Stent

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um stent e seu catéter

Na medicina, um stent é uma endoprótese expansível, caracterizada como um tubo (geralmente de metal, principalmente nitinol, aço e ligas de cromo e cobalto) perfurado que é inserido em um conduto do corpo para prevenir ou impedir a constrição do fluxo no local causada por entupimento das artérias.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

A principal proposta do stent é anular as diminuições significativas no diâmetro de vasos ou ductos, as quais ocorrem por depósito no seu interior de substâncias como o colesterol e o cálcio. Os stents são frequentemente utilizados para repor o fluxo (vide classificação TIMI) sanguíneo nos órgãos, fluxo esse se encontra diminuído devido a uma obstrução, de modo a que as arterias mantenham um aporte adequado de oxigênio e outros nutrientes. Embora o uso mais comum dos stents ocorra nas artérias carótidas, coronárias e ilíacas, eles são amplamente utilizados em estruturas tubulares, como as artérias e veias centrais, ductos biliares, esôfago, cólon, traquéia, ureteres e uretra coração. Embora os stents sejam muito utilizados em cardiologia, eles foram inventados por um urologista.

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.