Campo Verde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Campo Verde
Bandeira de Campo Verde
Brasão de Campo Verde
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 4 de julho
Fundação 4 de julho de 1988
Gentílico campo-verdense
Prefeito(a) Fábio Schroeter (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Campo Verde
Localização de Campo Verde no/em Mato Grosso Mapas das Ruas
Campo Verde está localizado em: Brasil
Campo Verde
Localização de Campo Verde no Brasil
15° 33' 60" S 55° 10' 08" O15° 33' 60" S 55° 10' 08" O
Unidade federativa Mato Grosso

Mapas das Ruas

Mesorregião Sudeste Mato-Grossense IBGE/2008 [1]
Microrregião Primavera do Leste IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá
Distância até a capital 130km km
Características geográficas
Área 4 794,555 km² [2]
População 33,759 hab. Censo IBGE/2012[3]
Densidade 0,01 hab./km²
Altitude 736 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,835 muito alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 1 106 904,524 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 40 768,46 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura http://www.cvn.tv.br

Campo Verde é um município brasileiro do estado de Mato Grosso. Localiza-se a uma latitude 15º32'48" sul e a uma longitude 55º10'08" oeste, estando a uma altitude de 736 metros. Sua população estimada em 2013 era de 39.916 habitantes.

Possui uma área de 4811,71 km².

História[editar | editar código-fonte]

Campo Verde recebeu status de município pela lei estadual nº 5314 de 4 de julho de 1988, com território desmembrado dos municípios de Cuiabá e Dom Aquino.[6] [7]

História - As primeiras famílias a se estabelecerem na região que hoje forma o município de Campo Verde foram os Borges e os Fernandes. Vindas de Uberlândia (MG) em 1886 e lideradas por Diogo Borges e Zeca Camilo Fernandes, as famílias formaram a Fazenda Buriti dos Borges, que por muitos anos foi referência geográfica da região, e a Fazenda Deputado. Em 1896 foi inaugurada na localidade de Capim Branco uma das primeiras estações telegráficas de Mato Grosso, construída sob o comando do major Gomes Carneiro, que tinha como seu ajudante de ordens o então alferes e futuramente marechal, Cândido Mariano da Silva Rondon. Tanto a casa construída por Diego Borges como algumas construções centenárias em Capim Branco ainda resistem ao tempo, destino diferente do que teve a estação telegráfica, destruída pela ação do tempo e do homem. Uma réplica da antiga construção foi construída para abrigar o Museu da História de Campo Verde, que tem um acervo formado por fotos antigas e utensílios utilizados pelos primeiros moradores da região. Por quase um século, a região viveu um período de estagnação, sem nenhuma atividade econômica de destaque. Apenas a agricultura e a pecuária de subsistência eram praticadas pelos moradores. A partir da segunda metade da década de 1960, esse cenário começou a mudar. Com a chegada das primeiras famílias vindas do Sul do Brasil, o cerrado inóspito e improdutivo ganhou um novo impulso com o cultivo do arroz de sequeiro. Em 1974, o paranaense Otávio Eckert instalou um posto de combustível no entrocamento BR-070 com a MT-140. O empreendimento foi e embrião da futura cidade. Visionário e confiante no potencial da região, Eckert criou o loteamento Campo Real. Com a expansão da atividade agrícola e o crescimento populacional, em 1988 o então distrito de Posto Paraná, como a localidade passou a ser chamada, se emancipou de Dom Aquino. Um plebiscito realizado entre os moradores mudou o nome do lugar para Campo Verde.

Economia[editar | editar código-fonte]

Com 25 anos de emancipação político-administrativa e 35 mil habitantes, Campo Verde tem no agronegócio a base de sua economia, com destaque para a produção de algodão em pluma, soja, milho, frango de corte, ovos comerciais, ovinos, suínos, gado de corte e de leite. Com 66 mil hectares de algodão de primeira e segunda safra cultivados na safra 2012/2013, o município é considerado a "Capital Nacional do Algodão" em razão da excelente produtividade e qualidade da fibra. A soja é outra cultura importante no município, com 180 mil hectares cultivados anualmente e produtividade média de 55 sacas por hectare. O milho safrinha, que antes era cultivado apenas para ocupar a terra no período de entressafra da soja, se transformou nos últimos anos em uma cultura rentável e altamente produtiva. Em 2013 foram cultivados em Campo Verde 110 mil hectares, com produtividade média de 100 sacas por hectare. Existem registro de produtividade superior a 140 sacas/ha em áreas isoladas. Campo Verde também se destaca como um dos maiores produtores de frango de corte de Mato Grosso, com 5,5 milhões de aves produzidas mensalmente através do sistema de integração, onde a empresa abatedoura fornece os pintinhos, a ração e as vacinas e os criadores entram com a mão de obra. A avicultura de corte é grande geradora de emprego e renda no município. Na avicultura de postura, Campo Verde responde por uma das maiores produções de ovos comerciais do Centro-Oeste Brasileiro. Com três grandes granjas instaladas e um plantel de 1,6 milhão de aves, são produzidas diariamente 2 mil caixas de ovos com 30 dúzias cada. A produção atende os mercados de Mato Grosso, Rondônia, Tocantins, Goiás e o Distrito Federal. Implantada no município a partir de 1992, a suinocultura vem registrando ao longo das duas últimas décadas um crescimento médio de 15% ao ano. São 6 mil matrizes alojadas em 5 granjas e 90 mil animais produzidos por ano. A cidade conta com um frigorífico para o abate de suínos certificado pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF). Campo Verde também tem ocupado lugar de destaque no cenário estadual na criação de ovinos, com um plantel formado por 10 mil animais das raças santa inês, boer, texel e outras. Promissora em razão da grande demanda pela carne de ovelha, a ovinocultura tem sido apontada como uma ótima atividade para as pequenas e médias propriedades. Na pecuária de corte Campo Verde registra um rebanho de 90 mil cabeças, número que deve dobrar nos próximos anos com a instalação de pelo menos dois grandes confinamentos no município, um deles com capacidade para 100 mil animais. Com o melhoramento genético do rebanho e adoção de modernas técnicas de criação, a pecuária leiteira tem registrado um crescimento considerável em Campo Verde nos últimos quatro anos. com 340 mil litros de leites produzidos por mês, o município é o terceiro maior produtor do Vale do Rio São Lourenço. Agricultura familiar- Em Campo Verde existem seis assentamentos da Reforma Agrária e um do extinto Banco da Terra. Nas pequenas propriedades localizadas nessas comunidades são produzidos alface, tomate, abobrinha, acelga, cebolinha, couve e frutas como maracujá e abacaxi. Um dos assentamentos mais bem estruturados é o Santo Antônio da Fartura. Distante 45 quilômetros da cidade e com 267 lotes e mais de 500 famílias, o assentamento é responsável 70% dos hortifrutigranjeiros consumidos em Cuiabá.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. História de Campo Verde Mato Grosso e Seus Municípios. Visitado em 23/04/2013.
  7. Campo Verde Mato Grosso - MT Histórico IBGE (28/10/2010). Visitado em 23/04/2013.