Nheengatu (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nheengatu
Álbum de estúdio de Titãs
Lançamento 12 de maio de 2014
Gravação 2014 no Estúdio Trama em São Paulo, Brasil. Mixado no Estúdio Tambor e masterizado no Magic Master (ambos no Rio de Janeiro, Brasil)[1]
Gênero(s) Punk Rock, rock alternativo
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Produção Rafael Ramos
Cronologia de Titãs
Último
Último
Cabeça Dinossauro ao Vivo 2012
(2012)
Próximo
Próximo
Singles de Nheengatu
  1. "Fardado"
    Lançamento: 28 de abril de 2014

Nheengatu é o décimo quarto álbum da banda brasileira de rock Titãs, lançado em 12 de maio de 2014.[2] [3] [4] É o primeiro lançamento da banda pela Som Livre e com o produtor Rafael Ramos,[2] [3] [4] além de ser também o primeiro trabalho de estúdio com o baterista convidado Mario Fabre, que substituiu Charles Gavin em 2010. O disco é dedicado a Rachel Salém,[1] esposa de Paulo Miklos, morta em 23 de julho de 2013 em decorrência de um câncer de pulmão.[5]

O álbum é considerado um trabalho de volta às raízes, com a banda deixando os sons românticos, leves e eletrônicos do disco anterior, Sacos Plásticos, e voltando a trabalhar com o peso de álbuns como Cabeça Dinossauro e Titanomaquia.[6] [7] [8] As letras estão mais ácidas, lidando com temas como pedofilia, violência policial, violência contra a mulher e intolerância sexual, racial e social.[6] [7] [9] [8]

Contexto[editar | editar código-fonte]

A primeira menção a um sucessor do Sacos Plásticos veio em maio de 2010, na época da saída do baterista Charles Gavin. Perguntado sobre então futuros projetos da banda, o tecladista, vocalista e baixista Sérgio Britto afirmou que a banda prepararia um disco de inéditas em 2011.[10]

Desde então, nada foi dito. Em 2012-2014, os Titãs realizaram as turnês Futuras Instalações e Titãs Inédito, nas quais tocavam, além dos hits, músicas novas, a título de teste,[11] [12] para um álbum então previsto para 2012/13.[13] De fato, dez das 14 faixas do álbum já haviam sido tocadas ao vivo nessas turnês.[14] A esta turnê, sucedeu a turnê Cabeça Dinossauro ao Vivo 2012 e a comemoração dos 30 anos da banda.

Em março de 2013, novos comentários sugeriam que a banda estava, de fato, pensando em algum trabalho novo. Enquanto gravavam um clipe para a faixa "Cabeça Dinossauro", parte da trilha sonora do filme Vai que Dá Certo, declararam a Mônica Bergamo que começariam os ensaios para as gravações do próximo disco de inéditas, na época previsto para o segundo semestre daquele ano.[15] A turnê de comemoração do aniversário do lançamento do Cabeça Dinossauro, segundo os integrantes, teve forte influência nos rumos do trabalho.[15] Na época, Sérgio comentou:[15]

Vai ser uma mistura entre 'Cabeça' (1986) e 'Õ Blésq Blom' (1989), como se isso fosse possível, pra gente se orientar, ter uma baliza estética. Ter tocado as músicas do 'Cabeça' na íntegra obviamente ajuda a recuperar um tipo de estética que a gente trabalhou tanto e fez tão bem naquela época, e acho que vai ajudar a gente a construir essa coisa nova

Na ocasião, a banda tinha a intenção de lançar um álbum independente.[15]

