Jerry Lewis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Jerry Lewis
Foto publicitária de 1973.
Nome completo Joseph Levitch
Nascimento 16 de março de 1926 (88 anos)
Newark, Nova Jersey
 Estados Unidos
Ocupação Ator, roteirista, diretor, produtor, cantor e filantropo
Cônjuge Patti Palmer
(1944–1980; 6 filhos)
SanDee Pitnick
(1983–presente; 1 filho)
Atividade 1949–presente
Página oficial
IMDb: (inglês)

Jerry Lewis, nome artístico de Joseph Levitch (Newark, 16 de março de 1926), é um comediante, roteirista, produtor, diretor e cantor norte-americano.

Tornou-se famoso por suas comédias estilo pastelão feita nos palcos, filmes, programas de rádio e TV e em suas músicas. Lewis também é conhecido por seu programa beneficente anual, o Jerry Lewis MDA Telethon, com o objetivo de ajudar crianças com distrofia muscular. Lewis ganhou vários prêmios honorários incluindo os do American Comedy Awards, The Golden Camera, Los Angeles Film Critics Association e do Festival de Venice, além de ter duas estrelas na Calçada da Fama. Em 2005, recebeu o Governors Award da Academia de Artes e Ciências Televisivas.[1]

Em fevereiro de 2009, Lewis recebeu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas o Jean Hersholt Humanitarian Award, o Oscar Humanitário. Lewis também foi creditado como inventor do video assist system, com o objetivo de ter mais visibilidade como ator e diretor ao mesmo tempo durante uma gravação de um filme (algumas pessoas ainda duvidam disso até hoje).[2] Lewis também fez parceria com o cantor e ator Dean Martin em 1946, formando a dupla Martin e Lewis. Além de terem feito sucesso em casas de shows, a dupla também emplacou fazendo filmes para a Paramount. Os dois se separaram dez anos depois.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Joseph Levitch nasceu em Newark, Nova Jersey, numa família de judeus russos.[3] Seu pai, Daniel Levitch, era mestre de Cerimônias e ator de vaudeville,[4] [5] [6] e usava o nome Danny Lewis como nome artístico.[7] Sua mãe, Rachel "Rae" Brodsky,[8] era pianista de uma rádio.

Lewis começou a atuar aos cinco anos, e aos quinze tinha descoberto o seu talento, em que consistia em dublar canções em um fonógrafo. Primeiramente, ele iria usar como nome artístico o nome "Joey Lewis", mas depois acabou mudando para "Jerry Lewis" para evitar confusões com o nome de outro comediante, Joe E. Lewis, e com o do campeão de boxe, Joe Louis.[9] Ele se formou na Irvington High School em Irvington na Nova Jersey.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Parceria com Dean Martin[editar | editar código-fonte]

Dean Martin & Jerry Lewis

Lewis inicialmente ganhou fama com o cantor Dean Martin, em que este fazia o correto e o outro fazia o palhaço, formando a dupla Martin e Lewis. Os dois se distinguiam em relação a outras duplas dos anos 40, por se interagirem um com o outro durante as apresentações ao invés de seguir um roteiro. No final da década de 40, eles já eram conhecidos nacionalmente, primeiro por suas apresentações em casa de shows, segundo por terem seu próprio programa de rádio, depois por fazerem aparições na televisão (principalmente no programa The Colgate Comedy Hour) e por último, por protagonizarem filmes pela Paramount Pictures, que eram um sucesso atrás do outro.

