Eunício Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Eunício Oliveira
Foto:Waldemir Barreto/Agência Senado
Senador pelo  Ceará
Mandato 1 de fevereiro de 2011
até a atualidade
Deputado federal pelo  Ceará
Mandato 1 de fevereiro de 1999
até 31 de janeiro de 2011
(3 mandatos consecutivos)
Ministro das Comunicações do  Brasil
Mandato 23 de janeiro de 2004
até 14 de julho de 2005
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor(a) Miro Teixeira
Sucessor(a) Hélio Costa
Vida
Nascimento 30 de setembro de 1952 (61 anos)
Lavras da Mangabeira, CE
Dados pessoais
Cônjuge Mônica Paes de Andrade
Partido PMDB
Profissão Empresário

Eunício Lopes de Oliveira (Lavras da Mangabeira, 30 de setembro de 1952)[1] é um político, agropecuarista e empresário brasileiro. Foi ministro das Comunicações no governo Luiz Inácio Lula da Silva, de 23 de janeiro de 2004 a 14 de julho de 2005.[1]

Formado em Administração de Empresas e Ciências Políticas no Centro Universitário de Brasília (CEUB), proprietário de empresas, especialmente de limpeza e conservação no Distrito Federal. Casado com Mônica Paes de Andrade, filha do ex-embaixador do Brasil em Portugal e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Antônio Paes de Andrade, tendo quatro filhos: Rodrigo Antônio, Manuella, Maria Eduarda e Marcela.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

Eunício Lopes de Oliveira saiu de casa aos 12 anos, na cidade de Lavras da Mangabeira, no interior do Ceará, para estudar na capital. Aos 14 anos já trabalhava numa fábrica de biscoitos, onde começou como degustador de biscoitos. Em seu primeiro emprego rapidamente assumiu o cargo de gerente. Sua primeira ligação no movimento estudantil ocorreu quando foi morar na Casa do Estudante do Ceará. Em seu segundo ano como morador, Eunício foi eleito presidente da instituição.

Antes de se dedicar a política, Eunício fez carreira como empresário e agropecuarista. Em 1998 iniciou na política elegendo-se presidente do PMDB-CE quando ainda não tinha mandato eletivo. No mesmo ano elegeu-se como o deputado federal mais votado do PMDB com 98 mil votos. [1] Na eleição seguinte reelegeu-se com 190 mil votos.[1] Em fevereiro de 2007 iniciou o seu terceiro mandato como deputado federal, quando foi eleito pelo Ceará, no pleito de 2006, com mais de 240 mil votos.[1]

Atuação[editar | editar código-fonte]

Incluído entre os 32 parlamentares de todo o país (no total a Câmara é composta por 513 deputados) que se elegeram sozinhos, atingindo o chamado quociente eleitoral, Eunício Oliveira foi o deputado mais votado de seu partido e o segundo da coligação (PMDB, PT, PC do B e PHS) que elegeu Cid Gomes governador do Ceará e deu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, proporcionalmente, a segunda maior votação (82%) no Estado.

No Congresso, se empenhou nas negociações de apoio político do PMDB ao governo Lula, fato que o credenciou para ocupar o cargo de Ministro das Comunicações (2004/2005) do presidente Lula.[1] Eunício encontra-se filiado ao mesmo partido há 40 anos, desde 1972 no antigo MDB que, extinto em 1981, originou o PMDB.

Em 2008, Eunício foi reconduzido à Presidência Estadual do PMDB-CE, quando teve seu nome indicado por unanimidade para continuar os trabalhos frente à legenda, no Biênio 2009/2010 no Estado. Ainda em 2009, foi reconduzido ao cargo de vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados. Aos 57 anos, Eunício Oliveira elegeu-se Senador Federal nas eleições 2010. Na comunidade chinesa do Brasil, foi dado ao Senador Eunício Oliveira o nome de Ou Angning (Chinês tradicional: 歐昂寧 ou Chinês simplificado: 欧昂宁)

Na Câmara, Eunício foi relator para a área de infra-estrutura na Comissão Mista de Orçamento, levando o Governo Federal a destinar mais de R$ 90 milhões para Complexo do Castanhão, além de recursos para obras consideradas importantes em todo o Nordeste e, pelo volume de projetos de lei e participação nas comissões temáticas da Câmara, é tido como um dos mais atuantes. Atuou ainda como membro titular da Comissão Mista do Orçamento e presidiu em 2010 a Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, além da Tesouraria Nacional do PMDB.

Eunício foi responsável pela criação da Lei Nº 11.322, denominada pelo presidente Lula de lei Eunício Oliveira, que renegociou as dívidas de mais de 350 mil famílias de agricultores de todo o Brasil.

Lei Eunício Oliveira[editar | editar código-fonte]

Eunício é relator da MP 285, que permitiu aos agricultores da região da Agência Nacional de Desenvolvimento do Nordeste (ADENE) renegociar dívidas que, há mais de dez anos, havia levado para os cadastros de inadimplentes os nomes desses agricultores e impediam novos empreendimentos rurais na região. Batizada como “Lei Eunício Oliveira”, a Lei 11.322, beneficiou mais de 350 mil famílias do semi-árido nordestino, principalmente no Ceará.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Miro Teixeira
Ministro das Comunicações do Brasil
20042005
Sucedido por
Hélio Costa
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.