Palmas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Palmas
"A Caçula das Capitais"
"PMW"
"Princesinha do Brasil"
Vista panorâmica de Palmas

Vista panorâmica de Palmas
Bandeira de Palmas
Brasão de Palmas
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 20 de maio de 1989 (25 anos)
Gentílico palmense
Lema Co yvy ore retama
"Esta Terra é Nossa"
Prefeito(a) Carlos Amastha (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Palmas
Localização de Palmas no Tocantins
Palmas está localizado em: Brasil
Palmas
Localização de Palmas no Brasil
10° 11' 04" S 48° 20' 01" O10° 11' 04" S 48° 20' 01" O
Unidade federativa  Tocantins
Mesorregião Oriental do Tocantins IBGE/2008[1]
Microrregião Porto Nacional IBGE/2008[1]
Região metropolitana Palmas
Municípios limítrofes Aparecida do Rio Negro, Lajeado, Miracema do Tocantins, Monte do Carmo, Novo Acordo, Porto Nacional e Santa Tereza do Tocantins
Distância até a capital 920 km[2]
Características geográficas
Área 2 218,934 km² [3]
População 265 400 hab. IBGE/2013[4]
Densidade 119,61 hab./km²
Altitude 280 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,788 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 2 593 532,257 IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 14 094,52 IBGE/2008[6]
Página oficial
Prefeitura portal.palmas.to.gov.br
Câmara www.cmpalmas.to.gov.br

Palmas é um município brasileiro, sendo a capital e também a maior cidade do estado do Tocantins. A cidade foi fundada em 20 de maio de 1989, logo após a criação do Tocantins pela Constituição de 1988. Antes desta data, Palmas foi planejada inicialmente pelos arquitetos Luís Fernando Cruvinel Teixeira e Walfredo Antunes de Oliveira Filho, sendo que a partir daí, a cidade começou a ser construída pelos trabalhadores que vieram do interior do Tocantins e de vários outros estados do país. Entretanto, somente a partir do dia 1° de janeiro de 1990, é que Palmas passou a ser a capital definitiva do estado, já que antes a cidade ainda não possuía condições físicas de sediar o governo estadual, que estava alocado temporariamente no município vizinho de Miracema do Tocantins.

Após 25 anos, a população chega aos 265 400 habitantes, sendo que 80% das quadras habitadas já estão pavimentadas. O mesmo ocorrendo com saneamento básico e água tratada que chega a 98% da população. De um modo geral a cidade é caracterizada pelo seu planejamento, pois foi criada quase na mesma forma de Brasília, com a preservação de áreas ambientais, boas praças, hospitais e escolas, se tornando a capital com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das regiões Norte e Nordeste.[7]

Palmas é a última cidade do século XX completamente planejada[8] , já que a cidade nasceu e foi projetada desde o início para ser a capital do estado do Tocantins, sendo também a mais nova capital estadual do país.[8] O município caracteriza-se também por ser a segunda capital com melhor qualidade de vida do Norte do Brasil.[9]

O crescimento de Palmas foi demasiado grande durante a década de 1990. Em 1991 a cidade tinha uma população de 24.261 habitantes. No ano de 2000, a cidade já contava com 130.528 habitantes. Sua urbanização também cresceu nos últimos anos. Apesar de uma desaceleração, Palmas tem um crescimento econômico de 8,7%, maior do que o índice nacional e do Tocantins.[10]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome para batizar a capital do Tocantins, Palmas, foi escolhido em homenagem a Comarca de São João da Palma (atual Paranã), sede do primeiro movimento separatista da região, instalada em 1809 na barra do Rio Palma com o Rio Paranã. Outro fator que influenciou o nome foi a grande quantidade de palmeiras na região.[11]

História[editar | editar código-fonte]

Ocupação indígena e movimentos separatistas[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos europeus ao continente americano, no século XVI, a porção central do Brasil era ocupada por indígenas do tronco linguístico macro-jê, como os acroás, os xacriabás, os xavantes, os caiapós, os javaés, entre outros povos indígenas.[12]

A história de Palmas é intimamente relacionada com a história de seu estado. A área que se localiza o Tocantins na atualidade era o norte do estado de Goiás, e desde o século XIX houve alguns movimentos separatistas na região.[13] Em 1809, um movimento separatista da região de Goiás chamada Vila da Palma foi instalado na barra do rio Palma com o rio Paranã.[11] Já em 1821, após um isolamento daquela região provocada pelo rei João VI de Portugal causou outra revolta separatista, quando o Desembargador Joaquim Teotônio Segurado proclamou um governo autônomo para aquela região. Todavia, em três anos a revolta foi contida por Caetano Maria Gama, presidente daquela província, nomeado por Dom Pedro I[13] , então imperador do Brasil.

