Colniza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Julho de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde julho de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Município de Colniza
Bandeira de Colniza
Brasão de Colniza
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 26 de novembro de 1998 (15 anos)
Gentílico colnizense
Prefeito(a) João Assis Ramos (Assis Raupp) (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Colniza
Localização de Colniza no Mato Grosso
Colniza está localizado em: Brasil
Colniza
Localização de Colniza no Brasil
09° 24' 39" S 59° 01' 22" O09° 24' 39" S 59° 01' 22" O
Unidade federativa  Mato Grosso
Mesorregião Norte Mato-grossense IBGE/2008 [1]
Microrregião Aripuanã IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Cotriguaçu, Aripuanã, Rondolândia e Novo Aripuanã (AM).
Distância até a capital 1,065 km
Características geográficas
Área 27 477 km² (BR: 33º)[2]
Distritos Guariba[3]
População 30 848 hab. estatísticas IBGE/2013[4]
Densidade 1,12 hab./km²
Altitude 97 m
Clima Tropical úmido Am
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,611 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 196 643,808 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 6 635,30 IBGE/2008[6]
Página oficial

Colniza é um município brasileiro do estado de Mato Grosso. Sua população estimada em 2004 era de 27.971 habitantes. Colniza foi elevada à categoria de cidade em 1998, com a criação do município. Sua área territorial foi integralmente desmembrada do município de Aripuanã, até então um dos maiores municípios do Centro-Oeste em área territorial.

No ano de 2004, o município registrou 165,3 mortes por grupo de 100 mil habitantes, o que a colocou como a cidade mais violenta do país.[7] Porém devido o crescimento desordenado e acelerado do município, logo após o censo do IBGE em 2000, o índice populacional ficou defasado, conforme a recontagem populacional realizada pelo IBGE em 2007, que constatou que a população do município é na verdade de 27.882. Portanto o registro de 165,3 mortes por grupo de 100 mil habitantes, apresentado pela OEI (Organização dos Estados Ibero-Americanos), não condiz com a realidade do município. Sendo assim podemos dizer que os dados de um censo desatualizado levaram a um equívoco estatístico. Diante desses fatos não se pode dizer que o Município de Colniza é o mais violento do país.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Colniza fez parte do projeto de colonização da Amazônia na década de 80, onde o plano do governo era povoar a Amazônia. O objetivo era tirar as famílias de sem terras da região Sul e assentá-las em terras produtivas de uma forma regular e ordenada, assim sendo, contratou-se uma empresa de colonização para fazer a colonização das áreas destinadas a Projetos de Assentamentos, na qual a empresa se chamava “Colniza Colonização Com. e Ind. Ltda”, daí a origem do nome de colniza, o município leva o nome da empresa que o colonizou.

História[editar | editar código-fonte]

