Uretra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uretra
Gray1142.png
Uretra masculina
Latim urethra feminina, urethra masculina
Gray assunto #256 1234
Precursor Seio urogenital
MeSH urethra

Uretra é a denominação dada ao canal condutor da urina, que parte da bexiga e termina na superfície exterior do corpo, no pênis ou vulva.

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Na mulher, a uretra está logo detrás da sínfise púbica e anteriormente à vagina e tem apenas 4 cm. Passa no diafragma urogenital que contém músculo esquelético sob a forma do esfíncter uretral externo (voluntário). Existem várias glândulas parauretrais, análogas femininas da próstata masculina, ativadas na função sexual. Estas glândulas, também conhecidas por glândulas de Skene, têm uma função de lubrificação e é onde se produz a enzima PDE5 e a ejaculação feminina. Localiza-se no Ponto G. O orifício uretral externo localiza-se logo acima da vagina, e debaixo do clitóris, protegida pelos grandes lábios da vulva.

No homem, a uretra tem três regiões:

  1. A porção prostática - uretra prostática-, dentro desta glândula, é imediatamente após a saída do colo da bexiga (colo vesical). Aqui a uretra recebe os componentes do esperma dos canais deferentes, dúctulos prostáticos e vesículas seminais. Existe um utrículo (equivalente masculino do útero feminino), uma pequena invaginação sem função, nesta porção da uretra.
  2. Na porção membranosa, a uretra é rodeada pelo diafragma urogenital, com uma densa camada de músculo esquelético (ativado conscientemente) que constitui o esfíncter externo (voluntário) uretral. Lateralmente a essa porção estão as glândulas bulbouretrais (de Cowper), uma de cada lado.
  3. Na porção carvernosa, a mais longa, ela cursa pelo corpo esponjoso do pênis. Nesta porção existem glândulas produtoras de muco (muitas pequenas glândulas de Littré), que secretam lubrificante sexual. Também é na uretra esponjosa que se abrem os ductos das glândulas bulbouretrais. A uretra na glande dilata-se formando a fossa navicular e termina no meato da glande do pênis.

Histologia[editar | editar código-fonte]

Embora exista diferenças entre o sexo masculino e feminino, a uretra basicamente a mesma estrutura em ambos os sexos, formada por três camadas, conforme descrito abaixo:[1] [2] [3]

1. Camada mucosa: Formada por células epiteliais, apoiadas sobre uma membrana basal, e, logo abaixo desta, exite uma camada de tecido conjuntivo chamada lâmina própria ou córion. O epitélio, formado pelas células epiteliais, não é o mesmo em todo a extensão da uretra. A porção inicial da uretra, logo após sua origem na bexiga urinária, é formada por epitélio de transição. A porção intermediária, é formada por epitélio pseudoestratificado. Já a porção final, próximo ao orifício externo da uretra, é formada por epitélio escamoso estratificado. Na camada mucosa estão presentes glândulas responsáveis pela lubrificação da uretra.

2. Camada submucosa: Formada por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sanguíneos.

3. Camada muscular: Constituída por duas camadas de fibras musculares lisas: a camada interna, com fibras dispostas no sentido longitudinal, e a camada externa, com fibras dispostas em sentido circular. Na uretra masculina, as camadas musculares são mais evidentes na porção prostática e membranosa, enquanto que na porção esponjosa as fibras musculares lisas são mais raras.

Fisiologia[editar | editar código-fonte]

A uretra é um canal e sua função é propelir a urina desde a bexiga até o exterior. O seu esfíncter permite o controlo consciente por parte do indivíduo do esvaziamento da bexiga.

No homem a uretra é também a porção terminal do trato reprodutor. Ela recebe na sua porção média os espermatozoides dos canais seminíferos e atravessa a próstata, da qual recebe o líquido viscoso produzido por esta glândula, que juntamente com os espermatozoides constitui o esperma. O esperma é propelido pelas contrações peristálticas da camada muscular da uretra aquando da ejaculação. Na mulher a uretra não tem funções reprodutivas.

A existência do esfíncter externo voluntário da uretra permite que entre os mamíferos o ato da micção passe a ser voluntário, para marcar territórios, ou para evitar descuidos antissociais, por exemplo.

Patologia[editar | editar código-fonte]

  • Carúnculo uretral: massa inflamatória dolorosa, mais comum em mulheres
  • Carcinoma da uretra: raro, mais prevalente em mulheres idosas

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Aparelho urinário. In: Junqueira, L.C.; Carneiro, J. Histologia Básica (em ). 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995. 313-330 pp. ISBN 85-277-0336-X.
  2. The urethra. In: Singh, I. Textbook of human histology (em ). 5. ed. New Delhi: Jaypee, 2006. 278 pp. ISBN 85-8061-809-9.
  3. Noah S Schenkman; Thomas R Gest. Female Urethra Anatomy. Visitado em 2 de março de 2013.