A partir dos anos 50, os papéis de Dean Martin começaram a ser passados para trás, fazendo com que a relação da dupla começasse a esfriar. A desconsideração de Martin pelo trabalho veio a tona em 1954, quando a revista Look Magazine publicou como capa de sua revista a foto da dupla mas, com a parte de Martin rasgada. A dupla se desintegrou em 25 de julho de 1956. Com a popularidade da dupla, a DC Comics publicaram os gibis The Adventures of Dean Martin and Jerry Lewis, entre 1952 e 1957. Os gibis continuaram a ser publicados um ano após a separação da dupla e depois disso, a DC Comics continuou a faturar com os gibis The Adventures of Jerry Lewis, tendo somente Jerry Lewis como personagem principal. Ao decorrer dessa última série, Lewis às vezes se encontrava com Superman, Batman e com outros heróis e vilões da DC Comics. Essa experiência inspirou a Filmation a produzir, em 1970, uma série de desenhos animados (Will the Real Jerry Lewis Please Sit Down?) com Jerry Lewis como o único personagem inspirado na realidade ao lado de outros personagens fictícios.

Dean Martin e Jerry Lewis continuaram a fazer sucesso em suas respectivas carreiras solo, mas ao passar dos anos, nenhum deles comentava sobre os motivos da desintegração da dupla ou que queriam uma reunião. A última vez que os dois seriam vistos juntos em público foi em 1976, no programa beneficente de Lewis, o Jerry Lewis MDA Telethon. A reunião foi feita de surpresa, planejada por Frank Sinatra. No livro de Lewis, Dean & Me: A Love Story, publicado em 2005, onde Lewis conta a sua amizade com Martin. A dupla finalmente se reconciliou, em 1987, após a morte do filho de Martin, Dean Paul Martin e se reuniram novamente em Las Vegas, quando Sinatra fez uma surpresa para Jerry em seu aniversário, apresentando na ocasião uma participação de Dean Martin[10] . Martin morreu em 1995.

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

Depois da separação da dupla, Lewis continuou na Paramount e se tornou um artista top com o seu primeiro filme solo, The Delicate Delinquent, de 1957. Também manteve uma parceria com o diretor Frank Tashlin, que trabalhava com os desenhos Looney Tunes da Warner. Lewis partiu para um novo tipo de comédia nos filmes de Tashlin. Os dois fizeram mais cinco filmes juntos, incluindo uma participação especial de Lewis em Li'l Abner de 1959. Lewis quis mostrar que também sabia cantar, lançando o álbum Just Sings em 1957. No álbum incluia os hits "Rock-a-Bye Your Baby with a Dixie Melody" (canção associada com Al Jonson e mais tarde re-popularizada por Judy Garland) e "It All Depends on You".

Os filmes The Delicate Delinquent, Rock-a-Bye Baby e The Geisha Boy, produzidos por Hal B. Wallis, não agradou Lewis em relação a comédia, pois não fazia o seu tipo. Em 1960, Lewis terminou seu contrato com Wallis com o filme Visit to a Small Planet, e partiu para a produção com o filme Cinderfella. Cinderfella foi lançado no Natal de 1960, a pedido do próprio Lewis, e a Paramount, querendo um filme para o mês de julho de qualquer jeito, mandou Lewis fazer mais um filme. Foi aí que Lewis estreou na direção com The Bellboy. Esse filme teve o Fontainebleu Hotel de Miami como cenário, pouco orçamento, curto ou quase nenhum roteiro e gravação feita às pressas, com Lewis trabalhando com o filme de dia e fazendo suas apresentações por lá mesmo à noite. Bill Richmond o ajudou com o roteiro e durante as filmagens, Lewis usou a técnica em usar câmeras e circuitos monitores, o que ajudava em poder rever a suas cenas após de terem sido gravadas.

Mais tarde, incorporando o videotape e com o equipamento ficando mais portátil e disponível, essa técnica passou a ser chamada de video assist. Após The Bellboy, Lewis passou a dirigir outros filmes com Bill Richmond o ajudando no roteiro, como The Ladies Man e The Errand Boy de 1961, The Patsy de 1964 e o conhecido The Nutty Professor de 1963, o qual ganhou uma refilmagem protagonizada por Eddie Murphy em 1996 e sua sequência em 2000 chamada, Nutty Professor II: The Klumps, ambas produzidas por Lewis para a Universal Pictures e Image Entertainment. Tashlin revezava o cargo de direção com Lewis, dirigindo os filmes It's Only Money de 1962 e Who's Minding the Store? de 1963. Em 1965, Lewis dirigiu e escreveu (com ajuda de Bill Richmond) o filme The Family Jewels, que era sobre uma órfã rica que tinha herdado uma fortuna de seu pai falecido e tinha que escolher entre seus seis tios para ser seu novo pai. Mesmo tendo gostado de todos os tios, tinha um carinho muito grande por seu chofér, Willard. Os seis tios e o chofér foram todos interpretados por Lewis.

