Carlos Heitor Cony

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Heitor Cony Academia Brasileira de Letras
Cony (foto ABr)
Nacionalidade  Brasileiro
Data de nascimento 14 de março de 1926 (88 anos)
Local de nascimento Rio de Janeiro
Ocupação Jornalista e escritor
Obra(s) de destaque Quase Memória
Pessach: A Travessia

Carlos Heitor Cony (Rio de Janeiro, 14 de março de 1926) é um jornalista e escritor brasileiro. É editorialista da Folha de São Paulo e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) desde 2000[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os pais de Carlos Heitor Cony foram Ernesto Cony Filho, jornalista, e Julieta Moraes Cony. Cony pronunciou suas primeiras palavras aos cinco anos, em reação ao barulho provocado por um hidroavião em Niterói[2] . Foi alfabetizado em casa. Estudou em um seminário em Rio Comprido[3] até 1945, quando abandonou antes de ordenar-se padre. Chegou a cursar a Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil, mas interrompeu também antes de concluir, e teve sua primeira experiência como jornalista no Jornal do Brasil cobrindo férias de seu pai[2] [4] [5] .

Trabalhou como funcionário público da Câmara Municipal do Rio de Janeiro até 1952, quando se tornou redator da Rádio Jornal do Brasil. Em 1960 entrou para o Correio da Manhã, jornal que publicara o polêmico editorial "Basta!" contra João Goulart[6] . Cony foi um dos que se arrependeram de apoiar a queda de Goulart[6] que resultou no golpe militar de 1964 e veio depois a opor-se abertamente ao golpe, tendo sido preso por seis vezes ao longo do período do regime militar[1] . Como editorialista do Correio da Manhã,[7] escreveu textos de crítica aos atos da ditadura militar. Foi incitado a se demitir do matutino (cerca 1965). Atualmente, recebe pensão do governo federal em decorrência de legislação que autoriza pagamento de indenização aos que sofreram danos materiais e morais vitimados pela ditadura militar.[8] O benefício, chamado de prestação mensal permanente continuada, foi aprovado pela Comissão de Anistia em 21 de junho de 2004, correspondendo à época em cerca de 23 mil reais, que seria o salário que receberia no jornal caso não tivesse sido obrigado a se desligar. O valor mensal foi à época limitado a R$ 19.115,19, então o teto do funcionalismo.[9]

Carlos Heitor já publicou contos, crônicas e romances. Seu romance mais famoso é de 1995, Quase Memória, que vendeu mais de 400 mil exemplares. Esse livro marca seu retorno à atividade de escritor/romancista.[10] Seu romance, A Casa do Poeta Trágico, foi escolhido o Livro do Ano, obtendo o Prêmio Jabuti, na categoria ficção.

Desde 2006, seus livros são publicados pela Editora Objetiva, que pretende relançar toda a sua obra.

Cquote1.svg Numa das seis prisões durante o regime militar, um coronel me perguntou por que eu escrevia tanta besteira no jornal em que então trabalhava. Dei razão a ele. Até hoje, acho que não fiz outra coisa. Cquote2.svg
Carlos Heitor Cony[11]

Lorbeerkranz.pngImortal da Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Foi eleito para a cadeira 3 cujo patrono é Artur de Oliveira, em 23 de março de 2000, sendo o seu quinto ocupante. Foi recebido em 31 de maio do mesmo ano por Arnaldo Niskier.[12] Suas qualidades literárias e estilísticas são, porém, contestadas por boa parte da crítica, que as julga supervalorizadas graças aos contatos de Cony no mundo político, financeiro e filantrópico[carece de fontes?].

Obras[13] [editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

  • 1958 - O Ventre
  • 1959 - A Verdade de Cada Dia
  • 1960 - Tijolo de Segurança
  • 1961 - Informação ao Crucificado
  • 1962 - Matéria de Memória
  • 1964 - Antes, o Verão
  • 1965 - Balé Branco
  • 1967 - Pessach: A Travessia
  • 1973 - Pilatos
  • 1995 - Quase Memória
  • 1996 - O Piano e a Orquestra
  • 1997 - A casa do Poeta Trágico
  • 1999 - Romance sem Palavras
  • 2001 - O Indigitado
  • 2003 - A Tarde da sua Ausência
  • 2006 - O Adiantado da Hora
  • 2007 - A Morte e a Vida

Crônicas[editar | editar código-fonte]

  • 1963 - Da Arte de Falar Mal
  • 1964 - O Ato e o Fato
  • 1965 - Posto Seis
  • 1998 - Os Anos mais Antigos do Passado
  • 1999 - O Harém das Bananeiras
  • 2002 - O Suor e a Lágrima
  • 2004 - O Tudo ou o Nada
  • 2009 - Para ler na Escola

Contos[editar | editar código-fonte]

  • 1968 - Sobre Todas as Coisas - reeditado sob o título "Babilônia! Babilônia!"
  • 1978 - Babilônia! Babilônia!
  • 1997 - O Burguês e o Crime e Outros Contos

Ensaios biográficos[editar | editar código-fonte]

  • 1965 - Charles Chaplin
  • 1972 - Quem Matou Vargas
  • 1982 - JK - Memorial do Exílio
  • 1985 - Teruz

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

  • 1975 - O Caso Lou - Assim é se lhe Parece
  • 1981 - Nos passos de João de Deus
  • 1996 - Lagoa

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1975 - A Noite do Massacre

Infanto-juvenis[editar | editar código-fonte]

  • 1965 - Quinze Anos
  • 1977 - Uma História de Amor
  • 1979 - Rosa, Vegetal de Sangue
  • 1979 - O Irmão que tu me Deste
  • 1986 - A Gorda e a Volta por Cima
  • 1989 - Luciana Saudade
  • 2002 - O Laço Cor-de-rosa

