Shirley Temple

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Shirley Temple
Shirley Temple aos 16 anos em Ottawa, Canadá (1944)
Nome completo Shirley Temple
Outros nomes Shirley Temple Black
Nascimento 23 de abril de 1928
Santa Mônica, Estados Unidos
Morte 10 de fevereiro de 2014 (85 anos)
Woodside, Estados Unidos
Ocupação Atriz e diplomata
Cônjuge John Agar (1945–1950)
Charles Alden Black (1950–2005)
Oscares da Academia
Oscar Honorário
1935 - Premio Honorário
Prémios Screen Actors Guild
Prémio Screen Actors Guild Life Achievement
2005 - Premio Honorário
Página oficial
IMDb: (inglês) (português)

Shirley Temple Black (Santa Mônica, 23 de abril de 1928Woodside, 10 de fevereiro de 2014[1] [2] ) foi uma atriz, dançarina, cantora e diplomata norte-americana. Já com mais de quarenta anos de idade, concorreu a cargos políticos, sem sucesso. Em 1974, foi nomeada pelo presidente Gerald Ford embaixadora dos Estados Unidos na extinta Checoslováquia, posto que ocupou até 1976. De 1989 a 1992 foi embaixadora no Gana nomeada por George H. W. Bush.[3]

Como atriz, não só foi a maior estrela infantil da sua época, como também é considerada a mais famosa de todos os tempos. Seus filmes continuam bem populares até aos dias de hoje, particularmente entre as meninas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Autógrafo e impressões das mãos e dos pés de Shirley Temple na calçada do Teatro Chinês em Hollywood.

Shirley começou a ter aula de dança com três anos de idade e foi contratada para participar de uma série de curtas chamadas "Baby Burlesks", que parodiavam estrelas e astros adultos, mais notadamente Marlene Dietrich. No mesmo ano, atuou numa sucessão de curta metragens e filmes, incluindo "Little Miss Marker", "Change of Heart", "Now I'll Tell", "Now and Forever" e "Bright Eyes" (no qual cantou seu mais popular sucesso, a canção "On The Good Ship Lollipop").

Vencedora de um Óscar especial aos seis anos de idade, Temple foi a salvadora da Fox e do público na época da Grande Depressão. Inclusive o presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt sucumbiu a seus encantos e lhe agradeceu por "ter feito a América atravessar a Grande Depressão com um sorriso".

Shirley foi campeã de bilheteria de 1935 a 1938 com seu eterno otimismo e seu sorriso vencedor. Depois de adulta porém, não teve o mesmo sucesso como atriz, e aposentou-se do cinema em 1949, e em 1967, se candidatou ao cargo de representante do estado da Califórnia no congresso norte-americano, mas não obteve êxito. Nos anos de 1969 e 1970, foi delegada junto às Organização das Nações Unidas (ONU). Além de ter sido nomeada embaixadora por duas vezes, foi chefe de protocolo para o presidente Gerald R. Ford (1976-1977) e membro da delegação americana que tratava dos problemas dos refugiados africanos (1981).

Ela produziu duas obras autobiográficas sobre sua infância "My Young Life" (1945) e "Child Star" (1988).

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Com 17 anos, Temple casou com o soldado convertido em ator John Agar (1921-2002) em 19 de setembro de 1945. Tiveram uma filha, Linda Susan Agar (mais tarde conhecida como Susan Black) nascida em 20 de janeiro de 1948. Temple entrou com uma ação de divórcio de Agar no final de 1949 por causa do alcoolismo do marido sendo o divórcio efetivado em 5 de dezembro de 1950. No princípio de 1950, enquanto estava de férias no Hawai, Shirley conheceu e se apaixonou pelo executivo Charles Alden Black (1919-2005) e se casaram em 16 de dezembro de 1950. Juntos tiveram dois filhos: Charles Alden Black Jr. nascido em 29 de abril de 1952 e Lori Black nascida em 9 de abril de 1954. Permaneceram casados até à morte dele com 86 anos, por síndrome mielodisplásico, em 4 de agosto de 2005.

Homenagens em desenhos animados[editar | editar código-fonte]

Cartão de Dia de São Valentim da década de 1930, com uma ilustração inspirada em Shirley Temple.

