Ira!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ira!
Informação geral
País  Brasil
Gênero(s) Rock and roll, pós-punk, new wave, punk rock, mod revival, power pop
Período em atividade 19812007
2014 – atualmente
Gravadora(s) Gravadoras abaixo
Afiliação(ões) Titãs, Ultraje a Rigor, RPM, Magazine, Violeta de Outono, Os Paralamas do Sucesso, Pitty, Samuel Rosa, Fernanda Takai, Gabriel O Pensador, Relespública, Voluntários da Pátria, Suburbio, Muzak
Influência(s) The Clash, The Who, The Jam, Beatles, Ramones, Sex Pistols, Led Zeppelin, Jimi Hendrix, Walter Franco, Erasmo Carlos, Roberto Carlos, Raul Seixas
Página oficial Site Oficial
Integrantes
Nasi
Edgard Scandurra
Daniel Scandurra
Johnny Boy
Evaristo Pádua
Ex-integrantes
Ricardo Gaspa
André Jung
Charles Gavin
Fábio Scatone
Victor Leite
Adilson Fajardo
Dino

Ira! é uma banda brasileira de rock and roll, formada em 1981, na cidade de São Paulo. A banda anunciou seu término em setembro de 2007[1] e retomou suas atividades no início de 2014.

História[editar | editar código-fonte]

Subúrbio[editar | editar código-fonte]

No final dos anos 70, no outono da ditadura militar, Edgard Scandurra, fascinado pelo punk rock e, em busca desse som, ia a shows na periferia da cidade, para trocar informações com o pessoal. Foi então que Edgard e seu amigo Dino Nascimento resolveram montar uma banda que tocasse punk, sem esquecer de Led Zeppelin e Jimi Hendrix. Nascia aí a banda Subúrbio. Hoje crítico musical, Régis Tadeu foi integrante da banda como baterista [2] . Nessa época, Edgard estudava no Colégio Brasílio Machado, onde volta e meia topava com um sujeito esquisito chamado Marcos Valadão Rodolfo, de apelido Nasi. Mesmo sem conhecê-lo, Edgard sentia simpatia pelo modo com que ele se vestia, e num desses encontros os dois acabaram se conhecendo, e ficando amigos.

Mais tarde, Edgard chamou o Nasi para participar do Subúrbio, no festival interno do colégio Objetivo. Nessa época, o grande hit do Subúrbio era "Pobre Paulista", que mais tarde viraria um dos grandes hits do Ira!. Em 1980, Edgard foi convocado para servir o exército, e foi lá onde Edgard iria compor N.B. ("Núcleo Base"), que por sua vez também viraria um grande hit do Ira!, um ano depois (em 1981), Nasi chamaria o amigo Edgard para tocar num show na PUC e ali surgiria o Ira!, ainda sem exclamação, e com nome inspirado no Exército Republicano Irlandês. Completavam a formação o baterista Fabio Scattone, e o baixista Adilson. Dois anos se passaram até que o produtor Pena Schimidt descobriu a banda, nessa época contando com Charles Gavin (viria a se tornar membro dos Titãs) na bateria e Dino (velho companheiro da antiga banda Subúrbio) no contrabaixo, e os levou até a gravadora Warner, onde o Ira! gravaria seu primeiro compacto. O compacto contava com as músicas "Gritos na Multidão" e "Pobre Paulista".

IRA![editar | editar código-fonte]

Em 1981, Nasi chamaria o amigo Edgard para tocar num show na PUC e ali surgiria o Ira!, ainda sem exclamação, e com nome inspirado no Exército Republicano Irlandês. Completavam a formação o baterista Fabio Scattone, e o baixista Adilson.

Dois anos se passaram até que o produtor Pena Schimidt descobriu a banda, nessa época contando com Charles Gavin (viria a se tornar membro dos Titãs) na bateria e Dino (companheiro da antiga banda Subúrbio) no contrabaixo, e os levou até a gravadora Warner, onde o Ira! gravaria seu primeiro compacto, IRA, que contava com as músicas "Gritos na Multidão" e "Pobre Paulista".

Os Primeiros LPs[editar | editar código-fonte]

Em março de 1985, após trocar Dino por Ricardo Gaspa, e Charles Gavin pelo ex-titã André Jung, o Ira!, com ponto de exclamação, gravaria seu primeiro LP; Mudança de Comportamento. Que conta com 11 faixas, entre elas "Núcleo Base", "Ninguém Precisa de Guerra", "Longe de Tudo" e "Ninguém Entende um Mod".

