A Pequena Órfã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
A Pequena Órfã
Informação geral
Formato Telenovela
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Dionísio Azevedo
Elenco Patrícia Ayres
Dionísio Azevedo
Riva Nimitz
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil TV Excelsior
Transmissão original 26 de agosto de 1968 - 19 de fevereiro de 1969
Cronologia
Último
Último
O Direito dos Filhos
A Menina do Veleiro Azul
Próximo
Próximo

A pequena órfã é uma telenovela brasileira produzida pela extinta TV Excelsior e exibida de 26 de agosto de 1968 a 19 de fevereiro de 1969. Escrita por Teixeira Filho e dirigida por Dionísio Azevedo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Abandonada pelos pais, a pequena Maria Clara, ou Toquinho, como é chamada, sofre nas mãos da malvada Elza no orfanato onde vive. Mas a menina às vezes foge, e numa de suas fugas conhece o bondoso Velho Gui, que a ela se apega.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Mais uma telenovela que explora o filão de "criança abandonada", assunto em moda na época, a exemplo de Pingo de gente (Record, 1971), Sozinho no mundo (TV Tupi, 1968), Tilim (Record, 1970) e Ricardinho: sou criança, quero viver (Rede Bandeirantes, 1968).
  • Patrícia Ayres, que fazia a protagonista, saiu antes do final da telenovela e, para resolver o impasse, foi encontrada uma menina goiana, Marize Ney, que era parecida com Patrícia. Mas, como Marize era três anos mais velha, o autor resolveu o problema com uma passagem de tempo.
  • Em 1970, a Rede Globo reapresentou a telenovela. Ainda, em 2005, Tiago Santiago tomaria como base A pequena órfã para criar Prova de amor, na Rede Record.
  • Em 1993, Marcílio Moraes usou as tramas centrais de A pequena órfã e Ídolo de pano, ambas de Teixeira Filho, para escrever Sonho meu, na Rede Globo.
  • Glória Pires, então com cinco anos, participou da abertura da telenovela e, mais tarde, devido aos problemas contratuais da protagonista Patrícia Ayres, Glória fez a dublagem das cenas já gravadas por Patrícia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.