Colniza foi projetada antes mesmo de ter moradores nela. Os primeiros povos a habitarem a região eram os seringueiros e ribeirinhos denominados “beiradeiros” que viviam às margens do rio Roosevelt. No ano 1986 começava a abertura das primeiras estradas, as primeiras ruas em meio a mata amazônica. Colniza começava a sair do papel, a empresa de colonização se instalou com suas equipes de mato e de construção onde hoje é chamado de “colniza velha” e lá construíram as primeiras casas que seriam habitadas pelos funcionários e familiares da empresa Colniza Colonização. As primeiras obras a se construírem no município foi a sede da colonizadora, uma escola estadual que é a escola Bernardino Gomes da Luz, um Posto de Saúde o loteamento urbano com abertura de ruas e rural com abertura das linha vicinais que dão acesso ao que hoje se chama Projeto de Assentamento Perseverança Pacutinga. Também marca na história de Colniza a época de garimpos, o qual teve papel muito importante no desenvolvimento do município, esta atividade por um longo período foi quem manteve a economia local, os garimpos explorados na época eram garimpos de ouro conhecidos por: Garimpo do Moriru, Garimpo do Natalzinho e Garimpo do Santo Onofre ou Natal; as atividades de garimpo empregavam muita gente e traziam renda para o município, após a mudança de economia nos anos 90 houve a inviabilização dos garimpos, onde várias pessoas tiveram que procurar outras atividades para seu sustento. Este fato levou Colniza a um estado de cidade fantasma, as ruas estavam vazias, pois haviam restado somente 23 (vinte e três Famílias) e a maioria eram funcionários de uma fazenda de café, denominada por Kojima, nisto via-se que a salvação de Colniza seria a agricultura a longo prazo e de imediato, a madeira. O Projeto de Assentamento Perseverança Pacutinga foi o primeiro projeto de assentamento que existiu no município. Logo após a implantação das estruturas essenciais, deu-se então a campanha de divulgação em todo o Brasil do promissor município que nascia e das terras baratas acessíveis a todos. O governo federal por sua vez em parceria com a colonizadora, lançou a proposta para os sem-terras do Rio Grande do Sul para quem quisesse vir para Colniza teriam terras e ajuda de custo para permanecerem no município, e assim várias famílias aceitaram a proposta e foram trazidas com um avião do exército em 1991 e foram assentados no P. A Perseverança Pacutinga. Essas famílias por sua vez, tiveram dificuldades em se adaptar às adversidades encontradas sendo elas, doenças como malária, feridas no corpo causadas pelas picadas de mosquitos, falta de estradas, um longo período de chuvas, deixando-os ilhados, falta de comunicação e outros; diante destas adversidades poucas famílias permaneceram. Diante das dificuldades, a grande maioria das famílias retornaram para suas cidades de origem, deixando tudo para trás e um município quase deserto, ficando poucos que ainda acreditavam que um município tão longínquo pudesse se desenvolver. A partir de 1994 um novo fluxo de imigração ocorreu, mas desta vez vindo do estado de Rondônia, pessoas que vinham de todos os lados do estado vinham atrás do sonho de ter sua própria terra, e esses, enfim, se apropriaram das terras devolutas que ainda existiam e grandes áreas de fazenda e assim se fixaram forçando o governo federal a realizar em grande parte do município, assentamentos rurais e assim se fez. Hoje Colniza está em segundo lugar no Estado em assentamento rural agrário. A partir daí, o município não parou mais de crescer. Durante uma década, o município viveu como distrito do município de Aripunã. Somente em agosto de 1998, ocorreu o primeiro plebiscito para a emancipação, mas não foi aprovado, pois não se alcançou a quantidade necessária de votos para tal fato, mas novamente se levantou um movimento pró-emancipação de Colniza e em 3 de outubro de 1998, fez-se o segundo plebiscito e desta vez os votos foram suficientes para a criação do município e cumprindo o anseio da população a Lei Estadual nº. 7.604 de 26 de novembro de 1998, de autoria do Deputado Estadual Pedro Satélite, tornou emancipado o Município de Colniza.

Demografia[editar | editar código-fonte]