No ano seguinte, com maior prestígio dentro e fora da gravadora, a banda lançaria o LP Vivendo e Não Aprendendo. O disco, lançado em Setembro, era uma obra prima, trazia grandes hits como "Envelheço na Cidade", "Vitrine Viva", "Pobre Paulista" e "Gritos na Multidão", sendo as duas últimas gravadas ao vivo na Broadway em São Paulo.

O sucesso do grupo se consolidou quando a música Flores em Você entrou na trilha sonora da novela "O Outro" da rede Globo. O disco chegaria a marca de 200 mil cópias vendidas. O grupo era aclamado pela mídia, e Edgard Scandurra foi escolhido pela revista Bizz como o melhor guitarrista brasileiro. Edgard, um canhoto sui generis por não inverter as cordas da guitarra, tocava com grande velocidade.

Quatro meses depois, a banda ressurgiria com o lançamento do álbum Psicoacústica, que contava com um instrumental afiadíssimo. Dentre as oito longas faixas estavam "Rubro Zorro", "Manhãs de Domingo", "Farto de Rock 'n' Roll", e um rap de roda "Advogado do Diabo". O disco se tornaria a obra "cult" do Ira!.

No caminho para o quarto disco, Edgard Scandurra gravou um disco solo chamado "Amigos Invisíveis", onde tocava todos os instrumentos.

Década de 90[editar | editar código-fonte]

O primeiro disco da década de 90 foi o Clandestino, que trazia fortes influências do Cinema Novo que produziria bons momentos como "Nasci em 62", Melissa (com a participação especial de Paulo Villaça - Bandido da Luz Vermelha), "Cabeças Quentes" e "Consciencia Limpa".

Um surto de renovação e criatividade resultaria no disco 'Meninos da Rua Paulo, em 1991. O entusiasmo da banda ao cantar "Você Ainda Pode Sonhar", uma versão em português composta por Raul Seixas de "Lucy in the Sky with Diamonds", de Lennon e McCartney, foi um dos grandes momentos do disco. Essa versão foi originalmente gravada pela banda de rock 'Raulzito e os Panteras', no disco de mesmo nome, em 1968.

Em 1993 Nasi lança o primeiro disco solo com o projeto paralelo Nasi & os Irmãos do Blues, trabalho este voltado para o rhythm and blues.

Em 1994, o grupo lançou o sexto disco Música Calma para Pessoas Nervosas, obra que viria encerrar um ciclo do Ira! junto à Warner . Esse disco, autoproduzido pelo grupo, teve como destaque a música "Arrastão".

Em 1995, já na gravadora Paradoxx, o grupo lançou o disco 7 (o primeiro CD-ROM da banda, antes eram LPs) com destaque para "É Assim que me Querem". Como faixa bônus, "Nasci em 62", tirada de um show com participação de Arnaldo Antunes. O álbum foi gravado logo após uma turnê de quatro shows no Japão que culminaram com uma apresentação antológica no Club Cittá, templo do Rock no Japão.

No final de 1996, Edgard lançou seu segundo disco solo "Benzina", mesclando o rock clássico, já presente no Ira!, com novas tendências de música eletrônica.

Em maio de 1998, o Ira! lança o ousado Você Não Sabe Quem Eu Sou, álbum que incorpora algo da atitude criativa de "Psicoacústica" ao fazer do estúdio um laboratório para a criação de arranjos inusitados, o disco viria receber o prêmio de "Melhor Produção de Rock" da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte).

Deixando a gravadora Paradoxx, o Ira! desenvolve o embrião do que viria a ser seu nono disco ao produzir um CD demo, baseado em covers, que acabaria por conduzir o grupo para a Abril Music. Em novembro de 1999 o Ira! lança o aclamado Isso É Amor, CD que rapidamente ganharia as rádios e o prestígio de crítica levando o Ira! a ser considerado pela APCA "O Melhor Grupo de Música Popular de 1999"

Anos 2000 e o Reconhecimento da Mídia[editar | editar código-fonte]

Em 2000, a banda lança o MTV Ao Vivo gravado no Memorial da América Latina, em comemoração aos vinte anos de sucesso. Não faltam clássicos como "Tolices", "Envelheço na Cidade", "É assim que me querem" e "Flores em você". Seguido desse sucesso de vendas (cerca de 160.000 exemplares em CD e mais de 21.000 em DVD), o Ira! Apresenta-se no Rock In Rio III, no ano de 2001, para 250.000 pessoas (o recorde de público no Festival), um dos momentos mais marcantes na carreira da banda.

Ricardo Gaspa lança seu projeto paralelo de surf music "Huntington Bitches".

Em 2001 o grupo lança o CD Entre Seus Rins, apenas com músicas inéditas. Sendo a faixa Entre Seus Rins, que traz o nome do álbum, um grande sucesso.

Depois de preferir continuar atrelada às suas raízes punk e de lançar vários discos nos anos 80 e 90, o Ira! retoma o sucesso com o lançamento do Acústico MTV em 2004, que além de clássicos trouxe quatro faixas inéditas, e também participaçoes de três gerações diferentes na gravação: Paralamas do Sucesso, Samuel Rosa e Pitty. Consolidando, ainda mais, o Ira! entre os maiores nomes do rock brasileiro.

Em 2007, retornando a inéditas e ao rock clássico, o grupo lançou o álbum intitulado Invisível DJ. Ao todo o disco contém 12 faixas, com direito a regravação de Feito Gente, composta por Walter Franco na década de 70. Destaque para Mariana Foi pro Mar, tocada ao som de violão numa levada sessentista e Eu Vou Tentar, que se tornou um hit.

Invisível DJ viria a ser o último álbum da banda.

Brigas e término do grupo[editar | editar código-fonte]

No Inicio de setembro de 2007, após brigas com o irmão e empresário Airton Valadão, Nasi retirou-se da banda (indeterminadamente), antes do Ira! entrar de férias, algo previsto para 2008.[3] Em novembro de 2007, o guitarrista da banda, Edgard Scandurra anuncia através de uma conta do site Orkut, que a banda Ira! estava findada e que os membros restantes estariam agora com uma banda nova. Nessa banda a formação seria a mesma do grupo Ira!, exceto o vocal que seria assumido pelo guitarrista Edgard. O nome da banda seria Trio. Porém o projeto foi cancelado antes mesmo de acontecer, conforme informou o baterista Andre Jung, no mês de fevereiro de 2008.[1]

Com isso os ex-integrantes do Ira! assumiram totalmente seus projetos, até então, paralelos. Nasi, segue em carreira solo e já lançou três álbuns, um DVD e sua biografia A Ira de Nasi, escrita pelos jornalistas Mauro Beting e Alexandre Petillo e publicada em meados de 2012. Frequentemente faz participações em shows de outras bandas e especiais. Edgard Scandurra lançou seu DVD Ao Vivo, é guitarrista das cantoras Bárbara Eugênia e Karina Buhr, faz parte da banda de apoio de Arnaldo Antunes, retomou a banda Smack - outra banda que fez parte no início dos anos 80, além dos projetos Les Provocateurs, Pequeno Cidadão, A Curva da Cintura, ao lado de Arnaldo e o músico de Mali Toumani Diabaté e participa de shows da banda Cidadão Instigado. André Jung toca na banda F.A.U.T., ao lado de João Gordo, tem o projeto Urban ToTem, e é produtor de bandas novas do pop/rock nacional como Stevens e Manu Gavassi. Gaspa retomou a banda Gaspa & Os Alquimistas e gravou seu 1º álbum solo intitulado Gaspa The Bass Player, com as participações especiais de Marcelo Nova e Wander Wildner.

Reconciliação de Nasi com seu Irmão e ex-empresário[editar | editar código-fonte]

No dia 27 de junho de 2012, Nasi e Airton Valadão Júnior, irmão do cantor e ex-empresário da banda, anunciaram à imprensa uma reconciliação após cinco anos de brigas públicas e judiciais. Os irmãos pretendem encerrar os processos que moviam um contra o outro e a marca Ira!, que pertencia a Júnior, voltará para Nasi.[4] A volta da banda aos palcos não foi anunciada. No inicio do ano, em sua página no Facebook e no seu Blog, o vocalista disse que não queria voltar com o grupo, mas estava disposto a retomar a amizade com Edgard Scandurra.[5]

A Volta[editar | editar código-fonte]

Em meados de 2013, a amizade entre Nasi e Edgard Scandurra foi retomada. A reconciliação foi celebrada em um show beneficente realizado em 30 de outubro do mesmo ano, realizado no Espaço Traffô, localizado no bairro da Vila Olímpia, em São Paulo. O evento contou com a participação especial de Paulo Ricardo, Arnaldo Antunes, do trompetista Guizado, além de uma banda de apoio formada pelo multi instrumentista Johnny Boy, nos teclados, Daniel Scandurra, filho de Edgard, no baixo, e Felipe Maia na bateria. A renda do evento foi revertida para a Escola NANE, especializada em crianças com dificuldade de aprendizado. Após esse show, surgiu a possibilidade de um retorno definitivo aos palcos.[6] [7]

No dia 23 de janeiro de 2014, a volta da banda foi confirmada. A partir de maio, Nasi e Scandurra irão iniciar uma turnê com cerca de 200 shows, usando a marca Ira! até 2015. O novo show, intitulado Núcleo Base, um dos grandes hits da banda, irá passar pelas principais cidades brasileiras ao longo de dois anos, assim como fizeram na turnê acústica, realizada durante os anos de 2004 e 2005. O repertório será formado por grandes sucessos, canções Lado B, e músicas inéditas, que estarão disponíveis para download em breve. André Jung e Ricardo Gaspa, integrantes da formação clássica da banda entre 1985 e 2007, não farão parte dessa nova fase do grupo.[8] A nova formação deverá contar com membros das bandas de apoio de Nasi e Scandura.[9] [10]

Logos IRA! ao decorrer dos álbuns

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Linha do Tempo[editar | editar código-fonte]

Formação atual[11] [editar | editar código-fonte]

Antigos[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Dados[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum Tipo Vendas
1983 IRA Estúdio Sem Dados
1985 Mudança de Comportamento Estúdio 60.000 cópias
1986 Vivendo e Não Aprendendo Estúdio 285.000 cópias Platinum.png Platina
1988 Psicoacústica Estúdio 50.000 cópias
1990 Clandestino Estúdio 30.000 cópias
1991 Meninos da Rua Paulo Estúdio 6.430 cópias
1993 Música Calma para Pessoas Nervosas Estúdio 1.840 cópias
1996 7 Estúdio Sem Dados
1998 Você Não Sabe Quem Eu Sou Estúdio Sem Dados
1999 Isso é Amor Estúdio 80.000 cópias[12]
2000 MTV ao Vivo Ao Vivo 181.000 cópias Gold.png Ouro
2001 Entre seus Rins Estúdio Sem Dados
2004 Acústico MTV Ao Vivo 300.000 cópias Double Platinum.png 2× Platina
2007 Invisível DJ Estúdio Sem Dados
2011 Ira! e Ultraje a Rigor - Ao Vivo Rock in Rio[13] Ao Vivo Sem Dados

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Single Disco
1983 Pobre Paulista/Gritos na Multidão IRA
1985 Longe de Tudo Mudança de Comportamento
1985 Núcleo Base Mudança de Comportamento
1986 Tolices Mudança de Comportamento
1986 Envelheço na Cidade Vivendo e Não Aprendendo
1987 Flores em Você Vivendo e Não Aprendendo
1987 Dias de Luta Vivendo e Não Aprendendo
1987 Vitrine Viva Vivendo e Não Aprendendo
1988 Receita para se Fazer um Herói Psicoacústica
1988 Pegue essa Arma Psicoacústica
1990 Tarde Vazia Clandestino
1990 Nasci em 62 Clandestino
1991 Um Dia como Hoje Meninos da Rua Paulo
1992 Prisão das Ruas Meninos da Rua Paulo
1992 Você Ainda Pode Sonhar Meninos da Rua Paulo
1993 Arrastão Música Calma para Pessoas Nervosas
1994 O Homem é Esperto, mas a Morte é Mais Música Calma para Pessoas Nervosas
1995 Me Perco Nesse Tempo 7
1996 Eu Quero Sempre Mais 7
1996 Difícil é Viver 7
1996 É Assim que Me Querem 7
1997 Miss Lexotan 6 mg Garota Você Não Sabe Quem Eu Sou
1998 Eu Não Sei Você Não Sabe Quem Eu Sou
1998 Vou me Encontrar Você Não Sabe Quem Eu Sou
1999 Bebendo Vinho Isso é Amor
2000 Teorema Isso é Amor
2000 Vida Passageira MTV ao Vivo
2001 Tolices MTV ao Vivo
2001 Entre seus Rins Entre seus Rins
2002 Milhas e Milhas Entre seus Rins
2004 O Girassol Acústico MTV
2004 Tarde Vazia Acústico MTV
2005 Eu Quero Sempre Mais Acústico MTV
2005 Flerte Fatal Acústico MTV
2007 Eu Vou Tentar Invisível DJ
2007 Mariana Foi pro Mar Invisível DJ

Coletaneas[editar | editar código-fonte]

  • Geração Pop (WEA) 1993
  • 2 é Demais (WEA) 1996
  • Pop Brasil (WEA) 1997
  • 2 é Demais - Vol.2 (WEA) 1998
  • O Melhor da Música do IRA! (WEA) 1998
  • E-Collection (WEA) 2000
  • Warner 25 Anos (WEA) 2001
  • Warner 30 anos (WEA) 2006
  • Nova Série (WEA) 2007
  • Super 3 (WEA) 2009
  • Os Maiores Sucessos (Cooperdisk) 2011

Gravadoras[editar | editar código-fonte]

Ira! por outros artistas[editar | editar código-fonte]

Ira! em Trilhas Sonoras[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ira!