Rap no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O rap é um estilo de música popular no Brasil em favelas e periferias, principalmente nos estados de São Paulo, Distrito Federal, Goiás, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

A Praça Roosevelt, localizada em São Paulo abrigou os primeiros rappers do país.

Surgimento e década de 1980[editar | editar código-fonte]

Antes mesmo do rap chegar ao Brasil, algumas canções no estilo já tinham sido lançadas. Como possíveis primeiras canções estão "Deixa Isso Pra Lá" (1964) de Jair Rodrigues[1] , "Melô do Tagarela" (1979) de Arnaud Rodrigues e Luís Carlos Miele (paródia de Rapper's Delight de Sugarhill Gang)[2] , "Mandamentos Black" (1977)[3] e Mêlo do Mão Branca" (1984) de Gerson King Combo[4] . Outros como Rappin Hood, apontam que os repentistas nordestinos seriam os precursores do estilo no país[5] .

O rap chegou ao Brasil no final dos anos 1980, com grupos de periferia que se reuniam na estação São Bento do metrô de São Paulo, lugar onde o movimento punk começava a surgir. Nesta época, as pessoas não aceitavam o rap, pois consideravam este estilo musical como sendo algo violento e tipicamente de periferia.[6] Os primeiros a frequentarem o local foram os dançarinos de breakdance, o principal tipo de dança hip hop.[7]

O dançarino Nelson Triunfo é considerado um dos primeiros dançarinos de breakdance do país[8] . Dentre estes b-boys, muitos acabaram decidindo serem rappers, como são chamados os cantores de rap. Apelidados de "tagarelas", tiveram que se mover para a Praça Roosevelt porque houve uma divisão de grupos para cada um continuar difundindo um pilar da cultura hip hop em cada lugar.[9] Pouco tempo depois, os rappers tornaram-se os principais representantes do movimento no Brasil.

Foi de colaboração essencial para o desenvolvimento do rap no país a apresentação do popular grupo americano Public Enemy, em 1984. Através dele foi apresentado o rap a um número grande de pessoas e começou a se difundir rapidamente entre a periferia dos grandes bairros.[10] Em 1977, foi lançada "Kátia Flávia" pelo cantor e ator carioca Fausto Fawcett, considerado o primeiro rap do respectivo estado.[11] O primeiro álbum exclusivo de rap brasileiro que se tem notícia é Hip-Hop Cultura de Rua, lançado em 1988 pela gravadora Eldorado e produzida por Nasi e André Jung, ambos integrantes do grupo de rock Ira!.[12] Nele foram apresentados artistas como Thaíde e DJ Hum, MC Jack e Código 13. O destaque ficou por conta de Thaíde, que interpretou os clássicos versos: "Meu nome é Thaíde /Meu corpo é fechado e não aceita revide". As bases do disco eram baseadas em funks americanos e acompanhadas espontaneamente de scratches feitos pelos equipamentos de DJs.[7]

No mesmo ano, a segunda coletânea foi lançada e projetou um dos maiores grupos da história do rap brasileiro, os Racionais MC's. Consciência Black, Vol. I, reuniu oito faixas, dentre elas "Tempos Difíceis" e "Racistas Otários" dos Racionais.[7] Formado por Mano Brown, Edy Rock, Ice Blue e KL Jay, o grupo apresentou para a mídia um rap voltado mais para a desigualdade na periferia e as injustiças sociais com a raça e cor dos membros.[13] Outras compilações da década de 80 foram Ousadia do Rap, de Kaskata's Records, O Som das Ruas, de Chic Show, Situation RAP de FAT Records.[14] A maioria destas gravadoras surgiram de pessoas que organizavam bailes blacks nos anos passados.[15]

Com a mudança na política da capital paulista, foi criada em agosto de 1989 a MH2O, abreviatura de Movimento Organizado de Hip Hop no Brasil, que posteriormente se tornaria uma organização não-governamental e estando presente em quatro das cinco regiões do país.[16] Este movimento organizou a cultura hip hop, dividindo em seus principais pilares e organizando as primeiras oficinas culturais.[17] A M2HO pode ser considerada como a responsável pelo novo tema abordado nos raps, que antes eram feitos com base em piadas e histórias quaisquer.[18]

1990-2000[editar | editar código-fonte]

Mano Brown, de Racionais MC's banda que fez importante sucesso na década dos 90.

