Cananéia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cananeia)
Ir para: navegação, pesquisa
Município da Estância Balneária de Cananéia
"Cidade Ilustre do Brasil"
Vista parcial de Cananéia

Vista parcial de Cananéia
Bandeira da Estância Balneária de Cananéia
Brasão da Estância Balneária de Cananéia
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 12 de agosto
Fundação 12 de agosto de 1531
Gentílico cananiense
Padroeiro(a) São João Batista e Nossa Senhora dos Navegantes
Prefeito(a) Adriano Cesar Dias (PSDB)
(2009–2012)
Localização
Localização da Estância Balneária de Cananéia
Localização da Estância Balneária de Cananéia em São Paulo
Estância Balneária de Cananéia está localizado em: Brasil
Estância Balneária de Cananéia
Localização da Estância Balneária de Cananéia no Brasil
25° 00' 54" S 47° 55' 37" O25° 00' 54" S 47° 55' 37" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Litoral Sul Paulista IBGE/2008[1]
Microrregião Registro IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Pariquera-Açu, Ilha Comprida, Barra do Turvo e Guaraqueçaba (Paraná)
Distância até a capital 265 km[2]
Características geográficas
Área 1 242,010 km² [3]
População 12 220 hab. estatísticas IBGE/2011[4]
Densidade 9,84 hab./km²
Altitude 8 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,720 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 92 182,433 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 7 447,88 IBGE/2008[6]
Página oficial

Cananéia[nota 1] é um município brasileiro no litoral do estado de São Paulo. Pertence à Mesorregião do Litoral Sul Paulista e Microrregião de Registro e localiza-se a sudoeste da capital do estado, distando desta cerca de 265 km.[2] Ocupa uma área de 1 242,01  km², sendo 2,3677 km² estão em perímetro urbano,[7] e sua população em 2011 foi estimada em 12 220 habitantes,[4] sendo que em 2010 era o 326º mais populoso do estado paulista.

A sede tem uma temperatura média anual de 19,9°C e na vegetação do município predomina a mata atlântica, com trechos de mangues e restingas ao longo de sua faixa litorânea. Com uma taxa de urbanização da ordem de 80%, o município contava, em 2009, com onze estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,775, considerando como médio em relação ao estado.

Cananéia é considerada a cidade mais antiga do Brasil. Atualmente, o Centro Histórico de Cananéia ainda preserva os estilos arquitetônicos adotados pelas primeiras casas desde o período colonial até o final do século XIX. As praias também atraem milhares de pessoas na alta temporada, sendo que na Ilha do Cardoso há várias trilhas e cachoeiras, além de vários sítios arqueológicos. As festas, a culinária e o artesanato também são atrativos à parte da cidade, cujas principais fontes de rendas são a pesca e o turismo.

História[editar | editar código-fonte]

Colonização[editar | editar código-fonte]

Em 24 de janeiro de 1502, chega no local a expedição exploratória com Gaspar de Lemos e Américo Vespúcio (Amerigo Vespucci) no comando, visando reivindicar e demarcar as novas terras e nomearam o local por Barra do Rio Cananor. Esta expedição trazia uma figura obscura da história brasileira, o degredado português Cosme Fernandes, conhecido como Bacharel de Cananéia, o qual tornou-se uma figura poderosa na região, vindo a possuir muitos escravos e não prestando obediência à coroa portuguesa.[8] Anos depois, em 1531, Portugal enviou mais uma expedição, sob o comando de Martim Afonso de Sousa, que chegou na comunidade de Marataiama (antigo nome de Cananéia registrado no diário de navegação da expedição; Mara = mar e Tayama = terra). Este ano é considerado o da fundação oficial da Vila.[8] Porém, devido à falta de documentos consistentes que comprovem tal feito, fica estabelecida a controvérsia sobre qual seria a cidade mais antiga do Brasil: Cananéia ou São Vicente (esta última, também fundada por Martim Afonso, em 22 de janeiro de 1532, conforme documentação).[9] [10]

Em 1534, a propósito do massacre dos oitenta integrantes da entrada de Pero Lobo pelos Carijós às margens do rio Iguaçu, pouco depois de partirem de Cananéia em 1º de setembro de 1531, Pero de Góis intimou os espanhóis a entregarem o Bacharel de Cananéia e a prestarem obediência ao rei de Portugal e ao governador Martim Afonso de Sousa, em trinta dias, sob pena de morte e de confisco de bens. Moschera respondeu que não reconhecia a jurisdição da Coroa portuguesa, uma vez que se encontrava em terras de Castela, criando-se um impasse.[11]