Lewis no Festival de Cannes, em 2009.

Em 1966, Lewis, com 40 anos, viu sua carreira declinar aos poucos com seus filmes de pouca bilheteria. Com isso, Lewis terminou o seu contrato com a Paramount e assinou com a Columbia Pictures, onde passou a fazer mais alguns filmes. Lewis foi professor de direção na University of Southern California, em Los Angeles, por muitos anos, tendo alunos como Steven Spielberg e George Lucas.[11] Em 1968, tinha passado o filme de Spielberg, Amblin' e disse: "Assim é como se produz filmes.".[12] Lewis estrelou e dirigiu o filme The Day the Clown Cried em 1972, que chegou a não ser lançado. O drama era sobre o campo de concentração Nazista.

Lewis raramente comentava sobre a experiência de fazer esse filme, mas só uma vez disse o porque que tinha desistido dele. O filme não viu a luz do dia, por conta de dificuldades financeiras que surgiu em sua pós-produção. Mas no livro Dean & Me, Lewis conta que o verdadeiro motivo de não ter lançado o filme, é que não tinha ficado satisfeito com o resultado. Lewis acabou também fazendo peças musicais. Em 1976, apareceu no revival de Hellzapoppin' com Lynn Redgrave, mas não chegou a ser apresentado na Broadway.[13] Em 1994, fez sua estréia na Broadway, como substituto fazendo o Diabo no revival do musical de baseball, Damn Yankees, com coreografia feita pelo diretor (na época futuro) Rob Marshall, do filme Chicago.[14]

Lewis retornou aos cinemas em 1981, com o filme Hardly Working, em que estrelou e dirigiu. Mesmo tendo sido um fracasso de crítica, o filme arrecadou 50 milhões de dólares nas bilheterias. Após Hardly Working, ele partiu para fazer o filme The King of Comedy, dirigido por Martin Scorsese. Ele interpretou um apresentador de TV que é seguido e sequestrado por dois fãs obsessivos (interpretados por Robert DeNiro e Sandra Bernhard). O personagem foi baseado e oferecido a Johnny Carson, mas acabou ficado com Lewis. Lewis continuou a fazer filmes na década de 1990, principalmente fazendo participações em Arizona Dream de 1994 e Funny Bones de 1995. Apareceu em um episódio de Mad About You em 1992, interpretando um excêntrico bilionário. Em 2008, Lewis reprisou o personagem Prof. Kelp, em The Nutty Professor, em seu primeiro filme de animação CGI. O filme é a sequência do filme de 1963, e tem também no elenco o ator e cantor Drake Bell como o sobrinho de Julius, Harold.

Na televisão, Lewis teve três programas chamados The Jerry Lewis Show. O primeiro foi em 1957 na NBC, o segundo foi em 1963 na ABC que tinha sido um fracasso de audiência e cancelado 13 semanas depois, e o terceiro em 1967 na NBC novamente. Em 1984, Lewis teve o seu próprio talk show que durou somente cinco semanas. Lewis e seus personagens populares foram transformados em desenho em Will the Real Jerry Lewis Please Sit Down?. O desenho da Filmation foi transmitido pelo canal ABC em 1970, e teve somente 18 episódios. A série estrelou David Lander (Laverne & Shirley) fazendo a voz de Lewis.