A divisão de Goiás ficou em latência até os anos 70 do século XX, quando foi discutida no Congresso Nacional, e aprovada em 1988[13] .

Nova capital[editar | editar código-fonte]

Somente anos depois, com o desmembramento do estado do Tocantins do estado de Goiás pela Constituição de 1988, é que Palmas finalmente começou a surgir. No dia 10 de janeiro de 1989, a cidade de Miracema do Tocantins foi definida como capital provisória do estado.[14] No dia 15 de fevereiro de 1989, a Assembleia autorizou o então governador Siqueira Campos a desapropriar a área da Serra do Carmo e a leste do povoado de Canela para a criação da nova capital do estado idealizada pelo então governador da época. No dia 6 de março do mesmo ano, por decreto, foi criada a Comissão de Implantação da Nova Capital (Novacap) e, no dia 20 de maio de 1989, foi lançada a pedra fundamental da cidade, numa solenidade que reuniu cerca de dez mil pessoas na Praça dos Girassóis. No mesmo dia, o governador Siqueira Campos acionou o trator, abrindo a avenida Teotônio Segurado, a primeira via arterial da cidade. Grande parte do município foi construído por trabalhadores oriundos de várias localidades do Brasil.[15]

No dia 19 de julho do mesmo ano, a Assembleia Estadual Constituinte aprovou o projeto de lei do executivo criando o Município de Palmas. A lei foi sancionada no dia 1º de agosto seguinte, quando Siqueira Campos confirmou a transferência da capital de Miracema do Tocantins para Palmas.[16]

Somente em 1 de janeiro de 1990 é que Palmas assumiu sua função de capital do estado e os poderes constituídos foram transferidos da capital provisória, Miracema, para o plano diretor da nova cidade. Porém, as repartições do governo ainda não existiam e não tinham acomodações para alojar o pessoal administrativo.[11] O primeiro prefeito do município foi Fenelon Barbosa Sales.[17]

Hoje, a população da cidade já chega a mais de duzentas mil pessoas. Cidade planejada, foi construída contendo avenidas largas, uma preservação ambiental eficiente e bons locais públicos. Palmas foi a capital com o maior crescimento demográfico durante a primeira década do século XXI.[18] [19]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Palmas é a capital do vigésimo quarto estado mais populoso do Brasil, Tocantins,[20] situando-se próximo ao paralelo 10° 11' 04" sul e do meridiano 48° 20' 01" oeste. A área original do município, segundo o IBGE é de 2219 km2.[21] Sua altitude é de 260m. Os municípios vizinhos a Palmas são respectivamente: Lajeado e Aparecida do Rio Negro ao norte; Novo Acordo e Santa Tereza do Tocantins ao leste; Monte do Carmo ao sudeste e ao sul; Porto Nacional ao sul, ao sudoeste e ao oeste; e Miracema do Tocantins ao noroeste.

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de chuva em 24 horas
registrados em Palmas por meses
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 112,5 mm 23/01/2010 Julho 21,1 mm 20/07/2000
Fevereiro 114,1 mm 15/02/2005 Agosto 8,4 mm 31/08/2003
Março 156,5 mm 23/03/2010 Setembro 55,1 mm 21/09/2006
Abril 73,6 mm 20/04/2006 Outubro 101,9 mm 23/10/2010
Maio 46,2 mm 08/05/2009 Novembro 142,2 mm 30/11/1995
Junho 35,5 mm 23/06/1994 Dezembro 126 mm 22/12/1999
Fonte: Rede de dados do INMET. Período: 25/11/1993 a 31/12/2013.[22]

Palmas é considerada a capital mais quente do Brasil na atualidade, e com tendência a aumentar ainda mais a temperatura no futuro com o aumento da população, veículos, asfalto e construções de prédios. Em Palmas predomina o clima tropical com estação seca (Aw, segundo a classificação climática de Köppen-Geiger).[23] Clima quente todo o ano. Apesar de ter algumas variações, são poucas, pois a diferença entre o mês mais quente (setembro) e o mais frio (julho) é de apenas 3 °C. A média das máximas em setembro é de 36 °C, e a das mínimas é de 22 °C, em julho, a média das temperaturas máximas atinge 33 °C, enquanto a das mínimas cai para 15 °C. Assim, a temperatura média anual é de 26 °C. Apesar de setembro ser o mês mais quente, as temperaturas mínimas maiores acontecem em março, com 24 °C. O mesmo acontece com julho (mês mais frio), onde a menor temperatura máxima acontece em março e fevereiro.

