Juara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Juara
"A Capital do Gado"
MULTIJUARA.jpg

Bandeira de Juara
Brasão de Juara
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 14 de dezembro de 1981
Fundação 14 de julho de 1981
Gentílico juarense
Prefeito(a) Edson Piovesan (PPS)
(2013–2016)
Localização
Localização de Juara
Localização de Juara no Mato Grosso
Juara está localizado em: Brasil
Juara
Localização de Juara no Brasil
11° 15' 18" S 57° 31' 12" O11° 15' 18" S 57° 31' 12" O
Unidade federativa  Mato Grosso
Mesorregião Norte Mato-grossense IBGE/2008 [1]
Microrregião Arinos IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Tabaporã, Novo Horizonte do Norte, Porto dos Gaúchos,Nova Maringá, Brasnorte,Castanheira,Juruena,Nova Monte verde, Nova Bandeirantes e Alta Floresta
Distância até a capital 640 km
Características geográficas
Área 21 387,334 km² (BR: 55º)[2]
População 32 769 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 1,53 hab./km²
Altitude 292 m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,763 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 348 185,655 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 10 538,31 IBGE/2008[5]
Página oficial

Juara é um município brasileiro do estado de Mato Grosso. Situado a 730 km da capital Cuiabá, figura como o município polo da região do Vale do Arinos e um dos principais da região noroeste do estado. As rodovias de acesso a cidade são a MT 338 que liga Juara a Cuiabá pela BR 163 e a MT 220 que faz a ligação de Juara a Sinop. Com uma extensão territorial de 21.430 Km², o município é um dos maiores do estado, com 3.000 km de estradas públicas e uma média de uma ponte a cada 3 km.

História[editar | editar código-fonte]

O território do município de Juara foi movimentado por ocasião da navegação Paranista ou Carreira do Pará, que iniciou-se no começo do século XIX. Quando os primeiros homens brancos chegaram ao território do atual município de Juara, povos indígenas Kayabí dominavam toda a região, que era muito disputada por povos de outras nações indígenas. O principal motivo dos desajustes entre o gentio era a excelência do clima e qualidade do solo. Porém um dos maiores atrativos era a riqueza em taquara e pedra silex, matéria prima para fabricação de flechas, lanças e machados. Que serviam tanto para afazeres domésticos, agricultura, caça e quanto para fins bélicos. Ao longo dos séculos a região foi movimentada por diversas incursões de brancos às terras dos Kayabís . Notável foi o período da terceira Borracha, a partir da década de quarenta, que devassou seringais às margens do rio Arinos. Os indícios dos tempos modernos de Juara tiveram como referência a cidade de Porto dos Gaúchos. A 23 de setembro, a firma Sociedade Imobiliária da Bacia Amazônica – SIBAL, adguiriu uma área de 35 900 hectares de terras, cuidadosamente selecionada com fins colonizatórios. A responsabilidade da administração para a construção da infra-estrutura ficou a cargo de José Pedro Dias (Zé Paraná), nome que se confunde com a própria história de Juara. No dia 8 de outubro de l97l, Zé Paraná e mais um grupo de pessoas, partiu das margens do Ribeirão Caracol, chegando ao córrego Água Boa, ponto inicial da colonização. O primeiro nome dado à localidade foi Gleba Taquaral, mais tarde passou à Juara. Há certa contravérsia em relação ao topônimo Juara. Uma das versões é de que sua origem vem da língua tupi, significando “Moça Bonita”, sendo a mais bem aceita. A outra versão é atribuída ao antigo diretor da Sibal, que teria juntado as palavras Juruena e Arinos, numa referência geográfica e formado a palavra “Juarinos”, mais tarde simplificado para Juara.

Em maio de l971, começaram a chegar as primeiras famílias a Taquaral. A 8 de julho de l973, foi colocado o primeiro marco da sede, nessa época já tinham chegado à região cerca de 38 famílias, plantando arroz, milho e feijão. A primeira produção da região foi guardada em barracão de madeira de 300 metros quadrados. Como os plantadores não tinham condução para levar para fora, a empresa colonizadora acabou comprando toda a safra colhida. Era uma maneira de minimizar os problemas enfrentados com o escoamento do produto colhido na lavoura. Nesse tempo, em período de chuvas, as viagens eram feitas pelo rio Arinos, sendo que os produtos comestíveis e farmacêuticos vinham de Cuiabá.

No período da seca a viagem era feita por um caminho diferente do atual. O antigo traçado desviava do atual município de TAPURAH e passava pela célebre “Baiana”, na estrada da mata. Era via, conhecida por estrada da Baiana, encurtaria, mais tarde, a distância entre JUARA e Cuiabá. A Baiana, uma mulher que habitava a região e que deu nome a esta estrada, certo dia foi atacada pelos índios do povo Kayabí, pois estes estavam desesperados com a invasão de suas terras. Mas a baiana superou a crise e os índios fizeram as pazes. A primeira serraria da região foi montada pela colonizadora SIBAL e depois comprada por Albino Gugelmin, que em l973 serrava madeira para a construção das primeiras casas. Em maio de l973, montou-se o primeiro armazém atacadista da região. Em l973, foi celebrado a primeira missa em Taquaral, no meio da selva, onde a luz provinha de velas acesas em cima de árvores. Em setembro do mesmo ano, foi construída a primeira capela, tendo São José por orago. A primeira pista de pouso de avião passou a ser, mais tarde, uma das avenidas da cidade de JUARA. O aeroporto, com maior capacidade de pouso e decolagem foi construída posteriormente. Ainda no ano de l973,foram plantadas 2.500 covas de café na comunidade Pé de Galinha. O sucesso da Gleba Taquaral e redondezas, atraiu muita gente, mormente agricultores e suas famílias. Em l974 vendiam-se 102 lotes na zona rural do rio dos Peixes. Ocorria então um crescimento explosivo. O fluxo migratório foi intenso, passando então Taquaral a chamar-se JUARA.

No ano de 1975, adquiriu-se uma área de terras próximo ao rio dos Peixes, denominada Itapaiúnas, beneficiada por projeto fundiário financiado pelo banco do Brasil. O distrito de JUARA foi criado em 4 de julho de 1976, com território jurisdicionado ao município de Porto dos Gaúchos. Em 1976, JUARA recebeu o primeiro médico, Dr Isaías Pinheiro Antunes, que construiu um grande hospital e maternidade para a época – ato pioneiro, e mo mês de março do mesmo ano foi criada a primeira escola de 1º grau de JUARA. Em 1878, repartem-se 85 lotes de terreno em Mundo Novo, 118 em Águas Claras. Duzentas pessoas adquiriram lotes pequenos, não superiores a 121 hectares, em Jaú. A movimentação debordou para o município de São José do Rio Claro, com abertura de 130 lotes de terra em CATUAÍ. Por distar demasiadamente da sede municipal de São José do Rio Clara, JUARA dominou a região ao norte daquela cidade. E,l979, foi inaugurado um prédio escolar de alvenaria, com seis salas de aula, com capacidade de abrigar 700 alunos. No ano seguinte, a produção de café fazia o grande nome do distrito de JUARA. O processo de plebiscito, foi aberta em 11 de maio de l970, para se saber a vontade do povo a respeito da emancipação política de JUARA. Dos 729 eleitores, aconteceram apenas 03 votos nulos e 05 em branco, sendo os demais “sim”. A lei estadual de 23 de setembro de l98l, criou o município: “Artigo nº 1 – Fica criado o município de JUARA, com sede na localidade do mesmo nome, cuja área é desmembrada do município de Porto dos Gaúchos. Artigo nº 2 - O município criado tem somente um distrito, o da sede. O artigo nº 3, impedia a eleição municipal imediata. A Assembleia Legislativa acatou o veto do governador Frederico Campos. No entanto, as eleições não demoraram a acontecer.

O primeiro prefeito municipal foi José Pedro Dias (Zé Paraná), nomeado pelo governador. A instalação oficial foi no dia l4 de dezembro de 1981, premiando o esforço do benemérito fundador de JUARA. A primeira eleição municipal realizada em JUARA foi em 15 de novembro de 1982. Nesta ocasião foi eleito prefeito municipal José Geraldo Riva, que teve carreira política de sucesso. Sua liderança permitiu-lhe ser eleito deputado estadual e participar da mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Mais tarde chegou à presidência daquela casa de leis, ocupando este cargo no biênio 1997/1998.

A comarca foi criada a 4 de julho de 1985 e solenemente instalada em 29 de novembro de 1986.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A cidade está situada a uma latitude 11º15'18" sul e longitude 57º31'11" oeste, na Mesorregião 127, Microregião 522 - Arinos à 292 metros de altitude no Planalto Residual Norte de Mato Grosso[6] . Os rios do município pertencem a Grande Bacia do Amazonas, sendo os principais deles o Rio Arinos, Rio dos Peixes e o Rio do Sangue.

Clima[editar | editar código-fonte]

O Clima é Equatorial quente e úmido, com 3 meses de seca, de junho a agosto. A precipitação média anual é de 2.500 mm, com intensidade nos meses de Janeiro, Fevereiro e Março. Temperatura média anual de 24º C[7] .

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia local é baseada na extração de madeira, pecuária e agricultura. Juara ocupa a 20º posição entre os cem municípios com os maiores Pib's agropecuários do País [8] . Segundo dados do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso), com base na campanha de vacinação anual, o rebanho bovino de Mato Grosso no ano de 2011 foi de 28,77 milhões de cabeças e Juara no mesmo ano atingiu uma incrível marca de 945.000 cabeças, sendo o maior rebando bovino do estado e um dos maiores do Brasil[9] . A produção de carne e derivados do leite é um setor relevante na economia juarense, grandes indústrias do setor tem sua unidade no município, como é o caso do frigorífico JBS Friboi, com capacidade de abate de 800 animais o dia e o Laticínios Multibom[10] .

O cenário econômico do município passa atualmente por um processo de transformação. Com a chegada da agricultura, grandes empresas do ramo tem desembarcado na cidade[11] . A expectativa de crescimento ainda maior tem atraído novos investidores e diversificado a economia local.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A região é rica em rios, cachoeiras e atrativos naturais. Os principais pontos turísticos da cidade são a Ilha do Netinho e a cachoeira Teodoro. Como principais festas e eventos destaque para a Exposição Agropecuária do Vale do Arinos (Expovale) no mês de Agosto e o Festival de Pesca no Rio Arinos em Setembro, ambos figuram entre os maiores eventos da categoria no estado. Destaca-se, também, a Festa de São Cristovão, colocando-se entre os principais atrativos da região e propiciando entretenimento à comunidade residente no local.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Geografia do Município de Juara. Página visitada em 23 de Janeiro de 2014.
  7. Geografia do Município de Juara. Página visitada em 22 de Janeiro de 2014.
  8. Produto Interno Bruto dos Municípios - 2011. Página visitada em 21 de Fevereiro de 2014.
  9. www.acessenoticias.com.br. Página visitada em 22 de Janeiro de 2014.
  10. Folha Online; www.folha.uol.com.br. Página visitada em 23 de Janeiro de 2014.
  11. www.radiotucunare.com.br. Página visitada em 22 de Janeiro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Mato Grosso é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.