O Bofe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Bofe
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Comédia
Duração 55 minutos
Criador(es) Bráulio Pedroso[1] [2]
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Daniel Filho[2]
Lima Duarte[2]
Elenco Jardel Filho
Cláudio Marzo
Betty Faria
Ziembinski
Zilka Salaberry
José Wilker
Cláudio Cavalcanti
Ilka Soares
José Lewgoy
Eloísa Mafalda
Suzana Vieira
(ver mais)
Tema de abertura "O Bofe" - Osmar Milito e Quarteto Forma[3] [4]
Tema de
encerramento
"O Bofe" - Osmar Milito e Quarteto Forma[3] [4]
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Transmissão original 17 de julho de 1972[5]
26 de janeiro de 1973[5]
N.º de episódios 143[2] [5]
Cronologia
Último
Último
Bandeira 2
O Bem-Amado
Próximo
Próximo
Programas relacionados Beto Rockfeller
Super Plá
O Cafona

O Bofe foi uma telenovela brasileira, produzida e exibida pela Rede Globo às 22 horas, entre 17 de julho de 1972 e 26 de janeiro de 1973, em 143 capítulos[2] [5] , substituindo Bandeira 2 e sendo substituída por O Bem-Amado. Escrita por Bráulio Pedroso[1] e dirigida por Daniel Filho e Lima Duarte[2] , foi a última novela produzida em preto-e-branco no horário.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A trama apresentava vários personagens e tipos caricatos e excêntricos que lutam por ascensão social e, em contato uns com os outros, transformavam a novela numa imensa crônica social:

Guiomar, uma bela viúva suburbana, era uma mulher tão insegura que saía de peruca loira para procurar emprego em Copacabana. Extremamente sensível, Guiomar vivia com a mãe, a velha polaca Stanislava Grotowiska, que se embebedava de xarope e sonhava com um príncipe trapezista[6] [7] .

Dorival e Demetrius são mecânicos. Grandes amigos e parceiros na oficina do ranzinza Sérgio Marreta no subúrbio, os dois são perfeitas encarnações da gíria “bofe”: broncos, mal-educados e com uma queda para a pilantragem. Nos finais de semana, Dorival se veste impecavelmente, com terno e gravata, para impressionar as moças ricas, que tenta conquistar nos seus passeios pela Zona Sul. Num desses passeios, acaba impressionando e se apaixonando por Guiomar, julgando-a rica. Já Demetrius, conhecido como O Grego, é especialista em reformar carros destruídos para revendê-los como novos. Seu “talento” é recompensado quando ele é descoberto por um marchand e se torna famoso como artista plástico[6] .

Bandeira, personificação da crítica ao mundo de aparências e aos falsos artistas, é um hippie subversivo e decorador de interiores. Arranca dinheiro dos ricos deslumbrados que buscam o que há de mais moderno e "artístico" em decoração. O decorador aplica no apartamento dos clientes o seu peculiar estilo, que consiste em destruir a mobília e pintar, toscamente, as paredes de preto-e-branco[6] .

Outro personagem é Manoel Carlos, conhecido como Maneco, herdeiro da abastada tia Carlota. Para apressar a morte da tia e se apoderar da fortuna, Maneco conta com a ajuda do amigo Bandeira para arquitetar várias armadilhas contra a velha que sempre escapa ilesa na última hora.

Carlota é uma senhora simpática, abnegada e extremamente religiosa que era apaixonada pelo Padre Inocêncio, na verdade outro picareta de olho na sua fortuna[7] .

O único personagem disposto a ajudar Tia Carlota é o Dr. Paulo Munhoz, jovem médico da senhora que não aceitou ser comprado por Maneco e Bandeira.

Suzana Leopoldina era uma nova-rica noiva do francês Sávio Chatellié e que fazia de tudo para se adequar à alta sociedade. Dublê de socialite, era conhecida pela seu comportamento cafona e espevitado. Fazia parte do júri no programa Buzina do Chacrinha.

