Membrana timpânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Membrana timpânica
Gray909.png
Membrana timpânica direita.
Ear-anatomy.png
O número 4 é o tímpano.
Latim membrana tympani
Gray assunto #230 1039
MeSH Tympanic+Membrane

Na anatomia humana, o tímpano ou membrana timpânica, é uma membrana em forma de cone fina que separa o ouvido externo do ouvido médio em humanos e outros tetrápodes. A sua função é a de transmitir o som do ar aos ossículos no ouvido médio, e, em seguida, para a janela oval na cóclea cheia de fluido. Por isso, em última análise, converte e amplifica vibrações no ar à vibração no líquido. O osso martelo preenche a lacuna entre o tímpano e os outros ossículos.[1]

Existem duas regiões gerais da membrana timpânica: a paridade flácida (região superior, ver imagem à direita) e a paridade tensa. As paridade flácidas consistem em duas camadas, é relativamente frágil, e está associada com a disfunção da trompa de Eustáquio e colesteatomas. As maiores regiões da paridade tensa consiste em três camadas: pele, tecido fibroso, e a mucosa. É relativamente robusto, e é a região mais comumente associada com perfurações.[2]

A ruptura ou perfuração do tímpano pode levar à perda auditiva condutiva. Colapso ou retração do MT, também pode causar perda auditiva condutiva ou mesmo colesteatoma.

Patologia[editar | editar código-fonte]

Otite média aguda

Existem diversas doenças que provocam uma perda da coloração normal da membrana timpânica, como as otites agudas, situação em que o tímpano adquire uma coloração mais ou menos avermelhada sobre um fundo seroso e purulento.[3]

Às vezes, perde-se a integridade desta membrana devido a quadros infecciosos agudos, ou, por diversos processos traumáticos.

A ruptura ou perfuração da membrana do tímpano pode causar a perda auditiva condutiva. Quando se fura o tímpano, parte da audição é perdida, pois é ele que capta a maior parte dos sons.

Ruptura não intencional[editar | editar código-fonte]

Ruptura acidental do tímpano tem sido descrita em ferimentos de explosão durante conflitos,[4] mas também durante viagens aéreas, geralmente quando o congestionamento de uma infecção respiratória superior impede a equalização de pressão no ouvido médio.[5] Ele também é descrito no esporte e lazer, tais como natação, mergulho com uma má entrada na água, nado[6] e artes marciais.[7] Na literatura publicada, de 80% a 95% recuperaram completamente sem intervenção em duas a quatro semanas. Em publicações literárias, de 80% a 95% recuperaram completamente sem intervenção em duas a quatro semanas.[8] [9] [10] Estas lesões, mesmo em um ambiente de lazer ou Atlético, são ferimentos de explosão. Muitos vão experimentar alguma perda auditiva de curta duração e tinidos no ouvido (zumbido), mas pode-se ter certeza de que isso, com grande probabilidade, tende a passar. Muito poucos vão experimentar desequilíbrio temporário (vertigem). Pode haver algum sangramento do canal do ouvido, se o tímpano foi rompido. Naturalmente, as garantias anteriores tornam-se mais cautelosas quanto a força da lesão aumenta, como em situações militares ou de combate.[10]

Referências

  1. Purves D, Augustine GJ, Fitzpatrick D, et al., editors. Neuroscience. 2ª edição. Sunderland (MA): Sinauer Associates; 2001. The Middle Ear. Disponível por: NCBI
  2. Marchioni D, Molteni G, Presutti L. (Fevereiro de 2011). "Endoscopic Anatomy of the Middle Ear" (em inglês). Indian J Otolaryngol Head Neck Surg 63(2): 101–13. DOI:10.1007/s12070-011-0159-0. PMID 22468244.
  3. Paço, João; Pialarissi, Paulo Roberto. Tímpano (em português). Lidel (Portugal), Educ. Toda biologia.com. Página visitada em 11 de dezembro de 2013.
  4. Ritenour AE, Wickley A, Ritenour JS, Kriete BR, Blackbourne LH, Holcomb JB, Wade CE. (Fevereiro de 2008). "Tympanic membrane perforation and hearing loss from blast overpressure in Operation Enduring Freedom and Operation Iraqi Freedom wounded" (em inglês). J Trauma 64(2 Suppl): S174-8.
  5. Mirza S, Richardson H. (Maio de 2005). "Otic barotrauma from air travel" (em inglês). J Laryngol Otol 119 (5): 366–70. DOI:10.1258/0022215053945723. PMID 15949100.
  6. Green SM, Rothrock SG, Green EA. (Outubro de 1993). "Tympanometric evaluation of middle ear barotrauma during recreational scuba diving" (em inglês). Int J Sports Med 14 (7): 411–5. DOI:10.1055/s-2007-1021201. PMID 8244609.
  7. Fields JD, McKeag DB, Turner JL. (Fevereiro de 2008). "Traumatic tympanic membrane rupture in a mixed martial arts competition" (em inglês). Current Sports Med Rep 7 (1): 10–11. DOI:10.1097/01.CSMR.0000308672.53182.3b. PMID 18296937.
  8. Kristensen S. (Dezembro de 1992). "Spontaneous healing of traumatic tympanic membrane perforations in man: a century of experience" (em inglês). J Laryngol Otol 106 (12): 1037–50. PMID 1487657.
  9. Lindeman P, Edström S, Granström G, Jacobsson S, von Sydow C, Westin T, Aberg B. (Dezembro de 1987). "Acute traumatic tympanic membrane perforations. Cover or observe?" (em inglês). Arch Otolaryngol Head Neck Surg 113 (12): 1285–7. PMID 3675893.
  10. a b Garth RJ. (Julho de 1995). "Blast injury of the ear: an overview and guide to management" (em inglês). Injury 26(6): 363–6. PMID 363-6.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Membrana timpânica