Maracatu Nação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maracatu

Maracatu é uma manifestação cultural da música folclórica pernambucana afro-brasileira. É formada por uma percussão que acompanha um cortejo real. Como a maioria das manifestações populares do Brasil, é uma mistura das culturas indígena, africana e europeia. Surgiu Os maracatus mais antigos do Carnaval do Recife, também conhecidos como Maracatu de Baque Virado ou Maracatu Nação,[1] nasceram da tradição do Rei do Congo. A notícia mais remota conhecida sobre a instituição do Rei do Congo, em Pernambuco, data de 1711, em Olinda,[2] e fala de uma instituição que compreendia um setor administrativo e outra, festivo, com teatro, música e dança. A parte falada foi sendo eliminada lentamente, resultando em música e dança próprias para homenagear a coroação do rei Congo.

O livro de César Guerra-Peixe chamado "Maracatus do Recife" publicado em 1955 diz que "A mais antiga notícia certa do nosso conhecimento é a do padre Lino do Monte Carmelo Luna, que aponta o maracatu em 1867, segundo uma transcrição de René Ribeiro".[3]

Antes disso, não há publicações conhecidas acerca do maracatu em si, apenas registros sobre as Coroações dos Reis Congo, cuja referência mais antiga data de 1674.

Parece que a palavra "maracatu" primeiro designou um instrumento de percussão e, só depois, a dança realizada ao som desse instrumento. Os cronistas portugueses chamavam aos "infiéis" de "nação", nome que acabou sendo assumido pelo colonizado. Os próprios negros passaram a autodenominar de "nações" seus agrupamentos tribais e seus antepassados: nos seus estandartes, escrevem CCMM (Clube Carnavalesco Misto Maracatu).

Mário de Andrade, no capítulo Maracatu de seu livro "Danças Dramáticas do Brasil II", elenca diversas possibilidades de origem da palavra "maracatu", entre elas uma provável origem americana: maracá = "instrumento ameríndio de percussão"; catu = "bom, bonito" em tupi; marã = guerra, confusão; marãcàtú e, depois, maràcàtú, valendo como "guerra bonita", isto é, reunindo o sentido festivo e o sentido guerreiro no mesmo termo. Mário de Andrade, no mesmo texto, deixa claro que enumerava os vários significados da palavra "sem a mínima pretensão a ter resolvido o problema. Simples divagação etimológica pros sabedores... divagarem mais."

No entanto, sua origem e história não é certa, pois alguns autores ressaltam que o maracatu nasceu nos terreiros de candomblé, quando os escravos reconstituíam a coroação do reis do Congo. Com o advento da abolição da escravatura (1888), este ritual ganhou as ruas, tornando-se um folguedo carnavalesco e folclórico.

Constituição[editar | editar código-fonte]

Do Maracatu Nação, participam entre 30 e 50 figuras. Entre elas, estão o porta-estandarte, trajado à Luís XV (como nos clubes de frevo), que conduz o estandarte. Atrás, vêm as "damas do paço", no máximo duas, e que carregam as calungas, que são bonecas de origem religiosa, que simbolizam uma rainha morta. A dança executada com as calungas tem caráter religioso e é obrigatória na porta das igrejas, representando um "agrado" a Nossa Senhora do Rosário e a São Benedito. Quando o maracatu visita um terreiro, homenageia os orixás.

Depois das damas do paço, segue a corte: duque e duquesa, príncipe e princesa, um embaixador (nos maracatus mais pobres, o porta-estandarte vale como embaixador).

A corte abre alas para o rei e a rainha, que trazem coroas douradas e vestem mantos de veludo bordados e enfeitados com arminho. Nas mãos, trazem pequenas espadas e cetros reais. O rei é coberto por um grande pálio encimado por uma esfera ou uma lua, transportado pelo escravo que o gira entre suas mãos, lembrando o movimento da terra. O uso deste tipo de guarda-sol é costume árabe, ainda hoje presente em certas regiões africanas.

Alguns maracatus incluem, nesse trecho do cortejo, também meninos lanceiros e a figura do "caboclo de pena", que representa o indígena brasileiro e que tem coreografia complicadíssima.

