Filantropia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Filantropia vem do grego φίλος (amor) e άνθρωπος (homem), e significa "amor à humanidade". O seu antónimo é a misantropia.

Os donativos a organizações humanitárias, pessoas, comunidades, ou o trabalho para ajudar os demais, direta ou através de organizações não governamentais sem fins lucrativos, assim como o trabalho voluntário para apoiar instituições que têm o propósito específico de ajudar os seres vivos e melhorar as suas vidas, são considerados actos filantrópicos.

Instituições de ensino filantrópicas são mantidas por entidades sem fins lucrativos, que desempenha atividades, paralelas ou em conjunto com o Estado, sem ser remuneradas, diferente das instituídas Com Fins Lucrativos que são mantidas por uma ou mais pessoas físicas e/ou jurídicas de direito privado, que constituem-se em entidades de caráter comercial, sendo esta apenas sua missão maior, não sendo obrigadas a fazer atividades de cunho beneficente, embora, se quiserem, possam lhes desempenhar.

Instituições filantrópicas podem ser Laicas (sem vínculo religioso) ou Confessionais (mantidas por instituições religiosas).

História[editar | editar código-fonte]

O termo foi criado por Flávio Cláudio Juliano (331/332 - 26 de Junho de 363), que foi imperador romano desde 361 até à sua morte.

Uma das tarefas de Juliano, como imperador, foi a de restaurar o paganismo como religião dos romanos, e, neste intento, imitou a Igreja Católica. Assim criou o termo "filantropia" para concorrer com o termo cristão caridade, que era uma das virtudes da nova religião e que nunca tinha sido parte do paganismo em Roma ou Atenas.

Grandes contribuidores no mundo atual[editar | editar código-fonte]

  • Michael Jackson (1958-2009), cantor americano, ele doou mais de 400 milhões de dólares de sua grande fortuna para obras de caridade, ele lutou durante toda a sua vida contra a fome no mundo, contra pobreza, guerras e ainda contra o aquecimento global.
  • Bill Gates, fundador da Microsoft, decidiu doar 95% da sua enorme fortuna, com certeza é uma das pessoas que mais influenciou o mundo da filantropia, sendo ele o homem mais rico do mundo por muitos anos. Seus principais objetivos são: acabar com o analfabetismo mundial e combater doenças. Possuindo uma fundação que foi criada em 2000, Gates já contribuiu com 28 bilhões de dólares.
  • Warren Buffett anunciou no domingo 25 de Junho de 2006 que teria intenção de doar 37 bilhões de dólares de sua fortuna para as organizações dirigidas por seu grande amigo Bill Gates e sua família. Sendo esta a maior doação individual realizada nos EUA, isso equivalia a 80% de tudo o que ele tinha na época, desbancando todos os filantropos até o momento.
  • Jennifer Beals, atriz, produtora e ativista, em hora ao seu aniversário, fez uma doação considerável para Mount Sinai Children's. A doação tinha o objetivo de tornar o mundo um lugar não-tóxico para todas as crianças crescerem e prosperarem. A doação foi de $354.880 dólares.

Ver também[editar | editar código-fonte]