Em novembro de 2013, o vocalista e guitarrista Paulo Miklos confirmou que a banda começaria a trabalhar em um novo disco em abril ou maio de 2014. [12] Na época, ele previu o álbum como "pesado, sujo e malvado".[12] Na mesma época, Sergio Britto afirmou que a banda chegou a convidar Andreas Kisser para produzir o álbum, mas ele não pôde aceitar por conflitos de agenda com o Sepultura.[16] Posteriormente, ele confirmou que o disco seria lançado no início de maio e que a banda já estava gravando músicas em estúdio, mas o nome do novo trabalho ainda não estava decidido.[17] Em meados de março, a rádio Globo FM informou que o álbum seria lançado em abril pela Som Livre e conteria 14 faixas.[18] Em 16 de abril, a banda anunciou em sua página no Facebook que o álbum estava pronto e será lançado em maio.[19]

Em 28 de abril, a banda anunciou o título, a capa e a data de lançamento do disco.[2]

Conceito[editar | editar código-fonte]

A Torre de Babel, pintura de Pieter Bruegel na qual a capa do disco foi baseada.

O título do álbum significa "Língua Geral"[3] e é uma referência à língua artificial criada pelos jesuítas no Brasil para facilitar a compreensão entre os Povos indígenas do Brasil e os colonizadores portugueses.[2] Já a capa, baseada na pintura De "Kleine" Toren van Babel, de Pieter Bruegel,[2] [3] [4] retrata a Torre de Babel, torre mítica construída pelos homens para alcançar os céus, mas destruída pela ira de Deus, o que resultou na dispersão dos homens pela Terra, que então passaram a desenvolver idiomas próprias e não mais se entenderam.[2]

No anúncio do álbum em seu perfil oficial do Facebook, a banda explicou:[20]

Na tentativa de fazer uma foto instantânea do Brasil atual, as duas ideias se contrapõem bem: uma palavra (e uma linguagem) de entendimento para tentar explicar um mundo de desentendimento.

Em um dos primeiros ensaios da banda com sua nova formação (quatro membros, baterista contratado e nenhum outro músico de apoio), Paulo apresentou aos colegas uma espécie de manifesto do que os Titãs deveriam ser dali para frente.[14] Cada membro "entendeu aquilo de uma maneira diferente", mas a banda acabou chegando a um consenso.[14] Dali para frente, segundo Sérgio, a banda começou a trabalhar em duas ideias: "a de que a gente ia fazer um disco de rock cru e a de que ele deveria ter uma brasilidade explícita".[14]

Comentando sobre a influência do Cabeça Dinossauro no disco, o guitarrista Tony Bellotto explicou que o momento que o Brasil vivenciava na época da preparação do disco pode ser comparado ao momento que o Brasil vivia na época do Cabeça Dinossauro, ou seja, 1986:[21]

Naquele momento, o país vivia a inquietação, o que nos dava a sensação de as coias estarem saindo um pouco do controle. O fato de a turnê do Cabeça Dinossauro (de 2012) ter sido tão bem-sucedida acabou nos trazendo a certeza de que deveríamos fazer um disco pesado. Resolvemos radicalizar, não fazer música para tocar em rádio.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Rolling Stone Brasil 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[8]
Omelete 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[8]

O álbum tem recebido críticas positivas.

Bernardo Araujo d'O Globo classificou o álbum como "ótimo" e o considerou como "um dos mais bem tocados discos dos Titãs, e certamente o melhor em muitos anos".[6] Ele também elogiou o som do álbum, que, segundo ele, remete imediatamente a Cabeça Dinossauro, Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas, Tudo ao Mesmo Tempo Agora e Titanomaquia.[6] sobre as letras, ele afirmou: "Pedofilia, preconceito, racismo, pobreza, drogas... Não há tema espinhoso que não passe pelas letras das canções deste Nheengatu"[6]

Leonardo Rodrigues do UOL Música disse que o álbum pode ser "o último grande disco dos Titãs - ou apenas o primeiro de uma nova fase."[22] Comentando a formação da banda, o crítico afirmou que o grupo encontrou nela "seu melhor disco de inéditas desde Domingo, de 1995."[22] Ele elogiou o peso de "Fardado" (que ele viu como uma atualização "Polícia"), "Pedofilia", "Baião de Dois" e "Senhor".[22]