A orquestra do Maracatu Nação é composta apenas por instrumentos de percussão: vários tambores grandes (alfaias), caixas e taróis, ganzás e um gonguê (metalofone de uma ou duas campânulas, percutidas por uma vareta de metal). Hoje em dia, se usam os agbes ou xequerês (instrumento confeccionado com uma cabaça e uma saia de contas). O Mestre de Toadas "puxa" os cantos, e o coro responde. As baianas têm a responsabilidade de cantar; outras vezes, são os caboclos, mas todos os dançarinos também podem participar.

Este maracatu mais tradicional é chamado de Baque Virado porque este termo é sinônimo de um dos "toques" característicos do cortejo.

Os Maracatus de Baque Virado sempre começam em ritmo compassado, que depois se acelera, embora jamais alcance um andamento muito rápido. Antes de se ouvir a corneta ou o clarim, que precedem o estandarte da Nação, é a zoada do "baque" que anuncia, ao longe, a chegada do Maracatu.

O maracatu se distingue das outras danças dramáticas e das danças negras em geral pela sua coreografia. Há uma presença forte de uma origem mística na maneira com que se dança o Maracatu, que lembra as danças do Candomblé. Balizas e Caboclos dançam todo o cortejo. Baianas e Damas do Paço têm coreografias especiais. Todos os outros se movimentam mais discretamente.

Caboclos e Guias fazem muitas acrobacias, que parecem com os passos dos frevos de carnavalescos. Mário de Andrade descreve a dança das yabás (baianas):

Cquote1.svg Embebedadas pela percussão, dançam lentas, molengas, bamboleando levemente os quartos, num passinho curto, quase inexistente, sem nenhuma figuração dos pés. Os braços, as mãos é que se movem mais, ao contorcer preguiçoso do torso. Vão se erguendo, se abrem, sem nunca se estirarem completamente no ombro, no cotovelo, no pulso, aproveitando as articulações com delícia, para ondularem sempre. Às vezes, o torso parece perder o equilíbrio e lentamente vai se inclinando para uma banda, e o braço desse lado se abaixa sempre também, acrescentando com equilíbrio o seu valor de peso, ao passo que o outro se ergue e peneira no ar numa circulação contínua e vagarenta... Cquote2.svg

Cortejo[editar | editar código-fonte]

Os cortejos de maracatu são uma tentativa de refletir as antigas cortes africanas, que ao serem conquistados e vendidos como escravos trouxeram suas raízes e mantiveram seus títulos de nobreza, para o Brasil.

O cortejo é composto por uma bandeira ou estandarte abrindo as alas. Logo atrás, segue a dama de paço, que carrega a mística calunga, representando todas as entidades espirituais do grupo.

Atrás dela, seguem as baianas e, pouco depois, a corte e o rei e a rainha dos maracatus. Os titulos de rei e rainha são passados de forma hereditária. Essa ala representa a nobreza da Nação.

De cada lado seguem as escravas ou catirinas, normalmente jovens, que usam vestimentas de chitão.

Mantendo o ritmo do desfile, seguem os batuqueiros. Os instrumentos são diversos: alfaias, que são tambores, caixas ou taróis, ganzás e ABs, esses conduzidos por mulheres que vão à frente desse grupo e que fazem, do seu toque, um show a parte.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Bloco de maracatu em Olinda.

As personagens que compõem o cortejo são os seguintes:

  1. Porta-estandarte, que leva o estandarte; este contém, basicamente, o nome da agremiação, uma figura que o represente e o ano que foi criada.
  2. Dama do paço, mulher que leva, em uma das mãos, a calunga (boneca de madeira, ricamente vestida, que simboliza uma entidade ou rainha já morta).
  3. Rei e rainha, as figuras mais importantes do cortejo. É por sua coroação que tudo é feito.
  4. Vassalo, um escravo que leva o pálio (guarda-sol que protege os reis).
  5. Figuras da corte: príncipes, ministros, embaixadores etc.
  6. Damas da corte, senhoras ricas que não possuem título nobiliárquicos.
  7. Yabás, mais conhecidas como baianas, que são escravas.
  8. Batuqueiros, que animam o cortejo, tocando vários instrumentos, como caixas de guerra, alfaias (tambores), gonguê, xequerês, maracás etc.