O município de Colniza foi projetado na década de 80 para atender as necessidades do país, em fazer assentamentos fundiários e povoar a Amazônia, como medida de protegê-la de invasores. No ano de 1990 e 1991 Colniza passou pelo primeiro estágio de reforma agrária, onde o Governo Federal assentou várias famílias vindas de diversos lugares do Rio Grande do Sul. Essas famílias por sua vez, não conseguiram se adaptar às adversidades encontradas sendo elas, doenças como malária, feridas no corpo causadas pelas picadas de mosquitos, falta de estradas um longo período de chuvas, deixando-os ilhados, falta de comunicação e outros. Diante das dificuldades, grande parte das famílias, retornaram para suas cidades de origem, deixando o município quase que fantasma, ficando apenas algumas famílias, mas a partir de 1994 um novo fluxo de imigração ocorreu, mas desta vez vindo do estado de Rondônia, pessoas que vinham atrás do sonho de ter sua própria terra, e esses enfim se fixaram, devido isso, a maioria da população Colniziense é oriunda do Estado de Rondônia. Após a emancipação do município em 1998, este passou por um crescimento acelerado e, porém desordenado, passando de uma população de aproximadamente 3.000 habitantes para 13.000 até o ano de 2004; No entanto, no último CENSO IBGE, realizado no ano de 2007, Colniza apresentou uma população de 27.882 habitantes e 16.761 eleitores, mostrando-se um dos municípios brasileiros com a maior taxa de crescimento populacional.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Colniza possui três símbolos oficiais: brasão, bandeira e hino. O Brasão foi oficializado pela Lei n.º 040 de 3 de Setembro de 2001, que conforme o Art. 05 da Lei simboliza o seguinte; “O Brasão de Armas do Município de Colniza, assim se descreve: Dois ramos de café à esquerda e a direita que simbolizam as plantações deste produto e de sua industrialização. Os ramos são idênticos, pois tem o significado da sua abundância e qualidade. Destaque especial para as folhas em cor azul nas pontas dos ramos, o que significa orvalho da manhã em seus frutos e em toda a terra O livro aberto significa a Fé que une o povo de Colniza. Significa também, que Colniza já tem história para contar. Nas páginas do livro aberto estão gravadas o dia, mês e ano da criação do Município. A espada, atrás do símbolo, significa justiça que impera nesta região e, na ponta da espada, há um par de asas douradas; Significa: a paz anda junto com a justiça. A corda dourada que circula atrás do livro, simboliza as riquezas minerais da região que estão localizadas ao redor de todo município; Espigas de milho e arroz simbolizam a agricultura que prospera abundante na região. Um hexágono, no alto do livro simboliza os diamantes que são símbolos da pureza da terra e do povo de colniza. Dentro do hexágono, estão representando a pecuária e as matas, pelas figuras de uma vaca e árvores no pasto. Na base de tudo, vemos uma faixa onde está gravado o nome do município. A faixa azul simboliza os rios e lagos, ricos em peixes e vida; as letras brancas simbolizam os algodoais e as nuvens do céu de colniza.

A Bandeira foi criada a partir de um concurso municipal realizado nas escolas municipais e estaduais, instituído pelo poder Executivo e Legislativo municipal que culminou com o vencedor, professor Márcio Aparecido Lopes Pereira e oficializada pela Lei nº 162-3 de 3 de Novembro de 2004 com os seguintes significados; Retangular, com uma reta na diagonal. Constitui um losango na área do retângulo. No centro possui um círculo, onde está dividido por uma reta horizontal. O retângulo está dividido em duas cores: verde e azul. O losango tem a cor branca. O círculo tem as cores: verde e amarelo. O sol nascendo simboliza o município em sua fase de expansão e estruturação; Os ramos de café representam o fator econômico agrícola da região; Os cachos de arroz simbolizam a produção agrícola que contribui para o abastecimento da nossa população Colniziense, da região e até mesmo do Brasil. As linhas na horizontal dentro do círculo simbolizam a expansão da pecuária no nosso município. O verde representa: a esperança, a perseverança da população existente e dos que chegam diariamente em busca de melhores dias para suas famílias, simbolizando nossa rica e exuberante flora, representando ainda o fator econômico da extração vegetal de nossa região. O amarelo representa as riquezas aqui existentes, como: produção agrícola, madeiras, minérios, pecuária, nossas conquistas. O azul representa o nosso céu, nossas águas, nosso lar. O branco simboliza a fé, o carisma, a humildade, a vida e a paz tão desejada por todos. A cor laranja simboliza a força de nossa gente, a união, a hospitalidade da população Colniziense. O vermelho representa nossos esforços, lutas, conquistas e até mesmo a perda daqueles que batalharam em busca de um ideal. As bordas das figuras na cor preta representam as divisas do nosso município com os municípios vizinhos.

O Hino foi oficializado pela Lei n.º 162-3 de Novembro de 2004, sendo o autor da letra o Sr. Elpidio da Silva Meira e da Música o Sr. Jose Francisco Monteiro, este é o hino oficial de Colniza;

“Colniza reluz o dia, que alegria, viver aqui, nesta terra querida, fértil e garrida, gigante do país, portas abertas ao futuro, de uma conquista temos orgulho. Colniza tu és um colosso, és um torrão do Mato Grosso.