Na iminência de ataque pelos portugueses, Moschera e o Bacharel, apoiados por duzentos indígenas flecheiros, capturaram um navio corsário francês que pouco antes aportara a Cananéia em busca de provisões, apoderando-se de suas armas e munições. Em seguida, fizeram cavar uma trincheira em frente à povoação de Iguape, guarnecendo-a com quatro das peças de artilharia do navio francês. Na sequência, dispuseram vinte espanhóis e cento e cinquenta indígenas emboscados no manguezal da foz da barra do Icapara, aguardando a força portuguesa.[12] Esta, composta por oitenta homens, ao desembarcar foi recebida sob o fogo da artilharia, sendo desbaratada. Na retirada, os sobreviventes foram surpreendidos pelas forças espanholas emboscadas na foz do rio, onde os remanescentes pereceram, sendo gravemente ferido o seu capitão Pero de Góis, por um tiro de arcabuz. Esta batalha ficou conhecida como Entrincheiramento de Iguape.[12] Vitoriosos, no dia seguinte os espanhóis embarcaram no navio francês e atacaram a vila de São Vicente, que saquearam e incendiaram, levando inclusive o Livro do Tombo, deixando-a praticamente destruída, matando dois terços dos seus habitantes. Após os ataques, ambos teriam fugido para a Ilha de Santa Catarina, tendo Moschera retornado ao rio da Prata e o Bacharel Fernandes para Cananéia. Esta, ficou conhecida como a Guerra de Iguape.[12]

Crescimento da região[editar | editar código-fonte]

Obelisco de Cananéia, na Praça Martim Afonso de Souza, inaugurado em 1931 em homenagem ao quarto centenário.[13]

No final do século XV, com ameaças constantes de invasão, construíram uma igreja na Praça Martim Afonso de Sousa, a Igreja de São João Batista, que àquela época contava com muros largos e fortes portões e não possuia janelas, propositalmente para servir como Forte. Aquelas proximidades eram usadas por navegadores espanhóis e portugueses como ponto para reabastecimento de água e alimentos, além de reparos em suas embarcações e equipamentos.[14] Em 1600, com a designação de São João Batista de Cananéia, a Vila é elevada à categoria de conselho. A localidade teve que desenvolver uma produção de meios de transportes para as tropas que se dirigiam ao Sul e reparos às caravelas. Naquele tempo era bastante utilizado um porto natural, que fez com que a construção naval ganhasse espaço nas décadas seguintes.[8]

No século XVII, por volta de 1770, Cananéia já contava com pouco mais de 15 estaleiros e mais de duzentas embarcações produzidas. Entre o final do século XIII e começo do século XIX tal atividade entrou em ligeira decadência em função do avanço de extração de madeira destinada à exportação, e desta forma a "indústria naval" passou a servir quase que somente à pesca, cuja atividade econômica também começou a ganhar força.[8] Com o desenvolvimento financeiro da localidade, foi elevada à categoria de cidade em 1892, tendo a comarca criada a 20 de setembro deste ano e passando a ter a atual designação em 1905.[15]

Século XX e história recente[editar | editar código-fonte]

No decorrer do século XX destacou-se o desenvolvimento econômico da região. A pesca continuou a ganhar força, principalmente durante as décadas de 1910 e 1920, e o turismo também tomou impulso, especialmente nas décadas finais deste século. Em 28 de agosto de 1927 é criada a Usina de Força Municipal, tendo início, no ano seguinte, o serviço de iluminação pública, projetado por Emiliano Matheus de Almeida em substituição aos postes a querosene. Na década de 1950 surgiram pequenas industrias, como o engenho de beneficiar arroz, a fabrica de gelo, olarias, engenho de aguardente, serraria e carpintaria.[13]

Com o crescimento populacional e a vinda de milhares de turistas durante a alta temporada houve uma necessidade de melhoria na infraestrutura municipal, como por exemplo em 1960 a cidade passou a ter conexão com a Rodovia Regis Bitencourt, e em 1982 foi inaugurada a ponte que liga a ilha de Cananéia ao continente. Hoje muitos de seus prédios construídos entre os séculos XI e XIX viraram patrimônio histórico da cidade e muitas de suas praças e igrejas também conservam o estilo barroco da época do desbravamento da região. Cananéia tem no turismo e na pesca suas principais atividades econômicas.[13] [8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 1 242,01 km², sendo que 2,3677 km² constituem a zona urbana e os 112,314 km² restantes constituem a zona rural.[7] Situa-se a 25°00'54" de latitude sul e 47°55'37" de longitude oeste e está a uma distância de 265 quilômetros a sudoeste da capital paulista, sendo a cidade mais meridional do estado. Seus municípios limítrofes são Pariquera-Açu e Ilha Comprida, a norte; Barra do Turvo, a oeste; e Guaraqueçaba, no estado do Paraná, a sul; além do Oceano Atlântico, a leste.[7]

Relevo e hidrografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da região de Cananéia.

