Ibiúna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município da Estância Turística de Ibiúna
Bandeira da Estância Turística de Ibiúna
Brasão da Estância Turística de Ibiúna
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 24 de março
Fundação 24 de março de 1857
Gentílico ibiunense
Prefeito(a) Eduardo Anselmo Domingues Neto (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização da Estância Turística de Ibiúna
Localização da Estância Turística de Ibiúna em São Paulo
Estância Turística de Ibiúna está localizado em: Brasil
Estância Turística de Ibiúna
Localização da Estância Turística de Ibiúna no Brasil
23° 39' 21" S 47° 13' 22" O23° 39' 21" S 47° 13' 22" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Macro Metropolitana Paulista Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[1]
Microrregião Piedade Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[1]
Municípios limítrofes Alumínio, Cotia, Juquitiba, Mairinque, Miracatu, Piedade, São Lourenço da Serra, São Roque, Tapiraí e Votorantim.
Distância até a capital 70 km
Características geográficas
Área 1 059,689 km² [2]
População 71 228 hab. Censo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2010[3]
Densidade 67,22 hab./km²
Altitude 996 m
Clima subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,746 alto Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/2000[4]
PIB R$ 591 752,242 mil Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[5]
PIB per capita R$ 8 810,29 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[5]
Página oficial

Ibiúna é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 23º39'23" sul e a uma longitude 47º13'21" oeste, estando a uma altitude de 996 metros. Sua população estimada em 2010 era de 71.217 habitantes.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade vem da língua tupi e significa "terra preta", através da junção das palavras yby ("terra") e un ("preta").[6]

Estância turística[editar | editar código-fonte]

Ibiúna é um dos 29 municípios paulistas considerados "estâncias turísticas" pelo estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por lei estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do estado para a promoção do turismo regional. O município também adquire o direito de agregar, junto a seu nome, o título de "estância turística", termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade foi colonizada por portugueses, espanhóis, italianos, japoneses e árabes. Surgiu a partir de uma fazenda que tinha como ponto central uma capela onde hoje se encontra a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores.

Foi sede, em 1968, do XXX Congresso da União Nacional dos Estudantes,[7] que resultou na prisão de 719 estudantes[8] .

A antiga prefeitura, que funcionava no prédio onde funcionou a Telesp, foi construída onde fora, outrora, antigo cemitério. À época da construção, o cemitério foi aterrado. Moradores antigos contam episódios de crânios e restos humanos espalhados pelo centro da cidade, nos anos 1970.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Distritos existentes: Carmo Messias e Paruru (Lei Municipal Número 401, de 1997) O município de Ibiúna se localiza na bacia fisiográfica do Paranapiacaba, apresentando, a sede municipal, as seguintes coordenadas geográficas: latitude S.23'39'20' - longitude W.Gr.47'13'31' e distante em linha reta da capital do estado em 63 km. A localização geográfica do município de Ibiúna é a região sudeste do estado de São Paulo, nas encostas da Serra do Paranapiacaba.

Topografia[editar | editar código-fonte]

A topografia do município é bastante variável, uma vez que esta se localiza nas encostas da serra do Paranapiacaba, normalmente ondulada, acidentada e montanhosa. A maioria das terras possuem declividade superior a doze por cento, podendo atingir cem por cento nas regiões mais altas. Por esta razão, a maior parte da agricultura local é desenvolvida nas terras de encostas e meia encosta, devido à ausência generalizada de planícies. Possui 62,9 por cento da Represa de Itupararanga em suas terras.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Ibiúna é o subtropical, com verões amenos chuvosos e invernos amenos e sub-secos, tendo temperatura média anual em torno de dezessete graus centígrados, sendo o mês mais frio julho, com média de treze graus centígrados e o mês mais quente fevereiro, com média de 22 graus centígrados. A precipitação média anual gira em torno de 1 400 milímetros. Geadas ocorrem durante todo o outono e inverno, quando existem influências das massas de ar polares que afetam a região nesta época do ano. Ibiúna é considerada como uma das cidades mais frias da região onde se localiza, segundo o senso comum.

Temperatura máxima já registrada 36°C.

Temperatura mínima já registrada -4°C.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo de 2010

População Total: 71.217

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Rio Una
  • Rio Sorocabuçu
  • Rio Sorocamirim

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-250 Bunjiro Nakao
  • Rodovia Tancredo Neves ( vicinal)
  • Rodovia Julio Dal Fabbro ( vicinal)
  • Rodovia Quintino de Lima

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística de número 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. [1]
  7. [2]
  8. Caravana da Anistia homenageia estudantes presos em Ibiúna em 1968. Agência Brasil (10/10/2008). Página visitada em 28 de Março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]