Farinha de milho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Massa de farinha de milho

Farinha de milho é o pó ou granulado que se obtém moendo o milho mediante diferentes métodos. Como cultivo tradicional dos povos originários da América, é nesta parte do mundo onde mais se consome, sendo parte fundamental da culinária do Brasil, da Colômbia, do México, do Peru e da Venezuela.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, de acordo com a ANVISA, farinha de milho e fubá são sinônimos, significando o produto obtido pela moagem do grão de milho (Zea mays L.), desgerminado ou não.[1]

Não obstante essa definição oficial, em linguagem coloquial brasileira geralmente se reserva a designação "fubá" para a farinha moída mais fina, usada em bolos, angus e polentas, enquanto se chama de "farinha de milho" o produto mais grosso, em flocos, usado em farofas e cuscuzes. O processo de fabricação também é diferente: o fubá é feito pela moagem de grãos secos de milho, enquanto a farinha de milho é feita a partir de uma massa de grãos macerados, esmagados, peneirados e por fim floculados.[2]

Referências

  1. ANVISA, Resolução - CNNPA N. 12, de 1978 [em linha]
  2. Saiba mais: milho (parte 2). Página visitada em 2014-06-19.
Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.