Rodrigo Constantino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rodrigo Constantino
Nome completo Rodrigo Constantino dos Santos
Nascimento 4 de julho de 1976 (37 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação economista
Influências
Magnum opus Prisioneiros da Liberdade

Rodrigo Constantino dos Santos, (Rio de Janeiro, 4 de julho de 1976) é um economista e colunista brasileiro. Foi articulista da revista "Voto"[1] e escreve regularmente para os jornais "Valor Econômico" e "O Globo". A partir de agosto de 2013, passou a escrever também para a revista semanal "Veja".[2] Presidente do Instituto Liberal[3] e um dos fundadores do Instituto Millenium,[4] foi considerado em 2012 pela revista Época, como um dos "novos trombones da direita" brasileira.[5]

Vida acadêmica[editar | editar código-fonte]

Em 1998, Rodrigo Constantino graduou-se em economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Em 2000, obteve um MBA em Finanças pela Ibmec Business School do Rio de Janeiro.[6]

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

Rodrigo Constantino atuou no mercado financeiro de 1997 à 2013, tendo sido analista do banco FonteCindam entre 1997 e 1999.[7] Foi diretor da Graphus Capital entre 2005 e 2013.[8]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Rodrigo Constantino e Olavo de Carvalho[editar | editar código-fonte]

Em 2003, Rodrigo Constantino começou a publicar artigos (como Rodrigo C. dos Santos) no site conservador "Mídia sem Máscara", dirigido por Olavo de Carvalho.[9] Ao longo do tempo, as divergências entre ambos foram se acentuando (particularmente em questões envolvendo e religião cristã, defendidas por Olavo de Carvalho).[10] Romperam publicamente em 2007, após um bizarro debate levado a cabo no Orkut, com trocas de acusações, insultos e intervenções de partidários de ambos os lados.[11] [12]

Nos anos seguintes, Constantino tentou sem grande sucesso uma reaproximação com seu antigo mentor, chegando mesmo a incentivar a leitura de seus livros.[13] Olavo de Carvalho, contudo, não parece mais tê-lo em grande conta,[14] como demonstra este trecho de um artigo publicado em fevereiro de 2013 no "Diário do Comércio":

Sendo o sr. Constantino aceito em certos círculos como porta-voz do liberalismo econômico iluminista, disciplina em cujo domínio o ex-ministro Ciro Gomes demonstrou que ele tem a agilidade de uma tartaruga de pernas para o ar, é compreensível que ele pense que todo mundo que não é igual a ele nem comunista deva ser um esquisitão do tipo Rajneesh ou Reverendo Moon.[15]

Ideias polêmicas[editar | editar código-fonte]

