Zona de convergência intertropical

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde maio de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
As nuvens associadas à Zona de Convergência Intertropical formam uma linha através do Oceano Pacífico Oriental à altura da América Central.
Imagem infravermelha do satélite GOES 14 mostrando a zona de convergência intertropical.
Posição média da Zona de Convergência Intertropical nos meses de julho (vermelho) e janeiro (azul).

Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) ou ITCZ, em inglês (Intertropical Convergence Zone), é a área que circunda a Terra, próxima ao equador, onde os ventos originários dos hemisférios norte e sul se encontram.

A ZCIT era inicialmente chamada, entre os anos 1920 e 1940, de Frente Intertropical (FIT), mas, com o reconhecimento, nos anos 1940 e 1950, da relevância da convergência de ventos para a determinação do clima tropical, o termo ZCIT passou a ser aplicado.

Onde a ZCIT se junta à circulação de monção, ela é chamada de cavado de monção, termo de uso mais comum na Austrália e em algumas regiões da Ásia. Os primeiros marinheiros deram a este cinturão de calma o nome de doldrums (literalmente, desânimo), por causa da inatividade e estagnação em que eles ficavam após dias sem ventos. Permanecer numa calmaria nesta região, num clima quente e abafado, poderia significar a morte numa época em que o vento era o único propulsor eficiente para os navios no oceano. Mesmo hoje, marinheiros em barcos de lazer ou de competição procuram cruzar a região o mais rápido possível, pois o clima errático e os padrões de vento podem causar atrasos indesejados.

A ZCIT se apresenta como uma faixa de nuvens com grande desenvolvimento vertical (Cb - Cumulonimbus), de 3 a 5 graus de largura, frequentemente de tempestades, que circunda o globo próximo ao equador. No hemisfério norte, os ventos alísios se movem de nordeste para sudoeste, enquanto no hemisfério sul eles vão de sudeste para noroeste. Quando a ZCIT está posicionada ao norte ou ao sul do equador, essas direções variam conforme a força de Coriolis, provocada pela rotação da Terra. Por exemplo, quando a ZCIT está ao norte do equador, o vento alísio de sudeste muda para sudoeste quando cruza o equador.

Estas nuvens agrupam-se, também, em formação denominada "aglomerados", que se caracterizam pelo transporte de calor da superfície.

A ZCIT é formada pelo movimento vertical em grande parte derivado da atividade convectiva de tempestades provocadas pelo aquecimento solar, as quais efetivamente sugam o ar; esses são os ventos alísios. A ZCIT é na verdade um marcador do trecho ascendente da célula de Hadley, e é úmida. O trecho seco descendente é o cinturão subtropical de alta pressão (em inglês, horse latitudes).

A localização da zona de convergência intertropical varia com o tempo. A marcha anual da ZCIT tem, aproximadamente, o período de um ano, alcançando sua posição mais ao norte durante o verão do Hemisfério Norte, e a sua posição mais ao sul durante o mês de abril. Sobre a terra, ela se move de um lado para o outro do equador, seguindo o ponto zenital do Sol. Sobre o oceano, onde a zona de convergência é mais bem definida, o ciclo sazonal é mais sutil, na medida em que a convecção é determinada pela distribuição das temperaturas do oceano.

Na área do Oceano Índico, a máxima nebulosidade associada com a ZCIT move-se para norte, na parte leste, no mês de maio. Entre junho e agosto, a máxima nebulosidade cobre a região de monção de verão da Ásia, mas de setembro em diante ela se move para sul, para a posição perto do Equador.

Algumas vezes, uma ZCIT dupla é formada, uma ao norte e outra ao sul do equador. Quando isto acontece, forma-se uma crista estreita de alta pressão entre as duas zonas de convergência, uma das quais normalmente mais forte do que a outra.

Devido à sua estrutura física, a ZCIT tem se mostrado decisiva na caracterização das diferentes condições de tempo e de clima em diversas áreas da Região Tropical. Sua influência sobre a precipitação nos continentes africano, americano e asiático tem sido aceita e mostrada em vários trabalhos como Hastenrath e Heller (1977), Lam (1978), Silkka e Gadgil (1985), entre outros. No caso especifico do norte do nordeste brasileiro, Uvo (1989) apresenta um estudo bem detalhado da ZCIT e sua importância nas precipitações no setor norte do nordeste do Brasil.

