Adoçante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Adoçantes ou edulcorantes são substâncias de baixo ou inexistente valor energético que proporcionam a um alimento o gosto doce. Além da sacarose ( açúcar natural mais difundido mundialmente ), são largamente utilizados a sacarina, ciclamato, taumatina que são moleculas bastantes distintas dos glicídios naturais.

Os adoçantes podem ser classificados em artificiais ou sintéticos como a sacarina sódica, ciclamatos, etc., que não apresentam valores calóricos, e os naturais como a frutose, o sorbitol etc, que possuem menos caloria que a glicose presente na sacarose.

Estudos indicam que os adoçantes artificiais são, em muitos casos, nocivos à saúde mesmo em concentrações preconizadas por órgãos de saúde.[carece de fontes?]

Tipos de adoçantes[editar | editar código-fonte]

Naturais[editar | editar código-fonte]

São os extraídos diretamente de plantas ou produzidos por via biotecnológica

  • Glicose: Componente da sacarose e, basicamente, o glicídeo mais utilizado metabolicamente para a produção de energia.
  • Isomaltose ou E 953
  • Manitol ou E 421
  • Maltitol ou E 965
  • Sacarose ou açúcar de mesa: É obtida da beterraba (contendo 15%) ou da cana-de-açúcar (com 25% de sacarose).
  • Lactose açúcar encontrado no leite, possui baixo potencial dulçor. É utilizada como insumo inerte (II) em preparações homeopáticas
  • Flavonóides
  • Frutose. É conhecido como o 'açúcar para diabéticos. É comumente encontrada em frutos. É utilizado para a fabricação de produtos para diabéticos, porém o seu consumo deve ser controlado, já que pode ser interconvertida em glicose. A frutose metaboliza-se mais lentamente.
  • Esteviosídeos : Extraído da Stevia rebaudiana. Um adoçante natural, rejeitado por muitos por ter sabor característico, mas que vem se popularizando no centros urbanos pelos seus benefícios para a saúde, em especial para as diabetes.
  • Taumatina ou E 957
  • Xilitol ou E 967: Adoçante parecido ao sorbitol, pouco utilizado devido ao seu custo de produção. É utilizado em gomas de mascar de valor mais elevado.

Sintéticos ou artificiais[editar | editar código-fonte]

São os produzidos através de processos industriais específicos.

  • Acesulfame-k ou E 950: Não é metabolizado pelo organismo e tem poder adoçante 200 vezes maior que a sacarose;
  • Aspartame ou E 951: É um dos mais recentes, seu poder adoçante se aproxima a sacarina. É proibido o seu consumo àqueles com fenilcetonúria. Perde o sabor quando submetido a temperaturas superiores a 120 °C ou mais baixa de forma prolongada. Seu poder adoçante é 200 vezes superior ao da sacarose, ou seja, é necessário uma dose 200 vezes menor que a de açucar;
  • Ciclamato ou E 952: É 50 vezes mais doce que o açúcar. Segundo a Organização Mundial da Saúde pode produzir cancro e mutações. Produz também alergias. Os ciclamatos estão proibidos nos Estados Unidos, Japão, Inglaterra e França. Seu uso é contraindicado para grávidas;
  • Lactitol. Adoçante artificial pobre em calorias. É empregado para a confecção de doces de baixas calorias. É recomendável aos diabéticos. É menos doce que a sacarose porém mais estável que o aspartamo;
  • Lisozima ou E 1105;
  • Neo-hesperidina di-hidrocalcona ou E 959 Elaborado da laranja amarga;
  • Neotame: O mais potente que existe;
  • Polidextrose ou E 1200: Adoçante utilizado por suas propriedades gelificadoras e espessantes, ideal para a produção de sobremesas;
  • Sacarina ou E 954: Proibido na França e Canadá. Nos Estados Unidos é obrigatório constar nos rótulos dos produtos que contenham este aditivo que ele é nocivo a saúde. Acredita-se que doses inferiores a 2,5 gramas ao dia não são tóxicas. Não é aconselhável o seu uso por mulheres grávidas;
  • Sorbitol ou álcool de açúcar: Tem as mesmas vantagens e inconveniências que a frutose, porém pode causar diarréia se for consumido em excesso. É o adoçante geralmente utilizado nas gomas de mascar "sem açúcar". No fígado pode ser transformado em glicose e frutose;
  • Sucralose ou E 955: Açúcar modificado com átomos de cloro, é 600 vezes mais potente que o açúcar comum;

Ligações externas[editar | editar código-fonte]