Saramandaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Saramandaia
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 min. aproximadamente
Criador(es) Dias Gomes[1]
País de origem Brasil
Idioma original Português
Produção
Elenco Wilza Carla[2]
Castro Gonzaga[2]
Ary Fontoura[2]
Dina Sfat[2]
Juca de Oliveira[2]
Yoná Magalhães[2]
Antônio Fagundes[2]
Sônia Braga[2]
Eloísa Mafalda[2]
Sebastião Vasconcelos[2]
ver mais[2]
Tema de abertura "Pavão Misteryozo", Ednardo[1]
Transmissão original 3 de maio[1]31 de dezembro de 1976[1]
N.º de episódios 160[1]
Cronologia
Último
Último
O Grito
Nina
Próximo
Próximo

Saramandaia é uma telenovela de Dias Gomes, que foi exibida na Rede Globo às 22h, entre 3 de maio a 31 de dezembro de 1976, tendo 160 capítulos.

Foi dirigida por Walter Avancini, Roberto Talma e Gonzaga Blota.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Ambientada na zona canavieira de Pernambuco,[1] [3] a história se situa no fictício município de Bole-Bole, o qual passa por um plebiscito para a mudança do nome. O movimento é encabeçado por duas facções: os tradicionalistas, liderados pelo coronel Zico Rosado, que usam argumentos históricos para manter o nome atual, Bole-Bole; e os mudancistas, liderados pelo coronel Tenório Tavares e pelo vereador João Gibão - este último irmão do prefeito Lua Viana -, que alegam vergonha do nome, querendo mudá-lo para Saramandaia.

Mas o que chama a atenção na cidade são as características exóticas de alguns personagens da história: o professor Aristóbulo Camargo, que vira lobisomem nas noites de lua cheia; Marcina, que provoca incêndios onde toca e queimaduras em quem toca; João Gibão, que esconde em sua corcunda um belo par de asas; Encolheu, que prevê o tempo com dores ósseas; Dona Redonda, que não consegue parar de comer; Zico Rosado, que põe formigas pelo nariz; Tristão do Sal, que solta fogo pela a boca; dentre outros.

O folhetim ficou conhecido pelo realismo fantástico. No último capítulo, a emblemática cena do voo do protagonista João Gibão, encurralado pelos jagunços de seu rival, Carlito Prata.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Juca de Oliveira interpretou João Gibão.
Sônia Braga interpretou Marcina.
Dina Sfat interpretou Risoleta.
Antônio Fagundes interpretou Lua Viana.
Stênio Garcia interpretou Geraldo.
Ator Personagem
Juca de Oliveira João Gibão
Yoná Magalhães Zélia Tavares
Sônia Braga Marcina Moreira
Antônio Fagundes Lua Viana
Dina Sfat Risoleta
Ary Fontoura Professor Aristóbulo Camargo
Wilza Carla Dona Redonda
Castro Gonzaga Zico Rosado
Sebastião Vasconcelos Tenório Tavares
Eloísa Mafalda Maria Aparadeira
Pedro Paulo Rangel Dirceu
Milton Moraes Carlito Prata
Rafael de Carvalho Seu Cazuza Moreira
Elza Gomes Pupú (Eponina Camargo)
Lídia Costa Leocádia Viana
Ana Ariel Dona Santinha Rosado
Francisco Dantas Padre Romeu
Marília Barbosa Bia
Wellington Botelho Seu Encolheu
Darcy de Souza Juju Pimenta (Julieta)
Carlos Gregório Petronílio
Natália do Valle Dora
Stênio Garcia Detetive Geraldo
Alzira Andrade Fernanda
Cosme dos Santos Giuseppe
Reynaldo Gonzaga Epaminondas
Maria Pompeu Ana Bruta
Ivan de Albuquerque Germano
Brandão Filho Maestro Cursino
Lajar Muzuris Maestro Totó
Maria Helena Velasco Emília
Jorge Gomes Nato
Teresa Cristina Arnaud Dulce
Wellington Botelho Encolheu
Augusto Olímpio Hominho
Germano Filho Alcebíades
Chica Xavier Maria das Dores
José Augusto Branco Rochinha
Wanda Kosmo Dona Fifi
Carlos Eduardo Dolabella Homão

