Amido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Amido
Alerta sobre risco à saúde
Cornstarch mixed with water.jpg
Amylopectine2.png
Identificadores
Número CAS 9005-25-8
Número RTECS GM5090000
Propriedades
Fórmula molecular (C6H10O5)n
Aparência pó branco
Densidade 550 a 700 kg/m3[1]
1.5 g/cm3[2]
Ponto de fusão

decompõe-se a 200 °C[1]

Solubilidade em água 50 g/l (90 °C)[1]
Riscos associados
MSDS ICSC 1553
Índice UE not listed
Temperatura
de auto-ignição
c. 400 °C[1]
LD50 6600 mg/kg (camundongo, intraperitonial)[3]
Compostos relacionados
Polímeros da glucose relacionados Glicogênio
Celulose
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

[editar | editar código-fonte]

O grão de amido é uma mistura de dois polissacarídeos, amilose e amilopectina, polímeros de glicose formados através de síntese por desidratação (a cada ligação de duas glicoses, no caso, há a "liberação" uma mólecula de água).

  • Amilose:
Macromolécula constituida de 250 a 300 resíduos de D-glicopiranose, ligadas por pontes glicosídicas α-1,4, que conferem à molécula uma estrutura helicoidal.
  • Amilopectina:
Macromolécula, menos hidrossolúvel que a amilose, constituída por cerca de 1400 resíduos de α-glicose ligadas por pontes glicosidicas α-1,4, ocorrendo também ligações α-1,6, que dão a ela uma estrutura ramificada. A amilopectina constitui, aproximadamente, 80% dos polissacarídeos existentes no grão de amido.

Síntese[editar | editar código-fonte]

O amido é sintetizado em organelas denominadas plastídeos: cromoplastos das folhas e amiloplastos de órgãos de reserva, a partir da polimerização da glicose, resultante da fotossíntese.

Nos vegetais, o polímero de glicose utilizado como reserva é o amido, que tem estrutura muito parecida com o glDP-glicose sintase. O ADP-G é substrato da amido sintetase, a enzima que verdadeiramente catalisa a incorporação de glicose ao polímero.

Hidrólise[editar | editar código-fonte]

Na digestão o amido é decomposto por reações de hidrólise em carboidratos menores. Essa hidrólise é efetuada pelas enzimas amilases existentes na saliva e suco pancreático.

  • A enzima α-amilase (α-1,4-glicano hidrolase) rompe as ligações glicosídicas α-1,4 da amilose originando uma mistura de maltose, amilopectina e glicose. Rompe também as ligações α-1,4 da amilopectina, originando uma mistura de polissacarídeos denominadas dextrinas.
  • A enzima β-amilase (β-1,4-glicano maltohidralase) rompe as ligações α-1,4 dos polissacarídeos resultantes da hidrólise da amilopectina, originando maltose pura.

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

O amido é encontrado nas sementes, caules e raízes de várias plantas como trigo, mandioca, arroz, milho, feijão, batata, entre outras.

Usos e aplicações[editar | editar código-fonte]

Uso comercial

Notas e referências

  1. a b c d Registo de CAS RN 9005-25-8 na Base de Dados de Substâncias GESTIS do IFA, accessado em 27 mai 2009
  2. Fiche internationale de sécurité chimique, consultée le 10 juillet 2009
  3. (en) « Starch » em ChemIDplus, consulté le 27 mai 2009