Redenção (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Redenção é uma telenovela brasileira produzida pela extinta TV Excelsior e exibida de 16 de maio de 1966 a 2 de maio de 1968, sendo até hoje a telenovela que passou mais tempo no ar no Brasil[1] . Foi escrita por Raimundo Lopes e dirigida por Waldemar de Moraes e Reynaldo Boury.

Trama[editar | editar código-fonte]

Fernando Silveira, um jovem médico, chega à cidade de Redenção e desperta paixão em três moças: Lola; a malvada Marisa, filha do prefeito Juvenal; e a filha do sapateiro Carlo, Ângela, com quem se casa. Paira uma dúvida: será Fernando mesmo um médico? Depois, com a morte de Ângela, ele passa a conviver com as armações de Marisa.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Redenção
REDENÇÃOlogooficial.png
Logotipo oficial da telenovela
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 60 min. aproximadamente
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Elenco Francisco Cuoco
Miriam Mehler
Lourdes Rocha e grande elenco
Transmissão original 16 de maio de 1966– 2 de maio de 1968
N.º de episódios 596

Rodolfo Mayer - Juvenal

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Redenção mantém ainda hoje, quarenta anos depois, o recorde de novela no ar por mais tempo na televisão brasileira. Foram vinte e quatro meses e dezessete dias, perfazendo 596 capítulos. Há produções que ultrapassaram esse número, como Chiquititas e Malhação, mas não no formato tradicional, ininterrupto, já que as temporadas trocavam os elencos e os enredos, não havendo uma continuidade da trama, caso de Redenção.
  • Marcou definitivamente o ator Francisco Cuoco na pele do galã que arrebata o coração das mocinhas, mas que pode ter um caráter dúbio e a aura o acompanharia em trabalhos posteriores.
  • Foi em Redenção que se deu o primeiro transplante de coração no Brasil. Dona Marocas morreria na passagem para a segunda fase da novela mas, temendo uma queda na audiência, já que a fofoqueira era uma das mais populares personagens da trama, a direção da emissora resolveu que ela não poderia morrer. Assim, o Dr. Fernando transplanta um coração novo e ela sobrevive[2] .
  • Redenção teve a primeira cidade cenográfica da teledramaturgia brasileira. No município de São Bernardo do Campo, na área onde hoje fica a Cidade da Criança, a TV Excelsior reproduziu uma cidadezinha do interior.
  • Redenção foi um sucesso tão grande que colocou mais um conterrâneo de Monteiro Lobato, o taubateano Raymundo Lopes, na lista dos escritores mais influentes da cultura nacional.
  • A trama, inicialmente cotada para ter 100 capítulos, acabou sendo esticada devido ao sucesso que fez com o público da época, ganhando incríveis 496 capítulos a mais.
  • Nos anos de 1940 e 1950, Raimundo Lopes foi responsável por diversas novelas de sucesso na Rádio brasileira. Era o tipo de autor que sabia prender o público a cada novo capítulo.

Referências