A distribuição sazonal das precipitações pluviais está bem caracterizada, no ano, por dois períodos bem definidos: a estação chuvosa, de outubro a abril, com temperatura média de 26 °C, com ventos fracos e moderados; e a estação seca, nos meses de maio a setembro com temperatura média que varia entre 23 °C e 27 °C. O índice pluviométrico é de 1 300 milímetros (mm) anuais. O mês mais chuvoso é janeiro, quando chove 246 mm, enquanto o mês mais seco é julho, quando a chuva é quase nula.[24] [25]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a menor temperatura registrada em Palmas desde 1993 (a partir de 25 de novembro) foi de 12,5 °C nos dias 21 de julho de 1994 e 12 de julho de 1996, enquanto a maior atingiu 41,9 °C, observada no dia 19 de setembro de 2013, superando os 41,2 °C do dia 30 de setembro de 2010.[26] O maior acumulado de chuva em 24 horas foi de 156,5 mm em 23 de março de 2010. Outros grandes acumulados foram Outros grandes acumulados foram 142,2 mm em 30 de novembro de 1995, 132,5 mm em 29 de março de 2006, 126 milímetros em 22 de dezembro de 1999, 114,1 mm em 15 de fevereiro de 2005, 112,5 mm em 23 de janeiro de 2010, 111,1 mm em 21 de janeiro de 2001, 110,7 mm em 7 de novembro de 1999, 109,5 mm em 7 de fevereiro de 2000 e 101,9 mm em 23 de outubro de 2010.[22] O maior volume total acumulado em um mês foi de 594,7 mm em dezembro de 1999.[27] O menor índice de umidade do ar foi de 13% nos dias 21 de agosto de 1988 e 14 de setembro de 2011.[28]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Palmas Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 38 37,4 37,7 38 39,7 37,8 38,3 40,1 41,9 40,9 38,7 38,8 41,9
Temperatura máxima média (°C) 30,8 30,6 31,3 32,3 31,6 32 32 32,4 34,5 35,2 31,3 31,5 32,1
Temperatura média (°C) 25,3 25,2 25,5 25,5 24,6 23,2 22,9 24,3 26,5 26,4 25,6 25,3 25
Temperatura mínima média (°C) 20,8 20,5 21 20,7 18,9 16,4 15,4 16,3 19,3 21 21,2 21,2 19,4
Temperatura mínima registrada (°C) 19,3 19 19,3 18,5 16,1 13,7 11,5 11,5 14,8 18,4 18,7 19,7 11,5
Chuva (mm) 245,7 216,7 170,8 100,3 14,9 1,7 0,2 2,4 19,2 120,8 196,6 211,9 1 301,2
Dias com chuva (≥ 1 mm) 13 13 11 7 2 0 0 0 2 8 12 13 81
Horas de sol 186,4 159,1 168,8 236,8 246,4 197,2 196,9 192,5 151,4 168,9 184,7 204 2 293,1
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (médias climatológicas de 1961 a 1990;[24] [29] [30] [25] [31] [32] recordes de temperatura de 25/11/1993 a 31/12/2013).[33] [34]

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo está caracterizado pelas Serras do Carmo e do Lajeado, que constituem um relevo basicamente escarposo, sendo que a cidade se mantêm em uma 'planície' entre a Serra e o lago represado.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O principal rio que banha o município de Palmas é o Rio Tocantins. O trecho deste rio que banha o município faz parte do lago formado pela Usina Hidrelétrica de Lajeado, que fica localizada a pouco mais de 54 km ao norte da cidade, no município vizinho de Lajeado. Dentre os outros cursos d'água que passam pelo município, destacam-se o Rio das Balsas, o Ribeirão das Pedras, o Ribeirão Taquaruçu, o Córrego Macaco e o Ribeirão Taquaruçu Grande.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Vista da Ponte Fernando Henrique Cardoso em Palmas.

