Glomérulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Glomérulo
Gray1130.svg
Glomérulo.
Gray1129.png
Distribuição dos vasos sanguíneos no córtex do rim.
Latim glomerulus renis
Gray's assunto #253 1221
Precursor Metanephric blastema
MeSH Kidney+Glomerulus

O glomérulo é um capilar localizado dentro da cápsula de Bowman. Ao penetrar na cápsula de Bowman, a arteríola aferente divide-se em várias alças capilares, formando o glomérulo. Esses capilares voltam a se unir formando a arteríola eferente que sai da cápsula de Bowman pelo pólo vascular.

Quando o sangue passa pelos capilares glomerulares, água e outras substâncias saem do sangue, passam através das células endoteliais e caem no espaço de Bowman, de onde seguem para os túbulos renais. Esse líquido produzido pelo glomérulo recebe o nome de filtrado glomerular e o processo pelo qual ele se formou chama-se filtração glomerular. Nos túbulos renais o filtrado glomerular é processado e transformado em urina.

Os capilares glomerulares são formados por células endoteliais fenestradas. Existe uma membrana entre as células endoteliais e os podócitos chamada membrana basal glomerular. Essa membrana possui de 100 a 300 nm de espessura e é a principal barreira na filtração glomerular, impedindo que macromoléculas do sangue passem para o espaço de Bowman. Ela é formada por sulfato de heparan, ácido siálico, colágeno tipo IV e glicoproteínas aniônicas, dispostas em forma de rede, formando uma verdadeira peneira, constituindo assim uma barreira física para a filtração glomerular. Além disso, as glicoproteínas aniônicas repelem a maioria das proteínas de carga negativa, constituindo uma barreira eletroquímica.

A membrana basal glomerular é formada por três camadas: a lâmina rara interna, que aparece clara na microscopia eletrônica e situa-se próxima às células endoteliais; a lâmina densa, mais escura; e a lâmina rara externa, localizada próxima aos podócitos e de tonalidade mais clara.

Outros constituintes dos glomérulos são as células mesangiais, localizada entre as alças dos capilares. Produzem um material amorfo chamado matriz mesangial e são responsáveis pela sustentação do glomérulo. Além disso, possuem função contrátil, podendo retrair o tufo capilar em situações de isquemia renal.

Ver também[editar | editar código-fonte]