Sexo Verdades Mentira, e, em 2009, Bela Noite Para Voar e o polêmico, Do Começo ao Fim, em que vive Julieta, mãe dos jovens Thomás e Francisco, que após a morte da mãe tornam-se amantes. Também em 2009 foi protagonista da série Tudo Novo de Novo e esteve em cartaz com a peça Maria Stuart. É torcedora do Internacional.[1] [2]

Em 2010, interpretou Maria Amélia em Araguaia de Walther Negrão, fazendo par romântico com Thiago Fragoso. Em 2011, na novela Fina Estampa, interpretou um papel importante em sua carreira: a estilista Esther Wolkoff, que queria engravidar, indo contra as ideias do marido, Paulo Dan Stulbach. A personagem tentou então uma inseminação artificial. O núcleo da personagem foi um dos pontos altos que alavancaram a audiência da trama.[carece de fontes?]

Já em 2014, estreia a novela Em Família de Manoel Carlos como sua primeira protagonista do gênero, a geniosa Helena. A atriz foi escolhida especialmente pelo autor em homenagem à sua falecida mãe, Lílian Lemmertz, que interpretou a primeira "Helena" em uma novela de mesma autoria, Baila Comigo, de 1981.[3] Seu personagem gerou bastantes críticas do público, essencialmente. No entanto, seu desempenho foi elogiado.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1982 - Lição de Anatomia
  • 1983 - Gemini
  • 1986 - O Que o Mordomo Viu?
  • 1989 - Orlando
  • 1992 - Viagem ao Centro da Terra
  • 1993 - Hamlet
  • 1994 - Eu Sei Que Vou Te Amar
  • 1999 - As Três Irmãs
  • 2005 - Molly Sweeney - Rastro de Luz
  • 2009 - Maria Stuart
  • 2010 - Deus da Carnificina - Ganhou premio de melhor atriz teatral com essa peça

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.