O relevo do município de Cananéia é predominantemente plano, sendo que a oeste já há domínio das montanhas da Serra do Mar, que forma uma faixa de terrenos acidentados, interposta entre a planície e o planalto. Transforma-se numa sucessão de estreitos vales e cristas montanhosas, resultantes do trabalho de erosão do rio Ribeira do Iguape e seus tributários sobre as rochas menos resistentes dessa porção do planalto.[16] Já a planície litorânea, que estreita-se entre a Serra do Mar e o oceano, é constituída de baixadas fluvio-marinhas recentes, resultantes da colmatagem (aterramento) de antigos golfões.[17] O território do município é formado por várias ilhas, sendo as principais: de Cananéia (sede) Cardoso, Bom Abrigo, Filhote, Cambriú, Castilho, Figueira, Casca e Pai do Mato.[18]

Parte relevante da hidrografia da cidade é conservada no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, sendo que a maior parte deles possui mata ciliar, sendo cercados pela floresta tropical nativa.[19] Os manguezais também são protegidos e frequentemente estudados, a fim de analisar e preservar a fauna e flora local.[20]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima cananiense é caracterizado, segundo o IBGE, como subtropical subquente super-úmido (tipo Cfa segundo Köppen),[21] tendo temperatura média anual de 19,9  °C, com temperaturas amenas e chuvas constantes durante todo o ano.[22] [23] O mês mais quente, janeiro, tem temperatura média de 23,8 °C, sendo a média máxima de 28,4 °C e a mínima de 19,7 °C. E o mês mais frio, julho, de 16,8 °C, sendo 21,3 °C e 12,3 °C as médias máxima e mínima, respectivamente. Outono e primavera são estações de transição.[24]

A precipitação média anual é de 1801,1 mm, sendo julho o mês mais seco, quando ocorrem 73,5 mm. Em fevereiro, o mês mais chuvoso, a média fica em 267,9 mm.[24] Nos últimos anos, entretanto, dias quentes e secos durante o inverno têm sido cada vez mais frequentes, não raro ultrapassando a marca dos 30 °C, especialmente entre julho e setembro. Em 9 de setembro de 1997, por exemplo, os termômetros chegaram perto dos 40ºC, em pleno inverno, em boa parte dos litorais de São Paulo e do Paraná.[25] O ano de 1983 terminou com 3260,5 mm acumulados, distribuídos em 235 dias de chuva, segundo registros do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAAE).[26]

De acordo com o Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas (CIIAGRO), nos últimos anos a temperatura mínima registrada na cidade foi de 10,5ºC, observada no dia 15 de agosto de 2005.[27] Já a máxima foi de 37,0ºC, em 31 de janeiro de 2009.[28] Segundo o Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) e o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), de 1941 a 2011, o maior acumulado de chuva registrado em menos de 24 horas na cidade foi de 417,3 mm, observado no dia 10 de fevereiro de 1966.[29] Outros grandes acumulados foram de 347,4 mm, no dia 14 de março de 1946;[30] 340,8 mm, em 11 de janeiro de 1963;[31] 336,5 mm, em 21 de janeiro de 1976;[32] 328,5 mm, em 12 de janeiro de 1963;[33] e 320,8 mm, em 16 de março de 1980.[34]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Cananéia Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,4 27,7 27,7 25,6 23,6 21,8 21,3 22,0 20,4 22,5 23,0 24,8 24,0
Temperatura mínima média (°C) 19,7 19,6 19,3 17,0 14,6 12,8 12,3 13,4 13,4 14,9 16,0 17,6 15,8
Precipitação (mm) 247,3 267,9 215,7 151,3 116,2 103,1 73,5 77,0 123,8 139,1 124,4 161,8 1 801,1
Fonte: Jornal do Tempo[24]

Ecologia e meio ambiente[editar | editar código-fonte]

A vegetação nativa do município pertence ao domínio florestal Atlântico (Mata Atlântica), onde destacam-se árvores como os ipês, jacarandás, angicos, quaresmeiras, araucárias e cedro.[35] Também destaca-se nas áreas costeiras a restinga, que reduz a constante mudança das dunas formadas pela areia, depositadas nas praias pelas marés altas e transportadas pelos ventos,[36] e o mangue, é onde diversas espécies de peixes vivem e que os catadores de caranguejo encontram sua fonte de renda.[37]

Cananéia abriga parte das Áreas de Relevante Interesse Ecológico Zona de Vida Silvestre (ZVS) - APA Federal Cananéia-Iguape-Peruíbe, criada pelo decreto nº 90.347 de 23 de outubro de 1984 e complementada pelo decreto nº 91.892 de 6 de novembro de 1985,[38] e parte da ZVS - APA Ilha Comprida, criada pelo decreto n° 26.881, de 11 de março de 1987 e regulamentada pelo decreto n° 30.817, de 30 de novembro de 1989.[39]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Igreja de Ararapira, uma das primeiras de Cananéia,[40] sendo que o Catolicismo continua sendo a religião predominante.

