Frank Sinatra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Frank Sinatra
Sinatra na década de 40
Informação geral
Nome completo Francis Albert Sinatra
Também conhecido(a) como A Voz (The Voice)
Olhos Azuis (Blue Eyes)
Frankie
Nascimento 12 de dezembro de 1915
Hoboken, Nova Jersey
 Estados Unidos
Data de morte 14 de maio de 1998 (82 anos)
Los Angeles, Califórnia
 Estados Unidos
Gênero(s) Pop
Jazz
Blues
Instrumento(s) vocal
Período em atividade 1935-1995
Outras ocupações ator
Gravadora(s) Columbia
Capitol
Reprise
Afiliação(ões) Rat Pack, Bing Crosby, Nancy Sinatra, Judy Garland, Quincy Jones, Antonio Carlos Jobim, Dean Martin, Count Basie, Sammy Davis, Jr., Luis Miguel
Página oficial Website oficial

Francis Albert "Frank" Sinatra (Hoboken, 12 de dezembro de 1915Los Angeles, 14 de maio de 1998)[1] foi um cantor e ator norte-americano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de dois imigrantes italianos, Natalia Della Garavante, genovesa, mais conhecida como "Dolly", e Antonino Martino Sinatra, um siciliano, analfabeto e boxeador, o pai de Frank Sinatra imigrou para Nova York em 21 de dezembro de 1903, a bordo do Città di Millano SS, vindo junto com sua mãe, Rosa Sagliabeni e duas irmãs, Angela e Dorotea, o pai de Antonino, Francesco, avô paterno de Frank Sinatra, já estava em Nova York, trabalhando em uma fábrica de lápis.

Antonino (Anthony) e Dolly se casaram em 14 de fevereiro de 1914, e foram morar em Hoboken, na rua Monroe 415, onde tiveram seu único filho, Frank Sinatra. [2] .

Iniciando sua carreira musical na swing era com Harry James e Tommy Dorsey, Sinatra se tornou um artista solo de sucesso sem precendentes no início e meados dos anos 1940, assinando depois com a Columbia Records em 1943. Sendo um ídolo das "bobby boxers" (como eram conhecidas as jovens fãs de swing), ele lançou seu primeiro álbum, The Voice of Frank Sinatra em 1946. Sua carreira profissional estava parada no início da década de 1950, mas renasceu em 1953 ao vencer o Óscar de melhor ator secundário por sua performance em From Here to Eternity.

Ele assinou com a Capitol Records em 1953 e lançou vários álbuns com aclamação crítica (como In the Wee Small Hours, Songs for Swingin' Lovers, Come Fly with Me, Only the Lonely e Nice 'n' Easy). Sinatra deixou a Capitol e formou sua própria gravadora, Reprise Records em 1961 (encontrando sucesso em álbuns como Ring-a-Ding-Ding!, Sinatra at the Sands e Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim), realizou tours internacionais, e foi um dos fundadores do Rat Pack, além de fraternizar com celebridades e homens de estado, incluindo John F. Kennedy. Sinatra completou 50 anos em 1965, gravou a retrospectiva September of My years, estrelou no especial de TV ganhador de Emmy Frank Sinatra: A Man and His Music, e lançou hits como Strangers in the Night e My Way.

Com o baixo número de vendas de suas canções e após aparecer em vários filmes mal recebidos pela crítica, Sinatra aposentou-se pela primeira vez em 1971. Dois anos depois, porém, ele voltou e em 1973 gravou vários álbuns, alcançando um "Top 40" com New York, New York em 1980. Usando seus shows em Las Vegas como ponto de partida, ele realizou turnês nos Estados Unidos e internacionalmente, até pouco antes de sua morte em 1998.

Sinatra também forjou uma bem sucedida carreira como ator, vencendo um Óscar de melhor ator secundário, uma nomeação para Oscar de melhor ator por sua performance em The Man with the Golden Arm, e aclamação crítica por sua performance em The Manchurian Candidate. Ele também estrelou em musicais como High Society, Pal Joey, Guys and Dolls e Um Dia em Nova Iorque. Sinatra foi homenageado no Prêmio Kennedy em 1983 e recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade de Ronald Reagan em 1985 e a Medalha de Ouro do Congresso em 1997. Sinatra também recebeu 11 Grammy Awards, incluindo o Grammy Trustees Award, Grammy Legend Award e o Grammy Lifetime Achievement Award.

Foi casado com Nancy Barbato e posteriormente com as atrizes Ava Gardner e Mia Farrow, e com a socialite Barbara Marx, com quem terminou seus dias. Possui duas estrelas na Calçada da Fama, uma por seu trabalho na música e outra por seu trabalho na TV norte-americana. É considerado um dos maiores intérpretes da música na década de 1950. Teve três filhos: Nancy Sinatra, Frank Sinatra Jr., e Tina Sinatra.