Gonzaguinha era uma grotesca macumbeira, que lembrava uma desajeitada bruxa[7] . Na verdade, uma maneira imoral que encontrou para ganhar dinheiro. Vivia com os três filhos: o sedutor Caíto que, para enriquecer, queria dar o golpe do baú na rica e mimada Débora, filha do falido empresário José Pistola e da dondoca Consuelo, casal que faz de tudo para manter a alta posição social; a caçula Sandra, menina esperta e companheira da mãe na imoralidade; e Marilene, o oposto de todos: simples e extremamente honesta. Vendedora de livros e melhor amiga de Guiomar, Marilene era apaixonada por Demetrius, mas vivia em atrito com ele constantemente.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator[8] [9] Personagem[8] [9]
Jardel Filho Dorival
Cláudio Marzo Demetrius (O Grego)
Betty Faria Guiomar
Ziembinski Stanislava Grotowiska
Zilka Salaberry Tia Carlota Vidigal
José Wilker Bandeira
Cláudio Cavalcanti Manoel Carlos (Maneco)
Ilka Soares Suzana Leopoldina
José Lewgoy Barão Sávio Chatellié
Eloísa Mafalda Gonzaguinha
Paulo Gonçalves Padre Inocêncio
Suzana Vieira Marilene
Nilson Condé Caíto
Renée de Vielmond Débora Pistola
Elizângela Sandra
Paulo Villaça Dr. Paulo Munhoz
Marilu Bueno Margarida (Margot)
Antônio Pedro Pedro (Pedrão)
Márcia Rodrigues Kátia
Paulo Ramos Gino
Vera Manhães Martina
Juan Daniel Seu Francisco
Margarida Rey Dona Sara
Felipe Wagner Santelmo
Darlene Glória Wilma
Edson França Bianco
Milton Moraes Sérgio Marreta
Miriam Pires Consuelo Pistola
Jorge Dória José Pistola

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O Bofe é uma comédia que debocha dos conflitos entre a classe média do subúrbio e a alta sociedade da Zona Sul do Rio de Janeiro. A novela é repleta de personagens excêntricos com comportamento insensato, no limite da caricatura, quase todos empenhados em ascender social e financeiramente, chegando a situações que beiram o absurdo. O tom crítico e sarcástico da história já ficava evidente nas chamadas que antecederam a estreia: “O Bofe: uma sátira de Bráulio Pedroso ao nosso meio ambiente, contra a poluição social”[6] .
  • A palavra "bofe" era gíria da época que designava homem feio, sem jeito, desengonçado e mal-arrumado, mesma caracterização dos mecânicos Dorival e Demetrius, interpretados por Jardel Filho e Cláudio Marzo, respectivamente. Há alguns anos, a gíria passou a ser utilizada pelas comunidades gays e pelo público feminino com conotação contrária: homem atraente, másculo e bonito[10] .
  • O Bofe foi a primeira e última telenovela dirigida por Lima Duarte na Rede Globo. Já tinha tido a experiência com o sucesso Beto Rockfeller (1968), na Tupi, dentre outras novelas.
  • Bráulio Pedroso precisou se afastar da novela por conta de uma hepatite e foi substituído pelo estreante Lauro César Muniz, que havia sido contratado pela TV Globo para escrever o seriado Shazan, Xerife e Cia. O novo autor procurou manter o tom irônico do texto, mas em uma linha menos fantasiosa, a fim de reforçar a identidade do público com os personagens, já que a novela não ia bem em termos de audiência. Mesmo ganhando um viés mais realista, a novela manteve seu apelo fantástico no capítulo final, que teve três desfechos diferentes, dando ao telespectador a oportunidade de escolher o seu favorito. A última cena reuniu todos os personagens da novela, vivos e mortos[5] .
  • José Wilker, inconformado com a saída de Bráulio Pedroso, pediu para deixar o elenco da telenovela[10] . Autor e diretores se reuniram a fim de discutir um final coerente ao personagem de Wilker, optando pela morte dele. E assim se fez: Bandeira, seu personagem, ao ouvir uma piada do amigo Maneco, morreu de tanto rir!
  • Daniel Filho narra em seu livro Antes que me Esqueçam:"Nós dedicávamos o horário das dez da noite às experiências, modificações, ousadias. A novela não foi bem de público: na verdade não foi bem recebida, não tinha popularidade. Mas nós gostávamos muito dela. (...) Para mim O Bofe foi um fracasso. Eu gostava, mas não deu certo."[10]
  • O Bofe marcou a estreia de José Lewgoy[5] , Marilu Bueno e Jorge Dória na TV Globo.
  • Stanislava Grotowiska, brilhantemente interpretada por Ziembinski, foi a primeira personagem travestida da história da telenovela brasileira, uma ideia do próprio ator[10] .
  • Cláudio Marzo, pela primeira vez, deixou de interpretar um galã para encarnar a caótica figura do artista plástico Demetrius, um desiludido, com uma imensa barba e um jeito sujo de ser - embora um elemento poético da história, citando trechos de poesias de Mário de Sá Carneiro[10] .
  • Suzana Leopoldina, a personagem de Ilka Soares, foi inspirada na socialite Sílvia Amélia de Waldner[5] .
  • No papel de Inocêncio, um picareta, o ator Paulo Gonçalves dava um golpe fazendo passar-se por padre. Quando a Censura percebeu a "jogada" (depois de todo mundo), obrigaram o autor a manter o personagem como padre, punindo-o devidamente no final[10] .
  • A trilha sonora da novela foi toda composta pela dupla Roberto Carlos e Erasmo Carlos[4] .