Em 2011, a população do município foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 12 220 habitantes, apresentando uma densidade populacional de 9,84 habitantes por km².[4] Em 2010, era o 326º mais populoso do estado, sendo que neste ano 6 134 habitantes eram homens e 6 092 habitantes mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 10 436 habitantes viviam na zona urbana e 1 790 na zona rural.[41] A população cananiense era composta por 7 325 brancos; 519 pretos; 4 154 pardos; e 228 estavam categorizados em outras raças humanas.[42]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Cananéia é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).[43] Seu valor é de 0,775, sendo o 535° maior de toda a Região Sudeste do Brasil e o 1174° maior de todo o país (entre 5 507 cidades). O município possui a maioria dos indicadores médios e parecidos com os da média nacional segundo o PNUD.[44] O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,41, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[45] No ano de 2003, a incidência da pobreza, medida pelo IBGE, era de 37,30%, o limite inferior da incidência de pobreza era de 29,46%, o superior era de 45,14% e a incidência da pobreza subjetiva era de 33,87%.[45]

De acordo com dados do censo de 2000 realizado pelo IBGE, a população de Cananéia está composta por: Católicos (59,72%), evangélicos (20,40%), pessoas sem religião (13,50%), espíritas (1,29%) e 5,79% estão divididas entre outras religiões.[46]

Política[editar | editar código-fonte]

A administração municipal se dá pelo poder executivo e pelo poder legislativo.[47] Em 2008, o prefeito que venceu as Eleições municipais no Brasil no município foi Adriano César Dias, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), sendo eleito com 48,46% dos votos válidos. Por ter menos de 200 mil eleitores, não pode haver segundo turno no município.[48]

O Poder legislativo é constituído pela câmara, composta por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição[49] ) e está composta da seguinte forma:[50] duas cadeiras do Partido Popular Socialista (PPS); uma cadeira do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB); uma do Partido Democrático Trabalhista (PDT); uma do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB); uma do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB); uma do Partido Socialista Brasileiro (PSB); uma do Partido da República (PR); e uma do Partido Social Cristão (PSC). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

O município se rege ainda por lei orgânica, que foi promulgada em 8 de dezembro de 2003 e entrou em vigor nesta mesma data,[51] e é sede da Comarca de Cananéia, instalada em 20 de setembro de 1892,[15] cuja sede está no Fórum Dr. Joaquim Guedes Alconforado.[52] Possuía 9 901 eleitores em novembro de 2011, o que representava 0,033% do total do estado de São Paulo.[53]

Economia[editar | editar código-fonte]

O produto interno bruto (PIB) de Cananéia é um dos maiores de sua microrregião,[6] destacando-se na área de prestação de serviços. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2008, o PIB do município era de R$ 92 182,433 mil.[6] Em 2009, 4 558 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[6] O PIB per capita era de R$ 7 447,88[6]

Em 2009 havia 2 479 trabalhadores, sendo 1 379 pessoal ocupado total e 1 100 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 12 969 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,0 salários mínimos. Havia 280 unidades locais e 274 empresas atuantes.[54]

Setor primário

A agricultura é o segundo setor menos relevante da economia de Cananéia. De todo o PIB da cidade 16 732 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.[6] Segundo o IBGE, em 2010 o município possuía um rebanho de 1 700 bovinos, 75 equinos, 240 bubalinos, 60 muares e 140 suínos.[55] Em 2010 a cidade produziu 54 mil litros de leite de 100 vacas.[55] Na lavoura temporária o único produto cuja produção foi contabilizada pelo IBGE foi a mandioca, cuja quantidade produzida naquele ano foi de 450 toneladas e a área colhida foi de 30 hectares.[56] Também destaca-se no município a pesca, para fins esportivos ou para subsistência das chamadas vilas de pescadores.[13]

Setores secundário e terciário
Restaurante do Japonês, na BR-116.

A indústria, atualmente, é o setor menos relevante para a economia do município. 10 432 reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[6] As primeiras industrias da cidade surgiram entre as décadas de 1940 e 50, como como a o engenho de beneficiar arroz, a fabrica de gelo, olarias, engenho de aguardente, serraria e carpintaria, sendo que atualmente a produção industrial ainda é muito incipiente na cidade, mesmo que comece a dar sinais de aprimoramento.[13]

O setor terciário é o mais relevante para a economia municipal. Em 2010, 69 785 reais do PIB de Cananéia eram do valor adicionado bruto do setor terciário,[6] destacando-se as áreas do turismo e do comércio. As praias de Cananéia são os principais atrativos do município, havendo, consequentemente, bastantes hotéis, pousadas e restaurantes,[57] que na alta temporada e durante feriados prolongados hospedam e atendem a vários turistas que vêm de várias partes de São Pauo ou mesmo de outras cidades do Sul e Sudeste brasileiros, o que também favorece o desenvolvimento do movimento comercial cananiense, que tem se expandido bastante nos últimos anos. Grande parte da atividade comercial do município concentra-se nas proximidades das praias e se dedica à venda de produtos artesanais.[57]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Habitação, infraestrutura básica e criminalidade[editar | editar código-fonte]

Casas de madeira na comunidade Caiçara do Marujá.