Durante a década de 1930, Shirley Temple recebeu algumas homenagens em desenhos animados famosos, de Walt Disney, Walter Lantz e Warner Bros:

  • Shirley apareceu em um desenho animado do Pato Donald chamado "The Autograph Hound" ("O Caçador de Autógrafos") de 1939, onde ela e outros conhecidos atores daquela época gravaram as vozes de suas versões em desenho animado.
  • Em 1934, ela também havia aparecido em um desenho do Coelho Oswald produzido por Walter Lantz, chamado "Toyland Premiere" (no Brasil ganhou o título de "O Desfile de Natal"), porém neste desenho a voz de sua "versão animada" não foi feita por ela própria, mas sim por Mae Questel a dubladora original de Betty Boop e Olívia Palito.
  • Shirley também tem uma rápida aparição em um episódio do Mickey Mouse de 1936, intitulado "Mickey's Polo Team" ("O Time de Pólo do Mickey"), onde aparecem várias celebridades conhecidas em Hollywood na época. Ela aparece sentada em uma arquibancada junto dos Três Porquinhos, Prático, Heitor e Cícero, provocando o Lobo Mau, que era um dos jogadores de Pólo.
  • Em um episódio do Pernalonga chamado "What's Cookin Doc" de 1944, aparece as marcas dos pés e mãos de Shirley Temple na calçada da fama.

Citações e referências na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
Shirley Temple e Eddie Cantor cortando o bolo de aniversário do presidente Franklin D. Roosevelt em Los Angeles, Califórnia, 1937.
  • Em 1935, durante a Grande Depressão, o presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt agradeceu Shirley Temple por fazer a América atravessar aquele triste período com um sorriso. Ele declarou: "During this Depression, when the spirit of the people is lower than at any other time, it is a splendid thing that for just 15 cents an American can go to a movie and look at the smiling face of a baby and forget his troubles." ("Durante esta Depressão, quando o espírito do povo está mais triste do que em qualquer outro momento, é uma coisa magnífica que por apenas 15 centavos, um americano pode ir ao cinema e olhar para o rosto sorridente de um bebê e esquecer de seus problemas.").
  • Shirley Temple é citada no filme Uma Cilada para Roger Rabbit de 1988. Quando Roger encontra o táxi Benny, batido em um poste, há o seguinte diálogo, Roger Rabbit: "Benny! É Você?!", Benny, o Táxi: "Não, é a Shirley Temple!".
  • No episódio "O Último Sapateado em Springfield" da série Os Simpsons, aparece uma personagem chamada "Vicki Valentine", uma ex-atriz infantil, mais conhecida como "Pequena Vicki", ela é uma sátira de Shirley Temple. Em uma cena do episódio também aparece uma sátira de um dos filmes de Temple, na cena em questão é exibido um filme em preto e branco na TV, estrelado pela Pequena Vicki, onde um homem negro ensina Vicki a dançar sapateado. A cena satiriza o filme "The Little Colonel" (1935), onde o ator Bill Bojangles dança e sapateia com Shirley Temple. No mesmo episódio também há uma paródia de uma das canções mais famosas cantadas por Shirley, "On the Good Ship Lollipop", que no episódio se tornou "On the Spaceship Lollipop".
  • No filme Shrek Terceiro, há uma cena em que o "Homem-Biscoito" cantarola a música "On The Good Ship Lollipop". Na dublagem brasileira do filme, a música foi substituída por "Pirulito que Bate Bate", pois a outra não era tão conhecida no Brasil.
  • No livro Memórias da Emília escrito em 1936 pelo escritor brasileiro Monteiro Lobato, a boneca Emília inventa em seu livro de memórias uma viagem à Hollywood, onde ela e o Visconde de Sabugosa se encontram com Shirley Temple, e juntos com a pequena atriz, brincam de encenar um filme sobre Dom Quixote de la Mancha.
  • A apresentadora mirim Maísa Silva do SBT, teve seu visual inspirado no de Shirley Temple; ao ir para o SBT no final de 2007, ela passou a apresentar desenhos animados dentro do "Sábado Animado" usando vestidos infantis, e penteado curto. Segundo a Revista Veja, a ideia teria sido de Silvio Santos, que teria selecionado fotos de Shirley que, penduradas no camarim, inspiram os figurinistas e cabeleireiros de Maísa; porém, a informação não é totalmente confirmada, já que segundo uma outra matéria da Revista Quem a ideia teria partido não de Silvio, mas de sua filha, Silvia Abravanel, diretora do Sábado Animado. Tanto Maísa quanto Silvio Santos, já mencionaram algumas vezes durante o Programa Silvio Santos, o fato dela se parecer com Shirley quando criança.
  • A personagem "Darla Dimple", do longa-metragem de animação "Gatos não sabem dançar" ("Cats don't dance"), é o que se pode chamar de "versão cartunizada de Shirley Temple", pois ela fora baseada inteiramente em Shirley, desde o final do nome até à aparência.