Refrão: Colniza é um grito de esperança, é a paz, o amor, a esperança de um povo que veio imigrar. Colniza é uma mãe heroína, é uma flor forte menina, em teu seio amor vamos plantar.

As verdes matas, rios, serras e cachoeiras, porção brasileira, braço forte da nação onde o povo a estrela vê brilhar, o futuro vê chegar, com ricas produções. Os bandeirantes vêm de terras tão distantes, Fazer parte do gigante, Município que nasceu. A cada dia o progresso se renova, cidade maravilhosa, abençoada por Deus.

Refrão: Colniza é futuro e presente, de um povo brava gente, que aqui veio imigrar. Colniza é a mais bela entre outras mil, é a estrela no imenso Brasil, em seu seio amor vamos plantar.”

Geografia[editar | editar código-fonte]

Colniza faz limites com os Estados de Rondônia e Amazonas e seus limites de fronteiras são: n Norte com o Estado do Amazonas, pelos Municípios de Apuí e Humaitá, n Oeste pelo Estado de Rondônia, Pelo Município de Machadinho do Oeste, n Sudoeste pelo Município de Rondolândia, n Sul pelo Município de Aripuanã - MT, n Leste com o Município de Cotriguaçú - MT; O município está localizado ao noroeste do estado nas coordenadas geográficas: 09º24’39,5” de latitude sul e 59º01’22,0” de latitude oeste, com altitude média de 450,00 metros em planície e extensão territorial de 27.947,646 km². A via de acesso ao mesmo, é pela Rodovia MT 418 e MT 206. A topografia levemente ondulada, com pequenas porções de áreas com relevo fortemente ondulado e vegetação de matas densas e altas, típicas da amazônia e áreas de Savana ou Cerrado: tipificadas por árvores de pequeno porte, tortuosas, isoladas ou, agrupadas sobre um revestimento de gramíneas, possuindo geralmente casca grossa e tuberosa, adaptadas a solos deficientes. Podem se apresentar como savana arbórea densa (cerradão), com maior número de indivíduos (árvores de até 10m), adensados e ramificados (esgalhados), arbustos anões e palmeiras acaules e/ou savana arbórea aberta (campo cerrado), com árvores pequenas (até 5m), esparsamente distribuídas, plantas anãs e palmeiras acaules, sendo comum ao longo do eixo da Rodovia 206 sentido ao Distrito de Três Fronteiras e às margens do Rio Roosevelt. O município faz parte do conhecido, “Cinturão verde da Amazônia”, cercado pelo ecossistema da Amazônia.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é tropical quente-úmido, com período de seca coincidente com o inverno. Período chuvoso, compreendendo de outubro a maio, onde a precipitação anual varia em torno de 1.500 a 2.600 mm. A umidade do ar é bastante elevada e têm limites de 88%. A temperatura mínina é de 24°C e máxima de 35°C.


Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Diversos rios cortam o município, sendo os principais: o Rio Canamã, Rio Aripuanã; Rio Salvação, Rio Guariba; Rio Água Branca, Rio Roosevelt; e Rio Madeirinha; fazendo parte da bacia hidrográfica do Rio Amazonas.

Fauna[editar | editar código-fonte]