No ano de 2010 a cidade tinha 3 683 domicílios particulares permanentes. Desse total, 3 635 eram casas, 39 eram casas de vila ou condomínios, nove eram apartamentos e não havia habitações em cortiços. 2 881 deles são imóveis próprios (2 783 próprios já quitados e 98 em aquisição); 402 foram alugados; 365 foram cedidos (189 cedidos por empregador e 176 cedidos de outra forma) e 35 foram ocupados de outra maneira. Parte dessas residências contava com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. 3 173 domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água (86,15% do total); 3 588 (97,42%) possuíam banheiros para uso exclusivo das residências; 3 343 (90,76% deles) eram atendidos por algum tipo de serviço de coleta de lixo; e 3 608 (97,96%) possuíam abastecimento de energia elétrica.[58]

Como na maioria dos municípios médios e grandes brasileiros, a criminalidade ainda é um problema em Cananéia. Em 2008, a taxa de homicídios no município foi de 5,4 para cada 100 mil habitantes, ficando no 268° lugar a nível estadual e no 2316° lugar a nível nacional.[59] O índice de suicídios naquele ano para cada 100 mil habitantes foi de 2,7, sendo o 236° a nível estadual e o 1895° a nível nacional.[60] Já em relação à taxa de óbitos por acidentes de transito, o índice foi de 16,2 para cada 100 mil habitantes, ficando no 192° a nível estadual e no 1435° lugar a nível nacional.[61] Por força da Constituição Federal do Brasil, o município possui uma Guarda Municipal, que tem função de proteger os bens, serviços e instalações públicas.[62]

Saúde e educação[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o município possuía onze estabelecimentos de saúde entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos. Quatro deles faziam parte do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo três deles públicos e um privado e que todos estes públicos pertenciam à rede municipal. Cananéia conta com atendimento ambulatorial com atendimento médico em especialidades básicas.[63] Em 2010 foram registrados 191 nascidos vivos,[42] sendo que em 2000 a taxa de fecundidade era de 3,34%,[64] a esperança de vida ao nascer era de 73,85 anos[65] e o índice de mortalidade infantil por mil nascidos vivos era de 11,32.[66]

Na área da educação, o município, em 2009, contava com aproximadamente 3 181 matrículas e 25 escolas nas redes públicas e particulares.[67] Em 2000, 40,04% dos professores do ensino fundamental contavam com ensino superior completo.[68] Naquele ano, a taxa de frequencia escolar entre pessoas de 7 a 22 anos era de 70,80%, o índice de alfabetização era de 89,11% e a média de anos de estudos entre pessoas maiores que 25 anos de idade era de 5,5.[69] O Índice de Desenvolvimento Humano da educação (IDHM-E) era de 0,830, classificando-se como elevado.[70]

Educação de Cananéia em números[67]
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 264 13 7
Ensino fundamental 2 299 129 22
Ensino médio 618 59 4

Serviços[editar | editar código-fonte]

A distribuição de energia no município é fornecida pela Elektro, que atende ainda a boa parte do litoral paulista. Durante a alta temporada nas praias o consumo de energia elétrica chega a dobrar.[71] Na Ilha do Cardoso o abastecimento ainda é feito por meio de geradores, que ficam ligados somente até às 23 horas.[72] Já o serviço de abastecimento de água de toda a cidade é feito pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).[73]

O código de área (DDD) de Cananéia é 013[74] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) é 11990-000.[75] No dia 1º de dezembro de 2008 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outros municípios com o mesmo DDD. A portabilidade é um serviço que possibilita a troca da operadora sem a necessidade de se trocar o número do aparelho.[76]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Barco pesqueiro em Cananéia.

A frota municipal no ano de 2010 era de 1 935 veículos, sendo 996 automóveis, 75 caminhões, um caminhão-trator, 159 caminhonetes, 62 caminhonetas, três microônibus, 494 motocicletas, 87 motonetas, oito ônibus, dez e 40 classificados como outros tipos de veículos.[77] Cananéia possui um terminal rodoviário, a Rodoviária de Cananéia, que está localizada na rua Thales Bernardes, Centro da cidade, e liga Matinhos, principalmente, a várias cidades do estado de São Paulo e do Paraná.[78] A cidade não possui transporte coletivo urbano, sendo que, devido ao relevo plano e ao perímetro urbano ser pequeno, é comum o uso de bicicletas para deslocar-se de um lugar a outro ou mesmo para a prática de exercícios físicos.[79]

Não existem aeroportos que operam na cidade. Os aeroportos mais próximos da cidade são o Aeroporto Internacional de Sao José dos Pinhais, em Curitiba, e os aeroportos de Congonhas e Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, ambos situados a mais de 250 km de distância.[78] A cidade é atendida pela SP-193 (Rodovia José Edgard Carneiro dos Santos) – que começa em Cananéia e termina no município de Jacupiranga; pela SP-226 – liga Cananéia até Pariquera-Açu; e pela BR-116, principal rodovia brasileira, que começa em Fortaleza, no Ceará, e termina em Jaguarão, no Rio Grande do Sul.[80] Não há transporte de cargas por via hidroviária, sendo que os barcos da cidade são utilizados principalmente para a pesca.[57]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Casas no Centro Histórico de Cananéia.

