Cambé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Cambé
Bandeira de Cambé
Brasão de Cambé
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 11 de outubro de 1947 (66 anos)
Gentílico cambeense
Prefeito(a) João Pavinato (PSDB) (PSDB)
(2009–2012)
Localização
Localização de Cambé
Localização de Cambé no Paraná
Cambé está localizado em: Brasil
Cambé
Localização de Cambé no Brasil
23° 16' 33" S 51° 16' 40" O23° 16' 33" S 51° 16' 40" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Norte Central Paranaense IBGE/2008 [1]
Microrregião Londrina IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Londrina
Municípios limítrofes Londrina, Rolândia, Prado Ferreira, Bela Vista do Paraíso, Jaguapitã, Sertanópolis
Distância até a capital 411 km
Características geográficas
Área 494,692 km² [2]
População 102 735 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 207,67 hab./km²
Altitude 680 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,793 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ Aumento1 511 163,240 mil ([[Anexo:Lista de municípios do Brasil por PIB|BR:262ºAumento]]) – IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 15 650,80 IBGE/2008[5]
Página oficial

Cambé é um município da Região Metropolitana de Londrina, no estado do Paraná, no Brasil. Sua população estimada em 2013 era 102 735 habitantes.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Existe uma teoria que aponta que o nome do município tem origem caingangue[6] . Outra teoria, porém, diz que "cambé" origina-se da língua tupi (Caá significando "mata, árvore" e mbê, "raízes aéreas"). A Enciclopédia dos Municípios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística traduz a denominação para "Passo do veado", de origem Tupi, porque, segundo consta, "...aquela região era abundante em caça, daí derivando o nome de Cambé".

História[editar | editar código-fonte]

A História Anterior ao Período de Colonização Europeia[editar | editar código-fonte]

As terras onde está localizado o atual município de Cambé eram compreendidas por uma imensa floresta e nestas terras viveram diversos povos indígenas à base de caça, pesca, coleta de frutas, plantas e raízes e de uma agricultura rudimentar. Eram livres, donos da terra e viviam com muita abundância, apesar das técnicas aparentemente simples que utilizavam.

A presença dos povos indígenas que habitavam toda a região é marcada por registros de viajantes, por documentos oficiais do estado e também por objetos arqueológicos encontrados em toda região.

Em 1990, estudantes da zona rural de Cambé, incentivados por uma campanha do Museu Histórico, encontraram fragmentos, recipientes de cerâmica e peças líticas (de pedra) pertencentes às civilizações indígenas que viveram na região centenas de anos antes da colonização europeia.

Esses grupos indígenas que habitavam a região foram, ao longo do tempo, conquistados e aldeados em áreas delimitadas pelo estado. Porém, deve-se entender essa conquista como um ato brutal, com práticas de perseguição, escravidão e guerras.

Sítio Arqueológico[editar | editar código-fonte]

No fim da década de 1980[7] [8] , quando implementos agrícolas preparavam o terreno para a plantação de soja, em uma área rural de Cambé, foi descoberta vestígios de uma redução jesuítica e após longas pesquisas, descobriu-se que foi a missão jesuítica de San Joseph. Atualmente é conhecida por Sítio Arqueológico Fazenda Santa Dalmácia e reforça a história dos Jesuítas em várias regiões do sul do Brasil no período da colonização brasileiro.[7] [9]

Nova Dantzig - Colonização a partir da Companhia de Terras[editar | editar código-fonte]

Em 1925, a Companhia de Terras Norte do Paraná adquiriu uma área de 515 000 alqueires de matas nativas, equivalentes a catorze por cento do total do estado, de solo fértil e pronta para ser colonizada. Somaram-se a essas vantagens o incentivo à imigração e a difícil situação econômica na Europa, que criaram condições necessárias para ocorrência de uma corrente migratória para a América.

As primeiras dez famílias que chegaram à futura cidade de Cambé por intermédio da Companhia de Terras eram oriundas da Cidade Livre de Danzig e chegaram à futura colônia em janeiro de 1932. O nome Nova Dantzig foi escolhido pela Companhia de Terras, que previu, para a região, a vinda de um grande número de pessoas de Danzig. Por causa do clima mais quente, ao qual não estavam acostumados e devido à flora e fauna estarem intocadas, enfrentaram muitas dificuldades para iniciar a colonização. Mas, atraídos pela fertilidade das terras, vieram em seguida japoneses, italianos, eslovacos, portugueses, alemães, espanhóis, libaneses, além de paulistas (do interior, por sua vez já fruto da imigração europeia) e nordestinos.