Zona de Convergência do Pacífico Sul[editar | editar código-fonte]

A Zona de Convergência do Pacífico Sul (ZCPS) é um cavado orientado ao reverso, alinhado de oés-noroeste para és-sudeste, estendendo-se das áreas quentes do Pacífico ocidental para sudeste, em direção à Polinésia Francesa. Ela se posiciona um pouco ao sul do equador durante a estação quente no hemisfério sul, mas pode ter natureza mais extratropical, especialmente a leste da Linha Internacional de Data. Ela é considerada a maior e mais importante parte da ZCIT e tem menor dependência do aquecimento por massas de terras próximas durante o verão do que qualquer outra parte do cavado de monção.

A ZCIT do sul, no Pacífico sul e no Atlântico sul, ocorre durante o outono do hemisfério sul, entre os paralelos 3° e 10° a sul do equador, a leste do meridiano 140 de longitude oeste, durante as fases fria e neutra da Oscilação Sul-El Niño (OSEN). Quando a OSEN atinge a sua fase quente (chamada El Niño), desaparece a área de baixas temperaturas da superfície do mar devida à ressurgência ao largo do continente sul-americano, o que faz com que esta zona de convergência também desapareça.

Efeitos no clima[editar | editar código-fonte]

A ZCIT se move para mais distante do equador durante o verão no hemisfério norte do que no sul, devido ao mais denso arranjo de continentes no norte.

Variações na localização da zona de convergência intertropical afetam drasticamente o volume de chuvas em muitos países equatoriais, influenciando as temporadas secas e úmidas dos trópicos mais do que as estações frias e quentes das latitudes maiores. Mudanças duradouras na ZCIT podem resultar em secas severas ou inundações nas áreas próximas.

Um bom índice de chuva nos trópicos e, consequentemente, a posição da ZCIT, é obtido através da Radiação de Ondas Longas (ROL) sendo que os valores baixos de ROL indicam nuvens com grande desenvolvimento vertical e forte precipitação,.

Em alguns casos, a ZCIT pode ficar estreita, principalmente quando ela se distancia do equador; neste caso, a ZCIT pode ser interpretada como uma frente ao longo da fronteira do ar equatorial. Parece haver um ciclo de 15-25 dias na atividade das tempestades ao longo da ZCIT, o que é cerca de metade do comprimento de onda da Oscilação Madden-Julian.

Dentro da ZCIT os ventos, em média, são ligeiros, diferentemente das zonas a norte e sul do equador, onde os ventos alísios se alimentam.

Papel na formação de ciclones tropicais[editar | editar código-fonte]

A ciclogênese tropical depende da vorticidade de baixo nível (próxima à superfície) como um dos seus seis requisitos, e a ZCIT preenche este papel por ser uma região de mudança de direção e velocidade dos ventos, também chamada de cisalhamento horizontal do vento (em inglês, horizontal wind shear). Como a ZCIT migra para mais de 500 km do equador durante o respectivo verão no hemisfério, a crescente força de Coriolis torna mais provável a formação de ciclones tropicais dentro desta zona. Nos oceanos Atlântico norte e Pacífico nordeste, ondas tropicais se movem ao longo do eixo da ZCIT, causando o aumento da atividade de tempestades e, sob cisalhamento vertical fraco de ventos, esses aglomerados de tempestades podem se tornar ciclones tropicais.

Riscos[editar | editar código-fonte]

Alguns especialistas em aviação propõem que a zona de convergência intertropical pode ter tido um papel importante na queda do voo Air France 447 que deixou o Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro no domingo, 31 de maio de 2009, às 19 horas, e deveria aterrissar no Aeroporto Roissy Charles de Gaulle, em Paris, na segunda-feira, 1 de junho de 2009, às 11:15 horas. A aeronave caiu sem sobreviventes quando voava através de uma série de tempestades da ZCIT, e o gelo que se formou rapidamente nos sensores de velocidade foi a causa que precipitou uma sequência de erros humanos que acabou vitimando o voo. A maior parte das aeronaves voando nessas rotas são capazes de evitar as grandes células convectivas sem incidentes.

Ver também[editar | editar código-fonte]