A fauna da região de Colniza é composta por animais de pequeno e grande porte como mamíferos, aves, répteis, peixes e muitos insetos. Dentre os mamíferos podemos encontrar nas matas da região onças (Panthera onca), jaguatiricas (Leopardus pardalis) macacos (Cebus sp.), cotias (Dasyprocta sp.), pacas (Agouti paca), antas (Tapirus terrestris), veados (Mazama sp., Ozotoceros sp.), tamanduás (Myrmecophaga sp., Tamandua sp.), porcos-do-mato (Tayassu tajacu), tatus (Dasypus sp., Euphractus sp.) de grande importância ecológica, pois são capazes de alimentar-se de insetos (insetívoro) contribuindo para um equilíbrio de populações de formigas e cupins, preás (Cavia aperea) e diversos outros mamíferos. Aves como gaviões (Elanoides forficatus, Gampsonyx sp., Buteogallus sp.), araras (Ara spp.), periquitos e tuins (Myiopsitta sp., Forpus sp.), papagaios (Amazona sp.), urubus (Cathartes spp.), beija-flores (Phaethornis sp., Heliomaster sp.), jacus (Penelope spp.), mutuns (Mitu sp.), saíras (Tangara spp.), tiés (Ramphocelus spp.) que alimentam se de frutos de embaúba, rolas (Streptopelia spp.) e dezenas de outros pássaros que também podem ser avistados nas matas e proximidades da cidade. A fauna de répteis e anfíbios também é riquíssima como em toda a região amazônica tendo como representantes mais comuns cobras, jacarés, tartarugas, rãs, sapos, lagartos, calangos e outros. A fauna aquática é composta por diversas espécies de peixes como lambaris (Astyanax spp.), pacus (Colossoma sp.), piranha (Pygocentrus sp.), pirararas (Phractocephalus hemioliopterus), cascudos (Hypostomus sp.), bagres (Genidens sp., Bagropsis sp., Bagre sp.), entre outras espécies. A fauna de artrópodes é a mais diversificada, destacando-se várias espécies de besouros, formigas, cupins-de-solo, cupins-de-montículos, cupins-arborícolas, libélulas, gafanhotos, aranhas, borboletas, mariposas, abelhas, percevejos, mosquitos e outros, que podem ser encontrados nos mais diferentes habitats.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia de Colniza, está baseada no comércio, indústria, minério, agricultura e áreas de preservação permanentes, sendo algumas dessas áreas destinadas ao extrativismo e ao turismo.

Indústria Na indústria, podemos destacar as madeireiras; O Município é dotado de grandes áreas de Manejo Florestal, dando suporte para a indústrias permanecerem desenvolvendo suas atividades de uma maneira sustentável e duradoura; Quase toda a produção é destinada a exportação, o município conta também com as indústria moveleira, laticínios e produção experimental de Biodiesel.

Comércio

O comércio a representatividade é varejista, constituída por casas de gêneros alimentícios, vestuário, eletrodomésticos, agropecuário, de objetos e artigos diversos.

Mineração A mineração também é um atividade da economia do Município, sendo mineração de cassiterita, mineração São Francisco, de jazidas de ouro, o garimpo Muriru, explorações estas, devidamente reconhecidas e registradas.

Agricultura

Na agricultura, a base econômica é a agricultura familiar, o município conta com sete Projetos de assentamentos de Reforma Agrária regularizados ou em fase de regularização pelos órgãos competentes tais como: “P.A. Natal,” “P.A. Escol Sul,” “P.A. Perseverança Pacutinga,” “P.A. Colniza I,” “P.A. Colniza II,” de responsabilidade do INCRA, e os assentamentos “P.A. Filinto Muller” e “P.A.1° de Maio”, de responsabilidade do INTERMAT. A cultura de produção é de lavoura temporária e permanente, tais como; milho, feijão, arroz, mandioca, abacaxi, hortifrutigranjeiro, café, cacau, banana, pupunha e outros. Colniza está se tornando o maior produtor de café do Estado com 19.881.600 pés de café e uma média de 100.000 sacas limpas são colhidos anualmente, e esta produção tem um crescimento notável a cada ano.

Pecuária

A pecuária do município é mais direcionada ao gado de corte, mas com tendências de crescimento na criação de gado leiteiro. Colniza possui um rebanho de 241.609 cabeças de bovinos, com base nas pesquisas realizadas pelo INDEA no ano de 2007. Com um peso menor na economia destaca-se também a criação de ovinos, caprinos e eqüinos.


Áreas de Preservação Permanente

As áreas de reservas e preservação permanentes do município, além da comercialização dos produtos retirados das reservas extrativistas para sustento de povos típicos (ribeirinhos), agregam a economia do município o ICMS ecológico que contribui para o desenvolvimento socioeconômico do mesmo. O Município tem seis reservas de preservação permanente, totalizando 538.935,11 hectares, (19,28 %) do território do município, sendo elas;

Reserva Resex Guariba Roosevelt, reserva extrativista de preservação permanente, destinado aos ribeirinhos que vivem às margens do Rio Guariba e Roosevelt, para a continuidade da cultura da população ribeirinha. Nela são extraídos, castanhas do Pará, látex das seringueiras, óleo copaíba e várias espécies de plantas medicinais que são comercializadas em todo país e exterior. Criada através da Lei 7.164/99 contendo 57.630,0 hectares.

Estação Ecológica –Rio Roosevelt, área de preservação permanente, criada a partir da Lei nº 7.162/99, com uma área de 53.000,65 hectares, destinada a pesquisas cientificas e preservação das espécies.

Estação Ecológica – Rio Madeirinha, área de preservação permanente, criada a partir da Lei nº 7.163/99, com uma área de 13.682,96 hectares, destinada a pesquisas científicas e preservação das espécies.

Parque Estadual Tucumã, área de preservação permanente, criada a partir do Decreto nº 5.439/02, com uma área de 66.475,0 hectares, destinada a pesquisas científicas e preservação das espécies.

Parque Estadual Igarapés do Juruena, área de preservação permanente, criada a partida do Decreto nº 5.439/02, com uma área de 103.375,5 hectares, destinada a pesquisas científicas, preservação das espécies, educação ambiental e futuramente, atividades turísticas. .

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo de Colniza está mais ligado ao Eco-Turismo, por estar localizada na região amazônica, uma região de belíssimos rios, animais silvestres, paisagens variadas e naturais. Os pontos turísticos mais visitados do município são:

Rio Aripuanã Este rio está localizado a 18 km da sede do município, medindo cerca de 250 metros de largura, com pequenas cachoeiras e lindas ilhas; em suas margens residem vários ribeirinhos, que vivem diretamente da pesca. Os peixes típicos deste rio são o Tucunaré, Curvina, Cachara, Jundiá, Pirarara entre outros. Sobre este rio está a maior ponte de madeira da América Latina, medindo 275mts, sendo uma das grandes atrações.

Festival de Pesca[editar | editar código-fonte]

O Festival de Pesca Esportiva de Colniza é conhecido por FESPECOL, e este está inserido no Calendário Estadual do Campeonato de Pesca. Colniza foi inserida oficialmente no calendário no ano de 2005, sendo um evento magnífico onde se reúnem diversos amadores e profissionais da pesca. O Fespecol é conhecido como “Aventura Amazônica” por estar localizado no extremo noroeste mato-grossense e o acesso ser de estrada de chão, onde podem ser encontradas dificuldades e várias emoções para quem tem espírito aventureiro e desbravador e consegue tirar emoções dos simples detalhes da natureza. Também podem ser apreciados shows culturais e programações de esporte e lazer, banhos e passeio de barco. O Fespecol é realizado no Rio Aripuanã. Este rio, apesar de ser navegável, requer habilidade do piloto da embarcação, devido muitas pedras e corredeiras. O Fespecol se torna mais atrativo devido à classificação ser por pontuação, diferente dos quais são classificados pelo maior peixe, com a classificação por pontuação se torna mais emocionante, pois se dedicam à captura do peixe de maior pontuação e não só do maior, os peixes de maior pontuação costumam ser os peixes de couro, sendo eles: Cachara, Pirarara e Jundiá. Lembramos que, todos os pescados logo após a captura e análise e medição realizado pelo fiscal do Fespecol, deverão ser devolvidos ao rio.

Rio Roosevelt Um dos mais belos rios do Estado do Mato Grosso, conhecido internacionalmente por ter sido explorado pelo ex-presidente norte-americano Theodore Roosevelt e Marechal Candido Rondon, repleto de ilhas e belas praias, rio de águas mui claras e rico em peixes e animais silvestres que vivem em suas margens, o mesmo tem mantido suas matas nativa e bem preservada por toda sua extensão. Este rio é muito procurado para a realização de pesca esportiva devido a variedade de peixes nele encontrado, tais como Tucunaré, Piraputinga, Pintado, Pirarara Jaú e outros.

Cachoeira do Pingueiro

Uma cachoeira em meio a mata nativa, com aproximadamente 50mts de altura, localizada próximo ao Rio Roosevelt. Um belíssimo lugar para estar em contato com a natureza.

Agropecuária Santa Maria

A fazenda e Agro-flerestal Santa Maria é a maior área de Manejo Sustentável do Brasil, nela podem ser visto várias espécies de árvores nativas como: Ipê Amarelo e Ipê Roxo, Angelim, Jatobá, Castanheiras, Cedro-Rosa, Sumaúma e entre outras. Além das madeiras de lei, podem ser apreciadas a diversidade das plantas especificas da região amazônica. Podem ser visualizadas também várias espécies de pássaros, em seu habitat natural, tais como araras, maritacas, periquitos, mutuns, pica-paus, guachos e muitos outros.

Infra-estrutura[editar | editar código-fonte]

Educação Ensino básico, fundamental e médio. Colniza possui várias escolas municipais e estaduais, dentre elas, estão: • Bernardino Gomes da Luz - Pública Estadual (Ensino Médio) • Escola Vinícius de Morais – Pública Estadual (Ensino fundamental e médio)Escola • Escola Tarsila do Amaral – Pública Estadual (Ensino fundamental) • Escola Maria Miranda de Araújo - Pública Estadual (Ensino Fundamental e Médio) • Escola Valmir Neumann – Pública Municipal (Ensino Eundamental) • Escola Bom Jesus – Pública Municipal (Ensino Fundamental) • Escola Raquel de Queiroz – Pública Municipal (Ensino Fundamental) • Escola Raio de Sol – Pública Municipal (Ensino Infantil) • Escola Municipal Rural Cecília Meireles (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Manoel Bandeira (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Carlos Drumond de Andrade(Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Visconde de Mauá (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Tandredo Neves (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Vital Brasil(Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Maria Quitéria (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Graciliano Ramos (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Bartolomeu Bueno(Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Ana Maria Machado (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural João Alves dos Santos (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural Irmã Leonilda Piovezan (Ensino Fundamental) • Escola Municipal Rural (Ensino Fundamental) • Escola Ieps – Particular (Ensino Infantil e Fundamental) • Escola Mundo Maravilhoso – Particular (Ensino Infantil)

Ensino Superior • UNOPAR – Faculdade Norte do Paraná Virtual (ensino a distância), curso superior de Administração; • ULBRA – Universidade Luterana do Brasil Virtual (ensino a distância), curso superior de Letras • UNITINS - Fundação Universidade do Tocantins Virtual (ensino à distância - Eadcom), curso superior de Administração e Matemática. • UNIVALI - Fundação Universidade do Vale do Itajaí Virtual (ensino à distância - Eadcom), curso superior de Ciências Contábeis. Transporte O município conta com duas empresas de ônibus (TUT e COLNIZA TUR), que realizam diariamente o transporte intermunicipal e estadual e três empresas de ônibus(MARLIN,UNIÃO DO CAFÉ e EUCATUR) que realizam semanalmente o transporte intermunicipal e estadual ,e o municipal é realizado pelas frotas de Moto-Taxi e Táxis.

Subdivisões Distritos •Roosevelt; • Guariba; • Três Fronteiras (Guatá). Vilas ou povoados • Agrovila; • Vila Vale do Salvação. Bairros

São 10 bairros, sendo eles: •Rondonia •Verdan • Bela Vista • Centro • Cristo Rei • Cidade Alta •Cafezinho • Garça • Jardim Imperial • Castelo dos Sonhos • Jardim Aeroporto • Aprocol • Flor do Café

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  3. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). Colniza - Histórico (PDF) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 1º de setembro de 2013. Cópia arquivada em 1º de setembro de 2013.
  4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data em 1º de julho de 2013. Página visitada em 1º de setembro de 2013. Cópia arquivada em 1º de setembro de 2013.
  5. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Página visitada em 9 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de setembro de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  7. Colniza é a cidade mais violenta do país.
  • Câmara Municipal
  • Biblioteca Pública
  • IBGE, Censo em 2010
  • INDEA, pesquisa pecuária municipal em 2010
  • Secretaria Municipal de Agricultura, pesquisa agrícola municipal 2010.