A responsável pela gestão pública do setor cultural de Cananéia é o Departamento Municipal de Cultura, que tem como objetivo planejar e executar a política cultural e educacional do município por meio da elaboração de programas, projetos e atividades que visem ao desenvolvimento cultural, além de administrar o Centro Histórico. Está vinculada ao Gabinete do Prefeito, integra a administração pública indireta do município e possui autonomia administrativa e financeira, assegurada, especialmente, por dotações orçamentárias, patrimônio próprio, aplicação de suas receitas e assinatura de contratos e convênios com outras instituições.[81]

Cananéia é um dos 15 municípios paulistas considerados estâncias balneárias pelo estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto a seu nome o título de Estância Balneária, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.[82]

Eventos e folclore[editar | editar código-fonte]

Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura de Cananéia, juntamente ou não com instituições locais, passou a investir mais no segmento de festas e eventos. Anualmente destacam-se: o Carnaval, cujas apresentações têm seus enredos baseados nos atrativos turísticos naturais e culturais, em fevereiro ou março; as celebrações da Semana Santa, em março ou abril; as comemorações de Corpus Christi, com procissões e enfeites em algumas ruas da cidade, em maio ou junho; a Festa de São João Batista, padroeiro da cidade, que ocorre nas proximidades do dia 24 de junho; as comemorações do aniversário de Cananéia, que mesmo sendo comemorado a 12 de agosto têm programação que dura várias semanas; a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, no dia 15 de agosto; além do Reveillon, entre os dias 31 de dezembro e 1º de janeiro, celebrando o ano novo.[83] Durante a alta temporada das praias também são organizados frequentemente shows com vários cantores que são conhecidos regional ou mesmo nacionalmente.[84]

No decorrer do ano ainda são organizadas apresentações de danças folclóricas, reunindo diversas danças regionais, como o Fandango.[83] A gastronomia também se destaca, sendo que atende desde a cozinha mais colonial até os serviços personalizados internacionais. A Festa do Mar, que conta com representantes de vários restaurantes locais e que são especializados em pratos com frutos do mar.[85]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Praia na Ilha do Cardoso.

Dentre os atrativos naturais, há de se destacar as praias. Segundo a Biblioteca Virtual do Governo de São Paulo, Cananéia conta com sete praias: a Praia da Comunidade Marujá; a Praia de Laje; a Praia do Fole Pequeno; a Praia da Comunidade; a Praia de Ipanema; a Praia da Comunidade Itacuruçá (Pererinha); e a Praia da Comunidade Pontal do Leste. No Parque Estadual da Ilha do Cardoso há os sítios arqueológicos, além de praias[86] e de 22 mil hectares de mata atlântica preservada, havendo no meio desta várias cachoeiras e trilhas para caminhadas.[87] Cananéia já foi apontada pela revista Condé Nast Traveler como melhor roteiro ecológico do mundo, sendo também tombada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Natural da Humanidade.[57]

A cidade conta com vários atrativos de valor histórico e cultural, principalmente em seu Centro Histórico, tombado por resolução aprovada em 11 de dezembro de 1969.[88] Ele engloba a Praça Martim Afonso de Souza, a Avenida Beira Mar e várias ruas, como a Dom João III e Pêro Lopes. A arquitetura urbana que predomina no Centro foi a que predominou desde o período colonial até o final do século XIX, mostrando-se com casas construídas sobre o alinhamento das vias publicas e as paredes laterais, sobre os limites do terreno.[89] No Museu Municipal, onde está em exposição o segundo maior tubarão do mundo, que foi encontrado em águas pertencentes ao litoral de Cananéia e hoje encontra-se taxidermado;[90]

Esporte[editar | editar código-fonte]

Nas praias se destaca a prática de esportes aquáticos, como o surf, triatlo e a natação. Durante o ano são organizados diversos campeonatos esportivos com foco a essas modalidades esportivas, especialmente durante a alta temporada do litoral, destacando a importância do Campeonato de Surf, que faz parte de uma das etapas do campeonatu sul-brasileiro. Além destes, também há realizações de campeonatos de basquetebol, voleibol e peteca.[83] O Departamento Municipal de Esporte é o órgão que planeja o setor desportivo da cidade, tendo sede no Ginásio de Esportes Mario Covas.[91]