Palmas possuiu as mais importantes taxas de crescimento demográfico do Brasil nos últimos dez anos, recebendo pessoas de praticamente todos os estados brasileiros, com destaque para os estados vizinhos ao Tocantins. Segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município atingiu um crescimento populacional de mais de 110% em 2008 comparando com a população residente em 1996, saindo dos 86.116 habitantes para uma estimativa de 184.010 habitantes, segundo pesquisas divulgadas pelo IBGE.

Nos últimos anos, o desenvolvimento econômico pelo qual tem passado o município de Palmas de certa forma tem contribuído para a atração de um contingente populacional proveniente de diversas partes do país. Esta corrente migratória se deve à expectativa gerada com o surgimento de oportunidades de negócios e empregos em função da implantação do estado e da capital.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Palmas é considerado elevado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), seu valor é de 0,800, sendo o maior de todo o estado de Tocantins (em 139 municípios); segundo de toda Região Norte do Brasil (em 449) e o 559° de todo Brasil (em 5 507). Considerando apenas a educação, o valor do índice é de 0,934 (classificado como muito elevado), enquanto o do Brasil é 0,849. O índice da longevidade é de 0,712 (o brasileiro é 0,638) e o de renda é de 0,754 (o do Brasil é 0,723).[35] A cidade possui a maioria dos indicadores elevados e parecidos com os da média nacional segundo o PNUD. A incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 5,43%, o limite inferior da incidência de pobreza é de 1,56%, o superior é de 9,30% e a incidência da pobreza subjetiva é de 3,64%. O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,42, numa escala entre 1,00 (pior número) e 0,00 (melhor).[36]

Evolução demográfica de Palmas (1991-2010), em hab.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Além da região do Plano Diretor, da região de Taquaralto e dos Aurenys (sede municipal), o município de Palmas também possui dois distritos localizados ao longo da rodovia TO-030, sendo estes o distrito de Taquaruçu e o distrito de Buritirana. Além destas localidades, o distrito de Luzimangues, localizado na margem esquerda do Rio Tocantins, também está intrinsecamente ligado a Palmas. Este último está localizado em território do município vizinho de Porto Nacional, estando às margens da rodovia TO-080.

Economia[editar | editar código-fonte]

Atividades econômicas de Palmas em 2012.[37]

Palmas foi concebida e projetada a partir de um concurso nacional em 1992. Para ser o centro administrativo e econômico do Tocantins, e devido a isso, o setor de serviços é o principal setor da economia palmense. A participação da agropecuária na economia palmense é menor do que a do setor de serviços, estando baseada em pequenas chácaras no entorno da cidade e das rodovias que dão acesso a Palmas, além de grandes fazendas de plantação de soja e de criação de gado no distrito de Buritirana.

A economia é predominantemente formal, formada principalmente por sociedades limitadas e firmas individuais. As micro empresas são as mais comuns no município, sendo que elas compõem mais de 80% das 4 394 empresas palmenses.

Evolução do PIB e do PIB per capita de Palmas
Anos PIB
(em reais)
PIB per capita
(em reais)
2002 1 220 794 7 189
2003 1 286 944 7 049
2004 1 530 883 8 159
2005 1 733 265 8 326
2006 1 961 325 8 879
2007 2 254 480 12 638

A cidade possui quatro distritos industriais, sendo eles o Distrito Industrial de Palmas, o Distrito Industrial Tocantins I, o Distrito Industrial Tocantins II e o Distrito Industrial de Taquaralto. Todos eles ficam localizados às margens das rodovias TO-050 e TO-010.

Hoje Palmas se transformou numa cidade-polo cuja influência socioeconômica abrange, além de todo o estado do Tocantins, o sudeste do Pará, o nordeste do Mato Grosso e do sul do Maranhão.

Em 2007 o Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma das riquezas produzidas de Palmas, apresentou uma forte expansão e foi estimado em R$ 2,2 bilhões, motivado por investimentos da Prefeitura de Palmas na economia e também pelo bom momento pelo qual passa o país. O aumento do PIB de Palmas foi de 6% e se comparado ao do Brasil foi bem considerável, já que o país apresentou o percentual de 3,5%, e a Capital, até o final de 2007, representava 18,4% das riquezas geradas no Tocantins e 0,08% no país. Devido a este crescimento, Palmas tem recebido grandes investimentos, tais como: o Capim Dourado Shopping; o pátio multimodal da Ferrovia Norte-Sul (localizado no município de Porto Nacional, às margens da TO-080); as lojas das redes varejistas: Casas Bahia e Lojas Americanas; as filiais das redes de hipermercados: Atacadão, Makro, Extra, Assaí e Mateus; além das unidades fabris da Wilson Brasil, entre outras.

Composição econômica de Palmas[38]
Serviços
57,53%
Agropecuária
34,59%
Indústria
7,87%

Política[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Constituição de 1988, Palmas está localizada em uma república federativa presidencialista. A forma de Estado foi inspirada no modelo estadunidense, no entanto, o sistema legal brasileiro segue a tradição romano-germânica do Direito positivo. O federalismo no Brasil é mais centralizado do que o federalismo estadunidense; os estados brasileiros têm menos autonomia do que os estados norte-americanos, especialmente quanto à criação de leis.[39] A administração municipal se dá pelo poder executivo (Prefeitura de Palmas) e pelo poder legislativo (Câmara Legislativa de Palmas).[40]

Em sua história, Palmas já teve cinco prefeitos. Todos foram eleitos por votação pública, sendo que Carlos Amastha, o atual prefeito está na prefeitura e governará de 2013 até 2016.[41]

Relações Internacionais[editar | editar código-fonte]

Cidades-irmãs é uma iniciativa do Núcleo das Relações Internacionais[42] , que busca a integração entre a cidade e demais municípios nacionais e estrangeiros. A integração entre os municípios é firmada por meio de convênios de cooperação, que têm o objetivo de assegurar a manutenção da paz entre os povos, baseada na fraternidade, felicidade, amizade e respeito recíproco entre as nações. Oficialmente Palmas tem duas Cidades-irmãs, são elas:

Palmas sedia um consulado:

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Vista da Avenida LO-09 e de parte da região sudoeste do Plano Diretor de Palmas.

Segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Palmas dispunha de um total de 144 estabelecimentos de saúde em 2009, sendo 61 públicos e 83 privados, os quais dispunham no seu conjunto de 364 leitos para internação, sendo que quase 300 são públicos. A cidade também conta com atendimento médico ambulatorial em especialidades básicas, atendimento odontológico com dentista e presta serviço ao Sistema Único de Saúde (SUS).[45] Em 2009 existiam 73 683 mulheres em idade fértil (entre 10 e 49 anos). Palmas contava em abril de 2010 com 79 anestesistas, 271 auxiliares de enfermagem, 44 cirurgiões gerais, 309 cirurgiões dentistas, 189 clínicos gerais, 231 enfermeiros, 92 farmacêuticos, 120 fisioterapeutas, 38 fonoaudiólogos, 80 gineco-obstetras, 48 médicos de família, 17 nutricionistas, 90 pediatras, 69 psicólogos, 13 psiquiatras, 48 radiologistas e 635 técnicos de enfermagem, totalizando 2373 profissionais de saúde. Em 2008 foram registrados 3 959 nascidos vivos, sendo que 5,6% nasceram prematuros, 53,2% foram de partos cesáreos e 17,8% foram de mães entre 10 e 19 anos (0,6% entre 10 e 14 anos). A taxa bruta de natalidade era de 21,5 por 100 mil habitantes. No mesmo ano, a taxa de mortalidade infantil era de 15,4 por mil nascidos vivos e a taxa de óbitos era de 3,2 por mil habitantes.[46]

Segundo uma pesquisa realizada nos últimos anos, a saúde pública de Palmas traz a satisfação de 90% da população. O Hospital de Urgências de Palmas e o HGP são alguns dos principais hospitais da cidade. Entretanto, doenças como a Dengue estão trazendo dados pouco a pouco alarmantes para a cidade.[47]

Educação[editar | editar código-fonte]

O Terminal Rodoviário de Palmas, localizado na Quadra 1212 Sul, em frente ao entroncamento entre a Avenida LO-27 e a rodovia TO-050.

O fator educação do IDH no município atingiu a marca de 0,934 – patamar consideravelmente elevado, em conformidade aos padrões do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) – ao passo que a taxa de analfabetismo indicada pelo último censo demográfico do IBGE em 2000 foi de 6,33%.

Palmas tem um sistema de ensino primário e secundário, público e privado, e uma variedade de profissionais de escolas técnicas. Em 2009 havia na cidade 89 estabelecimentos de ensino fundamental, 64 unidades pré-escolares, 29 escolas de nível médio e mais algumas instituições de nível superior. No total foram 36 538 matrículas e 1 536 docentes registrados em 2009.[48] No ensino superior, destacam-se importantes universidades públicas e privadas. As instituições públicas de ensino superior sediadas em Palmas são: a Universidade Federal de Tocantins (UFT) , Instituto Federal do Tocantins (IFTO) e a Unitins (Universidade Estadual do Tocantins)

Tomando por base o relatório do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2005, o município obteve quase 3,3 pontos, e a tendência é de se chegar a 5,6 em 2021.[49] Na classificação geral do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2008, nenhuma escola da cidade figurou entre as 50 melhores do ranking.[50]

Segurança, violência e criminalidade[editar | editar código-fonte]

Palmas registrou 12,8 casos de homicídios por 100 mil habitantes, sendo tal quantidade a menor dentre as capitais brasileiras.[51]

Habitação, serviços e comunicação[editar | editar código-fonte]

No ano de 2010, segundo o IBGE, a cidade tinha 68 679 domicílios entre apartamentos, casas, e cômodos. Desse total, 37 113 eram imóveis próprios, sendo 31 989 próprios já quitados (46,57%),5 124 em aquisição (7,46%) e 26 299 alugados (38,29%); 5 054 imóveis foram cedidos, sendo 951 por empregador (1,38%) e 4 013 cedidos de outra maneira (5,84%). 213 foram ocupados de outra forma (0,31%). Grande parte do município conta com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. Naquele ano, 95,52% dos domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água; 96,99% das moradias possuíam coleta de lixo e 94,23% das residências possuíam escoadouro sanitário.[52] Atualmente, o lixo da capital tocantinense é jogado no Aterro Sanitário de Palmas. Criado em 2001, é considerado um modelo nacional.[53]

Transportes[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto de Palmas, localizado nas proximidades do setor Jardim Aureny III, na região sul da cidade.

Palmas encontra-se localizada próxima à rodovia BR-153 (também conhecida como Rodovia Belém-Brasília). Pela BR-153, o município tem acesso às principais cidades do Tocantins e demais regiões do país, especialmente o Centro-Sul e os demais estados do Meio-Norte (Maranhão, Pará e Amapá). A TO-050 também é uma importante via de acesso a Palmas, sendo responsável por ligar a cidade ao município vizinho de Porto Nacional, à região sudeste do estado, ao nordeste de Goiás, ao estado da Bahia e ao Distrito Federal.

Por Palmas também passa a BR-010, que apesar de ser uma rodovia federal, é administrada pela prefeitura no trecho urbano da cidade e pelo governo do estado no trecho rural. Dentro do município, a BR-010 segue o mesmo percurso das rodovias TO-050 e TO-020.

De uma forma geral, as rodovias que passam pelo município de Palmas, são: a BR-010; a TO-010; a TO-020; a TO-030; a TO-040, TO-050, TO-070, a TO-080, a TO-365 (no distrito de Taquaruçu) e a TO-453 (no distrito de Buritirana).

As empresas que operam o sistema de transporte coletivo na cidade são a Expresso Miracema, a TCP e a Palmas Superurbano. Na cidade existem seis terminais de integração, sendo que cada um deles recebe o nome de uma das tribos indígenas do Tocantins. São eles: Estação Apinajé, Estação Xambioá, Estação Krahô, Estação Xerente, Estação Karajá e Estação Javaé. Destes terminais partem todas as linhas de transporte coletivo da cidade, sendo que a linha que interliga todos eles recebe o nome de Eixão.

Em oito anos, a frota de Palmas teve um aumento de quase 240%, saltando de 27 219 veículos em 2001 para 132 537 em 2012.[54] [55]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. Capitais dos estados Atlas Geográfico do Brasil. Página visitada em 1 de janeiro de 2011.
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  4. Estimativa Populacional 2012 Censo Populacional 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (julho de 2012). Página visitada em 1 de setembro de 2012.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 2 de agosto de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  7. Tocantins avança no IDH, Palmas tem maior crescimento do País, mas Estado ainda amarga índices vergonhosos
  8. a b Estado do Tocantins (em Português) cidades.com. Página visitada em 17 de setembro de 2009.
  9. Exemplo de Qualidade de vida em plena Amazônia Portal Amazônia. Página visitada em 18 de dezembro de 2007.
  10. Raul recebe apoio de funcionários do Quartetto e assegura crescimento de Palmas (em Português) Conexão Tocantins (22 de setembro de 2008). Página visitada em 17 de setembro de 2009.
  11. a b c História de Palmas - TO (em Português) Ache Tudo e Região. Página visitada em 17 de setembro de 2009.
  12. CHAIM, M. M. Aldeamentos Indígenas (Goiás 1749-1811). Segunda edição. São Paulo: Nobel, 1983. p. 48
  13. a b c Histórico IBGE. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  14. Miracema do Tocantins Governo do Tocantins. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  15. Palmas comemora 22 anos de novas oportunidades Band. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  16. Palmas, {{subst:Número2palavra2|17}} anos - Um Pouco de História (em Português) Geocities. Página visitada em 17 de setembro de 2009.
  17. Primeiro prefeito de palmas vai se candidatar (em Português) O Jornal (16 de dezembro de 2007). Página visitada em 17 de setembro de 2009.
  18. Palmas 23 anos: Governo comemora avanços da última capital planejada do século XX Portal CT. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  19. Palmas é a capital com o maior crescimento populacional em 10 anos G1. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  20. IBGE. Brasil. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  21. IBGE. Palmas - TO. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  22. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Palmas Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 11 de abril de 2014.
  23. Palmas, Tocantins, Brasil DB-City. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  24. a b Temperatura Média Compensada (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  25. a b Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  26. Marcelo Pinheiro (19 de setembro de 2013). Recorde de calor em Palmas – 41,9°C Climatempo. Página visitada em 22 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2013.
  27. BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Palmas Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 11 de abril de 2014.
  28. BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Palmas Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 6 de setembro de 2014.
  29. Temperatura Máxima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  30. Temperatura Mínima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  31. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  32. Insolação Total (horas) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  33. BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Palmas Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 11 de abril de 2014.
  34. BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) - Palmas Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 11 de abril de 2014.
  35. Caminhos. Palmas (TO) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Página visitada em 11 de maio de 2012.
  36. Cidades@ - IBGE (2003). Mapa de Pobreza e Desigualdade - Municípios Brasileiros 2003. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  37. Atividades econômicas em Palmas (2012) Plataforma DataViva.. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  38. Prefeito Raul Filho lança a I Feira da Moda do Tocantins nesta quinta-feira, 17 (em Português) Prefeitura (16 de setembro de 2009). Página visitada em 17 de setembro de 2009.
  39. Organização dos Estados Americanos (OEA). The Brazilian Legal System (em inglês). Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  40. Matos, Jurandir Batista de (24 de agosto de 2010). Lei Orgânica dos Municípios (pl) (em português) Leis municipais. Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  41. Raul Filho Prefeitura de Palmas. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  42. Home page - Center for International Relations Center for International Relations.
  43. História de Araguaína Scribd.
  44. Conheça os Deputados Portal da Câmara do Deputados.
  45. Serviços de Saúde IGBE. Página visitada em 4 de julho de 2012.
  46. Município: Palmas - TO (xls) DATASUS. Página visitada em 27 de maio de 2012.
  47. "Palmas caminha para se tornar referência também na saúde" Jornal Opção. Página visitada em 26 de maio de 2012.
  48. Palmas - Educação IGBE. Página visitada em 4 de julho de 2012.
  49. IDEB - Brasil UOL. Página visitada em 27 de maio de 2012.
  50. Bem Paraná (19 de julho de 2010). Só UTFPR aparece na lista das 50 melhores escolas do País. Página visitada em 19 de fevereiro de 2011.
  51. Mapa da violência 2010. Página visitada em 4 de julho de 2012.
  52. Censo Demográfico 2010: Resultados gerais da Amostra (2010). Página visitada em 4 de julho de 2012.
  53. Aterro Sanitário de Palmas é considerado modelo nacional Prefeitura de Palmas. Página visitada em 4 de julho de 2012.
  54. Frota de veículos cresce até 240% em oito anos nas maiores cidades do país G1. Página visitada em 4 de junho de 2012.
  55. Frota do município de Palmas (2012) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Palmas
Portal A Wikipédia possui o
Portal do Tocantins