Lyda Monteiro da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lyda Monteiro da Silva (Niterói, 5 de dezembro de 1920Rio de Janeiro, 27 de agosto de 1980) foi uma vítima morta em um atentado à bomba na sede da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro.[1] [2]

Atentado[editar | editar código-fonte]

Lida era a mais antiga funcionária da OAB, secretária do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil quando, aos 60 anos de idade, abrindo a correspondência, fez explodir uma carta-bomba no início da tarde da quarta-feira, dia 27 de agosto de 1980. O artefato lhe decepou o braço, além de outras mutilações, e provocou a morte tão logo foi hospitalizada.[3]

Além do atentado à Ordem, outras ações ocorreram na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e na sede do jornal ligado ao Partido Comunista do Brasil, Tribuna da Luta Operária, o primeiro com seis feridos e o segundo, um artefato de pouca potência estourado na madrugada, provocou estragos materiais.[3] Uma outra carta-bomba havia sido enviada à ABI, mas foi desativada por seu presidente, Barbosa Lima Sobrinho, haver sido avisado por telefonema anônimo.

Em seu editorial do dia seguinte aos crimes o jornal Folha da Manhã declarou que, embora ninguém houvesse assumido a autoria dos atentados terroristas, estes certamente vieram de setores que tinham interesse em interromper o processo de Abertura do país rumo à democracia, então levada a termo pelo governo do general João Baptista de Figueiredo.[3]

Funcionária da Ordem dos Advogados do Brasil, onde ingressou em 1936, aos 16 anos de idade, ocupou também o cargo de Diretora do Conselho Federal da OAB, no Rio de Janeiro e em 1980 era secretária do então presidente da OAB no Rio de Janeiro, Eduardo Seabra Fagundes, quando foi vítima de um atentado à bomba na sede da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro.

Na ocasião, a OAB era presidida por Eduardo Seabra Fagundes, tendo como vice Sepúlveda Pertence que declarou ter sido aquele "foi um dos dias mais chocantes da minha vida". Pertence era o Presidente em exercício da entidade classista, e chegava ao prédio momentos após o atentado. Segundo seu relato, feito 24 anos depois, "Desde aquele dia se pode dizer que cresceu a autoridade da OAB para a luta pela retomada do processo democrático".[4]

Em 27 de agosto de 1980, Lyda faleceu vítima de atentado terrorista organizado por grupos extremistas de direita do Brasil, que executaram a chamada Operação Cristal, no governo do General João Baptista de Oliveira Figueiredo.[5]

Atuação dos advogados[editar | editar código-fonte]

Na época , o Brasil encontrava-se no chamado "Estado de Exceção" [6] e os advogados cerravam fileiras na luta pelas liberdades democráticas.

O atentado indignou a Sociedade brasileira que viu o ato como um ato terrorista naqueles anos de autoritarismo. O dia da morte de Lyda Monteiro , tornou-se o Dia Nacional de Luto dos Advogados.

Evidências[editar | editar código-fonte]

A carta bomba endereçada ao então presidente da OAB no Rio de Janeiro, Eduardo Seabra Fagundes, de quem Lyda era secretária, explodiu às 14:00 horas do dia 27 de agosto de 1980, nas mãos de Lyda Monteiro. Ela veio falecer no caminho para o Hospital Souza Aguiar , no Rio de Janeiro.

Sua morte foi dada como resultado de "ato de sabotagem ou terrorismo". O registro de ocorrência 3ª Delegacia de Polícia tem o número 0853.

Na explosão que resultou em sua morte saiu ferido outro funcionário, José Ramiro dos Santos.

O óbito de n° 313 foi assinado pelo Dr. Hygino C. Hércules, do Instituto Médico Legal, tendo como declarante Joaquim Alves da Costa.

Lyda foi enterrada no dia seguinte no Cemitério São João Batista (RJ) com grande participação dos movimentos sociais, enter eles o grupo Tortura Nunca Mais que desempenhou papel fundamental na busca por Justiça pelas vítimas da Ditadura. O acontecimento teve cobertura da Imprensa Nacional e Internacional.

Operação Cristal[editar | editar código-fonte]

No mesmo dia 27, mais duas cartas-bomba foram entregues, no Rio de Janeiro: - Uma no Gabinete do vereador Antonio Carlos de Carvalho (PMDB) - Outra na sede do Jornal Tribuna da Imprensa

Na época, durante o governo do General João Baptista de Oliveira Figueiredo, os inquéritos foram abertos e nada foi apurado.

Reação da OAB[editar | editar código-fonte]

Em Nota Pública, divulgada em 27 de Agosto de 2007, o presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso apontou que o atentado que vitimou Lyda Monteiro em 1980, continua encoberto pelo manto da impunidade e simboliza o Dia Nacional de Luto dos Advogados.

Luiz Flávio Borges D´Urso acrescentou: "Ainda é preocupante que o atentado não tenha sido solucionado e os culpados punidos. A morte de Lyda Monteiro da Silva continua encoberta pelo manto da impunidade, que acoberta tantos outros casos de violência e pode, infelizmente, levar a população a desacreditar nas instituições."[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ordem dos Advogados do Brasil - Lyda Monteiro - Ordem dos Advogados do Brasil - Lyda Monteiro: Filho quer reabrir caso Lyda Monteiro.
  2. Senado Federal do Brasil - Caso Lyda Monteiro - OAB - Notícias 27 de Junho de 2003.
  3. a b c Folha de São Paulo (28 de agosto de 1980). Bomba do Terror Causa Morte no Rio; OAB, Câmara Municipal e Jornal são Atacados. Visitado em 31 de janeiro de 2010.
  4. Bomba na OAB: Pertence diz que foi o dia mais triste da sua vida (27 de Agosto de 2004). Visitado em 31 de janeiro de 2010.
  5. Lyda Monteiro da Silva - Ordem dos Advogados do Brasil 1980 morta em atentado terrorista de grupos de extrema direita [1] Grupo Tortura Nunca Mais .
  6. Ordem dos Advogados do Brasil - Estado de Exceção [2] Ordem dos Advogados do Brasil - Estado de Exceção .
  7. Ordem dos Advogados do Brasil Lembra Lyda Monteiro da Silva morta em atentado terrorista a Sede da OAB/RJ em 1980 [3] Luiz Flávio Borges D´Urso presidente da OAB SP 27 de Agosto de 2007 .
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: João Baptista de Oliveira Figueiredo