Café, algodão, cereais, extração de madeiras e criação faziam parte da cultura diversificada que existiam na região na época da colonização. Nova Dantzig não fugia disso, pois o sistema de pequenas e médias propriedades rurais estimulava a atividade econômica voltada para a terra.

Ao mesmo tempo, o núcleo urbano passou a crescer, tornando-se centro de abastecimento e prestação de serviços para a população. A sociedade urbana era formada por pequenos e médios comerciantes, além de alfaiates, barbeiros, sapateiros, pedreiros, carpinteiros, marceneiros, caixeiros de lojas de armazéns, farmácias e operários. Surgem em seguida os profissionais liberais, funcionários públicos municipais e estaduais (estes como resultado da elevação do patrimônio a distrito e depois a Município respectivamente em 1937 e 1947).

Em 9 de outubro de 1937, o então Patrimônio de Nova Dantzig foi elevado à categoria de distrito judiciário através da Lei 191, de 9 de outubro de 1937. Após a redemocratização do país em 1945, começou, em Cambé, um movimento emancipacionista, encabeçado pelo professor Jacídio Correia e pelo médico José dos Santos Rocha. Atendendo ao apelo da população e tendo em vista o crescimento promissor de Cambé, o governador Moysés Lupion assinou a Lei Dois, de 10 de outubro de 1947, elevando o distrito à categoria de município. A instalação do município ocorreu no dia 11 de outubro de 1947 e Eustachio Sellmann foi nomeado o prefeito provisório. Com a elevação a município, era necessário que se escolhesse o primeiro prefeito e vereadores que representassem a vontade popular. No dia 16 de novembro de 1947, os cidadãos de Cambé elegeram o professor Jacídio Correia primeiro prefeito de Cambé.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Situada no Terceiro Planalto de Guarapuava, a 23° 16' Latitude Sul e 51° 17' Longitude Oeste com área de 496 km² a 670 metros do nível do mar. Favorecida pelas rodovias BR-369 e PR-445, está distante cerca de 10 km de Londrina, 392 km de Curitiba, 550 km de São Paulo e a 502 km do Porto de Paranaguá.

Clima[editar | editar código-fonte]

De clima subtropical úmido mesotérmico, verões quentes com tendência de concentração das chuvas (temperatura máxima média de 22°C), invernos com geadas em torno de 8 anuais (temperatura mínima média abaixo de dezoito graus centígrados), sem estação seca definida.(mínima já registrada de -4°C negativo)

Demografia[editar | editar código-fonte]

Sua população estimada em 2009 era de 97 329 habitantes.

Etinias

%

Branca 75,4%
Parda 19,8%
Negra 2,3%
Amarela 2,4%
Indígena 0,1%

Fonte: Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social

Economia[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a cidade tem sua agricultura voltada à soja e possui um rico parque industrial onde se destacam a agroindústria e indústrias químicas. A vida noturna e o comércio da cidade são bastantes desfavorecidos com a proximidade de Londrina.[carece de fontes?]

Administração[editar | editar código-fonte]

O atual prefeito é João Dalmácio Pavinato e o vice-prefeito, Maria Aparecida André Pascueto.


Os 10 vereadores da gestão 2013 - 2016 são Junior Felix (PSDB), Conrado Scheller (DEM), Elizeu Vidotti (PTB), Zé Ribeiro (PMDB), Professor Romulo (PSDB), Estela Camata (PSDB), Cecilio (PT), Magnata (PT do B), Zezinho da Ração (PSB) e Paulo Soares (PTB).

Saúde[editar | editar código-fonte]

Cambé conta agora com o serviço do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, que é um programa que tem como finalidade prestar o socorro à população em casos de emergência, em qualquer lugar, corrigindo uma das maiores queixas dos usuários do Sistema Único de Saúde, que é a lentidão no momento do atendimento.

Esportes[editar | editar código-fonte]

As escolinhas de treinamento são um dos destaques da área esportiva. Hoje, dezesseis escolinhas de seis modalidades esportivas (três femininas e três masculinas) funcionam em ginásios, centros e campos esportivos.

Dois dos maiores eventos da cidade na área esportiva são as fases regionais dos Jogos Colegiais e dos Jogos Abertos, que ocupam os espaços esportivos que a cidade dispõe. Em maio de 2005, a cidade recebeu 2 000 atletas de dezenove cidades da região para os Jogos Colegiais. Já em setembro de 2005 próximo, foram mil atletas de 69 municípios nos Jogos Abertos.