Lewis ganhou grande popularidade na Europa, era constantemente aclamado por alguns críticos franceses da revista Cahiers du Cinéma por sua comédia escrachada, em parte também por ter tomado controle da maioria de seus filmes, comparável a Howard Hawks e Alfred Hitchcock. Em março de 2006, o Ministério da Cultura da França premiou Lewis com a Légion d'Honneur, o nomeando-o como "O palhaço favorito dos Franceses".[15]

Em 1994, o filme North, tinha faturado várias cenas dos filmes antigos de Lewis. Em junho de 2006, Lewis anunciou que tinha planos para fazer uma adaptação musical de The Nutty Professor.[16] Em Outubro de 2008, em uma entrevista para a rádio Melbourne, Lewis disse que contratou os compositores Marvin Hamlisch[17] e Hupert Holmes para escreverem a peça para estréia na Broadway em Novembro de 2010.[18] Em 2009, Lewis foi ao Festival de Cannes para anunciar o seu retorno como protagonista após 13 anos com o filme Max Rose, seu primeiro como protagonista desde The King of Comedy.

Em 2013, teve uma participação no filme brasileiro "Até que a sorte nos separe 2", com Leandro Hassum e Camila Morgado, onde Jerry Lewis fazia o papel de camareiro.

Filme biográfico de Martin e Lewis[editar | editar código-fonte]

Lewis foi interpretado pelo ator vencedor do Emmy Award, Sean Hayes (Will & Grace), no filme feito para televisão, Martin and Lewis, em 2002. O filme contava a história da dupla, desde quando Lewis conheceu Dean Martin (interpretado por Jeremy Northam) até a separação em 1956. Hayes conheceu Lewis durante as filmagens, e sua atuação foi indicada ao Prémios Screen Actors Guild.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Lewis casou duas vezes:

  • Primeira esposa: Patti Palmer (nome artístico de Esther Calonico).[19] Palmer foi cantora e tinha trabalhado com Ted Fio Rito,[20] e depois com Lewis quando os dois tinham se conhecido. Lewis só foi trabalhar solo e depois com Dean Martin, quando Palmer ficou grávida do primeiro filho. O casal casou-se no dia 3 de outubro de 1944 e separou-se em setembro de 1980.[21]
  • Segunda esposa: SanDee Pitnick. Casaram-se no dia 13 de fevereiro de 1983. Lewis na época tinha 56 anos. Os dois casaram-se em Key Biscayne, na Flórida. À época, SanDee tinha 32 anos e era dançarina.[22]

Lewis teve seis filhos no primeiro casamento, e uma filha no segundo:

  • Gary Harold Lee Levitch (31 de julho de 1945).[23] O nome de Gary foi legalmente mudado para Gary Lewis. Gary entrou no mundo musical na década de 1960, como vocalista da banda Gary Lewis & the Playboys[24]
  • Ronald Lewis (adotado em julho de 1950)
  • Scott Lewis (fevereiro de 1956)
  • Christopher Joseph Lewis (outubro de 1957)
  • Anthony Lewis (outubro de 1959)
  • Joseph Lewis (janeiro de 1964 – 24 de outubro de 2009). Morreu de overdose de drogas aos 45 anos[25]
  • Danielle Sarah Lewis (adotada em março de 1992)[26]

Lewis atualmente vive em Las Vegas, Nevada.

Problemas de saúde[editar | editar código-fonte]

Lewis sofreu por anos de dores nas costas, decorrente de uma queda que quase o deixou paralisado durante uma apresentação no Sands Hotel, em Las Vegas em 1965.[27] [28] Acabou se viciando em Percodan, para aliviar a dor,[27] mas diz que desde 1978 está longe dos remédios.[28] Em abril de 2002, Lewis passou por uma "sinergia" de neurostimulador, causado pelo Medtronic[29] que tinha sido implantado em suas costas e ajudado a reduzir o desconforto que sentia. Lewis agora é um dos porta-vozes da Medtronic.[28] [29]

Em dezembro de 1982, Lewis tinha sofrido um sério ataque cardíaco e um menos grave anos depois, em 2006, enquanto voava de Nova York para Califórnia[30] Foi descoberto que tem pneumonia, e também um coração frágil. Ele passou por um cateterismo cardíaco, e dois stents foram colocados em uma de suas artérias, a qual ficou 90% bloqueada. A cirurgia fez com que voltasse a bombear sangue ao coração e permitiu com que repercutisse em problemas posteriores. O cateterismo fez com que Lewis cancelasse vários compromissos, mas a sua recuperação foi ótima.