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[3] [4] [editar | editar código-fonte]

O Bofe - Nacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 1972
Gênero(s) Vários
Formato(s) Vinil
Gravadora(s) Som Livre
Produção João Araújo[3]
Eustáquio Sena[3]

Capa: Logotipo da novela com Jardel Filho, Ilka Soares e Cláudio Marzo em miniatura

  1. Fala, Dorival! - Renata & Flávio
  2. Instantes - Jacks Wu
  3. Rainha da Roda - Elza Soares
  4. Porcelana, Vidro e Louça - Osmar Milito
  5. Madame Sabe Tudo - Erasmo Carlos
  6. O Bofe - Osmar Milito e Quarteto Forma
  7. Perdido no Mundo - Eustáquio Sena
  8. Quem Mandou - Djalma Dias
  9. Só de Brincadeira - Maria Creuza
  10. Moço - Betinho
  11. Grego Só - Os Vips
  12. Mapa do Tesouro - Cláudio Faissal

Internacional[3] [4] [editar | editar código-fonte]

O Bofe - Internacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 1972
Gênero(s) Vários
Formato(s) Vinil
Gravadora(s) Som Livre
Produção João Araújo[3]
Eustáquio Sena[3]

Capa: Logotipo da novela com Jardel Filho, Ilka Soares e Cláudio Marzo em miniatura

  1. Alone Again (Naturally) - Gilbert O'Sullivan
  2. Rocket Man - Elton John
  3. Arabian Melody - Pop Concert Orchestra
  4. Baby Let Me Take You - Detroit Emeralds
  5. Your Wonderful Sweet Sweet Love - The Supremes
  6. Sweet Concert - Free Sound Orchestra
  7. Summer Concert - Alain Patrick
  8. Waitin' Line - Spider's Gang
  9. I'll Be Here - Jim Sullivan
  10. Precious Little Things - The Supremes
  11. It's Gonna Take a Miracle - Honey & The Bees
  12. Love Song - The Jackson Five
  13. MacArthur Park - Dionne Warwick

Referências

  1. a b Bráulio Pedroso - Teledramaturgia Memória Globo. Visitado em 3 de março de 2014.
  2. a b c d e f O Bofe - Teledramaturgia Teledramaturgia. Visitado em 3 de março de 2014.
  3. a b c d e f g h O Bofe - Trilha Sonora Teledramaturgia. Visitado em 3 de março de 2014.
  4. a b c d e Trilha Sonora de 'O Bofe' Memória Globo. Visitado em 3 de março de 2014.
  5. a b c d e f g O Bofe - Curiosidades Memória Globo. Visitado em 3 de março de 2014.
  6. a b c d O Bofe - Tramas Memória Globo. Visitado em 3 de março de 2014.
  7. a b c O Bofe - Sinopse Memória Globo. Visitado em 3 de março de 2014.
  8. a b Ficha Técnica Memória Globo. Visitado em 3 de março de 2014.
  9. a b O Bofe - Elenco Teledramaturgia. Visitado em 3 de março de 2014.
  10. a b c d e f O Bofe - Bastidores Teledramaturgia. Visitado em 3 de março de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.