Sem nenhum treinamento formal, Sinatra desenvolveu estilo altamente sofisticado. Sua habilidade em criar uma longa e fluente linha musical sem pausas para respiração, sua manipulação de frases o fez chegar bem mais longe que o usual dos cantores populares.

Sinatra apareceu em mais de cinquenta filmes, entre eles: "Anchors Aweigh" (1945), "On The Town" (1949), "From Here To Eternity" (1953), com o qual ganhou o Oscar, "The Man With The Golden Arm" e "High Society" (ambos de 1956), "The Manchurian Candidate" (1962) e "The First Deadly Sin" (1980). Fez parte do chamado Rat Pack, grupo de artistas muito ativo entre meados da década de 1950 e 1960.

Fez um show histórico no Brasil, no Rio de Janeiro (cidade), em um Maracanã lotado em 26 de janeiro de 1980, quando tocou para 170 mil pessoas, entrando para o livro Guiness de Recordes. Teve seu próprio show de TV durante vários anos e nos anos 90 continuou na ativa em concertos e gravações, onde lançou uma série de duetos, inclusive via satélite, utilizando recursos da mais moderna tecnologia.[carece de fontes?]

Seus principais sucessos são "Fly me to the moon", "My Way" e "New York, New York".[porquê?] Sinatra também cantou com o brasileiro Tom Jobim. Na oportunidade, "The Girl from Ipanema" brindou o grande encontro.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Frank Sinatra em 1973.

Premiações[editar | editar código-fonte]

Estrela na Calçada da Fama por sua carreira na televisão.
Estrela na Calçada da Fama por sua carreira na música.
  • Grammy
    • 1958
      • Best Album Cover - Only The Lonely (Frank Sinatra foi Diretor de Arte. Curiosamente seu primeiro Grammy foi pela pintura da capa)
    • 1959
      • Album Of The Year - Come Dance With Me
      • Best Vocal Performance, Male - Come Dance With Me
    • 1965
      • Album Of The Year - September Of My Years
      • Best Vocal Performance, Male - It Was A Very Good Years
      • Lifetime Achievement Award
    • 1966
      • Album Of The Year - Sinatra: A Man And His Music
      • Record Of The Year - Strangers In The Night
      • Best Vocal Performance, Male - Strangers In The Night
    • 1979
      • Trustees Award
    • 1982
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - I'll Never Smile Again (Tommy Dorsey With Frank Sinatra & The Pied Pipers)
    • 1984
    • 1994
      • Grammy Legend Award

"Sou a favor de tudo que ajuda a atravessar a noite - seja uma oração, tranquilizante ou uma garrafa de Jack Daniels."
"Só se vive uma vez e, do jeito que eu vivo, uma vez é suficiente"

Frank Sinatra[3]
    • 1995
      • Best Traditional Pop Vocal Performance, Male - Duets II
    • 1998
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - The House I Live In
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - I've Got You Under My Skin
    • 1999
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - Frank Sinatra Sings For Only The Lonely
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - September Of My Years
    • 2000
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - My Way
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - Songs For Swinging' Lovers!
    • 2004
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - Come Fly With Me
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - I've Got The World On A String
    • 2005
      • GRAMMY Hall Of Fame Award - One For My Baby

Morte[editar | editar código-fonte]

Lápide de Frank Sinatra, cujo epitáfio é "The Best Is Yet To Come" ou "O Melhor Ainda Está Por Vir".

Com a saúde debilitada, Sinatra parou de fazer shows com 80 anos, em 1995. No dia 14 de maio de 1998, Frank Sinatra morreu de um ataque cardíaco em Los Angeles, Califórnia, mas algumas fontes indicam que ele possa ter morrido de tétano. Encontra-se sepultado no Desert Memorial Park, Cathedral City, Condado de Riverside, Califórnia nos Estados Unidos.

Descendente de italianos, Sinatra teve seu nome diversas vezes ligado à máfia. Depois de sua morte, sua filha Tina fez revelações que ligavam Sinatra a esquemas de eleição do presidente Kennedy pelos chefões de Chicago. Há boatos, que Mario Puzo, autor do best-seller "O Poderoso Chefão", se inspirou em Sinatra para criar um personagem, Johnny Fontane, um cantor que é protegido pela Máfia, e que pede ajuda a Corleone para se livrar do contrato com o bandleader Halley. O "Padrinho" manda homens para ir atrás do maestro Halley. No final, tudo se resultou a uma ameaça de morte. Dizem também que Sinatra até o ameaçou.

Referências

  1. Palm Springs Cemetery District "Interment Information
  2. Artigo da Wiki em inglês. [1]
  3. O Estado de São Paulo (jornal) 12 de maio de 2008 - Caderno 2

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons