Paulo Ricardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo Ricardo
Informação geral
Nome completo Paulo Ricardo Oliveira Nery de Medeiros
Nascimento 23 de setembro de 1962 (52 anos)
Origem Rio de Janeiro, RJ
País  Brasil
Gênero(s) Rock, Rock Progressivo, New Wave, Romântica, Pop Rock, MPB
Instrumento(s) Vocal, Baixo, Guitarra, Violão
Período em atividade 1984-presente
Gravadora(s) CBS
Afiliação(ões) Prisma, Aura, RPM, PR.5
Página oficial pauloricardo.com

Paulo Ricardo Oliveira Nery de Medeiros[1] (Rio de Janeiro, 23 de setembro de 1962) é um cantor, baixista,ator e compositor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Paulo Ricardo Oliveira Nery de Medeiros, cantor, compositor, intérprete, baixista, guitarrista, jornalista e ator, brasileiro. Nasceu no Rio de Janeiro no dia 23 de setembro de 1962, no bairro da Urca. A relação com a música começou cedo. Na infância ouvia de Toquinho, Vinícius e Maria Creuza a Nat King Cole e as coletâneas das famosas Big Bands. Depois de morar no Rio de Janeiro, Brasília e Florianópolis, montou sua primeira banda em 1978, em São Paulo, com o amigo Ismael. Cursou Jornalismo na ECA da USP e após conhecer o tecladista Luiz Schiavon, formou uma nova banda, Aura, sem resultados expressivos. Em 1982 foi para Londres onde escrevia a coluna “Via aérea” sobre música europeia para a revista “SomTrês” e teve contato com as cenas tecnopos, new wave e o pós-punk, além dos expoentes do pop/rock britânico. As constantes correspondências com Luiz Schiavon, no Brasil, mantinham a amizade/parceria iniciada em 1978.

1983 - 1992[editar | editar código-fonte]

Após seis meses voltou para o Brasil e com Schiavon montou a banda RPM juntamente com o guitarrista Fernando Deluqui e o baterista Moreno Junior, substituído em seguida por Paulo P. A. Pagni. O RPM começou a se apresentar em várias casas noturnas paulistanas e chamou atenção das gravadoras. Fechou um contrato inédito para cinco álbuns com a CBS. O disco Revoluções por Minuto, foi gravado nos estúdios Transamérica em São Paulo, entre 1984 e 1985, com produção de Luiz Carlos Maluly. O disco vendeu mais de 500 mil cópias. Em 1986 lançaram o álbum ao vivo Rádio Pirata ao Vivo, no qual foi dirigido por Ney Matogrosso, e que vendeu mais de 2,7 milhões de cópias por todo o país.[2] Em 1988 lançaram o álbum RPM (conhecido como Quatro Coiotes), que embora tenha vendido mais 200 mil cópias,[2] não evitou que a banda acabasse no ano seguinte.

Com o fim do RPM, Paulo Ricardo decide seguir em carreira solo. O primeiro trabalho foi lançado em 1989, intitulado “Paulo Ricardo” tinha a participação de Fernando Deluqui e trazia os hits “A um Passo da Eternidade” e “A Fina Poeira do Ar” com participação de Rita Lee. Em 1991 é lançado seu segundo álbum, “Psico Trópico”, onde o rock continuava pulsando.

1993 – 1999[editar | editar código-fonte]

Em 1993, o trabalho seguinte teve o nome do RPM – “Paulo Ricardo & RPM”. Fernando Deluqui participou do álbum e na composição das canções. Destaque para “Ninfa”, música em parceria com Paulo P.A. Pagni. Em 1996, lançou o trabalho “Rock Popular Brasileiro”, onde fez uma releitura de vários clássicos do rock e do pop nacional. A participação de Renato Russo em “A Cruz e a Espada” se tornou um hit, 10 anos após seu lançamento com o RPM. A partir daí a carreira de Paulo Ricardo começou à trilhar o caminho do pop-romântico, mostrando a influência que Roberto Carlos sempre teve em sua adolescência. “O Amor me Escolheu” de 1997, mostra esta tendência e Paulo Ricardo gravou sucessos de Djavan, Jorge Ben, Fagner e apresentou o hit “Dois” em parceria com Michael Sullivan, incluída na trilha sonora da novela “Corpo Dourado” da Rede Globo, em 1998. “Dois” foi eleita a música mais tocada no Brasil naquele ano. A canção “Tudo por nada” - versão em português para “My heart can´t tell you no”, gravada por Rod Stewart em 1988 - foi o tema de abertura da novela “Pérola Negra” do SBT em 1998. Com “Amor de verdade” de 1999, Paulo Ricardo, expôs todo seu lado romântico e fez uma homenagem à Roberto Carlos. O trabalho é permeado por regravações do Rei e com destaque para a inédita "Como se fosse a primeira vez", parceria com Michael Sullivan, onde os compositores utilizaram títulos de músicas de Roberto Carlos para compor a canção. Já a música “Sonho Lindo” foi abertura da novela “A Usurpadora” do SBT em 1999.

2000 – 2009[editar | editar código-fonte]

O álbum “Paulo Ricardo”, marcado novamente pelo conteúdo romântico, foi lançado pela Universal no ano 2000 e trouxe 13 canções, das quais 11 foram compostas com o parceiro Michael Sullivan.

Em 2001, Paulo Ricardo regravou “Imagine”, música de John Lennon, que foi tema da novela “Estrela-Guia” da Rede Globo. A regravação e a versão em português foi autorizada pessoalmente à Paulo Ricardo por Yoko Ono, viúva do ex-Beatle. Ainda em 2001, Paulo Ricardo voltou a trabalhar com os parceiros do RPM e lançou o single "Vida Real", que foi tema de abertura do programa Big Brother Brasil da Rede Globo. No final do mesmo ano teve início o trabalho com a MTV para lançamento de um especial do RPM com CD e DVD. O álbum "MTV RPM 2002", foi gravado ao vivo no teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, nos dias 26 e 27 de março 2002. O trabalho vendeu mais de 300 mil cópias do CD e 50 mil cópias do DVD. O ano de 2002 foi repleto de realizações. A Dreamworks convidou Paulo Ricardo para fazer a trilha sonora da versão brasileira do filme Spirit - O Corcél Indomável, que teve a versão original em inglês gravada pelo cantor por Bryan Adams. Com este trabalho, recebeu prêmio da DreamWorks de melhor performance vocal internacional na tradução de Spirit. Em novembro, do mesmo ano, Paulo Ricardo iniciou sua participação, como ator, na novela “Esperança” da Rede Globo, no papel de Samuel, par romântico de Camille, interpretada por Ana Paula Arósio. Além disso, compôs e interpretou com o RPM a música “Onde está meu amor?”, música tema da personagem de Nina, interpretada por Maria Fernanda Cândido. Em 2003, após divergências entre os integrantes, o RPM novamente é desfeito. Paulo Ricardo retomou o trabalho como cantor e iniciou um novo projeto: o grupo PR.5. A banda foi formada pelo próprio Paulo Ricardo, Paulo P.A. Pagni ex-RPM, Jax Molina, Juninho, Paulinho Pessoa e Yann Lao ex- Metrô. Em 2004 foi lançado o trabalho “Zum Zum”. Em 2005, com a banda PR.5, lançou o CD e DVD Acoustic Live, onde interpretou sucessos internacionais de bandas e cantores que tiveram alguma influência na fase inicial de sua formação musical. Neste trabalho, destaca-se as interpretações de “Beautiful Girls” do INXS, "Tonight's the Night (Gonna Be Alright)" de Rod Stewart e “Your Song” de Elton John. Em novembro de 2006, Paulo Ricardo lançou o CD “Prisma”, nome de sua primeira banda. O novo trabalho apresentou canções inéditas de sua autoria e de vários parceiros. O CD também marcou a volta da parceria com Luiz Schiavon na canção “O dia D, a Hora H”. O trabalho é indicado em 2007 ao Prêmio Grammy Latino, na categoria melhor álbum pop contemporâneo. Em dezembro de 2007 é lançado o livro “Revelações Por Minuto”, contando a história do RPM de autoria de Marcelo Leite de Moraes com fotos de Rui Mendes.

O tão esperado BOX comemorativo dos 25 anos do RPM é lançado em julho de 2008, contendo os três CDs da banda, um CD de raridades e um DVD com o show “Rádio Pirata” de 1986 no Anhembi em São Paulo e gravações de programas como Chacrinha, Mixto Quente e Globo Repórter.

2010 – 2012[editar | editar código-fonte]

Em 2010, a Rede Globo produziu o especial “Por Toda a minha Vida” sobre o RPM. O programa apresentou a trajetória da banda do início até o fim em 1989. Com depoimentos dos próprios músicos e de pessoas ligadas à história da banda, o programa foi um estopim para um novo retorno. No início de 2011 Paulo Ricardo e Luiz Schiavon já estavam compondo novas canções e ensaiando com Fernando Deluqui e Paulo P.A. Pagni. O show que marcou o retorno foi no encerramento da Virada Cultural em São Paulo, no dia 17 de abril de 2011. O lançamento oficial da nova turnê da banda foi no dia 20 de maio do mesmo ano, no Credicard Hall, em São Paulo, apresentando as novas canções e os clássicos dos anos 80. Já o lançamento do álbum “Elektra” foi no dia 18 de novembro de 2011, no Citibank Hall, no Rio de Janeiro. O novo trabalho, traz um CD duplo com 12 canções inéditas, com destaque para “Dois Olhos Verdes”, “Muito Tudo”, “Ela é Demais (Pra mim)” e a regravação de “Ninfa”. O CD 2, é composto por sete, das doze canções inéditas, remixadas pelo DJ Joe K.

Carreira como ator[editar | editar código-fonte]

Interpretou o personagem Samuel na telenovela Esperança, exibida pela Rede Globo de 2002 à 2003. Sua participação na novela rendeu á emissora 43 pontos de pico. Em 2014 fez uma participação no filme Apneia, onde foi dirigido por Mauricio Eça.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]


Discografia[editar | editar código-fonte]

Com RPM[editar | editar código-fonte]

Solo[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Com PR.5[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

  • 2004: Zum Zum

Referências

  1. PAULO RICARDO - O cantor e compositor fala de sua carreira solo e sua relação com o RPM (em português) Trip (22 de maio de 2009). Visitado em 7 de setembro de 2012.
  2. a b Moacyr Vieira Martins (Novembro de 2004). Entrevista com Paulo Ricardo (em português) Trip. Visitado em 7 de setembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Paulo Ricardo