Julio Maria d'O Estado de S. Paulo classificou o álbum como "forte" e elogiou o disco por suas métricas nada óbvias, conquanto as melodias "precisam ser ouvidas duas vezes, quando penetram para sempre".[23] Ele também afirmou que "os Titãs derrubam aqui um preconceito que ganhava força a cada disco lançado por uma banda dos anos 80: a ideia de que a força do rock and roll contava com prazo de validade, de que ninguém com mais de 35 anos poderia fazê-lo como fazia aos 20."[23]

André Rrodrigues da Rolling Stone Brasil considerou Nheengatu o melhor álbum dos Titãs em anos [8] e também percebeu similaridades com Cabeça Dinossauro e Titanomaquia. Ele concluiu dizendo: "Nheengatu é uma paulado do começo ao fim".[8]

Regis Tadeu do Yahoo! Notícias chamou Nheengatu de "um belo disco, principalmente vindo de um grupo havia chegado ao fundo do poço em termos artísticos com seus dois álbuns anterioress".[24] Ele também apontou a ausência de baladas e considerou o discurso "reto e agressivo".[24]

Kaluan Bernardo do Omelete considerou o ábum "bom, sincero e urgente" e afirmou que "sobreviventes são os Titãs" (em referência ao verso "quem vive sobrevive", da faixa "Cadáver Sobre Cadáver") por conseguirem se reunir para gravar um disco "mesmo tendo perdido metade da sua formação e tendo sido negligenciados por um bom tempo depois de Sacos Plásticos".[25]

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Música Duração
1. "Fardado"   Sérgio Britto/Paulo Miklos 2:29
2. "Mensageiro da Desgraça"   Miklos/Tony Bellotto/Britto 3:30
3. "República dos Bananas"   Branco Mello/Angeli/Hugo Possolo/Emerson Villani 2:03
4. "Fala, Renata"   Bellotto/Miklos/Britto 3:02
5. "Cadáver Sobre Cadáver"   Miklos/Arnaldo Antunes 2:56
6. "Canalha" (cover de Walter Franco) Walter Franco 3:17
7. "Pedofilia"   Britto/Miklos/Belloto 2:03
8. "Chegada ao Brasil (Terra à Vista)"   Mello/Villani/Aderbal Freire 2:23
9. "Eu Me Sinto Bem"   Bellotto/Britto/Miklos 2:05
10. "Flores Para Ela"   Britto/Mario Fabre 3:32
11. "Não Pode"   Britto 2:15
12. "Senhor"   Bellotto 2:52
13. "Baião de Dois"   Miklos 2:44
14. "Quem São os Animais?"   Britto 2:24

Créditos[1] [editar | editar código-fonte]

Titãs[editar | editar código-fonte]

Membro de apoio[editar | editar código-fonte]

Pessoal técnico[editar | editar código-fonte]

  • Rafael Ramos - produção
  • Jorge Guerreiro - gravação
  • Vitor Farias - mixagem
  • Ricardo Garcia - masterização
  • Cristina Doria - produção executiva
  • André Rola - design gráfico[2]

Referências

  1. a b c (2014). "Anotações de Nheengatu". Em Nheengatu [encarte do CD]. São Paulo: Som Livre.
  2. a b c d e f g h Novo disco dos Titãs se chama 'Nheengatu' e tem pintura de Bruegel na capa Vírgula. Universo Online (28 de Abril de 2014). Página visitada em 28 de Abril de 2014.
  3. a b c d Souza, Henrique Inglez de (28 de Abril de 2014). Titãs: novo álbum chama-se 'Nheengatu' e será lançado em maio Guitar Player. Universo Online. Página visitada em 28 de Abril de 2014.
  4. a b c Vieira, João Victor (28 de Abril de 2014). Novo álbum do Titãs está pronto e será lançado em maio Reduto do Rock.. Página visitada em 28 de Abril de 2014.
  5. Morre Rachel Salém, mulher do cantor Paulo Miklos Caras. Grupo Abril (24 de julho de 2013). Página visitada em 12 de maio de 2014.
  6. a b c d e Araujo, Bernardo (14 de maio de 2014). Crítica: ‘Nheengatu’, a hidra de quatro cabeças dos Titãs O Globo. Organizações Globo. Página visitada em 15 de maio de 2014.
  7. a b Menezes, Thales de (16 de maio de 2014). Titãs misturam 'Cabeça Dinossauro' e 'Titanomaquia' em álbum de inéditas Folha de S. Paulo. Grupo Folha. Página visitada em 16 de maio de 2014.
  8. a b c d e f Guia de CDs - nheengatu Spring (16 de junho de 2014). Página visitada em 27 de junho de 2014.
  9. Del Ré, Adriana (21 de maio de 2014). Titãs criam crônicas da sociedade atual conduzidas pelo rock pesado O Estado de S. Paulo. Grupo Estado. Página visitada em 22 maio de 2014.
  10. Campanharo, Carol (25 de Maio de 2010). TITÃS: Sérgio Britto fala sobre a saída de Charles Gavin Extra. Infoglobo. Página visitada em 28 de Abril de 2014.
  11. Voltar Titãs - Inédito - Metrópolis 15/10/2013 Metrópolis. TV Cultura (16 de outubro de 2013). Página visitada em 13 de novembro de 2013.
  12. a b c Bernardo, Kaluan; Luz, Camila (3 de novembro de 2013). Perdidos entrevista: Paulo Miklos (Titãs).
  13. "Titãs apresenta o show "Futuras Instalações" nesta sexta em SP", Uol Música, 2011-10-28. Página visitada em 2011-11-02. (em Portuguese)
  14. a b c d Essinger, Silvio (14 de maio de 2014). Em novo disco, a fúria renovada dos Titãs O Globo. Organizações Globo. Página visitada em 15 de maio de 2014.
  15. a b c d Bergamo, Mônica (24 de março de 2014). Com 30 anos de estrada, Titãs se unem à nova geração do humor em filme e preparam disco Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Página visitada em 28 de Abril de 2014.
  16. Rock Brasil Cast – Edição #10 (4 de novembro de 2013). Página visitada em 23 de julho de 2014.
  17. O rock dos Titãs Tribuna do Norte. (14 de fevereiro de 2014). Página visitada em 14 de fevereiro de 2014.
  18. Titãs vai lançar novo álbum em abril (em portuguese) Globo FM. Organizações Globo (10 de março de 2014). Página visitada em 11 de março de 2014.
  19. Announcement Página oficial dos Titãs no Facebook. Facebook (16 de abril de 2014). Página visitada em 16 de abril 2014.
  20. Anúncio do álbum Página oficial do grupo. Facebook (28 de Abril de 2014). Página visitada em 28 de Abril de 2014.
  21. Peixoto, Mariana. (18 de maio de 2014). "Titãs para quem precisa". Estado de Minas (26.396). Diários Associados.
  22. a b c Rodrigues, Leonardo (20 de maio de 2014). Com os olhos no passado, Titãs lança o melhor disco em duas décadas UOL Música. Grupo Folha. Página visitada em 20 de maio de 2014.
  23. a b Maria, Julio (21 de maio de 2014). Forte, novo disco recoloca os Titãs como um dos principais grupos do País O Estado de S. Paulo. Grupo Estado. Página visitada em 22 de maio de 2014.
  24. a b Titãs retomam o seu poder de fogo em “Nheengatu” Yahoo! (2 de julho de 2014). Página visitada em 20 de julho de 2014.
  25. Nheengatu - Titãs - Crítica (24 de maio de 2014). Página visitada em 20 de julho de 2014.


Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Titãs é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.