Outras curiosidades[editar | editar código-fonte]

Shirley Temple aos 10 anos de idade, junto da primeira-dama Eleanor Roosevelt, em julho de 1938.
  • Shirley, com apenas 6 anos, ganhou uma mini-estatueta simbólica em 1935 por sua contribuição ao cinema.
  • Em 2004, a Legend Films restaurou e colorizou todos os filmes de Shirley Temple produzidos originalmente em preto e branco nos anos 30.
  • Shirley Temple foi a criança mais fotografada no mundo, e estrelou mais de 40 filmes e 50 produções para televisão.
  • Quando adulta, ela foi a primeira mulher na história a servir como chefe de protocolo.
  • Em 1972, aos 44 anos, Shirley descobriu que tinha câncer de mama, e foi a primeira celebridade a admitir em público a sua doença. A razão para isso, foi encorajar outras mulheres a previnirem este problema.
  • No México a voz de Shirley Temple em seus filmes, era dublada pela atriz María Antonieta de las Nieves, a Chiquinha do seriado Chaves.
  • Shirley contou depois de adulta que deixou de acreditar em Papai Noel aos seis anos de idade, quando a mãe dela a levou em uma loja para o conhecer, e o homem vestido de Papai Noel lhe pediu um autógrafo.
  • Em Hollywood conta-se que um diretor ao rodar uma cena que exigia muitas lágrimas da pequena atriz, mentiu para Shirley, dizendo que seu cachorrinho de estimação havia morrido. Neste dia o diretor conseguiu rodar só esta cena, porque depois desta notícia, Shirley não conseguiu mais se concentrar nos textos seguintes.
  • Em um dos primeiros filmes de Shirley Temple, "Baby Take a Bow" de 1934, há cenas que hoje em dia podem ser consideradas fortes para as crianças, que envolvem armas de fogo ou objetos perigosos. Como uma cena em que Shirley Temple ainda com 5 anos, tem que manusear uma grande faca quando vai ajudar a libertar um homem que estava amarrado, e usa a faca para cortar as cordas. Na internet existem alguns screenshots desta cena, que hoje em dia, poucos acreditam que foi tirada realmente de um filme da pequena atriz [1].
  • O penteado que Shirley Temple usava tinha exatamente 52 cachos. A mãe de Shirley, Gertrude, era quem prendia os seus cabelos e os dava forma, e os amarrava pouco antes dela ir dormir. Também aplicava produtos para que ficassem mais loiros. Shirley quando ia nadar não podia mergulhar os cabelos na piscina, podia apenas umedecê-los, usando toucas de banho uma sobre a outra. Ela também tinha que ter cuidado nas ruas com a perseguição de "caçadores de souvenirs", que queriam um cacho de seus cabelos como recordação.
  • Durante sua infância, em todos os lugares em que ia, Shirley tinha de ser escoltada por um agente federal que o governo mantinha para sua proteção.
  • Na época da popularidade de Shirley, surgiam vários boatos sobre ela, um deles dizia que seria na verdade uma atriz anã de 30 anos (ou "a 30 year old midget."); outros rumores diziam que ela era uma órfã adotada pelo casal Temple com o propósito de exploração, ou que depois de algum tempo ela já estava tão crescida, que o estúdio tinha que colocar nos cenários móveis especiais em tamanho grande para que ela parecesse menor.
  • Outro rumor, era que obrigavam-na a lixar os dentes, para os manter sempre pequenos, conservando assim sua aparência infantil. Mas ao contrário do que diziam os boatos, o único trabalho artificial que já foi feito nos dentes de Shirley, foi quando ela perdeu um dente de leite da frente, e os diretores a aconselharam a substituir por um minúsculo dente falso durante as filmagens.
  • Em 1938 Shirley Temple entregou a Walt Disney um Óscar especial e sete mini-estatuetas, representando a Branca de Neve e Os Sete Anões, uma das maiores obras animadas da história. Durante a entrega, Disney tentou conter a emoção. Mas quando a pequena Shirley lhe disse: "Não são bonitos e brilhantes, não está orgulhoso Sr. Disney?" Ele respondeu: "Sim, estou tão orgulhoso que poderia chorar". Shirley então pediu graciosamente: "Não faça isso!". Os dois foram aplaudidos de pé pelos convidados, admirados.
  • Shirley chegou a ser escalada para interpretar o papel de Dorothy no filme O Mágico de Oz, mas a 20th. Century Fox negou-se a emprestá-la. Então a atriz de 16 anos Judy Garland, que já havia sido cogitada antes, mas era considerada a princípio velha demais para o papel, acabou protagonizando o filme, após um trabalho de maquiagem que ajudou a disfarçar sua idade.

Filmografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Shirley com 11 anos no filme "The Little Princess" (1939).
Shirley Temple aos 62 anos como embaixadora.
Filme
Ano Título Papel Nota
1932 Red Haired Alibi Gloria Shelton Primeiro filme
1933 Out All Night Criança Creditada como Shirley Jane Temple
To the Last Man Mary Stanley Não creditada
1934 Carolina Joan Connelly Não creditada
Mandalay Betty Shaw Cenas deletadas
As the Earth Turns Criança Não creditada
Stand Up and Cheer! Shirley Dugan
Change of Heart Shirley
Little Miss Marker Marthy 'Marky' Jane
Now I'll Tell Mary Doran
Baby Take a Bow Shirley Ellison
Now and Forever Penelope 'Penny' Day
Bright Eyes Shirley Blake
1935 The Little Colonel Lloyd Sherman
Our Little Girl Molly Middleton
Curly Top Elizabeth Blair
The Littlest Rebel Virginia 'Virgie' Cary
1936 Captain January Star
Poor Little Rich Girl Barbara Barry
Dimples Dimples Appleby
Stowaway Barbara 'Ching-Ching' Stewart
1937 Wee Willie Winkie Priscilla 'Winkie' Williams
Heidi Heidi Kramer
1938 Rebecca of Sunnybrook Farm Rebecca Winstead
Little Miss Broadway Betsy Brown Shea
Just Around the Corner Penny Hale
1939 The Little Princess Sara Crewe
Susannah of the Mounties Susannah Sheldon
1940 The Blue Bird Mytyl
Young People Wendy Ballantine
1941 Kathleen Kathleen Davis
1942 Miss Annie Rooney Anne Rooney
1944 Since You Went Away Bridget 'Brig' Hilton
I'll Be Seeing You Barbara Marshall
1945 Kiss and Tell Corliss Archer
1947 Honeymoon Barbara Olmstead
The Bachelor and the Bobby-Soxer Susan
That Hagen Girl Mary Hagen
1948 Fort Apache Philadelphia Thursday
1949 Mr. Belvedere Goes to College Ellen Baker
Adventure in Baltimore Dinah Sheldon
The Story of Seabiscuit Margareth O'Hara/Knowles
A Kiss for Corliss Corliss Archer
Curta-metragem
Ano Título Papel Nota
1932 Runt Page Luu Parsnips
War Babies Charmaine
The Pie-Covered Wagon Shirley
1933 New Deal Rhythm Garota que detesta espinafre Não creditada
Glad Rags to Riches Nell/La Belle Diaperina
Kid in Hollywood Morelegs Sweettrick
The Kid's Last Fight Shirley
Polly Tix in Washington Polly Tix
Dora's Dunking Doughnuts Shirley
Merrily Yours Mary Lou Rogers
Kid 'in' Africa Madame Cradlebait
What's to Do? Mary Lou Rogers
1934 Pardon My Pups Mary Lou Rogers
Managed Money Mary Lou Rogers

Referências

  1. Morre aos 85 anos Shirley Temple, antiga estrela mirim de Hollywood. G1 (11 de fevereiro de 2014).
  2. Shirley Temple Black, actress and diplomat, dies at 85 (em inglês). Washington Post (11 de fevereiro de 2014).
  3. Shirley Temple biography (em inglês). Biography.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Shirley Temple