Seca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Seca no Brasil refere-se aos fenômenos de estiagem que ocorrem esporádica ou sazonalmente, em suas várias regiões

Tipos de secas[editar | editar código-fonte]

As secas podem ser geradas pelos mais diversos fenômenos climatológicos, em função disto, criou-se uma tipologia da seca:

Solo seco
  • A seca permanente: É caracterizada pelo clima desértico, onde a vegetação se adaptou às condições de aridez, inexistido cursos de água. Estes só aparecem depois das chuvas que via de regra são fortíssimas tempestades. Este tipo de seca impossibilita a agricultura sem irrigação permanente.
  • Seca sazonal: A seca sazonal é uma particularidade de regiões onde o clima é semi-árido. Nestas a vegetação reproduz-se porque os vegetais adaptados geram sementes e morrem em seguida, ou mantém a vida em estado latente durante a seca. Nestas regiões os rios só sobrevivem se a sua água for oriunda de outras regiões onde o clima é úmido.Mas Este tipo de seca possibilita o plantio desde que em períodos de chuvas, ou por irrigação.
  • Seca irregular e variável: A seca irregular pode ocorrer em qualquer região onde o clima seja úmido ou sub-úmido e caracterizado por apresentar variabilidade climática do ponto de vista estatístico. Estas, são secas cujo período de retorno é breve e incerto. Normalmente são limitadas em área, e não em grandes regiões, não ocorrem numa estação definida e inexiste previsibilidade de sua ocorrência, isto é, não há um ciclo bem definido. Trata-se de um fenômeno estatístico (ou estocástico), cuja estrutura de eventos pode ser descrita por uma teoria mais geral que o cálculo de médias e desvios, por exemplo pela teoria da Cadeia de Markov, aplicando ordem superior e um grupo de quantis: extremamente seco, muito seco, seco, normal, húmido, muito úmido, extremamente úmido, separando classes de mesma probabilidade de ocorrência. Acredita-se que a estação de verão favoreça as secas pois existe um grande aumento da evapotranspiração devido ao incremento da irradiância solar incidente, sobretudo quando as taxas de precipitação estão abaixo do quantil seco ou muito seco. Assim, várias variáveis meteorológicas devem ser consideradas na definição da ocorrência das secas, não somente a taxa de precipitação, mas também a temperatura, a umidade do solo, o grau de verdejamento da vegetação, a radiação solar incidente etc. A região NE do Brasil apresenta variabilidade climática.
  • Seca "invisível": De todos, este tipo de seca é o pior, pois a precipitação não é interrompida, porém, o índice de evapotranspiração é maior que o índice pluviométrico causando um desequilíbrio da umidade regional. Este desequilíbrio gera uma redução da umidade do ar que por sua vez aumenta o índice de evapotranspiração, que por sua vez realimenta a perda de umidade subterrânea para a atmosfera, que devolve esta em forma de chuva, que porém não é suficiente para aumentar a umidade do solo.

Geralmente, a precipitação está relacionado com a quantidade e ponto de orvalho [determinada pela temperatura do ar] de vapor de água transportado pelo atmosfera regional, combinado com a força ascendente da massa de ar que contém vapor de água. Se estes factores combinados não suportam volumes de precipitação suficientes para atingir a superfície, o resultado é uma seca. Isso pode ser provocado pelo elevado nível de luz reflectida, [alto albedo], e acima de prevalência média de elevados sistemas de pressão , ventos que transportam continental, em vez de massas oceânicas de ar (isto é, conteúdo de água reduzido), e cumes de áreas de alta pressão a partir de condutas que impedir ou restringir o desenvolvimento de atividade de tempestade ou de chuva, em uma determinada região. Oceânicas e atmosféricas ciclos climáticos como o El Niño-Oscilação Sul (ENOS) fazer uma seca característica regular recorrente das Américas ao longo do Centro-Oeste e Austrália. Guns, Germs, and Steel autor Jared Diamond vê o impacto de forma dramática a ENSO multi-ano ciclos sobre os padrões climáticos na Austrália como um dos principais motivos que aborígenes australianos permaneceram uma sociedade de caçadores-coletores , em vez de adotar a agricultura. [36] Outra oscilação climática conhecida como a Oscilação do Atlântico Norte foi amarrado a secas no nordeste da Espanha. [37]

Causas[editar | editar código-fonte]

A atividade humana pode desencadear diretamente agravantes, como sobre a agricultura, irrigação excessiva, [38] o desmatamento e erosão afetar negativamente a capacidade da terra para capturar e reter a água. [39] Enquanto estes tendem a ser relativamente isolado em seu âmbito, as atividades resultando em global mudança climática são esperados para provocar secas com um impacto substancial sobre a agricultura [40] em todo o mundo, e especialmente nos países em desenvolvimento . [41] [42] [43] No geral, o aquecimento global vai resultar em chuvas mundo aumentou. [ 44] Junto com a seca em algumas áreas, inundações e erosão vai aumentar em outras. Paradoxalmente, algumas propostas de soluções para o aquecimento global com foco em técnicas mais ativos, gestão de radiação solar através do uso de um guarda-sol espaço para um, também podem levar com eles aumentou as chances de seca. [45]

Secas na Índia[editar | editar código-fonte]

  • 1877 - Seca seguinte à falha no regime de Monção.
  • 1899 - Nova seca que igualmente seguiu à falha no regime de Monção. Milhões morreram famintos em consequência das secas de 1877 e 1899 na Índia, o que trouxe a consciência da inter-relação descrita como o balanço da pressão entre Pacifico oeste e leste, muitos anos depois reconhecida como Southern-Oscillation El Niño (ENSO), cuja impacto é global. Interessante que a seca na Índia, mote inicial da investigação de Walker, apresenta pequena correlação negativa com o ENSO, enquanto este tem enorme impacto, seis meses depois, sobre o inverno e verão seguintes, em muitas outras partes do globo via teleconexőes.[1]

Referências

  1. Cox, J. D., Storm Watchers - The turbulent history of weather prediction from Franklin's kite to El Nino. Wiley. Chapiter 16, 252 pp.ISBN 0-471-38108-X

Ver também[editar | editar código-fonte]