Verve Records

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Verve Records
Parentesco Universal Music Group
Fundação 1956
Fundador(es) Norman Granz
Distribuidor(es) Verve Records (nos EUA)
Gênero(s) Jazz
País de origem Estados Unidos
Página oficial Link

Verve Records é uma gravadora estadunidense de jazz que hoje pertence à Universal Music Group. Foi fundada por Norman Granz em 1956, absorvendo os catálogos das suas antigas gravadoras: Norgran Records e Clef Records, além de materiais que pertenciam anteriormente à Mercury Records.

História[editar | editar código-fonte]

O catálogo da Verve cresceu durante os anos 50 e 60, a fim de incluir a maior parte dos grandes nomes do jazz. Também reconheceu o potencial de álbuns de comédia, produzindo o primeiro LP de Spike Jones, em 1956, além de vários álbuns de apresentações ao vivo de Shelley Berman.

Norman Granz vendeu a gravadora para a MGM em 1961 por 3 milhões de dólares. Creed Taylor foi nomeado produtor e adotou uma abordagem mais comercial, cancelando vários contratos. Taylor levou a bossa nova para os os Estados Unidos com o álbum Jazz Samba, de Stan Getz e Charlie Byrd, e com o álbum Getz/Gilberto. Vários arranjadores notáveis também trabalharam para a Verve na década de 1960, como Claus Ogerman e Oliver Nelson. O próprio Claus Ogerman afirmou que arranjou mais de 60 álbuns da Verve para Creed Taylor entre 1963 e 1967.

Pouco antes de deixar a Verve em 1967, Taylor supervisionou a criação da subsidiária de folk music, Verve Folkways (mais tarde renomeada para Verve Forecast), criada por Jerry Schoenbaum, executivo da Verve. Entretanto, as novas gravações entraram em declínio e então acabaram no início dos anos 70.

Na década de 1970, a gravadora se tornou parte do grupo de gravadoras da PolyGram — que naquela época agregava o catálogo de jazz da Mercury/EmArcy —, o qual a Philips, uma parte dos proprietários da PolyGram, adquirira anteriormente. A Verve Records se tornou Verve Music Group' depois da fusão da PolyGram com a Universal Music Group, em 1998; os catálogos de jazz dessas duas empresas foram então incluídas à Verve. Ron Goldstein foi nomeado presidente das companhias unidas.

O selo ressucitou em meados da década de 1980 para os novos lançamentos. Mas o objetivo mais importante da nova Verve Records era o relançamento de seu catálogo antigo, cada vez de mais imaginativas formas. O selo Verve By Request começou a relançar vários discos de bossa nova, em CD, no fim dos anos 90, e a série "Elite" reviveu vários álbuns pouco conhecidos, que haviam sido esquecidos durante muitos anos.

Desde 2002, o selo lançou a série Verve Remixed de compilações em que faixas clássicas de artistas da Verve são remixados por DJs de música eletrônica.

Em dezembro de 2006 a Universal Music demitiu 85% dos funcionários, reduziu a lista de artistas e transferiu o catálogo para a divisão da UME.[carece de fontes?]

Lista de alguns artistas da Verve[editar | editar código-fonte]

Instrumentistas[editar | editar código-fonte]

Cantores[editar | editar código-fonte]

Comediantes[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre gravadoras estadunidenses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.