Tem o maior time de futebol Americano da região norte do parana, um time que treina e joga em cambé

Turismo[editar | editar código-fonte]

Cambé possui um centro cultural próximo à prefeitura municipal. Também próximo à prefeitura pode ser encontrada a fonte luminosa, que foi construída em 1963, mas que ficou parada por muitos anos, sendo restaurada e reativada em 2005.

Parques[editar | editar código-fonte]

Possui um parque municipal chamado "Zezão" na região central da cidade, que localiza-se em um fundo de vale e que é considerado o verdadeiro cartão-postal da cidade. Bem arborizada, com grande área gramada e um córrego, o Zezão também possui pistas de caminhada, um pequeno parque e um anfiteatro com arquibancadas.

Outro parque de importância na cidade é o Parque Histórico Municipal Danziger Hof, que é parte da colônia Neo Danzig, núcleo de imigrantes alemães da cidade de Danzig. No parque você encontrará a casa da família Tkotz, construída no início da colonização, que foi adquirida pela prefeitura da cidade em 2000 e transportada para o parque histórico, onde nela hoje são realizadas atividades culturais. Outra casa também presente é a casa da família Zifchak, sede do parque, que também foi adquirida pela prefeitura e transportada ao parque histórico.

Museus[editar | editar código-fonte]

O Museu Histórico de Cambé foi fundado em 30 de outubro de 1985, com objetivo de resgatar e preservar a história e a memória dos povos que colonizaram a cidade de Cambé. Seu acervo é composto de fotografias, documentos, objetos, revistas livros além de material de arqueologia dos povos indígenas que habitaram a região norte do Paraná. Ele se localiza no Centro Cultural. A maior parte do acervo se constitui de fotos. Várias escolas da região agendam visitas a este museu. Em 2006, o colégio Instituto Nossa Senhora Auxiliadora fez o "Projeto Museu".

Ruínas[editar | editar código-fonte]

Em Cambé, existe o Sítio Arqueológico Fazenda Santa Dalmácia, que é um conjunto de ruínas remanescentes da redução jesuítica de San Joseph.[7]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Entre os principais eventos, destaca-se o tradicional evento "Festa das Nações", que valoriza o resgate, a preservação e a divulgação da história e da cultura do município. Funciona como um elo entre os primeiros colonizadores e as gerações atuais, celebrando, por meio da gastronomia, das danças e músicas típicas, a união das etnias que ajudaram a formar a cidade. O evento coincide com a comemoração do aniversário de emancipação política de Cambé.

Este e vários eventos costumam acontecer no centro de eventos da cidade, inaugurada em 10 de dezembro de 2000, que encontra-se ao lado da igreja matriz.

Há também o Village (praça de eventos e leilões), onde são realizadas festas, casamentos, formaturas, shows, raves e, principalmente, leilões de gado.

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Centro Cultural de Cambé, inaugurado no dia 1 de novembro de 1990 com intuito de promover a cultura, conta com uma moderna arquitetura em sua construção, e foi especialmente criada para abrigar o Museu Histórico de Cambé. No Centro Cultural também está a Biblioteca Pública Municipal.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Apesar de Cambé não ter um aeroporto em seus limites, o Aeroporto de Londrina fica a apenas doze quilômetros da cidade.

Transporte Público[editar | editar código-fonte]

O Transporte Coletivo Urbano e Metropolitano que atende o município, é prestado pela empresa TIL Transportes Coletivos, e também pela empresa Garcia.

Datas festivas[editar | editar código-fonte]

Esporte[editar | editar código-fonte]

A cidade de Cambé possui um clube no Campeonato Paranaense de Futebol, o Clube Atlético Cambé. O Cambé Atlético Clube, que jogou no passado, fundiu-se com a Associação Portuguesa Londrinense [10]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. http://www.portalkaingang.org/Lgua_Kaingang.pdf
  7. a b c História - San Joseph, a missão Jornal de Londrina - acessado em 3 de março de 2013
  8. Cambé descobre Missão Jesuíta datada de 1625 Jornal da Unopar (Universidade Norte do Paraná) - acessado em 3 de março de 2013
  9. Descoberto sítio arqueológico de missão jesuítica de 1625 em Cambé Rede de Turismo Regional - acessado em 3 de março de 2013
  10. http://www.rsssfbrasil.com//tablesfq/pr1960.htm

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]