Em 1990, os Racionais MC's lançaram o seu trabalho de estreia, intitulado Holocausto Urbano, através da gravadora Zimbabwe Records.[19] Foi lançado em formato de LP e contava - além das duas músicas da coletânea anterior - com "Pânico na Zona Sul", "Hey Boy", "Beco sem Saída" e "Mulheres Vulgares".[20] Racionais ainda lançou Escolha seu Caminho em 1992 e Raio X Brasil, em 1993. Este último foi considerado o marco da propagação do rap na música brasileira, fazendo os Racionais atrairem mais de 10 mil pessoas por show.[7] Tal fato fez o grupo abrir um espetáculo do norte-americano Public Enemy.[21] As músicas "Fim de Semana no Parque" e "Homem na Estrada", contidas em Raio X Brasil foram as primeiras de rap "alternativo" a serem executadas na rádio.[7] No ano seguinte, uma coletânea chamada Racionais MC's foi lançada pela RDS Fonográfica reunindo as faixas dos três álbuns anteriores.[22]

Em 1993, no Rio de Janeiro, MV Bill participou da coletânea Tiro Inicial, que foi crucial para que seguisse na carreira de rapper.[14] Mas seu primeiro álbum, Traficando Informação, só viria em 1999. Com esse álbum, MV Bill recebeu o Prêmio Hutúz de 2000, na categoria álbum do ano.[23]

Também no Rio de Janeiro e em 1993, surgiu o Planet Hemp, liderado por Marcelo D2 com uma espécie de rapcore, misturando elementos do rap com reggae e rock. Seu primeiro álbum, intitulado Usuário, recebeu disco de ouro por 140 mil cópias vendidas.[24] A sua temática foi bastante reprendida pelas autoridades da época, que censuraram o videoclipe de "Legalize Já", uma clara apologia ao uso da maconha.[25] O entorpecente era tema recorrente nas letras do Planet Hemp, que possuía uma postura totalmente favorável à sua legalização e uso, começando pelo próprio nome do grupo.[24]

Nessa mesma época, surgia Gabriel o Pensador com a demo "Tô Feliz (Matei o Presidente)", que foi censurada cinco dias após o lançamento.[26] Apesar disso, logo depois o rapper assinou com a Sony Music e lançou o seu primeiro álbum homônimo, que alcançou grande sucesso no mainstream com músicas como "Lôrabúrra", "Retrato de um Playboy" e "175 Nada Especial",[27] sendo que a última possuía um videoclipe vinculado na televisão com a participação de diversas personalidades, como o jogador de futebol Ronaldo.[28]

Ainda naquele ano em São Paulo, o Facção Central, principal nome do gangsta rap brasileiro, lançou o álbum de estréia Família Facção seguido por Juventude de Atitude, de 1995. Com uma temática muito mais pesada que a da maioria dos grupos de rap da cena paulista, o Facção Central trata na totalidade de sua discografia sobre a violência, crime, pobreza e repressão policial nas favelas de São Paulo.[29] O álbum Versos Sangrentos de 1999, foi um dos mais polêmicos. As composições fortes de Eduardo combinadas com o videoclipe de "Isso aqui é uma Guerra" vinculado na MTV, tiveram suas gravações confiscadas pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado, tendo sua exibição proibida pelo Ministério Público, que abriu um processo contra os integrantes.[30] O assessor de Direitos Humanos do Ministério Público de São Paulo, Carlos Cardoso, por sua vez declarou: "O grupo prega uma luta de classes primitiva. O casamento da letra com as imagens resulta num filme de horror absurdo."[30] Este fato acabou trazendo ainda mais popularidade para o grupo e sua temática principal, que hoje é considerado um dos maiores nomes do rap nacional.[29]

Além desses casos, o rap já foi centro de diversas outras polêmicas por causa de composições, como em 1992, em que o grupo de rapcore Pavilhão 9 causou controvérsia com o lançamento do álbum de estreia Primeiro Ato. Uma música intitulada "Otários Fardados" fez com que os integrantes fossem alvo de ameaças telefônicas anônimas.[31]

O Realidade Cruel do interior paulista, é outro nome importante da cena do hip hop de São Paulo, seu primeiro álbum Só Sangue Bom foi lançado em 1999, com uma temática agressiva, semelhante ao Facção Central.[32] Diversos outros grupos paulistas de grande importância para o rap nacional surgiram na década de 1990, entre eles Face da Morte,[33] Detentos do Rap[34] e Sistema Negro.[35]

Nessa década também emergiu a cena hip hop na Região Metropolitana de Brasília, destaque para as bandas com o selo da Gravadora Discovery:[36] Cirurgia Moral,[37] Câmbio Negro,[38] [39] Código Penal,[40] entre outras.[36]

Em 1997, os Racionais MC's lançaram o álbum Sobrevivendo no Inferno, considerado a obra definitiva da banda com os seus maiores sucessos contidos, foi eleito pela Rolling Stone como o décimo quarto melhor disco brasileiro de todos os tempos[41] e vendeu mais de 1,500,000 cópias,[42] sendo 200 mil apenas no mês de lançamento.[43] Hits como "Capítulo 4, Versículo 3" e "Diário de um Detento", apareceram na MTV com apresentação ao vivo no VMB e videoclipe vinculado na programação, respectivamente.[44] [45]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Em 2002 o rapper Sabotage proveniente da Zona Sul de São Paulo lançou seu álbum de estreia Rap é Compromisso pela gravadora Cosa Nostra. Sua carreira promissora chegaria ao fim já em janeiro de 2003, quando ele foi assassinado.[46]

Em 2003 Marcelo D2 lança seu segundo álbum A Procura da Batida Perfeita, que rapidamente tornou-se um sucesso entre o grande público e o levou a fazer versões acústicas de suas músicas para a MTV.[47]

Em 2007 emergiu no Rio de Janeiro o ConeCrewDiretoria com a mixtape Ataque Lírico. Com uma temática semelhante ao Planet Hemp, posteriormente o grupo gozaria de sucesso significativo no final da década, mostrando-se um dos grupos mais conhecidos da cena carioca no período,[48] título que divide com o Oriente.

Era atual. Auge da cena paulista[editar | editar código-fonte]

Emicida e mais outros MC's da cena paulista como Projota ou Rashid contribuíram a renovar o hip hop brasileiro, com estilos diferentes e batidas novedosas.

Artistas consolidados e respeitados como Racionais MC's, MV Bill, GOG seguem nesta época sua carreira artística. Por outra parte, o carioca Marcelo D2, com sua mistura de hip hop e samba, conseguiu relevância internacional, atuando em vários países da Europa, nos Estados Unidos e sendo entrevistado pelo jornal espanhol El País.

Nos anos finais da década dos anos 2000, apareceu uma nova cena paulista que contribuiu para renovar o hip hop brasileiro em todos os âmbitos. Com estilo ágil e letras mais variadas (não só sobre crime e condições de vida em subúrbios e favelas) mas mantendo o espírito underground e a consciência social, artistas vinculados a "Laboratório Fantasma" como o Emicida, Rashid, Projota, Criolo Doido ou Kamau são os nomes mais destacados desta nova geração paulista. Alguns desses artistas, como o Emicida, começaram sua carreira artística nas batalhas de MC's. A participação do Emicida no programa de Jo Soares evidenciou o fato do rap brasileiro ter ganhado um importante espaço na mídia e na sociedade brasileira, presente diversas vezes na lista trending topic mundial no Twitter.

Estilos[editar | editar código-fonte]

No Brasil existem diversos estilos derivados do rap. Os que abordam temática mais relacionada com a periferia e o modo de vida, o sistema, a polícia, e os mais populares são Racionais MC's, MV Bill, e GOG.[49] Facção Central faz parte de uma vertente mais contundente, também chamada de gangsta rap e é, junto com os grupos acima, um dos mais populares. Outras bandas do mesmo estilo são Consciência Humana, Sistema Negro, Face da Morte, Realidade Cruel e Cirurgia Moral.[49] Todos rappers e todas as bandas, com raras exceções, tem pouco espaço considerável na mídia brasileira, com algumas exceções como MV Bill, Projota, Emicida e mais recentemente Racionais MC's. [50]

Há também o rap popular, cantando por músicos cariocas em sua maioria, com exemplos de Marcelo D2 e Gabriel, O Pensador, em raps que abordam temas diferentes.

Lista de rappers[editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

O Prêmio Hutúz foi a principal premiação do rap brasileiro, ocorrida entre 2000 e 2009 e organizada pela Central Única das Favelas (CUFA).

Referências

  1. Aroldo Macedo, Oswaldo Faustino, Jair Rodrigues. A cor do sucesso: sete razões de orgulho para a comunidade afro-brasileira. [S.l.]: Editora Gente. 9788573122671
  2. Luciano Marsiglia. Rock Brasileiro 1976 - 1977 - O movimento Black Rio: Desarmado e perigoso Super Interessante.
  3. Silvio Essinger. Batidão: uma história do funk. [S.l.]: Editora Record, 2005. 39 pp. 9788501071651
  4. Silvio Essinger (31/07/2000). Gerson King Combo volta ao disco CliqueMusic.
  5. Tárik de Souza. Tem mais samba: das raízes à eletrônica. [S.l.]: Editora 34, 2003. 309 pp. 9788573262872
  6. RAP- história do Rap, grupos de Rap e movimento Rap www.suapesquisa.com. Visitado em 6 de Janeiro de 2010.
  7. a b c d e História do Rap Brasileiro www.dancaderuabrasil.co.cc. Visitado em 2010-10-25.
  8. Paulo Sérgio do Carmo. Culturas da rebeldia: a juventude em questão. [S.l.]: Editora Senac. 185 pp.
  9. Simpósio Internacional do Adolescente - O rap brasileiro e os Racionais MC's www.proceedings.scielo.br. Visitado em 2010-10-25.
  10. Portal SESCSP www.sescsp.org.br. Visitado em 2010-10-25.
  11. Guia da Folha Online - Shows - Fausto Fawcett interpreta "Kátia Flávia" no Berlin - 27/05/2010 guia.folha.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  12. Cliquemusic : Disco : HIP-HOP - CULTURA DE RUA cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  13. Historia do Rap e o movimento Hip Hop pt.shvoong.com. Visitado em 6 de Janeiro de 2010.
  14. a b História do Hip Hop no Brasil. Como tudo deu início… blacksound.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  15. Pimentel, p. 16
  16. Historia do Rap e o movimento Hip Hop pt.shvoong.com. Visitado em 2010-10-25.
  17. Movimento Hip Hop > História www.movimentohiphop1.hpg.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  18. Simpósio Internacional do Adolescente - O rap brasileiro e os Racionais MC's www.proceedings.scielo.br. Visitado em 2010-10-25.
  19. Cliquemusic : Disco : HOLOCAUSTO URBANO cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  20. Da terra da garoa ao holocausto urbano. Fazeres musicais e representações sociais sobre a cidade no rap paulistano. www.pontourbe.net. Visitado em 2010-10-25.
  21. Dj Kl Jay – Racionais MCs www.rapnacional.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  22. Cliquemusic : Disco : RACIONAIS MC'S cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 2010-10-25.
  23. Cliquemusic : Matéria : Prêmio Hutus festeja os melhores do rap cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 24 de junho de 2012.
  24. a b Planet Hemp cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 24 de junho de 2012.
  25. Um tapinha dói ou não dói? A Censura na Música após a Constituição de 88 – Limites à Liberdade de Expressão Musical direitosfundamentais.net. Visitado em 24 de junho de 2012.
  26. Gabriel O Pensador - Biografia Dicionário MPB. Visitado em 18 de dezembro de 2011.
  27. Gabriel o Pensador cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 20 de março de 2012.
  28. Ronaldo cobrador, Casão na pornochanchada e Pelé na guerra: boleiros vão às telas UOL (28 de fevereiro de 2011). Visitado em 20 de dezembro de 2011.
  29. a b Facção Central, 20 anos de amor e ódio centralhiphop.uol.com.br. Visitado em 26 de junho de 2012.
  30. a b [http://www.istoe.com.br/reportagens/30400_MAQUINA+DE+ESCANDALOS Máquina de escândalos: Em vez de chocar o público com as habituais declarações bombásticas, cantores e grupos pop agora usam clipe como veículo de polêmica] istoe.com.br. Visitado em 26 de junho de 2012.
  31. Polêmica com polícia fez Pavilhão 9 começar a usar máscaras terratv.terra.com.br. Visitado em 30 de junho de 2012.
  32. Realidade Cruel 20 anos de história, e o novo disco vai sair até o final do ano rapnacional.com.br/. Visitado em 2 de julho de 2012.
  33. Aliado G (Integrante do grupo Face da Morte/SP e presidente da Nação Hip-Hop Brasil) cidadehiphop.com.br. Visitado em 2 de julho de 2012.
  34. Uptodate: Detentos do Rap www2.uol.com.br/uptodateacessodata=2 de julho de 2012.
  35. Emoção marca enterro do rapper Xandão, vocalista do Sistema Negro centraldorap.com (7 de abril de 2008). Visitado em 2 de julho de 2012.
  36. a b A história da Discovery se confunde com a história do rap nacional rapnacional.com.br (2 de agosto de 2010). Visitado em 02 de julho de 2012.
  37. Rei – Cirurgia Moral rapnacional.com.br (Março de 2007). Visitado em 02 de julho de 2012.
  38. Câmbio Negro e os 17 anos de Sub-Raça culturahiphop.uol.com.br (01 de janeiro de 2010). Visitado em 02 de julho de 2012.
  39. Por onde anda: X (Câmbio Negro) centralhiphop.uol.com.br (Março de 2009). Visitado em 02 de julho de 2012.
  40. Código Penal na área, véi! - Cultura Hip Hop culturahiphop.uol.com.br. Visitado em 02 de julho de 2012.
  41. Os 100 maiores discos da Música Brasileira - Revista Rolling Stone, Outubro de 2007, edição nº 13, página 115
  42. Mano Brown: Eminência Parda rollingstone.com.br (Dezembro de 2009). Visitado em 02 de junho de 2012.
  43. 'Sobrevivendo no inferno', dos Racionais MC's, completa dez anos g1.globo.com (5 de maio de 2007). Visitado em 02 de junho de 2012.
  44. Show Racionais MC's - 'Capítulo 4, Versículo 3' VMB 1998 mtv.uol.com.br/videos (1998). Visitado em 02 de junho de 2012.
  45. Videoclipe de "Diário de um Detento" dailymotion.com (1998). Visitado em 02 de junho de 2012.
  46. http://hiphopfrathouse.com/2013/03/22/sabotage-the-brazilian-tupac/
  47. http://www.nytimes.com/2011/07/22/arts/music/marcello-d2-brings-eclectic-tastes-to-central-park.html?_r=0
  48. http://oglobo.globo.com/cultura/conheca-conecrew-diretoria-considerado-planet-hemp-da-nova-geracao-2761585
  49. a b CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA – UNIFAE 74.125.47.132. Visitado em 6 de Janeiro de 2010.
  50. OlharTV: Invente, tente, faça diferente:: NaTelinha natelinha.uol.com.br. Visitado em 6 de Janeiro de 2010.