O futebol da cidade ainda é considerado amador, em comparação a muitas cidades brasileiras. A Prefeitura Municipal de Matinhos, juntamente com o Secretaria Municipal de Esporte, Educação e Cultura, realiza anualmente o Campeonato de Municipal de Futebol de Campo, dando oportunidade aos times e jogadores do município de mostrarem seu trabalho e suas técnicas. Este é um dos principais eventos desportivos do município, um dos mais populares e que atrai público razoável.[92]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Em Cananéia há três feriados municipais e oito feriados nacionais, além dos pontos facultativos. Os feriados municipais são: o dia de São João Batista, em 24 de junho; o dia do aniversário de emancipação política, em 12 de agosto; e o dia de Nossa Senhora dos Navegantes, em 15 de agosto.[93] De acordo com a lei federal n.º 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluída a Sexta-Feira Santa.[94] [95]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Nota ortográfica: Segundo as normas ortográficas vigentes da língua portuguesa, este topônimo deveria ser grafado como Cananeia.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais (1º de julho de 2008). Divisão Territorial do Brasil Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 11 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  2. a b Em Sampa. Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista. Visitado em 1° de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  4. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2011). Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2011 (PDF). Visitado em 9 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 01 de agosto de 2013.
  6. a b c d e f g h i Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2008). Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Visitado em 11 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  7. a b c Embrapa Monitoramento por Satélite. São Paulo. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  8. a b c d e Cananéia.Net. História de Cananéia. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  9. Revista ValeVer (1994). História de Cananéia Klimke.com. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  10. História de Cananéia. Cananéia e a historia de sua fundação. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  11. História de Cananéia. O Bacharel de Cananéia. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  12. a b c História de Cananéia. O Forte da Trincheira (Bicho). Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  13. a b c d e História de Cananéia. Século 20 (1900 a 1999). Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  14. Cananet. Ruas. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  15. a b História de Cananéia. Século 19 (1800 a 1899). Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  16. Pedro Hauck (2 de junho de 2009). Origens e evolução da Serra do Mar Alta Montanha. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  17. Florestal. Caracterização da Vegetação. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  18. Guia de Cananéia. Sobre a Ilha de Cananéia. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  19. Reporter Eco. Viagem de ecoturismo e educação ambiental em Cananéia, litoral sul paulista TV Cultura. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  20. Thales de A. B. e Souza; Gabriel Clemente; Felippe Moura; Fabrico Garcia; e Maurea Flynn (19 de julho de 2006). Mapeamento de manguezal em Cananéia, São Paulo - Brasil Instituto Oswaldo Cruz. Visitado em 14 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2012.
  21. World Map of the Köppen-Geiger climate classification. World Map of the Köppen-Geiger climate classification Institute for Veterinary Public Health. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  22. Portal Brasil (6 de janeiro de 2010). Clima. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  23. Biblioteca IBGE. Brasil - Climas. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  24. a b c Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Climatologia de Cananéia - SP Jornal do Tempo. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  25. Instituto Tecnológico SIMEPAR. Almanaque Climático. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  26. Tempo e Clima (29 de setembro de 2010). 1983: Muita chuva no estado de SP. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  27. Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas (CIIAGRO). Gráfico de Monitoramento Climatológico - Temperatura Mínima - Cananéia. Visitado em 12 de agosto de 2012.
  28. Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas (CIIAGRO). Gráfico de Monitoramento Climatológico - Temperatura Máxima - Cananéia. Visitado em 12 de agosto de 2012.
  29. Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Chuvas - Médias Diárias – 02/1966 Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  30. Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Chuvas - Médias Diárias – 03/1946 Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  31. Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Chuvas - Médias Diárias – 01/1963 Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  32. Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Chuvas - Médias Diárias – 01/1976 Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  33. Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Chuvas - Médias Diárias – 01/1963 Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  34. Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Chuvas - Médias Diárias – 03/1980 Agência Nacional de Águas (ANA). Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  35. Bioma Urbano (24 de julho de 2009). Árvores típicas da Mata Atlantica. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  36. Laboratório de Ecologia de Florestas Tropicais (20 de julho de 2011). Os ecossistemas de restinga. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  37. 360 Graus (24 de janeiro de 2006). Estudo lança novos olhares sobre os manguezais paulistas. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  38. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) (abril de 2002). Área de Proteção Ambiental Cananeia-Iguape-Peruíbe/SP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  39. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Área de Proteção Ambiental Ilha Comprida. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  40. Cananéia.Net. Ararapira - Um vilarejo abandonado. Visitado em 17 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012.
  41. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Censo 2010 - São Paulo. Visitado em 11 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  42. a b Cidades@ - IBGE (2010). Síntese das Informações. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  43. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas PNUD_IDH_2000