Em 1999, sua tour na Austrália foi cancelada quando foi hospitalizado em Darwin com meningite viral. Ficou doente por mais de cinco meses. Foi delatado pela imprensa australiana que tinha se recusado a pagar seu tratamento; mas Lewis escondeu que a confusão com o pagamento foi culpa do seu plano de saúde. Todo esse problema fez com que processasse a seguradora.[31]

Lewis combateu um câncer de próstata,[32] diabetes,[28] e fibrose pulmonar,[27] e teve dois ataques cardíacos. O tratamento com Prednisona contra a fibrose pulmonar fez com que ganhasse peso, mudando totalmente a sua aparência. Em setembro de 2001, Lewis ficou sem condições de aparecer em um evento beneficente produzido pelo comediante Steve Alan Green no London Palladium. Alguns meses depois, Lewis se submeteu a uma longa reabilitação, que o impediu de voltar a trabalhar.

Em 12 de junho de 2012, ele foi tratado no hospital após um evento de hipoglicemia no evento de Nova York Frades' Club. Esta notícia mais recente de saúde obrigou-o a cancelar um espetáculo em Sydney, Austrália.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Estrela de Lewis na Calçada da Fama.

Anos 1950[editar | editar código-fonte]

  • 1952 – Ganhador do Photoplay Special Award do Photoplay Award (dividido com Dean Martin).[33]
  • 1952 – Indicado ao Emmy Award na categoria "Melhor Comediante Masculino ou Feminino" (dividido com Dean Martin).[33]
  • 1954 – Ganhador do Golden Apple Award na categoria "Melhor Ator Cooperativo" (dividido com Dean Martin).[33]
  • 1958 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino".[33]
  • 1959 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino".[33]

Anos 1960[editar | editar código-fonte]

  • 1960 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino".[33]
  • 1961 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino" e "Melhor Atuação Cômica", pelo filme Cinderfella.[33]
  • 1962 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino".[33]
  • 1963 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino".[33]
  • 1964 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Artista Masculino".[33]
  • 1965 – Ganhador do Golden Laurel Special Award do Golden Laurel Award.[33]
  • 1966 – Indicado ao Golden Globe Award na categoria "Melhor Ator – Filme de Comédia ou Musical", pelo filme Boeing Boeing.[33]
  • 1966 – Indicado ao Golden Laurel Award na categoria "Melhor Atuação Cômica", pelo filme Boeing Boeing.[33]
  • 1966 – Indicado ao Fotograma de Plata na categoria "Melhor Ator Estrangeiro".[33]

Anos 1970[editar | editar código-fonte]

  • 1977 – Indicado ao Nobel Peace Prize pelo Representante Americano Les Aspin (Aspin notou durante 11 anos que o Jerry Lewis MDA Telethon tinha arrecadado mais de 95 milhões de dólares em prol da distrofia muscular).[34]

Anos 1980[editar | editar código-fonte]

Anos 1990[editar | editar código-fonte]

  • 1998 – Ganhador do Lifetime Achievement Award in Comedy do American Comedy Award.[35]
  • 1999 – Ganhador do Career Golden Lion Award no Festival de Venice.

