Miriam Leitão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2013).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Míriam Leitão
Miriam Leitão (foto: Elza Fiuza/ABr)
Nascimento 7 de Maio de 1953 (61 anos)
Caratinga,
 Minas Gerais
Ocupação Jornalista, economista, escritora
Nacionalidade  brasileira

Miriam Azevedo de Almeida Leitão (Caratinga, 7 de abril, 1953) é uma jornalista brasileira. Desde 1991 é funcionária das Organizações Globo, onde emite suas opiniões na área do jornalismo econômico e de negócios. Essas opiniões são publicadas por veículos de imprensa destas organizações: TV Globo, Rádio CBN, Globo News e O Globo.

Biografia

Nascida em Caratinga, Minas Gerais, filha da Dona Mariana e do Reverendo Uriel de Almeida Leitão. Formada na Universidade de Brasília, exerce a profissão há 40 anos. Iniciou sua carreira em Vitória, estado do Espírito Santo, tendo atuado em diversos órgãos de comunicação, seja em jornal, rádio e televisão, tais como Gazeta Mercantil, Jornal do Brasil, Veja, O Estado de S. Paulo, coluna Panorama Econômico de O Globo, Rádio CBN, Globo News e Rede Globo. Foi repórter de assuntos diplomáticos da Gazeta Mercantil e editora de economia do Jornal do Brasil.

Em 1972, quando estava grávida, foi presa e torturada[1] física e psicologicamente pelo Regime militar no Brasil por ser militante do Partido Comunista do Brasil.[2]

Míriam Leitão é a terceira jornalista brasileira mais premiada de todos os tempos, de acordo com ranking elaborado pelo Jornalistas & Companhia, no ano de 2013.[3]

Entre os prêmios recebidos estão: Jornalismo Econômico Ayrton Senna, Jornalista do Ano pela Ordem dos Economistas do Brasil, da Federação Internacional de Jornalistas pelo combate à desigualdade racial, o prêmio “Maria Moors Cabot” da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, Prêmio de Jornalismo Econômico Ibero-Americano de 2012, Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos de 2012. Vários Prêmios Comunique-se nas categorias de jornalismo impresso e eletrônico. Prêmio Esso de Informação Científica e Ambiental em 2013, pela reportagem feita com os índios Awá com o fotógrafo Sebastião Salgado.

Tem cinco livros publicados: “Convém Sonhar” e “Saga Brasileira”, Editora Record. O “Saga” ganhou o Jabuti de Livro Reportagem e o Jabuti de Livro do Ano de Não Ficção da Câmara Brasileira do Livro em 2012. Em 2013 lançou o infantil “A perigosa vida dos passarinhos pequenos”,  que recebeu da Fundação Nacional do Livro Infantil o selo de “Altamente Recomendável” e em 2014 “A menina do nome enfeitado” pela Rocco. Em 2014 lançou “Tempos Extremos”, ficção, pela Intrínseca.

Estilo

Para Luís Erlanger, que levou Míriam para O Globo, ela é a jornalista mais completa do país. Para o comentarista econômico Carlos Alberto Sardenberg, ela "nunca se contentou com as explicações oficiais.[4]

Conhecida por ser uma "comentarista econômica" [5] e pela "fama de brigona",[6] o choro da jornalista ao falar sobre a morte de Zilda Arns contrapõe, segundo Alberto Dines, "o mito da objetividade" e "torna a profissão do jornalista menos burocrática, menos fleumática".[7]

Reportagem, opinião e análise

Em decorrência da morte do ex-presidente argentino Néstor Kirchner no dia 27 de outubro de 2010, Miriam postou em seu blog que com a morte do ex-presidente "acaba o Kirchnerismo", no sentido de que o estilo de governar do presidente argentino estaria chegando ao fim.[8] No dia 23 de outubro de 2011, Cristina Kirchner foi reeleita presidente da Argentina no primeiro turno das eleições, mas a grave crise econômica que atingiu o país nos anos seguintes fez sua popularidade cair drasticamente. Pesquisa recente aponta que 67,5% dos argentinos desaprovam o seu governo.[9] No ano de 2014, o país entrou em nova moratória e o que agravou sua crise cambial. [10]

Durante a Crise Financeira Internacional, em 29 de junho de 2009, Miriam Leitão escreveu o seguinte sobre a previsão de crescimento do Ministro Guido Mantega de 4,5% do PIB de 2010: "Ele fez uma afirmação de que em 2010 o Brasil está preparado para crescer 4,5%. É temerário dizer isso". De fato, o alto crescimento de 7,5% daquele ano foi acima do potencial do PIB e fez a inflação se distanciar do centro da meta durante todo o mandato da presidente Dilma Rousseff.[11]

Míriam Leitão tem alertado para o congelamento de vários preços da economia brasileira, entre eles, o da gasolina e da energia elétrica. Com enorme experiência na cobertura do assunto durante os anos 80, a jornalista opina que essa não é a melhor estratégia para conter o IPCA, pois provoca distorções na economia. No caso da gasolina, a Petrobras seria a principal prejudicada, pois é obrigada a importar o produto e revender internamente a um preço mais baixo, tendo enormes prejuízos em seus caixa e aumentando o seu nível de endividamento. No caso das tarifas de energia elétrica, a expectativa de forte aumento da tarifa a partir de 2015 faz com que as previsões para a inflação continuem elevadas, dificultando o trabalho do Banco Central.[12]

Atenta aos riscos da crise bancária nos Estados Unidos, Míriam Leitão postou em seu blog, às 22h do domingo, dia 14 de dezembro, que a quebra de um grande banco era motivo de forte preocupação na maior economia do mundo. Na manhã do dia seguinte, o Lehman Brothers decretou falência, levando a economia mundial à recessão.[13]

Míriam Leitão alertava em 2009 que os fortes empréstimos dados pelo BNDES ao grupo de Eike Batista não eram saudáveis à economia e expunham o banco a riscos de um único grupo. Em 2013, várias empresas do grupo entraram em concordata.[14]

Edição na página da Wikipédia

Em 8 de agosto de 2014, uma matéria do portal de O Globo[15] afirmou que um dispositivo conectado à internet através da rede sem fio do Palácio do Planalto alterou, em maio de 2013, informações das páginas de Miriam e Carlos Alberto Sardenberg na Wikipédia, com o objetivo de difamá-los. As informações inseridas no artigo de Miriam qualificavam suas análises e previsões econômicas como "desastrosas", além de acusá-la de ter defendido "apaixonadamente" o banqueiro Daniel Dantas quando este foi preso pela Polícia Federal.[16] Esta última acusação ocorreu em razão de comentário de Miriam na Rádio CBN onde ela defendia a inocência de Dantas.[17]

O Palácio do Planalto, em nota, explicou que não possui maneiras de identificar o autor das críticas, uma vez que o endereço IP usado na alteração era utilizado tanto pela sua rede interna quanto pela rede sem fio do Palácio. Isso possibilitaria a qualquer visitante do Planalto realizar tal alteração.[18]

As Organizações Globo foram criticadas por divulgar alterações das biografias de seus contratados na Wikipédia, ferramenta de caráter colaborativo e aberta à edição de todos e que, segundo seu próprio criador, Jimmy Wales, não deve ser usada como fonte primária de informação.[16] Também foram criticadas por só terem noticiado as alterações em plena campanha eleitoral de 2014.[16] O jornalista Miguel do Rosário divulgou que um usuário que navegava através da rede da Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo inseriu uma calúnia na biografia do músico Raul Seixas.[19] Ele também relatou que já visitou o Palácio do Planalto e que teve acesso à senha da rede sem fio do gabinete presidencial.[19]

Obras

  • Convém Sonhar (2010)[20]
  • A Saga Brasileira (2011)[21]
  • A Perigosa Vida dos Passarinhos Pequenos (2013)
  • Tempos Extremos (2014)
  • A Menina do Nome Enfeitado (2014)