Nações e Grupos de Pernambuco[editar | editar código-fonte]

Nações de Maracatu de Baque Virado[editar | editar código-fonte]

  • Nação do Maracatu de Baque virado Cambinda African
  • Nação do Maracatu de Baque virado Almirante do Forte
  • Nação do Maracatu de Baque virado Aurora Africana
  • Nação do Maracatu de Baque virado Axé da Lua
  • Nação do Maracatu de Baque virado Nação de Luanda
  • Nação do Maracatu de Baque virado Elefante [Fundado em 1800]
  • Nação do Maracatu de Baque virado Encanto da Alegria
  • Nação do Maracatu de Baque virado Encanto do Dendê
  • Nação do Maracatu de Baque virado Erê
  • Nação do Maracatu de Baque virado Estrela de Olinda
  • Nação do Maracatu de Baque virado Gato Preto
  • Nação do Maracatu de Baque virado Leão da Campina
  • Nação do Maracatu de Baque virado Leão de Judá
  • Nação do Maracatu de Baque virado Linda Flor
  • Nação do Maracatu de Baque virado Oxum Mirim
  • Nação do Maracatu de Baque virado Raízes de Pai Adão
  • Nação do Maracatu de Baque virado Sol Nascente
  • Nação do Maracatu de Baque virado Cambinda Estrela
  • Nação do Maracatu de Baque virado Engenho
  • Nação do Maracatu de Baque virado Encanto do Pina
  • Nação do Maracatu de Baque virado Estrela Brilhante de Igarassu [Fundado em 1824](Igarassu - PE)
  • Nação do Maracatu de Baque virado Estrela Brilhante do Recife [Fundado em 16/07/1906] (Recife - PE)
  • Maracatu Baque virado Nação Salgueirense [Fundado em 10/01/2010] (Salgueiro-PE)
  • Nação do Maracatu de Baque virado Estrela Dalva
  • Nação do Maracatu de Baque virado Leão Coroado [Fundado em 1863]
  • Nação do Maracatu de Baque virado Porto Rico
  • Nação Matingueiros (único do sertão pernambucano - Petrolina)
  • Nação do Maracatu de Baque virado Cambinda Velha
  • Maracatu de Baque Virado Nação Camaleão (Olinda-1990)

Grupos de Percussão de Maracatu de Baque Virado[editar | editar código-fonte]

  • Grupo Yalu
  • Baque Opará (Petrolina - PE)
  • Instituto Famiguê ( Montes Claros- MG)
  • Grupo de Percussão Maracatu Quebra Baque
  • Corpos Percussivos
  • Várzea do Capibaribe
  • Tambores Dumundo (Recife-Pe)
  • Grupo Folclórico Elizabete Freire(Sertânia- PE)
  • Grupo Cultural Baque das Ondas(Recife-PE)
  • Traga a Vasilha(Recife -PE)
  • Baque Forte (Recife - PE)
  • Baque Nambuco (Recife - PE)
  • Toque na Rua (Recife - PE)
  • Baque de Bamba (Toronto -ON)
  • Maracambuco
  • Maracatu Nação Luar do Sertão (Custódia-PE)
  • Maracatu Nação Peixinhos
  • Batuque Estrelado
  • Maracatu A Cabralada
  • Maracatu Amantes da Mão
  • Maracatu Badia
  • Maracatu Caldeirão de Pedra
  • Maracatu Chuva de Prata
  • Maracatu Flor do Cajueiro
  • Maracatu Jundiaí
  • Maracatu MarAberto (Toronto -ON)
  • Nação Pernambuco
  • Maracatu Vila Nova
  • Maracatu Tambores Dumundo (Recife-PE)
  • Nação de Oxalá (Recife - PE)
  • Batuque na Praça (Recife - PE)
  • Nação Mandú (Recife -PE)
  • Tamaracá (Paris -FR)
  • Toque da Foice
  • Batuque Usina

Grupos pelo Brasil[editar | editar código-fonte]