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Roteiros para o cinema[editar | editar código-fonte]

Documentários[editar | editar código-fonte]

  • 1983 - JK – 7 anos Sem a Sua Companhia (Rede Manchete)
  • 1983 - JK – A Voz da História (Rede Manchete)
  • 1984 - Vargas – A Vida e a História (Rede Manchete)

Prefácios e introduções[editar | editar código-fonte]

Com outros autores[editar | editar código-fonte]

Em parceria[editar | editar código-fonte]

  • 2000 - O Presidente Que Sabia Javanês - com charges de Angeli
  • 2001 - As Viagens de Marco Polo - com Lenira Alcure
  • 2001 - O Mistério das Aranhas Verdes - com Anna Lee
  • 2001 - Wolff Klabin: A Trajetória de um Pioneiro - com Sergio Lamarão e Rosa Maria Canha
  • 2002 - O Mistério da Coroa Imperial - com Anna Lee
  • 2003 - O Mistério das Joias Coloniais - com Anna Lee
  • 2003 - O Crime Mais Que Perfeito - com Anna Lee
  • 2003 - O Beijo da Morte - com Anna Lee, Editor Objetiva, 2003,ISBN 85-7302-572-7
  • 2004 - O Mistério da Moto de Cristal - com Anna Lee
  • 2005 - A Joia dos Reis – Ilha Grande - com Anna Lee
  • 2005 - Liberdade de Expressão I e II - com Heródoto Barbeiro e Artur Xexéo
  • 2007 - O Mistério Final - com Anna Lee
  • 2007 - As Rapaduras são Eternas - com Anna Lee
  • 2009 - O Monstro da Lagoa de Abaeté - com Anna Lee

Traduções[13] [editar | editar código-fonte]

México[editar | editar código-fonte]

  • Pessach: la travesia. tradução de Jorge Humberto Robles

França[editar | editar código-fonte]

  • Quasi-mémoires - tradução de Henri Raillard
  • La traversée - tradução de Philippe Poncet

Portugal[editar | editar código-fonte]

  • Informação ao Crucificado
  • Quase-memória

Espanha[editar | editar código-fonte]

  • Quase-memória

Adaptações de suas obras[13] [editar | editar código-fonte]

Para o cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1968 - Antes, o Verão - direção e roteiro de Gerson Tavares
  • 1968 - Um Homem e Sua Jaula - direção de Fernando Coni Campos e co-direção de Paulo Gil Soares; roteiro de ambos.
  • 1975 - Você Tem Alguma Ideia Sobre a Ideia Que Pretende Ter? - roteiro de Antônio Moreno, Pedro Ernesto Stilpen e Olivar Luiz
  • 2000 - Pilatos – Melopeia, Fanopeia & Logopeia, episódio V de Isabelle Trouxe Alguns Amigos - roteiro de Felipe Rodrigues, com a colaboração de Barbara Kahane e Patrick Pessoa

Para o teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1988 - Pilatos - Peça de Mário Prata
  • 1995 - Pilatos. Peça de Roberto Barbosa

Prêmios[13] [editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Releituras - Carlos Heitor Cony. Visitado em 17/01/2011.
  2. a b Millen, Juliana de Castro (Maio, 2012). O biográfico na performance literária de Carlos Heitor Cony ISSN: 1983 - 8379 Universidade Federal de Juiz de Fora - VI Simposio em Literatura, Crítica e Cultura. Visitado em 22 de Junho de 2014.
  3. Carlos Heitor Cony revela os livros que deixou de fazer. Visitado em 17/01/2011.
  4. Banco de Dados da Folha. Biografia de Escritores brasileiros: Carlos Heitor Cony UOL Educação. Visitado em 22 de Junho de 2014.
  5. Nogueira Jr., Arnaldo. Projeto Releituras Releituras. Visitado em 22 de Junho de 2014.
  6. a b Amado, João (03/04/2007). Os jornalistas e o golpe de 1964 Observatório da Imprensa. Visitado em 22 de Junho de 2014.
  7. Carlos Heitor Cony - Biografia. Visitado em 17/01/2011.
  8. Reparações milionárias causam polêmica. Visitado em 17/01/2011.
  9. Comissão de Anistia aprova indenizações. Folha de S. Paulo, 22/06/2004.
  10. Os meus dias Conyventes. Visitado em 17/01/2011.
  11. CONY, Carlos Heitor. Sociedade, mídia e autocrítica. Folha de S. Paulo, 27/01/2006.
  12. Carlos Heitor Cony é eleito como imortal da ABL. Visitado em 17/01/2011.
  13. a b c d Carlos Heitor Cony - Bibliografia. Visitado em 17/01/2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote


Precedido por
Jorge Amado, João Silvério Trevisan e José Roberto Torero
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
1996, com
Ivan Ângelo e Rodrigo Lacerda
Sucedido por
João Gilberto Noll, Fausto Wolff, Flávio Moreira da Costa e Luiz Alfredo Garcia Roza
Precedido por
João Gilberto Noll, Fausto Wolff, Flávio Moreira da Costa e Luiz Alfredo Garcia Roza
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
1998
com Márcio Souza e Sérgio Sant'Anna
Sucedido por
Carlos Nascimento Silva, Sônia Coutinho e Modesto Carone
Precedido por
Carlos Nascimento Silva, Sônia Coutinho e Modesto Carone
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
2000, com
Moacyr Scliar e Flávio Aguiar
Sucedido por
Milton Hatoum
Precedido por
Herberto Sales
Lorbeerkranz.png ABL - quinto acadêmico da cadeira 3
2000 — atualidade
Sucedido por