Tetrose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.

Uma tetrose é um monossacarídeo com quatro átomos de carbono. Podem possuir um grupo funcional aldeído na posição 1 (aldotetroses) ou um grupo funcional cetona na posição 2 (cetotetroses).


Projeções de Fischer
das tetroses com ocorrência natural
DErythrose Fischer.svg DThreose Fischer.svg DErythrulose Fischer.svg
D-Eritrose
D-Treose
D-Eritrulose


As aldotetrose têm dois centros quirais sendo assim possíveis quatro estereoisómeros diferentes. Existem dois esteroisómeros de ocorrência natural, os enantiómeros da eritrose e treose com a configuração D mas não os enantiómeros L. As cetotetroses têm um centro quiral e, portanto, dois possíveis estereoisómeros: eritrulose (formas L- e D). Também neste caso, apenas o enantiómero D tem ocorrência natural.

A nomenclatura de trioses, tetroses, pentoses e hexoses foi desenvolvida por Emil Fischer, a partir dos seus estudos de carboidratos iniciados em 1880. Fischer também endossou os termos aldose e cetose, propostos por Amstrong[quem?][1] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Tetrose», especificamente desta versão.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.