  • Grupo Percussivo Macaia (Belo Horizonte - MG)
  • Arrasta Ilha (Florianópolis - SC)
  • Morro do ouro (Joinville - SC)
  • Baque da Mata ( Nova Iguaçu - RJ)
  • Baque de Santa (Santa Bárbara d'Oeste - SP)
  • Baque do Vale (Taubaté - SP)
  • Batuquenauá (Cuiabá- MT)
  • Bloco de Pedra (São Paulo - SP)
  • Boizinho Faceiro (Curitiba - PR)
  • Coletivo AfroCaeté ( Maceió - AL)
  • Coro de Carcarás (São Paulo - SP)
  • Capivara (Blumenau - SC)
  • Cia Caracaxá(São Paulo - SP)
  • Estrela do Sul (Curitiba - PR)
  • GEBAv (Rio de Janeiro - RJ)
  • Tambores de Olokun (Rio de Janeiro - RJ)
  • Grupo LATA (Londrina - PR)
  • Grupo Semente de Angola (Londrina - PR)
  • Grupo Famiguê ( Montes Claros - MG)
  • Jaé (Itajaí - SC)
  • Malungos do Baque (Bragança Paulista - SP)
  • Maracaeté (Curitiba - PR)
  • Maracatu Baque Alagoano] (Maceió - AL)
  • Maracatu Aroeira (Curitiba - PR)
  • Maracatu Boigy (Mogi das Cruzes - SP)
  • Maracatu Eco da Sapopema (Manaus - AM)
  • Maracatu Ilê Aláfia(São Paulo - SP)
  • Maracatu Itá (Curitiba-PR)
  • Maracatu Lua Nova (Belo Horizonte - MG)
  • Maracatu Muiraquitã (Alfenas - MG)
  • Maracatu Pincesa do Litoral (Iguape - SP)
  • Maracatu Rei do Congo (Fortaleza - CE)
  • Maracatu Semente De Angola (Londrina-PR)
  • Ingazeiro(Maringá - PR)
  • Maracatu Solar(Fortaleza - CE)
  • Maracatu Truvão (Porto Alegre - RS)
  • Maracatucá(Campinas - SP)
  • Maracutaia (Rio de Janeiro - RJ)
  • Maratuque Upaon-Açu (percussão) (São Luís -MA)
  • Mucambo (percussão) (São João del Rei - MG)
  • Nação Acasa (Salvador - BA)
  • Nação Amaranto (Divinópolis - MG)
  • Nação Fortaleza (Fortaleza - CE)
  • Nação Iracema (Fortaleza - CE)
  • Nação Maracahyba (João Pessoa - PB)
  • Nação Tainã (Campinas - SP)
  • Nobre Real (São Paulo - SP)
  • Palmeira Imperial (Paraty - RJ)
  • Pé da Amendoeira (Rio de Janeiro - RJ)
  • Pe de Elefante (Joao Pessoa - PB)
  • Porto de Luanda(São Paulo - SP)
  • Quiloa(Santos - SP)
  • Rede de Arrasto (João Pessoa - PB)
  • Reis de Paus (Fortaleza - CE)
  • Rio Maracatu (Rio de Janeiro - RJ)
  • Rochedo de Ouro(São Carlos -SP)
  • Sem Pantim (Santos SP)
  • Semente de Jurema (Niterói - RJ)
  • Siri Goia (Florianópolis - SC)
  • Tambores Vento Bom (Campo Grande - MS)
  • Tamboritá (Palhoça - SC)
  • Treme Terra (Bombinhas - SC)
  • Trovão das Minas (Belo Horizonte - MG)
  • Voa-Voa Maracatu Brincante (Curitiba - PR)
  • Vozes D'africa (Fortaleza - CE)
  • Grupo de Cultura Popular O Bloco (Viçosa - MG)
  • Maracatu Pedra de Raio ( São José do Rio Preto - SP)
  • Coletivo Baobá (Mariana - MG)
  • Maracatu Chapéu de Sol (Ribeirão Preto - SP)
  • Bando Cumatê (Salvador - BA) [www.bandocumate.blogspot.com]
  • Tambores de Inkice (Jundiaí - SP)
  • Maracatu Navegante (Ribeirão Preto - SP)
  • Baque da Mata (Nova Iguaçu - RJ)
  • Bombos de Iroko (Belo Horizonte - MG)
  • Baque de Mina (Belo Horizonte - MG)
  • Buriti Nagô (Cuiabá - MT)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. História e Memória dos Maracatus Nação de Pernambuco
  2. Cezar Guerra Peixe, 1955, p 13
  3. René Ribeiro (1952, p. 29)
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Maracatu Nação

Ligações externas[editar | editar código-fonte]