Anos 2000[editar | editar código-fonte]

  • 2004 – Ganhador do Career Achievement Award do Los Angeles Film Critics Association.[35]
  • 2005 – Ganhador do Governors Award do Emmy Award.[35]
  • 2005 – Ganhador do Lifetime Achievement Award do Las Vegas Film Critics Society Award.
  • 2005 – Ganhador do Golden Camera for Lifetime Achievement Award do Golden Camera Award.
  • 2005 – Ganhador do Nicola Tesla Award do Satellite Award.
  • 2006 – Ganhador do Satellite Award na categoria "Melhor Artista Convidado" pela série Law & Order: Special Victims Unit.[35]
  • 2009 – Ganhador da estrela da Calçada da Fama de Nova Jersey.
  • 2009 – Ganhador do Jean Hersholt Humanitarian Award no 81º Academy Award.[36]

Referências

  1. Jerry Lewis Honored By TV Academy CBS News, Associate Press Cbsnews.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  2. Retro Thing Retrothing.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  3. Jerry Lewis; Herb Gluck (1982). Jerry Lewis In Person. Nova York: Atheneum Books. p. 8 & 28. ISBN 0-689-11290-4
  4. Jerry Lewis Biography (1926-) (em inglês) Film Reference Filmreference.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  5. The Official Jerry Lewis Comedy Museum and Store (em inglês) Jerrylewiscomedy.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  6. Jerry Lewis on Dean Martin: A Love Story (em inglês) National Public Radio (tirado de uma entrevista de Lewis a Terry Gross) Npr.org. Visitado em 3 de junho de 2010.
  7. In Person, p. 11
  8. In Person, p. 12
  9. In Person, p. 85
  10. Jerry Lewis; James Kaplan.. We Had That X Factor' (Dean Martin and Jerry Lewis) (em inglês) Parade Parede.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  11. Jerry Lewis: TV Guide Biography
  12. Joseph McBride, Steven Spielberg – A Biography (New York: Simon & Schuster, 1997), p. 168
  13. Hellzapoppin 1976 revival, closed on the road before reaching Broadway (em inglês) Broadwayworld.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  14. Damn Yankees 1994 Broadway revival, replacement cast Internet Broadway Database Ibdb.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  15. Jerry Lewis in Top French Honour (em inglês) BBC News News.bbc.co.uk. Visitado em 3 de junho de 2010.
  16. 2006 announcement at BroadwayWorld.com of plans for stage musical version of The Nutty Professor (em inglês) Broadwayworld.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  17. 1967: Jerry Lewis Recovering (arquivo (em inglês) Variety Variety.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  18. Ernie Segley entrevista Jerry Lewis na rádio 3AW Melbourne em 30 de outubro de 2008 (em inglês) 3aw.com.au.
  19. In Person, p. 106
  20. In Person, p. 104
  21. Who is Jerry Lewis (em italiano) Digilander.libero.it. Visitado em 3 de junho de 2010.
  22. Jerry Lewis Photo Gallery CBS News Cbsnews.com.
  23. In Person, p. 128
  24. Gary Lewis & the Playboys (em inglês) Classicbands.com.
  25. Joseph Lewis (em inglês) Contactmusic.com. Visitado em 3 de julho de 2010.
  26. Who's Jerry Lewis (em italiano) Digilander.libero.it. Visitado em 3 de junho de 2010.
  27. a b c Jerry Lewis Tells It Like Is – And Was (em inglês) USA Today Usatoday.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  28. a b c d A Moment With… Jerry Lewis, Comedian/Entertainer/Philanthrophist Seattle Post-Intelligencer Seattlepi.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  29. a b Jerry's Story at medtronic.com (em inglês) Medtronic.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  30. Jerry Lewis sofre ataque cardíaco O Globo Globo.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  31. Jerry Lewis Calls The Shots Now That He's Paid His Bill. The Canberra Times.
  32. Prostate Cancer: New Tests Create Treatment Dilemmas FDA Consumers. BNET Findarticles.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  33. a b c d e f g h i j k l m n Jerry Lewis Awards and Nominations (em inglês) Internet Movie Database Imdb.com.
  34. In Person, p. 307
  35. a b c d e Entertainment Awards Database Los Angeles Times Theenvelope.latimes.com. Visitado em 3 de junho de 2010.
  36. OSCAR 2009: Ignorado, Jerry Lewis recebe prêmio humanitário UOL Cinema.cineclick.uol.com.br. Visitado em 3 de junho de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal: