Contagem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Contagem
"Contagem das Abóboras"
Itaú Power Shopping

Itaú Power Shopping
Bandeira de Contagem
Brasão de Contagem
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1716
Emancipação 30 de agosto de 1911
Gentílico contagense
Lema Per Populum Omnis Potestas A Deo
latim: "Todo Poder vem de Deus pelo Povo."
Prefeito(a) Carlin Moura (PC do B)
(2013–2016)
Localização
Localização de Contagem
Localização de Contagem em Minas Gerais
Contagem está localizado em: Brasil
Contagem
Localização de Contagem no Brasil
19° 55' 55" S 44° 03' 14" O19° 55' 55" S 44° 03' 14" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte IBGE/2008 [1]
Microrregião Belo Horizonte IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Belo Horizonte
Municípios limítrofes Belo Horizonte, Betim, Ribeirão das Neves, Esmeraldas, Ibirité.
Distância até a capital 21 km
Características geográficas
Área 195,268 km² [2]
População 643 476 hab. (MG: 3º) –  censo IBGE/2014[3]
Densidade 3 295,35 hab./km²
Altitude 858 m
Clima tropical de altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,756 alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 14 869 758,980 mil (BR: 27º) – IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 24 070,88 IBGE/2008[5]
Página oficial

Contagem é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Situado na região central de Minas Gerais, é o município com a terceira maior população do estado, com 608.650 habitantes em 2010.

Ao longo do tempo, os limites geográficos do município perderam-se em virtude do seu crescimento horizontal em direção à capital, ocasionando uma intensa conurbação com Belo Horizonte. Contagem integra a Região Metropolitana de Belo Horizonte, sendo um dos mais importantes municípios dessa aglomeração urbana, principalmente pelo seu grande parque industrial. Seu sistema viário, planejado para comportar um fluxo intenso de veículos e de carga, é feito através das principais rodovias do país, a BR-381 (Fernão Dias - acesso a São Paulo), BR-262 (acesso a Vitória e Triângulo Mineiro) e a BR-040 (acesso a Brasília e Rio de Janeiro).

História[editar | editar código-fonte]

Na época do Brasil-colônia, a Coroa portuguesa mantinha o controle sobre os territórios ocupados através de postos avançados chamados “postos de registro”. Tais postos fiscalizavam e registravam todo o movimento de pessoas e mercadorias, cargas e tropas. Ali, os viajantes, mercadores de escravos e tropeiros eram obrigados a parar e, enquanto as mercadorias eram registradas, aproveitavam para descansar, aliviar os animais de carga e até fazer negócios. Como as viagens eram longas, tais postos serviam também como referência para abrigo e pernoite. Com o tempo, em torno de alguns deles, surgiam plantações de roças e criação de gado para sobrevivência.

No início do século XVII, nas terras da sesmaria do capitão João de Sousa Souto Maior, um terreno conhecido como Sítio das Abóboras, foi instalado um desses postos de fiscalização. Em 1715, Dom Brás Baltasar refere-se a este posto ao escrever no termo da junta: "quanto ao gado, se levantarão registros como o que está posto nas Abóboras". Em torno desse posto, surgiu um pequeno povoado. A população ergueu uma capela para abrigar o Santo protetor dos viajantes (São Gonçalo do Amarante) e logo surgia o arraial de São Gonçalo de Contagem – uma homenagem ao santo e uma referência à contagem das cabeças de gado, de escravos e mercadorias para serem taxadas.

Em 1854, o arraial foi elevado à categoria de paróquia, separando-se da paróquia do Curral Del-Rei. Em 30 de agosto de 1911, foi elevado à condição de município com o nome de Contagem. Já então, o município compreendia os distritos de Contagem, Campanhã (Venda Nova), Vera Cruz e Vargem da Pantana.

A partir da década de 1930, Contagem passaria a ocupar um lugar central no desenvolvimento mineiro. Durante o IV congresso Comercial, Industrial e Agrícola, realizado em Belo Horizonte em 1935, surgiu a proposta de concentrar atividades industriais mineiras em uma área específica. Essa proposta tinha como objetivo superar o atraso econômico mineiro e representava uma aposta no caminho da industrialização.

Como resultado dessa nova orientação política, em 1941, o governador Israel Pinheiro inaugurou o sistema de distritos industriais que seria gradualmente construído em Minas Gerais ao longo das décadas seguintes. A criação do Parque Industrial, mais tarde denominado Cidade Industrial, em Contagem, nas proximidades da capital, foi a primeira e principal medida resultante dessa nova política.

A Cidade Industrial Juventino Dias, como foi chamada, foi instituída pelos decretos-lei 770 de 20 de março de 1941 e 778 de 19 de junho de 1941. Todavia, só foi implantada em 1946. A instalação da Itaú, no ramo do cimento, e da Magnesita, no ramo de refratários, funcionou como alavanca para imprimir confiança e credibilidade ao projeto e, ao final dos anos 1950, a cidade industrial havia se transformado no maior núcleo industrial de Minas Gerais.

Em 1970, também por iniciativa do setor público, foi constituído o segundo grande projeto de expansão industrial em Minas. Mais uma vez o foco foi localizado em Contagem. Por força da lei municipal no 911, de 16 de abril, foi implantado o Centro Industrial de Contagem, mais conhecido pela sigla “CINCO”. O projeto previa a instalação de 100 novas fábricas e a geração de 20 mil novos empregos, com recursos do então BNDE (40%) e da própria Prefeitura de Contagem (60%).

Com anos, em torno dessa base industrial, se desenvolveu uma extensa malha de serviços e equipamentos públicos. Destaca-se criação do entreposto d as Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S/A (CeasaMinas), ainda em 1974, e o surgimento do Eldorado, verdadeiro centro comercial da cidade atualmente. O entreposto do CEASA é o mais diversificado do Brasil e ocupa o segundo lugar nacional em vendas de hortigranjeiros.

A tradição urbano-industrial da cidade, deixou suas marcas na formação da paisagem urbana, na cultura, e no caráter da gente de Contagem. Contagem desponta no cenário brasileiro não apenas pelas lideranças que têm oferecido ao Estado e ao país, mas também por sua contribuição ao patrimônio democrático que os brasileiros têm construído. Basta que se lembre da greve metalúrgica de 1968, um dos símbolos nacionais da resistência ao regime militar.

O poder administrativo resolve ampliar as instalações industriais, tornando possível a implantação do CINCO, com o objetivo de expandir seu parque fabril.

Ceasa MG

Cronologia da história[editar | editar código-fonte]

  • 1716 - A fim de registrar todo o movimento de pessoas e mercadorias, cargas e tropas pelos caminhos de Minas Gerais, a Coroa Portuguesa determinou a instalação de vários postos fiscais. A Comarca do Rio das Velhas possuía dezenas de registros, um deles o Registro das Abóboras, posto fiscal que deu origem à "Contagem". As primeiras entradas nesse posto datam de 9 de agosto de 1716.
  • 1840 - Iniciam-se as obras da Igreja Nossa Senhora do Rosário - obras estas que duraram cerca de 40 anos.
  • 1911 - Pela Lei nº 556, de 30 de agosto, Contagem é emancipada e elevada à Vila, desmembrando-se dos municípios de Sabará e Santa Quitéria (atual Esmeraldas).
  • 1912 - No dia 1º de junho, sob a presidência de João Cizinando e Costa, e presentes os vereadores João Baptista da Rocha, Antônio Augusto Diniz Costa, Francisco Firmo de Matos, Randolpho José da Rocha, Augusto Teixeira Camargos e Pedro de Alcântara Diniz Moreira Júnior, o presidente declarou solenemente instalada a Câmara e, em consequência, instalado o Município de Contagem.
  • 1938 - Decreto-lei do governo federal, a pedido do governador Benedito Valadares cria o município de Betim e tira a autonomia de Contagem, rebaixando o município a distrito de Betim. Até 1948 Contagem fica anexada a Betim.
  • 1946 - Construída a Fábrica de Cimento Itaú Portland, onde atualmente está erguido o Itaú Power Shopping.
  • 2006 - Celebração dos 200 anos do Jubileu de Nossa Senhora das Dores, padroeira de Contagem.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia de Contagem é baseada, levando-se em conta os dados de 2012, principalmente no comércio (30,65%) e na indústria (25,71%). Quanto ao número total de empregados por atividade, a primeira tem

Em diversificada pauta de exportação se destacaram em 2012 os veículos de grande porte para construção (14,42%), carbonato de magnésio (14,30%), tijolos refratário (9,26%), fio de ferro (6,77%) e transformadores elétricos (5,09%)[6] . Quanto a evolução histórica, a cidade praticamente triplicou o montante exportado de 2000 para 2012, passando de 150 milhões de dólares para quase 450 milhões de dólares[7] .

Política[editar | editar código-fonte]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

A política das cidades-irmãs procura incentivar o intercâmbio entre cidades que têm algo em comum com Contagem. A troca de informações e o aumento do comércio entre elas são meios de tornar as cidades-irmãs mais próximas. Contagem possui quatro cidades-irmãs, que são:

Demografia[editar | editar código-fonte]

Evolução demográfica do município de Contagem.

A população do município em 2011, de acordo com uma estimativa realizada pelo IBGE, era de 608 715 habitantes, sendo o terceiro município mais populoso do estado e o 31º do Brasil.[12] Segundo o censo de 2010, 292 797 habitantes eram homens e 315 853 habitantes mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 601 402 habitantes viviam na zona urbana e 7 248 na zona rural.[13] A população contagense era composta por 237 234 brancos (38,97%); 61 486 pretos (10,10%); 7 938 amarelos (1,30%); 295 894 pardos (48,61%); e 810 indígenas (0,13%).[14]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Feira de Arte e Artesanato do Bairro Eldorado e do Bairro Amazonas[editar | editar código-fonte]

A Feira de Arte e Artesanato do Bairro Eldorado ocorre nas manhãs dos sábados e domingos na Avenida João Cesar de Oliveira. No Bairro Amazonas a feira existe há aproximadamente 35 anos, localizando-se na Avenida Alvarenga Peixoto. As Feiras apresentam diversos tipos de produtos entre eles, hortifrutigranjeiros, roupas, bijuterias e acessórios. O público ainda pode se deliciar com as típicas comidas mineiras e de outras regiões do Brasil.

Casa de Cacos[editar | editar código-fonte]

Construída pelo professor de geografia Carlos Luís de Almeida a partir de setembro de 1963 até 1989, é totalmente revestida artesanalmente de cacos de louça e vidros, inclusive os móveis, utensílios e adereços que a compõem. É a primeira e única no gênero no Brasil. O resultado exótico, surreal, é conhecido e reconhecido no país e no exterior: uma casa toda revestida de fragmentos de história coloridos e reordenados, recriados. Um mosaico de sentimentos que interpreta o mundo e a cidade, fragmentados por suas histórias.

Parque Municipal Gentil Diniz[editar | editar código-fonte]

Parque ecológico, com quase 30.000 m², vegetação característica do cerrado e da Mata Atlântica. Localizado no centro da cidade, nele situa-se um antigo casarão colonial do século XIX, outrora propriedade da família Diniz, passou a fazer parte do patrimônio da cidade no primeiro mandato do então prefeito Ademir Lucas. É uma das poucas áreas verdes ainda existentes no centro histórico de Contagem com vasto pomar de frutas nativas. Destacam-se as mais de 100 jabuticabeiras, árvore-símbolo da cidade, mangueiras, mogno, corticeiras e pau-jacaré. O parque é visitado por micos, caxinguelês, sabiás, bem-te-vis e outros. Encontram-se no parque um anfiteatro, um trecho de estrada feito por escravos no século XVIII, duas nascentes e uma horta de plantas medicinais

Barragem Várzea das Flores[editar | editar código-fonte]

Situada no bairro Icaivera entre os municípios de Contagem e Betim, foi construída em função da expansão industrial da Região Metropolitana de Belo Horizonte e do abastecimento de água. Inaugurada em 1972,possui capacidade de armazenamento de até 44 milhões de metros cúbicos de água. Hoje é um dos pontos mais frequentados para atividades de lazer e esportes aquáticos.

Comunidade Negra dos Arturos[editar | editar código-fonte]

Os Arturos descendem de Artur Camilo Silvério, nascido por volta de 1880, e sua esposa Carmelinda Maria da Silva. Os Arturos, hoje - filhos, netos, bisnetos e tataranetos - constituem uma grande família mantida e alimentada pela raiz inicial.

São negros, descendentes de escravos, que moram no local denominado Domingos Pereira, uma propriedade particular, com cerca de 6.500 hectares, adquirida ainda em 1888 [15] , atualmente localizado próximo do centro de Contagem. Constituem um grupo folclórico-cultural que se preocupa em divulgar as suas tradições através da música e danças religiosas de origem africana e que guardam, ainda, a pureza de suas raízes.As festas religiosas fazem do grupo um universo à parte. Considerado um dos mais originais do Brasil,constitui, sem dúvida, grande e importante patrimônio histórico e cultural de Contagem. O calendário marca as grandes ocasiões: no dia 13 de maio, comemoração da abolição; no mês de outubro, festa de Nossa Senhora do Rosário; em dezembro, festa do João do Mato e, em janeiro, a Folia de Reis.

Itaú Power Shopping[editar | editar código-fonte]

Grande Shopping de Contagem, localizado na Cidade Industrial no local onde existia a antiga Cia de Cimento Itaú.

Shopping Contagem[editar | editar código-fonte]

É o maior shopping de Contagem (em área locável) com 35 mil m2. O Shopping foi erguido no bairro Cabral, Regional Ressaca, considerada o novo centro de Contagem. A inauguração do novo mall de cidade foi em 26 de novembro de 2013. O projeto teve um orçamento de mais de 250 milhões de reais.[16]

Big Shopping[editar | editar código-fonte]

Big Shopping é o primeiro shopping center construído no município. Inaugurado em 27 de outubro de 1994. Está localizado na principal avenida da cidade, a Avenida João César de Oliveira. Além das lojas, centenas de eventos são realizados todos os anos, são oferecidos espaços de lazer, com melhorias constantes na infraestrutura. É frequentado por uma média de 1 milhão de pessoas/mês e seu estacionamento dispõe de 800 vagas [17]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Contagem conta hoje com uma estação da Linha 1 do metrô de Belo Horizonte, a Estação Eldorado. Nela também é feita a integração de diversas linhas das operadoras DER e Transcon. Diariamente, 40 mil pessoas passam pela estação. A cidade é cortada pelas principais rodovias do país, BR-381 (Fernão Dias - acesso a São Paulo), BR-262 (acesso a Vitória e Triângulo Mineiro) e a BR-040 (acesso a Brasília e Rio de Janeiro).

Feriados Municipais[editar | editar código-fonte]

Calendário de Feriados e Pontos Facultativos de 2013 (DECRETO nº 008, de 15 de janeiro de 2013)[editar | editar código-fonte]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Contagem se destaca como um polo comercial na Região Metropolitana de Belo Horizonte, consoante à sua massiva e crescente população. Além dos seus dois grandes shoppings centers, a cidade conta com uma intensa atividade comercial nos bairros Eldorado, Industrial, Riacho das Pedras e Amazonas. Há uma grande variedade de segmentos comerciais, com destaque para os eletrodomésticos, calçados, vestuário e alimentação.

O Mercado Municipal de Contagem é uma atração à parte, pois funciona como um espelho da cultura mineira e, de modo particular, dos costumes da cidade. Está localizado em um ponto estratégico do município, entre os bairros Eldorado, Inconfidentes e Riacho das Pedras.

Foto do bairro Central Park, com a Igreja de São Gonçalo a direita ao fundo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Contagem

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 22 out. 2012.
  3. Estimativa Populacional 2014 (PDF) Censo Populacional 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 7 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. Exportações de Contagem (2012) Plataforma DataViva. Visitado em 13 de janeiro de 2014.
  7. Série histórica das exportações de Contagem (2012) Plataforma DataViva. Visitado em 13 de janeiro de 2014.
  8. [1].
  9. [2].
  10. [3].
  11. [4].
  12. Contagem IBGE. Visitado em 2 de agosto de 2012.
  13. Contagem IBGE. Visitado em 2 de agosto de 2012.
  14. Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática (Sidra) (2010). População de Curiúva por raça e cor. Visitado em 25 de julho de 2012.
  15. Comunidades quilombolas, herança de um povo - IEPHA, 28 de Dezembro de 2009 (visitado em 4-3-2010)
  16. Informações sobre o Shopping Contagem. Visitado em 6 de fevereiro de 2013.
  17. Informações sobre o Big Shopping. Visitado em 6 de fevereiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Mapa