Prêmios

  • Jornalismo para Tolerância - 2003 (Federação Internacional de Jornalistas – FIJ)
  • Orilaxé - 2003 (Grupo AfroReggae)
  • Ayrton Senna de Jornalismo Econômico - 2004
  • Camélia da Liberdade - 2005 (Ceap – Centro de Articulação de Populações Marginalizadas)
  • Maria Moors Cabot Prize - 2005 (Escola de Jornalismo da Universidade de Colúmbia)
  • Jornalista Econômico 2007, concedido pela Ordem dos Economistas do Brasil
  • Prêmio Jabuti - 2012, Livro do Ano de não ficção e Livro-Reportagem, com "Saga brasileira: a longa luta de um povo por sua moeda"[22]

Referências

  1. Mídia - Míriam Leitão Revista Época (05/12/2007). Visitado em 16/08/2009.
  2. Pereira, Inês (2012). Multimiriam Portal Negócios da Comunicação Centro de Estudos da Comunicação (CECOM). Visitado em 9 de Agosto de 2014.
  3. Jornalistas & Companhia, jornalistas mais premiados de todos os tempos (20 de janeiro de 2013).
  4. O jornalismo multimídia de Míriam Leitão - Observatório da Imprensa, 22 de agosto de 2007 (visitado em 21-1-2010).
  5. Uma colonoscopia do Estado brasileiro - Observatório da Imprensa, 11 de julho de 2007 (visitado em 21-1-2010).
  6. Minha função é incomodar mesmo - Folha de S.Paulo, 15 de setembro de 2002 (visitado em 21-1-2010).
  7. O jornalista quando chora - Observatório da Imprensa, 13 de janeiro de 2010 (visitado em 21-1-2010).
  8. http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2010/10/27/morte-de-kirchner-altera-quadro-politico-atual-a-sucessao-335937.asp
  9. Cristina Kirchner vê popularidade cair e vice envolvido em escândalo Globo News (03/03/2014).
  10. http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/10/cristina-kirchner-e-reeleita-presidente-da-argentina.html
  11. http://oglobo.globo.com/economia/miriam/?a=73&periodo=200906
  12. http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2013/01/31/gasolina-melhor-fiscal-de-precos-o-consumidor-484544.asp/
  13. http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2008/09/14/bancos-temem-efeito-domino-da-quebra-do-lehman-126213.asp
  14. http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2009/03/17/e-de-deixar-de-boca-aberta-bndes-virar-socio-de-eike-batista-169406.asp
  15. PAULO CELSO PEREIRA (08/08/2014). Planalto altera perfil de jornalistas na Wikipédia com críticas e mentiras O Globo. Visitado em 08/08/2014.
  16. a b c Wilson Ferreira (10 de agosto de 2014). O "escândalo da Wikipédia" e a autofagia da Globo Vermelho. Visitado em 11 de agosto de 2014.
  17. Áudio da CBN com opinião de Mírian Leitão sobre a inocência de Daniel Dantas CBN. Visitado em 11/08/2014.
  18. Diogo Alcântara (8/8/2014). Planalto: é "impossível" rastrear responsável por alteração Notícias Terra. Visitado em 8/8/2014.
  19. a b Miguel do Rosário (9 de agosto de 2014). "Governo tucano difama Raul na Wikipédia Vermelho. Visitado em 24 de agosto de 2014.
  20. Obras Publicadas de Miriam Leitão. (em português) Livraria da Folha. Visitado em 19 de julho de 2011.
  21. Miriam Leitão lança livro sobre a economia brasileira em Curitiba (em português) (21 de julho de 2011). Visitado em 21 de julho de 2011.
  22. G1. Miriam Leitão e Stella Maris Rezende ganham o Prêmio Jabuti 2012. Acesso 29 de novembro de 2012

Ligações externas

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.