Participações especiais [2] [editar | editar código-fonte]

Curiosidades [1] [editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A cidade fictícia de Saramandaia foi construída no mesmo local onde foi construída a Ilhéus que ambientou Gabriela, ou seja, a cidade cenográfica da última foi reaproveitada para a primeira.
  • Em sua autobiografia "Apenas um Subversivo", o autor Dias Gomes afirmou que Saramandaia tinha o duplo propósito de driblar a censura e experimentar uma linguagem nova na televisão, o realismo fantástico; trabalhando com símbolos e metáforas, ele dificultou o trabalho dos censores, mas não conseguiu evitar vários cortes. O autor declarou ainda que Saramandaia foi o folhetim que mais lhe deu prazer de escrever, mesmo não estando entre as mais produzidas. Ele contou que a telenovela "exigia muitos efeitos especiais, uma tecnologia só dominada alguns anos mais tarde".
    • Por exemplo: a cena da explosão de Dona Redonda, no capítulo 26 deu bastante trabalho a Walter Avancini por conta da insuficiência de recursos técnicos à época. Para isso, foi posto um balão inflável debaixo das roupas de Wilza Carla, enchido com um compressor manual. Para fazer a explosão, um balão foi vestido com as roupas da atriz.
  • Saramandaia tornou o cantor Ednardo (que canta o tema de abertura, "Pavão Misterioso"[4] ) nacionalmente conhecido.
  • Foi a primeira telenovela de Antônio Fagundes na Rede Globo.
  • Inspirado no realismo fantástico da literatura latinoamericana, Dias Gomes incluiu no enredo de Saramandaia algumas personagens criados inicialmente para a versão censurada de "Roque Santeiro".
  • O folhetim fez tanto sucesso que foi lançada a cachaça homônima, que era consumida pelas próprias personagens.
  • Na sua estreia como galã, Pedro Paulo Rangel aprendeu a andar de moto para viver Dirceu. Mas, no primeiro dia de gravação, o ator caiu e quebrou a perna. A direção recorreu a um dublê e ele passou a gravar cenas sempre encostado, não podendo sequer sentar-se.

Remake[editar | editar código-fonte]

A Rede Globo exibiu um remake de Saramandaia, adaptado por Ricardo Linhares, entre 24 de junho e 27 de setembro de 2013 no horário das 23 horas.[5] Foi uma adaptação contemporânea da trama original e contou com Vera Holtz, Fernanda Montenegro, Tarcísio Meira, José Mayer, Lília Cabral, Aracy Balabanian, Débora Bloch, Gabriel Braga Nunes, Leandra Leal, entre outros nos papéis principais. [6]

Trilha sonora [1] [editar | editar código-fonte]

  1. Capim Novo - Luiz Gonzaga
  2. Sou o Estopim - Sônia Braga
  3. Malaksuma - Geraldo Azevedo
  4. Pra Não Morrer de Tristeza - Ney Matogrosso
  5. Canção da Meia-noite - Almôndegas
  6. Borboleta Sabiá - Alceu Valença
  7. Pavão Mysteriozo - Ednardo
  8. Chão Pó Poeira - Gonzaguinha
  9. Jeca Total - Gilberto Gil
  10. Juritis Borboletas - Geraldo Azevedo
  11. Bole-Bole - Wálter Queiróz
  12. Caso Você Case - Marília Barbosa
  13. Xamêgo - Fafá de Belém

Referências

  1. a b c d e f g h i Globo, Memória. Saramandaia. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  2. a b c d e f g h i j k l Globo, Memória. Ficha Técnica. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  3. Saramandaia repaginada será gravada a partir de 1º de abril. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  4. Letras.mus.br. Disponível em http://letras.mus.br/ednardo/45611/. Acesso em 21 de maio de 2013.
  5. Remake de "Saramandaia" estreia na metade do ano que vem. F5 (12 de novembro de 2012). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  6. http://redeglobo.globo.com/novelas/vem-ai/saramandaia/noticia/2013/04/saramandaia-conheca-o-elenco-da-nova-novela-da-globo-das-onze-video.html