  • O Estatuto do Idoso: em artigo de 2003 para o site "Mídia Sem Máscara", Rodrigo Constantino denunciou a "face vermelha de Lula", a qual seria evidenciada pela aprovação do Estatuto do Idoso. De acordo com o Estatuto, os planos de saúde não poderiam mais reajustar seus preços por mudança de faixa etária.[16] Segundo Rodrigo Constantino, o discurso de "tudo pelo social" (na verdade, um slogan do governo de José Sarney)[17] e a redução das desigualdades sociais seriam uma "utopia romântica e ignorante dos socialistas" e terminaria em "caos total", do qual se salvaria apenas a "cúpula de poder".[18]
  • Patrimônio da Humanidade: neste artigo publicado em 2006, Rodrigo Constantino defende a privatização da Floresta Amazônica, que seria entregue à administração de empresas de reflorestamento (dentre as quais ele cita nominalmente Aracruz, Klabin, Suzano e Votorantim). Para embasar seu raciocínio, ele faz uma comparação entre tubarões e vacas: "os tubarões, no meio do oceano, não possuem donos, diferente das vacas, com proprietários bem definidos". Os tubarões, conforme lembra ele, "podem estar ameaçados de extinção, mas as vacas dificilmente correm tal risco". O que diferencia tubarões de vacas é o "direito de propriedade privada".[19] O artigo, contudo, não aborda como seria feita essa hipotética privatização de tubarões.[20]
  • Livre Mercado de Órgãos Humanos: em artigo publicado em 2006, Rodrigo Constantino levanta uma das bandeiras do Instituto Ludwig von Mises, o "livre mercado de órgãos humanos".[21] [22] Ele discorre sobre um estudo efetuado pelo economista e Prêmio Nobel Gary Becker, em favor de um livre mercado de compra e venda de órgãos humanos para transplante. Rodrigo Constantino afirma que a questão moral deve ser deixada de lado em nome da liberdade individual. "Podemos até considerar a ideia da venda de um rim repulsiva, mas não temos o direito de vetá-la, usando a força estatal, a quem pensa diferente", ele conclui.[23]
  • Pedofilia: uma orientação sexual?: ao comentar, em outubro de 2013, uma suposta categorização da pedofilia como "orientação sexual" ou "preferência" pela American Psychiatric Association (APA), algo que foi desmentido pela citada entidade,[31] e um artigo intitulado "Paedophilia: bringing dark desires to light" publicado no "jornal britânico de esquerda The Guardian",[32] Rodrigo Constantino comenta que a "propaganda esquerdista" e os "intelectuais de esquerda" haviam chegado "ao limite de tolerar ou mesmo até respeitar os pedófilos".[33] E alerta aos seus leitores:
Melhor manter seus filhos e filhas bem longe dos progressistas moderninhos! A verdadeira desordem psiquiátrica é justamente esse esquerdismo doente, que relativiza tudo e não encontra mais parâmetro algum de comportamento decente.[33]
  • O “rolezinho” da inveja. Ou: A barbárie se protege sob o manto do preconceito: discorrendo sobre o fenômeno social das periferias urbanas conhecido como "rolezinho", em janeiro de 2014, Rodrigo Constantino classificou os que dele participam como "bárbaros incapazes de reconhecer a própria inferioridade" e que "morrem de inveja da civilização".[34] Diante da repercussão negativa aos seus comentários,[35] [36] justificou-se em seguida afirmando:
(...)o comportamento de algumas pessoas denota clara barbárie, falta de apreço pela civilização, pelo respeito aos demais, às regras e normas da sociedade, aos preceitos básicos de uma boa educação, que não depende de renda.[37]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Foi o vencedor do Prêmio Libertas em 2009[38] , no XXII Fórum da Liberdade.

Obras[editar | editar código-fonte]

Como autor[editar | editar código-fonte]

  • 2004: Prisioneiros da Liberdade
  • 2005: Estrela Cadente: As Contradições e Trapalhadas do PT
  • 2007: Egoísmo Racional: O Individualismo de Ayn Rand
  • 2008: Uma Luz na Escuridão
  • 2009: Economia do Indivíduo: O Legado da Escola Austríaca
  • 2011: Liberal com Orgulho
  • 2012: Privatize Já: pare de acreditar em intrigas eleitorais e entenda como a privatização fará o Brasil um país melhor
  • 2013: Esquerda caviar: a hipocrisia dos artistas e intelectuais progressistas no Brasil e no mundo