  44. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (2000). Índice de Desenvolvimento Humano - Municipal, 1991 e 2000 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  45. a b Cidades@ - IBGE. Indicadores sociais dos municípios brasileiros. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  46. Sistema IBGE de Recuperação Automática (Sidra) (2000). Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião. Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  47. Flávio Henrique M. Lima (8 de fevereiro de 2006). O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno JusVi. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  48. Terra (6 de outubro de 2008). Apuração 1º turno (Prefeitos). Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  49. DJI. Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  50. Terra (6 de outubro de 2008). Apuração 1º turno (Vereadores). Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  51. Câmara Municipal (8 de dezembro de 2003). Lei Orgânica. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  52. Migalhas (fevereiro de 2006). Fórum da comarca de Cananéia: "Dr. Joaquim Guedes Alconforado". Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  53. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (novembro de 2011). Consulta Quantitativo. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  54. Cidades@ - IBGE (2009). Estatísticas do Cadastro Central de Empresas. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  55. a b Cidades@ - IBGE (2010). Pecuária 2010. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  56. Cidades@ - IBGE (2010). Lavoura Temporária 2010. Visitado em 15 de janeiro de 2012.
  57. a b c d Prefeitura. Cananéia - Cidade Ilustre do Brasil. Visitado em 15 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012.
  58. Cidades@ - IBGE (2010). Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do Universo. Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  59. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  60. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  61. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  62. Presidência da República (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  63. Cidades@ - IBGE (2009). Serviços de Saúde 2009. Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  64. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (20 de abril de 2009). Ipeadata - Taxa de fecundidade. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  65. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (20 de abril de 2009). Ipeadata - Esperança de vida ao nascer. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  66. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (20 de abril de 2009). Ipeadata - Mortalidade infantil (por cada mil nascidos vivos). Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  67. a b Cidades@ - IBGE (2009). Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2009. Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  68. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (8 de julho de 2011). Professores do ensino fundamental residentes com ensino superior. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  69. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (8 de julho de 2011). Anos de estudo - média - pessoas 25 anos ou mais. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  70. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (8 de julho de 2011). Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) - Saúde. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  71. Elektro (17 de novembro de 2010). Elektro investe mais de R$ 23 milhões no litoral paulista e prepara estrutura especial para o verão. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  72. Jornal Hoje (22 de julho de 2011). Ilha do Cardoso é paraíso isolado na divisa do Paraná com São Paulo G1. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  73. Governo do Estado de São Paulo (4 de março de 2011). Confira o funcionamento dos serviços públicos estaduais nesse Carnaval. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  74. MBI. DDD 41 - Paraná. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  75. Correios. CEP de cidades brasileiras. Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  76. B2B Magazine (1º de dezembro de 2011). Última etapa do ano leva portabilidade a 60 milhões de usuários. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  77. Cidades@ - IBGE (2010). Frota 2010. Visitado em 16 de janeiro de 2012.
  78. a b Governo do Estado de São Paulo. Como Chegar - Cananéia. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  79. Camilo Aparecido (21 de dezembro de 2010). Cidade no extremo Sul de SP recebe cerca de 30 mil turistas no verão. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  80. Google Maps, acesso em 16 de janeiro de 2012
  81. Prefeitura. Departamento Municipal de Cultura. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  82. Governo do Estado de São Paulo. Estâncias. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  83. a b c Guia de Cananéia. Datas especiais. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  84. O Melhor do Vale do Ribeira (31 de dezembro de 2011). Verão 2012 Cananéia. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  85. Julio Silva (10 de junho de 2011). Cananéia se prepara a Festa do Mar 2011 Diário de Iguape. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  86. Biblioteca Virtual de São Paulo. Cananéia, Ilha do Cardoso e Iguape. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  87. Viagens Maneiras. Ilha do Cardoso (SP). Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  88. Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Centro Histórico de Cananéia. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  89. História de Cananéia. Arquitetura. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  90. Cananéia.Net. O 2º Maior Tubarão do Mundo. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  91. Prefeitura. Departamento Municipal de Esporte. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  92. Bárbara de Aquino (21 de dezembro de 2009). Cananéia encerra Campeonato Municipal de Futebol de Campo Diário de Iguape. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  93. Bueno e Constanze. Feriados municipais. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  94. Sérgio Ferreira Pantaleão. Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual Guia Trabalhista. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.
  95. Presidência da República. Lei n.º 9.093, de 12 de setembro de 1995. Visitado em 16 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368 p.
  • BUENO, Eduardo. Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadores. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999. 288 p. il. ISBN 8573022523
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • Luz Soriano, Simão José da. Historia da Guerra Civil e do estabelecimento do governo parlamentar em Portugal, comprehendendo a historia diplomatica, militar e política d'este reino desde 1777 até 1834. Lisboa, Impr. Nacional, vol IV, 1870 p. 497.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.
  • YOUNG, Ernesto G. Subsídios para a História de Iguape e seus Fundadores. Revista do IHGSP, vol VII, São Paulo, 1902 pp. 286–298.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Categoria no Commons
Mapas