Como coautor[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rodrigo Constantino lança livro Privatize Já. Revista Voto (15-11-2012). Página visitada em 20-11-2013.
  2. Rodrigo Constantino (1-08-2013). Veja (revista)Texto inaugural - uma apresentação. Página visitada em 20-11-2013.
  3. Rodrigo Constantino (em português). Blogger. Página visitada em 10-10-2013.
  4. Instituto Millenium. Instituto Millenium - Quem Somos. Página visitada em 10-10-2013.
  5. Paulo Nogueira (19-04-2012). Época (revista)Os novos trombones da direita. Página visitada em 20-11-2013.
  6. LinkedInRodrigo Constantino. Página visitada em 20-11-2013.
  7. Terrapinn Holdings Ltd.: Mr. Rodrigo Constantino. Página visitada em 20-11-2013.
  8. Graphus Capital: Equipe. Página visitada em 20-11-2013.
  9. Mídia Sem MáscaraTextos publicados no "Mídia Sem Máscara" (7-10-2003). Página visitada em 20-11-2013.
  10. Olavo de Carvalho (11-02-2007). Rodericus Constantinus Grammaticus, o anti-estudante ou: O Homem do Mim. Página visitada em 20-11-2013.
  11. Rodrigo Constantino (12-02-2007). Resposta a Olavo. Página visitada em 20-11-2013.
  12. Olavo de Carvalho e Rodrigo Constantino trocando farpas (18-02-2007). Página visitada em 20-11-2013.
  13. Rodrigo Constantino (9-09-2013). Veja (revista)Não seja um idiota: leia o livro de Olavo de Carvalho. Página visitada em 20-11-2013.
  14. Olavo de Carvalho (10-05-2012). Diário do ComércioDiálogo no elevador. Página visitada em 20-11-2013.
  15. Olavo de Carvalho (07-02-2013). Diário do ComércioSujeitinho temível. Página visitada em 20-11-2013.
  16. IDEC: Planos de saúde para idosos: entenda melhor as regras para reajuste. Página visitada em 20-11-2013.
  17. Juliana Vilas (30-10-2002). ISTOÉA prioridade nº1. Página visitada em 20-11-2013.
  18. Rodrigo Constantino (3-10-2003). Mídia Sem MáscaraO Estatuto do Idoso. Página visitada em 20-11-2013.
  19. Rodrigo Constantino (23-02-2006). Patrimônio da Humanidade. Página visitada em 20-11-2013.
  20. Marco Aurélio Weissheimer (13-04-2010). Carta MaiorFórum da Liberade oscila entre o fascismo e o delírio. Página visitada em 20-11-2013.
  21. William L. Anderson; Andy Barnett (Abril de 1999). Instituto Ludwig von MisesWaiting for Transplants (em inglês). Página visitada em 20-11-2013.
  22. Walter Block (19-11-2008). Instituto Ludwig von Mises BrasilEm defesa de um livre mercado para órgãos do corpo. Página visitada em 20-11-2013.
  23. Rodrigo Constantino (28-06-2006). Livre Mercado de Órgãos Humanos. Página visitada em 20-11-2013.
  24. Luísa Roig Martins (20-11-2013). O Estado de S. PauloDia da Consciência Negra: menos de 20% das cidades aderem ao feriado. Página visitada em 20-11-2013.
  25. Rodrigo Constantino (20-11-2007). Feriado Racista. Página visitada em 20-11-2013.
  26. Folha de S. PauloAmericanos comemoram feriado em homenagem a Martin Luther King (17-01-2011). Página visitada em 20-11-2013.
  27. Rodrigo Constantino (8-08-2012). Privatizem a Petrobras!. O Globo. Página visitada em 20-11-2013.
  28. StatoilThe Norwegian state (em inglês) (24-06-2011). Página visitada em 20-11-2013.
  29. O Estado de S. PauloGoverno eleva de 57,5% para 64% fatia de controle na Petrobras (28-09-2010). Página visitada em 20-11-2013.
  30. Beatriz Olivon (19-03-2013). Exame (Brasil)Noruega é país mais democrático; Brasil é 44º. Página visitada em 20-11-2013.
  31. Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal (7-11-2013). Nota de esclarecimento sobre a polêmica envolvendo a pedofilia no DSM-V. Página visitada em 20-11-2013.
  32. Jon Henley (3-01-2013). The GuardianPaedophilia: bringing dark desires to light (em inglês). Página visitada em 20-11-2013.
  33. a b Rodrigo Constantino (31-10-2013). Veja (revista)Pedofilia: uma orientação sexual?. Página visitada em 20-11-2013.
  34. Rodrigo Constantino (14-01-2014). Veja (revista)O "rolezinho" da inveja. Ou: A barbárie se protege sob o manto do preconceito. Página visitada em 20-01-2014.
  35. Cadu Amaral (17-01-2014). brasil247.com: Rodrigo Constantino: símbolo de uma elite podre. Página visitada em 20-01-2014.
  36. Kiko Nogueira (16-01-2014). Diário do Centro do Mundo: A histeria racista da criminalização dos "rolezinhos". Página visitada em 20-01-2014.
  37. Rodrigo Constantino (14-01-2014). Veja (revista)Da inferioridade dos boçais. Ou: Cultura não é raça e comportamento não é genética!. Página visitada em 20-01-2014.
  38. Rodrigo Constantino será homenageado com o Prêmio Libertas no XXII Fórum da Liberdade (26-03-2009). Página visitada em 10-10-2013.